Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Lula na UERJ, 31 de março de 2022. Crédito: Ricardo Stuckert

Análise Quaest: Lula avança e pode vencer no primeiro turno

Por Miguel do Rosário

07 de abril de 2022 : 10h32

A aparente recuperação de Bolsonaro deve ser creditada, sobretudo, ao desencanto com os candidatos da terceira via.

Mas é importante ressaltar: Lula não caiu.

Ao contrário, Lula cresceu para 28% na espontânea e para 45% na média da estimulada, um ponto a mais em ambos os gráficos.

Crescer um ponto pode parecer pouco, mas não é. Um ponto, no Brasil, corresponde a 1,4 milhão de eleitores.

Nos cenários 2,4, 5 e 6, que excluem o nome de Sergio Moro, o ex-presidente Lula oscila entre 50% e 53% dos votos válidos, o que significaria vitória em primeiro turno.

A pesquisa aponta que o eleitor de Lula está mais determinado do que antes: quase 80% de seus eleitores agora afirmam que a decisão de votar no ex-presidente é “definitiva”. Para efeito de comparação, entre eleitores de terceira via, esse percentual é próximo a 30%.

Na evolução dos cenários de segundo turno, Lula mantém uma vantagem de 20 pontos sobre Bolsonaro, desde o início do histórico.  Contra Ciro, o ex-presidente Lula venceria com vantagem superior a 30 pontos.

Outro trunfo importante de Lula é que ele hoje tem a menor rejeição entre todos os candidatos competitivos, 46%.

O candidato do PSDB, João Dória, é o mais rejeitado, com 63%, seguido de Bolsonaro, com 61%.

Ciro Gomes viu sua rejeição crescer 3 pontos no último mês e agora é de 58%, quase empatada com a de Bolsonaro.

É possível que, a partir das próximas pesquisas, Lula seja beneficiado com o mesmo movimento que hoje beneficia Bolsonaro: o voto útil.

Da mesma maneira que o eleitor de Sergio Moro, diante da desistência do ex-juiz, ou após constatar sua inviabilidade eleitoral, tomou a decisão de votar em Bolsonaro, o mesmo pode acontecer com o eleitor de Ciro Gomes.

Nessa pesquisa, Ciro Gomes caiu.

Em março, Ciro tinha 8% nos cenários sem Moro. Em meados do ano passado, igualmente em cenários sem Moro, Ciro chegou a pontuar de 10% a 12% na Quaest.

Hoje Ciro tem 6% a 7%, a depender do cenário. No cenário 1, que ainda traz Sergio Moro, Ciro caiu para 5%, dois pontos a menos que no mesmo cenário de pesquisa de março. 

Na espontânea, Ciro não conseguiu se descolar dos 1%. 

Na estimulada, Ciro tem apenas 4% entre eleitores de baixa renda – e igualmente não emplacou na classe média.

Se este movimento – de migração dos votos de Ciro para Lula – se acelerar nos próximos meses, aumentarão as chances do petista vencer as eleições no primeiro turno.

O presidente Bolsonaro, por sua vez, experimentou uma alta de 3 pontos na espontânea, passando de 19% para 22%. E cresceu 5 pontos na média da estimulada, de 26% para 31%.

Os votos somados da terceira via, reunidos no gráfico com a média da estimulada sob o nome “Outros”, desabaram de 19% para 12%.

Segundo o CEO da Quaest, o cientista político Felipe Nunes, as causas para a recuperação de Bolsonaro devem ser creditadas a dois fatores, um econômico (ou “distributivista”), e outro político. O fator econômico é o Auxílio Brasil, que agora, está claro, passou a influenciar o voto de muitos eleitores. Entre os que recebem o Auxílio Brasil, a imagem negativa do governo caiu de 54% para 46% no último mês, enquanto a positiva subiu de 19% para 24%.

O fator político, segundo Nunes, é o “desencanto” dos eleitores com o desempenho dos candidatos da terceira via, sentimento que parece ter se consolidado ainda mais após a saída de Moro do pleito.

