Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Foto: Agência Senado

Privatização da Eletrobras é inconsequente e terá impacto na conta de luz, diz Jean Paul Prates

Por Redação

16 de fevereiro de 2022 : 07h12

Em pronunciamento nesta terça-feira (15), o senador Jean Paul Prates (PT-RN) classificou a privatização da Eletrobras — proposta pelo governo Bolsonaro — como “a mais grave, mais complexa e mais inconsequente das privatizações” em andamento no país.

Ele apontou para a subavaliação da empresa e lamentou o resultado da votação no Tribunal de Contas da União (TCU) que decidiu, por 6 votos a 1, dar continuidade ao processo de privatização da estatal de energia responsável pelo sistema elétrico brasileiro.

De acordo com Prates, os próprios ministros do TCU apontaram para a discrepância de valores: a estatal valeria ao menos R$ 130 bilhões, enquanto o governo a avalia em R$ 67 bilhões.

— Sou daqueles que acreditam que (…) cabem boas privatizações e más privatizações, privatizações necessárias e privatizações totalmente desnecessárias, equivocadas e, algumas vezes, até mal-intencionadas e criminosas, e essa se encaixa nesse último grupo — declarou. 

Jean Paul Prates observou que a privatização tem sido apresentada de forma a ignorar o fato de que a Eletrobras é uma holding. 

— Estamos falando aqui de uma privatização sutil, simplista, quase escamoteada da holding das holdings do sistema elétrico brasileiro, chamada Eletrobras, e, abaixo dela, de todos os guarda-chuvas regionais que cada um de nós, na sua região, conhece muito bem: Eletronorte para os nortistas; Chesf para os nordestinos; Furnas, para os sudestinos e, para a Região Sul, Eletrosul. Isso está sendo feito via diluição do capital e perda do controle acionário. O governo brasileiro está abrindo mão do controle acionário da Eletrobras nesse processo que ainda está em curso — disse Jean Paul Prates, lembrando que há ainda uma segunda parte a ser averiguada pelo TCU e há ainda ações e judicializações cabíveis por inúmeras razões.

O senador negou que se oponha à privatização da Eletrobras por um ponto de vista ideológico. Para ele, ao contrário, é o governo Bolsonaro que quer privatizar a estatal por razões meramente ideológicas. No entendimento de Jean Paul Prates, a perda do controle acionário da holding é inaceitável diante de argumentos econômicos, financeiros, macroeconômicos e estratégicos.

— Há muita coisa grave nesse processo, porque o valor adicionado, subestimado, que está colocado como preço para essa venda, não incorpora uma série de coisas que a Eletrobras faz e fará e que não estão no preço. Estamos falando aqui de um preço subestimado em relação ao valor que os espelhos d’água das hidrelétricas têm, por exemplo, para acolher painéis solares, energia solar. Só isso aí dá para dobrar ou triplicar a capacidade da Eletrobras de gerar. Isso não está no preço — continuou.

Além disso, o senador disse que as usinas hidrelétricas, por conta da privatização, serão descomissionadas, deixando de faturar um preço de operação de manutenção baixo, em torno de R$ 60 por megawatt/hora, para ir para o preço do mercado. Segundo Jean Paul Prates, dois terços da energia gerada vão para R$ 300, ao invés de R$ 60, com um impacto da ordem de R$ 600 bilhões no preço da energia ao longo dos próximos anos.

— Ou seja, um impacto direto na conta de luz.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Zulu

16 de fevereiro de 2022 às 10h59

Alguem ja viu a conta da energia, imoves, serviços, agua, ecc…baixar alguma vez ? Eu nunca.

Tudo sobe de preço constantemente desde sempre e que o serviço seja privado ou publico continua e continuarà subindo sempre.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro