Cafezinho das 3: por que as manifestações de domingo floparam?

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Alexandre determina retomada da tramitação de inquérito contra Bolsonaro

Por Redação

31 de julho de 2021 : 09h54

Por Severino Goes – Conjur

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, determinou nesta sexta-feira (30/7) a retomada da regular tramitação do inquérito que apura suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. O caso foi iniciado pela Procuradoria-Geral da República no ano passado, depois que Sergio Moro, ex-ministro da Justiça, levantou a suspeita contra o presidente da República.

No dia 20 deste mês, o ministro já havia prorrogado o inquérito por mais 90 dias, pela terceira vez. Em seu despacho desta sexta, Alexandre considera a necessidade de que sejam feitas diligências pendentes para o prosseguimento das investigações, não se justificando a suspensão da tramitação que havia sido decretada em setembro do ano passado.

A retomada da tramitação, segundo o despacho, deve ocorrer independentemente do julgamento do agravo regimental interposto por Bolsonaro referente à forma como o presidente deve depor — se presencialmente ou por escrito —, caso que deve ser julgado pelo Plenário no dia 29 de setembro.

“Determino a imediata retomada da regular tramitação deste inquérito, independentemente do julgamento do agravo regimental interposto pelo Presidente da República Jair Bolsonaro, que está previsto para data breve, 29/9/2021. Comunique-se à autoridade policial. Ciência à Procuradoria-Geral da República”, diz o ministro em seu despacho.

A abertura do inquérito foi autorizada em abril de 2020 pelo então relator, ministro Celso de Mello. O magistrado, agora aposentado, entendeu que os crimes supostamente praticados por Bolsonaro, conforme narrado por Moro, podem ser conexos ao exercício do mandato presidencial.

Celso também considerou que o inquérito não pode ser sigiloso, como forma de garantir o direito de liberdade de imprensa e o amplo acesso da população aos autos.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

carlos

01 de agosto de 2021 às 13h09

Parabéns ministro, tenha coragem de prender esse barrabás, genocida , insurgente prevaricador.

Responder

Paulo

31 de julho de 2021 às 22h55

A interferência é patente e está registrada em vídeo, naquela fatídica reunião pornopolítica…Mas e daí? Não resulta em nada com Aras como PGR. Isso precisa ser rediscutido. No mínimo, a lista tríplice deveria ter caráter cogente para o presidente da República, na escolha do PGR. Sem isso, todos os canalhas se blindam e não acontece nada. É uma República de mentirinha, de faz-de-conta…

Responder

EdsonLuiz.

31 de julho de 2021 às 13h35

Divergência de idéias não comporta mesquinharias.

PELA DEFESA DO ESTADO!

Seja contra uso populista;
Seja contra uso criminoso;
Seja contra aparelhamento por hegemonismo;
Seja para qualquer proveito particular, por pessoas ou por forças políticas:

ABAIXO O USO INDEVIDO DO ESTADO !

Divergência de idéias à parte,Viva o esforço de Sérgio Moro no combate à delinquência!

(e que seus excessos eventuais para suprir lacunas de legislação, com descumprimentos de ritos legais secundários, puramente acessórios, sejam saneados e as ações, saneadas , tenham prosseguimento. Que Moro nem ninguém que se entregue ao combate de crimes contra a sociedade ou contra o Estado seja ofendido por picaretas cúmplices de criminosos).

Porque mesquinharia política por divergência de idéias e de visões de mundo é para quem não as tem. Ou para quem, por conveniência para proteger delinquência, pratique mesquinharias.

E perseguição a gente séria para instituir a delinquência dentro do próprio Estado é barbárie.

Que o ex-juiz Sérgio Moro ou qualquer cidadão que defenda o Estado não seja
punido por eventuais excessos processuais que tenham praticado na ânsia de combater crimes. Que não sejam atingidos para proveito de bolsonaro ou de qualquer outro delinquente.

Responder

Alan C

31 de julho de 2021 às 10h22

Olha, 2023 promete… entendedores, entenderão.

Responder

Zulu

31 de julho de 2021 às 09h58

O Xerife , o intimidador, o jagunço do STF.

Responder

Deixe um comentário