Aqueles que votaram em Bolsonaro no segundo turno de 2018, e que tinham migrado para outros candidatos, voltaram a Bolsonaro.

Segundo a Quaest, 63% dos eleitores de Bolsonaro em 2018 permanecem dispostos a votar novamente nele. Esse percentual chegou a cair para 46% em outubro de 2021, mas começou a subir este ano.

Entre eleitores com renda familiar até 2 salários, que correspondem a 33% do total de eleitores, o ex-presidente Lula amplia sua vantagem sobre os adversários, e chega 56% dos votos totais, ou 62% dos votos válidos.

O petista também leva vantagem, de 10 pontos, entre eleitores com renda entre 2 e 5 salários, que correspondem a 43% do eleitorado: Lula 43% X 33% Bolsonaro.

No extrato superior, com renda acima de 5 salários, que corresponde a 23% do eleitorado, há empate entre Lula e Bolsonaro, ambos com 36%. Ciro Gomes tem 8% neste segmento, Doria 2%.

Nos gráficos segmentos por região, chama atenção a hegemonia de Lula no Nordeste, onde o petista tem 64% das intenções de voto, contra apenas 18% de Bolsonaro, 5% de Ciro e virtualmente zero de outros candidatos. Ou seja, o Nordeste se tornou, definitivamente, uma fortaleza lulista inexpugnável.

Mas o petista também lidera no Sudeste e Centro Oeste, perdendo apenas no Norte e no Sul.

O Sul – que corresponde a apenas 8% do eleitorado, contra 27% do Nordeste e 44% do Sudeste – é a região onde Bolsonaro tem seu melhor desempenho, chegando a 44% dos votos, contra 32% de Lula e 10% de Ciro.

Na divisão por escolaridade, Lula ganha em todos os segmentos. Entre eleitores que tem até o ensino fundamental, que compõem 39% do eleitorado, o petista tem 61% dos votos totais, contra 20% de Bolsonaro, 4% de Ciro Gomes, 2% de Janones e 1% de Dória.

Entretanto, a pesquisa sinaliza a deterioração das expectativas econômicas do eleitor, o que pode prejudicar o presidente Bolsonaro ao longo dos próximos meses. Para 59% dos entrevistados, a “capacidade de pagar as próprias contas” piorou em abril.

A pesquisa Quaest é presencial. Foi patrocinada pelo banco Genial Investimento, e custou R$ 268.742,48. A íntegra do relatório pode ser baixada aqui.

Separamos abaixo os principais gráficos da pesquisa.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Bandoleiro

07 de abril de 2022 às 18h50

Essa foto chega a ser repugnante…jovens e professores com camisetas vermelhas em clara referencia ao comunismo aplaudindo um pluricondenado por lavagem de dinheiro.

Sem chances desair do terçEiro mundo em tempos bréves.

Responder

William

07 de abril de 2022 às 12h50

Miguél do Rosário se entregou a bajulação do ex corrupto e ex lavador de dinheiro já faz um tempo.

Responder

Paulo César Cabelo

07 de abril de 2022 às 11h26

A vitória se aproxima a cada dia , como é lindo ver o Miguel do Rosário quebrando a cara e tendo que bajular o Lula pra ver se garante uma boquinha no governo que se aproxima.
Lembro dos dias em que Miguel defendia a invulnerabilidade do miliciano e a tese da morte do PT.
Poucos podem dizer que sempre estiveram do lado certo da história lutando contra o fascismo enquanto outros iam para Paris.

Responder

Dutra

07 de abril de 2022 às 11h16

O povo brasileiro precisa eleger Lula no primeiro turno! Ninguém suporta mais o desgoverno do Bozo,genocida, incompetente, prepotente, fascista e corrupto! FORA BOSTANARO!

Responder

Deixe um comentário

Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro Janela Partidária 2022: Quem ganhou, quem perdeu? Caro? Gasolina, Gás e Diesel: A atual política de preços da Petrobrás As Maiores Enchentes do Brasil