Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Imagem: Reprodução / Jornal GGN

Serrano afirma que Moro fugiu do debate proposto pelo Grupo Prerrogativas

Por Redação

15 de janeiro de 2022 : 11h41

O advogado e professor de Direito Constitucional (PUC-SP), Pedro Serrano, foi ao Twitter para criticar o ex-juiz e pré-candidato a presidência, Sergio Moro (Podemos), que não aceitou participar de um debate com o grupo Prerrogativas, formado por advogados e juristas mais respeitados do Brasil.

“Moro fugiu do debate conosco, do Prerrogativas, lançou criticas que manifestam sua deficiência cognitiva e correu, acovardado. Só sabe enganar leigos e incautos, não enfrenta quem sabe exatamente o que ele fez”, declarou Serrano.

Recentemente, o advogado e coordenador do Prerrogativas, Marco Aurélio de Carvalho, chamou o ex-juiz para um debate sobre temas que envolvem o devido processo legal e o Estado Democrático de Direito.

“Estamos convidando o ex-juiz Moro para um debate público sobre o sistema de Justiça. Queremos saber se ele tem coragem e espírito público para aceitar”.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alexandre Neres

16 de janeiro de 2022 às 14h40

O comentarista EdsonLuiz. não se emenda mesmo. O Professor Pedro Serrano tem pós-doutorado na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e é mestre e doutor em Direito do Estado pela PUC-SP, onde é professor de Direito Constitucional. É um jurista, não um advogado de porta de cadeia, pois nem sequer criminalista ele é. Deplorável a postura de querer desmerecer os advogados em pleno século XXI, pois mesmo o criminoso mais abominável merece um processo justo no qual seus direitos sejam respeitados e suas garantias não sejam atropeladas. Mais uma atitude de bolsominion pra sua coleção. A Justiça é essencialmente contramajoritária e não deve se submeter ao clamor popular. EdsonLuiz., para você sair da ignorância e das trevas, sugiro que leia “Autoritarismo e golpes na América Latina – Breve ensaio sobre jurisdição e exceção” do Prof. Pedro Serrano. Não há como negar que EdsonLuiz. é um defensor intransigente do arbítrio judicial. Foi-se o tempo que um suposto magistrado abusava do seu poder para tripudiar sobre um cidadão que perseguia de forma feroz. Não existe mais aquela falsa superioridade, quando usava e abusava do seu cargo para condenar um desafeto, inclusive forjou a competência para manter o acusado sob suas asinhas. Juiz não pode ser inimigo de parte, configurando uma das nulidades mais graves. Se a candidatura de Moro resistir, o que acho difícil, poderá debater com Lula de igual para igual. Aí será covardia, não há fonoaudiólogo que dê jeito, já que o produto é ruim e não vende. Convém registrar que os próprios procuradores da República de Curitiba chamavam Moro de Russo e os desembargadores daquela nefasta turma do TRF-4 de Porto Alegre de Rússia do Russo, assim como que os processos de Lula da Lava Jato eram relatados por Félix Fischer no STJ, também da República de Curitiba e nascido em Hamburgo (Alemanha). Tava tudo dominado. Porém, a casa caiu.

Responder

Paulo

15 de janeiro de 2022 às 21h53

Moro não tem que por que debater com um grupelho de interesses “especializados”, como sagazmente observou o comentarista Edson Luiz. Aliás, Moro parece que andou desafiando o candidato Lula a um debate. Será que o petista aceitará? Eu afirmo que não…

Responder

Alexandre Neres

15 de janeiro de 2022 às 14h12

Cagalhão. Frouxo. Covarde. Arregão!

Responder

EdsonLuíz.

15 de janeiro de 2022 às 13h31

Juristas?
Respeitados?

Esses caras são advogados! E advogados com uma especialização, sim: estar à disposição na porta da cadeia para defender presos. E são especializados na defesa de corruptos. Como advogados, estão no seu papel.

Nos últimos 15 anos, como corrupção passou a ter destaque ainda mais descomunal no Brasil, esse tipo de advogado especializado em defender corrupto passou a aparecer muito, porque uma das táticas de defesa que eles têm é usar o gado de seus clientes e, juntos, fazerem barulho.

Cliente de advogado especializado em defender corrupto costuma ser político ou seus cúmplices, compostos de assessores, empresários e empresas do “esquema”. Esses políticos possuem apoiadores que, funcionando à moda de milícias, costumam ser chamados de militantes. Essa é a parte “gado” desses apoiadores. Gado é um termo lamentável para designar pessoas e eu prefiro evitar de designá-las assim, mas mais lamentável mesmo são esses tipos existirem. E existem! A designação de “gado” não foi criada por mim, mas por ninguém menos que Friedrich Nietzsche.

