Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Imagem: Divulgação

Artigo – Cuidado, o perigoso vermelho faz cem anos

Por Redação

26 de março de 2022 : 12h31

Por Gilberto Maringoni

OS NOVE PARECEM ESTAR POSANDO para uma foto de formatura, ou para uma reunião de grêmio literário do interior. Há um tom solene nos rostos. Eles estão de terno e encaram fixamente a câmara. Têm entre 23 e 33 anos. Acabaram de realizar uma reunião, que ficaria histórica, dividida entre os dois lados da baía de Guanabara, nos dias 25, 26 e 27 de março de 1922, há um século. Desse pequeno encontro, registrado em uma única foto conhecida, resultou a fundação da mais importante agremiação política da esquerda brasileira por várias décadas: o Partido Comunista do Brasil (PCB). A partir de agosto de 1961, em uma tentativa de obtenção de registro legal, seu nome mudaria para Partido Comunista Brasileiro.

Cristiano Cordeiro (1895-1987), um dos nove delegados, vindos de vários pontos do País, assim se lembraria daqueles dias:

“As reuniões foram duas nos sindicatos dos Alfaiates e Metalúrgicos, no Rio, e duas num sobrado das tias de Astrojildo Pereira [outro dos participantes], em Niterói. Éramos apenas nove, representando grupos comunistas de vários estados brasileiros. Secretariei os encontros, onde foram lidos os ‘21 pontos de Moscou’, discutida sua aplicação à nossa realidade, estudada a criação de comitês em cidades importantes e vista a necessidade de se criar um jornal do partido. Na sessão de encerramento, para não espantar as tias de Astrojildo, cantamos bem baixinho a ‘Internacional’”.

PERÍODO FÉRTIL EM REBELDIAS
A referência aos “21 pontos de Moscou” não é gratuita. A criação do PCB foi o desaguadouro quase natural das particularidades da situação brasileira, aliadas ao formidável impulso que a Revolução de Outubro de 1917 deu aos movimentos libertários em todo o mundo. Aqueles pontos versavam sobre as condições necessárias para a admissão dos partidos à III Internacional Comunista, organização capitaneada pelo Partido Comunista da Rússia (PCR).

Quanto à situação nacional, ela era explosiva e fértil. O País se livrara da escravidão como relação social fundamental apenas 33 anos antes e negros e negras eram cidadãos de segunda classe. Desde o início do século XX havia um acirramento veloz de lutas sociais, com greves e rebeliões em vários estados. No entanto, faltava a elas um vínculo aglutinador que desse rumo nacional a uma série de iniciativas fragmentadas nas regiões, com destaque para a Greve de 1917, que parou São Paulo por várias semanas.

O movimento anarquista, que estivera à testa de inúmeras dessas manifestações, já não conseguia responder às demandas de um operariado urbano que, apesar de reduzido numericamente, procurava vencer uma situação de inexistência de direitos e condições de vida extremamente precárias.

O ano de 1922 foi particularmente explosivo. As camadas médias exibiram sua rebeldia através do movimento tenentista, com ações violentas especialmente no Rio de Janeiro. Em São Paulo, alguns enfants terribles extremamente talentosos, agregados à oligarquia cafeeira, marcaram a vida cultural com a “Semana de Arte Moderna”.

ERROS E ACERTOS
Apesar da abnegação de seus militantes, em seus anos iniciais, o PCB era um reduzido agrupamento com pouca presença no movimento popular. A repressão feroz do governo Arthur Bernardes (1922-1926) em muito contribuiu para isso.

Somente no início dos anos 1930, quando o Partido recebe a adesão de Luis Carlos Prestes (1898-1990), já então uma figura lendária, egressa da Coluna, o Partido passa a ter voz expressiva no cenário político.

A história do PCB nos quarenta anos seguintes entrelaça-se com a história do movimento operário e popular no Brasil. Aglutinando lideranças populares, artistas, intelectuais, militares, estudantes etc. e vivendo a maior parte de sua longa existência sob os rigores da clandestinidade, o Partido cometeu erros e acertos que tolheram muito de sua capacidade de ação.

Os equívocos que resultaram no desastre do levante de novembro de 1935 marcaram toda uma geração de comunistas brasileiros.

Nenhum partido brasileiro teve quase toda sua direção encarcerada durante praticamente uma década. Poucos partidos no mundo permaneceram clandestinos por 62 anos, mantendo intensa atividade política militante.

A necessidade da realização de um sólido trabalho de massas passou a ser quase que obsessivo nos anos seguintes. A campanha pelo fim da ditadura getulista, as eleições para a Constituinte de 1946, a jornada do ‘Petróleo é nosso, as grandes greves do início dos anos 1950, a luta pelas reformas de base, dentre tantas outras, tiveram no PCB seu núcleo definidor.

LENTA AGONIA
A luta pela conquista de espaços institucionais que o tirassem da clandestinidade, da qual só se livrou por curtos 18 meses (1946-47), acabou gerando uma linha por vezes errática.

A situação internacional – da Guerra Fria às mudanças realizadas na União Soviética a partir de 1956 – também atingiu em cheio a legenda. Equívocos e cisões – o mais importante deles, em 1962, deu origem ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB) – deixaram o partidão, como era conhecido, despreparado para enfrentar a conjuntura que resultou no golpe de 1964.

A partir daí, acentuam-se as dissidências e fragmentações, que conduziram a agremiação a uma lenta agonia e perda de iniciativa política. No início dos anos 1990, com a ofensiva globalizante e a queda dos regimes do leste europeu, o Partido praticamente se extingue. Duas correntes reivindicam sua trajetória: o PCdoB, com significativa influência política e o pequeno e valoroso PCB. O PPS (Partido Popular Socialista), originário dessa vertente, transformou-se numa vergonhosa geleca golpista.

Nesta terceira década do século XXI, quando enfrentamos um governo antipopular e antinacional no Brasil, uma pandemia que dizima nossa gente e a besta-fera do fascismo volta a sair dos esgotos da política, vale a pena lançar um olhar em direção àqueles brasileiros reunidos num prosaico sobrado de Niterói há cem anos. E vale examinar que a luta pelo socialismo alcança inúmeros caminhos, sem desprezar coragem, combatividade e uma escolha clara sobre o lado a se defender.

((*) Na foto, os fundadores do PCB, RJ, 25 de março de 1922. Da esquerda para a direita, em pé: Manuel Cendón, Joaquim Barbosa, Astrojildo Pereira, João da Costa Pimenta, Luis Peres, José Elias da Silva. Sentados, Hermogêneo Silva, Abílio de Nequete e Cristiano Cordeiro. Todos são trabalhadores pobres. Há um negro e dois mulatos entre eles. Nenhuma mulher. Sinal dos tempos. O PCB teve o primeiro candidato negro e operário à presidência da República, Minervino de Oliveira, nas eleições de 1930. A partir dessa década, o Partido defende a igualdade de tratamento entre homens e mulheres e o fim do racismo. É o primeiro a fazer isso em nossa História)

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

27 de março de 2022 às 12h13

“(…) aliadas ao formidável impulso que a Revolução de Outubro de 1917 deu aos movimentos libertários em todo o mundo (…)”. Quanto “libertarianismo”, não? Às vezes, acho que o Sérgio Araújo, antigo aqui do Blog, tem razão: “esquerdismo é uma doença mental”…

Responder

Paulo

26 de março de 2022 às 23h35

Quanta inglória travestida de glória…

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro