Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Imagem: Ricardo Stuckert / Divulgação

Acordo nacional de Kassab com Lula se dará pela força das alianças regionais

Por Gabriel Barbosa

11 de fevereiro de 2022 : 10h16

Apesar de manter a posição de que o seu partido terá candidatura própria, o presidente nacional do PSD e ex-ministro Gilberto Kassab, aguarda o comunicado oficial e público de Rodrigo Pacheco (PSD-MG) sobre a desistência de sua postulação presidencial. 

Maduro na política, Kassab é consciente de que não se tira candidaturas da cartola, quanto mais para o Palácio do Planalto. O risco de ficar abaixo dos dois dígitos é imenso, podendo contaminar e atrapalhar as outras candidaturas do partido.

Sendo assim, o ex-ministro poderá até tentar um novo balão de ensaio com a possível filiação do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), mas o que predomina em um partido de centro da envergadura do PSD são seus acordos regionais. 

Com isso, o ex-ministro poderá perceber que o caminho racional para o seu partido será uma das duas opções: aderir a uma candidatura adversária com boas chances de vitória ou simplesmente decretar a neutralidade e liberar seus correligionários. 

Obviamente que Kassab é esperto demais para não calcular que a eleição de 2022 não trata-se de qualquer disputa presidencial. Além de acontecer no ano em que o Brasil completa 200 anos da independência, coincidentemente será uma disputa entre a civilização e a barbárie. 

Ou seja, o ex-ministro sabe da posição de relevo que o seu partido carrega neste momento, não só na parte simbólica, mas sobretudo na esfera política-eleitoral, que é seu metiê.

Diante deste cenário, lideranças do PSD já estão adiantando seus passos e deixando claro que se depender das alianças regionais, o partido vai ter posição clara, logo no 1° turno.

Parte considerável dos caciques da sigla, especialmente na região Nordeste, estão bem avançados no que diz respeito a manter seus acordos regionais e sobretudo, o apoio a candidatura do ex-presidente Lula.

Isso significa dizer que, na prática, esses postulantes do PSD devem adotar os temas principais da campanha lulista: recuperação econômica, insegurança alimentar, desemprego e mudanças no mercado de trabalho.

E será diante do conjunto desses vínculos regionais com a candidatura de Lula que ficará praticamente impossível que Kassab mantenha a candidatura própria ou uma postura de neutralidade nacional do PSD. 

Claro que isso tem seus custos políticos como a participação do partido no eventual Governo Lula, seja em ministério ou até mesmo na vice-presidência com Geraldo Alckmin, mas as tratativas por meio de interlocutores existem para definir esses arranjos e pelo que tudo indica essas conversas devem prosseguir até os 45 do 2° tempo.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM. Pós-graduando em Comunicação e Marketing Político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro Janela Partidária 2022: Quem ganhou, quem perdeu? Caro? Gasolina, Gás e Diesel: A atual política de preços da Petrobrás As Maiores Enchentes do Brasil