Como observei, esses advogados estão trabalhando ao serem advogados de corruptos. Como trabalhadores, estão no seu papel. A parte triste é usarem e criarem instituições da sociedade para essa defesa da corrupção.

Eles não estão pensando a super-estrutura político-jurídica legal, que é o que Juristas fazem, mas pensando uma forma de burlar essa estrutura, conseguindo impunidade para delinquentes perigosos com o uso de interpretações secundárias dessa estrutura. Usam o arcabouço de blindagem da lei para burlar o objetivo da lei, que é fazer justiça inocentando inocentes e condenando corruptos ladrões do dinheiro público.

No caso de Lula, pelas provas Lula já está condenado como corrupto. O PT e esse gado do Lula gritam: Sérgio Moro! Mas o ex-juiz foi só uma pontinha nessa condenação. A condenação foi confirmada por 3X0 no TRF e reconfirmada por 5X0 no STJ.

São, por exemplo, esses Juristas, os membros do TRF e do STJ que condenaram Lula que o Prerrogativas (eta nome horroroso com que eles se batizaram: prerrogativas são…vantagens) deveriam chamar oara explicar porque condenaram Lula.

Observe-se que, dos três juízes do TRF que condenaram Lula, dois deles foram indicados pelo PT; e dos cinco do STJ que condenaram Lula, três foram indicados pelo PT. Se mostraram isentos e confirmaram a decisão do ex-juiz Sérgio Moro. Que também mostrou isenção e inocentou Lula em dois outros processos e três denúncias contra Lula ele nem recebeu porque considerou as provas insuficientes.

Quanto a algu s d3scumprimentis que o ex-juiz cometeu paraconseguir punir corruptos, eu penso que deveriam ter sido saneadas mesmo. Mas o qud fizeram foi rasgar provas legítimas que condenacam. E assim estão soltos Lula, Eduardo Cunha e vários outros. E usando a mesma “interpretação” do arcabouço legal brasileiro, o senador Flávio Bolsonaro sequer continuam a investigar. Também rasgaram as provas contra Flávio Bolsonaro, usando as “i terpretações” que usaram para rasgar as provas contra Lula.

Na o da desses “juristas” do Prerrogativas, está sendo bem lucrativo praticar delinquências no Brasil.

Como trabalhadores advogados, esses sujeitos do Prerrogativas estão no seu papel, embora as táticas de trabalho lamentáveis que usam. Mas eles não são
juristas. E juristas não se prestam a fazer o que eles fazem.

Quanto ao ex-juiz Sérgio Moro, o que eu vi foi ele se negar a dar corda a essa tática de barulho político destes juristas de porta de cadeia e se dispor a discutir o tema corrupção com o “chefe” deles, Lula.

Como eles misturam o trabalho de advogado, de fazer a defesa de corruptos, com o de militância política no PT, de defesa desses corruptos por meio de barulho na sociedade, Lula é ao mesmo tempo o chefe deles e seu cliente.

Eu acho que o candidato Sérgio Moro está certo. Se a discusão é política, e tanto ele como Lula são candidatos à presidência, é com Lula que ele deve debater.

Se o debate fosse entre juristas, o que eles não são, deveriam chamar para discutir não um candidato a cargo político, mas algum jurista apoiador desse candidato. No caso de Sérgio Moro eles deveriam chamar para discutir a super-estrutura jurídico-política – estas sim, Juristas – Eliana Calmom ou Denise Frossard.

Poderiam também chamar o Luiz Barroso, o Edson Fachin ou o Luiz Fux, ou…

Tem muito jurista brasileiro incomodado com esse caminho que os delinquentes políticos ditos “de esquerda” ou ditos “de direita” têm sedimentado neste projeto mal acabado de país. Esses caras podem chamar esses juristas para a discussão.

E nós, melhor seria pararmis de chamar gente como os do Prerrogativas de juristas. Falsificar o significado do que é ser jurista também falsifica o direito legal do país.

Responder

    Assustado

    16 de janeiro de 2022 às 12h27

    Poxa, escrever besteira agente vê de muita gente. Agora nessa quantidade tão grande nunca vi, você bateu o recorde mundial. Parabéns por conseguir digitar 20 laudas sem qualquer nexo, você é um fenômeno!!!!

    Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Bolsonaro O 2021 de Ciro Gomes O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade