Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Manifestação em defesa do voto impresso em Brasília, 1 de agosto de 2021. Redes sociais.

bomdiacafezinho #1: O fracasso das manifestações em favor do voto impresso

Por Miguel do Rosário

02 de agosto de 2021 : 10h33

Bom dia a todos! Trazemos novidades!

A partir de hoje, publicaremos uma coluna de opinião diária, escrita por mim, sobre a conjuntura política. O nome dela é Bom Dia Cafezinho. Será publicada por volta das 10 da manhã. Ela virá sempre com a hashtag bomdiacafezinho no título, seguida do número da edição. A primeira edição segue abaixo.

Outra novidade é o fim do nosso recesso audiovisual, e a inauguração de uma live diária, O Cafezinho das 3. Como o nome indica, será sempre às 15 horas, e será apresentado por mim e por meu amigo Pedro Breier. Hoje é a primeira edição. Lá no canal do Cafezinho do Youtube. 

https://www.youtube.com/ocafezinhooficial

Vamos à coluna!

O fracasso das manifestações em favor do voto impresso

O bolsonarismo passou meses organizando o que – assim esperavam – seriam gigantescas manifestações populares em defesa do voto impresso “auditável”.

A data marcada foi o dia 1 de agosto, último domingo.

A Comissão Especial que analisa o projeto do Voto Impresso deu um pequeno golpe burocrático para que o relatório não fosse votado antes do recesso, justamente na expectativa de que as manifestações seriam grandes o suficiente para “virar” a opinião dos deputados e da opinião pública.

No fim, foi até bom que tenham feito isso. O fiasco das manifestações se soma ao espetacular vexame da última live do presidente Jair Bolsonaro sobre o tema. Bolsonaro vem dizendo, desde o início de 2020, que teria “provas” de fraudes nas eleições de 2014 e 2018. Em 2014, diz Bolsonaro, Aécio ganhou. E ele teria vencido no primeiro turno de 2018. O TSE pediu provas ao presidente, mas ele não as deu.

Há alguns meses, o presidente voltou à carga, dizendo que iria apresentar provas. Prometeu que apresentaria um suposto “hacker do bem” que tinha as provas, e chegou a marcar um dia. Quando o dia chegou, porém, o hacker aparentemente viu a canoa furada em que estava se metendo e alegou… Covid.

Então Bolsonaro disse que apresentaria provas numa live, que ocorreu semana passada. Na live, porém, disse que não tinha provas. O famoso “hacker do bem” novamente não apareceu. No lugar dele, Bolsonaro trouxe um militar desconhecido, que o presidente não fez questão de apresentar, e que deu explicações no mínimo engraçadas sobre os riscos da urna eletrônica, como a metáfora da “água tépida”.

A decisão de Bolsonaro de abraçar a bandeira do voto impresso parece ter sido o seu principal erro político. Sendo um assunto que não implica em nenhuma polêmica de cunho ideológico, e que tampouco envolve questões administrativas, acabou sendo o melhor pretexto para que partidos das mais diferentes correntes políticas, à esquerda e à direita, se unificassem numa só voz: contra o voto impresso.

O voto impresso dá oportunidade para que a oposição tenha a sua maior vitória política até o momento.

Na oposição, apenas um ator sai perdendo, o PDT. A legenda até o momento não divulgou nenhum comentário público sobre a “live bizarra” de Bolsonaro, provavelmente pelo constrangimento de ter apoiado o projeto do voto impresso de Bia Kicis até o último momento.

O deputado Paulo Ramos (PDT-RJ), titular da Comissão Especial do voto impresso, diz que o partido se “distanciou” do projeto, por entender que ele está associado às movimentações golpistas de Bolsonaro.

Ciro Gomes, porém, que é a principal voz do PDT hoje, continua preso num looping sinistro em defesa do voto impresso. Em seu comentário sobre a live bizarra de Bolsonaro, ele apenas lamentou que o presidente tenha “soterrado qualquer possibilidade de uma modernização do sistema”, deixando bem claro que vê a impressão do voto como “modernização”.

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, havia postado, em 27 de maio de 2021, que “sem impressão do voto, a fraude impera”.

A declaração de Lupi chocou a opinião pública progressista, mas ele não se desdisse. Ao contrário, passou a participar de entrevistas e lives nas quais defendia cada vez mais a importância do “voto impresso”, como um artigo publicado no site oficial do PDT intitulado “qual o problema de conferir a verdade”?

No dia 8 de julho, o deputado federal Pompeo de Mattos (PDT-RS) postou em suas redes sociais que o “sistema [eleitoral] brasileiro” é o “pior do mundo”.

Pompeo também não fez nenhum comentário sobre a “live bizarra” de Bolsonaro.

O PDT, por outro lado, se somou a outros partidos progressistas na cobrança, junto ao STF, para que Bolsonaro explique as acusações feitas em sua live.

O partido, portanto, está no momento, numa situação no mínimo confusa em relação ao assunto voto impresso.

Alguns criticam o projeto do voto impresso como sendo apenas “inoportuno”, deixando implícito que ele seria “oportuno” em outro momento.

É preciso enterrar também essa besteira. O voto impresso é uma estupidez inominável, ontem, hoje e sempre. 

A discussão para modernizar as urnas eletrônicas é sempre bem vinda, mas fazer a impressão dos votos não é, definitivamente, modernizar nada. Impressoras são caras, ineficientes e instáveis. Quem defende a impressão do voto como forma de auditagem não parece ter uma visão holística do processo. Pensa apenas numa urna só, e pressupõe o funcionamento perfeito da impressora. Acontece que o Brasil usa mais de 500 mil urnas. O relator do projeto do voto impresso, o deputado Filipe Barros (PSL-PR), admitiu, por exemplo, que uma das críticas do presidente do TSE, o ministro Luis Roberto Barroso, era pertinente, a de que um recibo individual contendo todos os votos de um eleitor poderia facilitar a quebra de sigilo. Então ele propôs que deixaria a critério do TSE a possibilidade de se imprimir um recibo para cada voto do eleitor. Ou seja, um recibo para o voto em presidente, outro para senador, outro para deputado, e por aí vai. Isso implicaria na impressão de quase 1 bilhão de recibos nas eleições de 2022. Organizar isso de maneira racional, sem perda ou desgaste dos papeis, seria imensamente complicado. Não é racional. 

A urna brasileira deve permanecer exclusivamente eletrônica e digital, sem uso de nenhum papel, pois apenas a tecnologia digital dá rapidez ao processo de contagem e facilita o cruzamento de dados. Os dados digitais produzem bancos de dados públicos e automáticos, que permitem ao Estado, à academia e à sociedade analisar e conhecer melhor a vontade popular.  O que devemos fazer é usar ainda mais o digital, não apenas para escolher representantes no parlamento e no executivo, mas também para avaliá-los recorrentemente, ampliando o controle social sobre o sistema político. É preciso ainda que a democracia brasileira faça uso com mais frequência de referendos e plesbiscitos, a nível nacional e regional, conforme está sugerido na Constituição brasileira, e isso apenas seria possível e viável com uso de tecnologias puramente digitais. 

A propósito, sugiro fortemente esse vídeo, do Gregório Duvivier, que mistura informação de primeira com muito humor!

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Willy

02 de agosto de 2021 às 14h35

No caso do voto nada é mais moderno que o voto no papel.

Responder

Valério

02 de agosto de 2021 às 13h26

Êxito. Fracasso. Narrativas…

Responder

Luiz Alberto

02 de agosto de 2021 às 13h00

Atraso é voto no cabresto. A desculpa da impressão é absurda. Quando se elegeram pela urna eletrônica, aí valia. Que caras de pau!

Responder

Valeriana

02 de agosto de 2021 às 12h51

Já que as pessoas nçao compareceram, podiam colocar carros de som, bonecos, food trucks, barraquinhas e mais faixas pra tentar ocupar mais o espaço, né?

Responder

Ronei

02 de agosto de 2021 às 11h37

Como é que as manifestaçoes de rua nao batem com as pesquisas…alguem explica…?? Kkkkkk

Responder

Valeriana

02 de agosto de 2021 às 11h20

O voto é com lapis no papel…o resto é bizarrice tupiniquim como por ketchup e maionese na pizza.

A democracia nao tem preço por tanto o papo fiado do custo nao vai para frente, assim como a rapidez nao faz diferença alguma . Onde se vota no papel ninguem sente necessidade alguma de urnas eletronicas.

As urnas eletronicas sao puro atraso.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina