Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Imagens: REUTERS / Abaca

França: Melenchon encosta em Le Pen e pode disputar segundo turno contra Macron

Por Gabriel Barbosa

07 de abril de 2022 : 14h57

O Atlas divulgou nesta quinta-feira, 7, uma pesquisa de intenção de voto para a presidência da França e mostra que o candidato do campo progressista, Jean Luc Melenchon, encostou no segundo lugar, a candidata de extrema direita Marine Le Pen.

Ainda segundo o levantamento, o presidente Emannuel Macron, do centro liberal, continua sendo o favorito com 27,8% das intenções de voto. Le Pen aparece na sequência com 21,3% das menções e Melenchon com seus 18,6% e Eric Zammour fica na quarta colocação, com 12%.

Nas simulações de 2° turno, Macron venceria todos os adversários, com exceção de Le Pen. Na disputa contra a extrema direita, Macron ficaria com 40,6% dos votos ante 41,4% da extremista.

Acesse a pesquisa completa clicando aqui.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM. Pós-graduando em Comunicação e Marketing Político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alexandre Neres

08 de abril de 2022 às 00h22

Melenchon é o candidato da esquerda, dos progressistas. Normalmente, a disputa se dá entre um candidato progressista e um outro conservador ou liberal, campo que é representado por Macron, que tem ótima relação com Lula e o recebeu com honras de chefe de Estado.

Normalmente, em regimes democráticos, a disputa se dá entre esses dois campos e não com a extrema-direita. A partir de 2018, Bolsonaro tomou o lugar da segunda via, formada por conservadores ou liberais. Tomou com certa habilidade, até porque os membros deste campo golpearam uma presidenta democraticamente eleita e apoiaram um autocrata que faz apologia de ditaduras e da tortura, então mereceram a desimportância que estão colhendo, pois de liberal os atuais PSDB, MDB e Cidadania não têm nada, são conservadores mesmo.

A bem da verdade, quem em um cenário como este centra fogo em Melenchon e deixa Marine Le Pen passar batida, justo ela que é extremista, racista e xenófoba, se desnuda. Mais uma vez, passa recibo de que não se importa em se coligar com Bolsonaro, Serjo Morto, União Brasil et caterva, porquanto seu grande antagonista é o campo progressista. Nada mais evidente. Salta aos olhos.

Responder

EdsonLuíz.

07 de abril de 2022 às 16h57

Rapeize,

O candidato a presidente da França Jean-Luc Mélechon é ideologicamente de ultra-esquerda.

A ultra-esquerda, como sabemos, está no poder na Venezuela, em Cuba, na China, na Coréia de Norte, no Mali, na Nicarágua e mais em um ou outro país esquisito.

Na França, pelo esvaziamento das forças de esquerda e extrema-esquerda nas últimas décadas, pós Fracoise Miterrand, setores de esquerda e a ultra-esquerda compõem um consórcio para disputarem juntas. Nas últimas eleições, já consorciadas e quando o candidato já foi também Jean-Luc Mélenchon, eles até cresceram e chegaram a ~12% dos votos.

Jean-Luc Mélenchon é da extrema-esquerda!

Falar de progressismo, assim como falar de qualquer outra coisa, é diferente de fazer progressismo; falar que é progressista é uma cpisa e coisa bem diferente é ser efetivamente progressista e defender seus valores, como defender a democracia e suas essencialidades, defender a paz, defender a soberania dos países e, acima desta soberania, defender o direito à autodeterminação dos povos.

Mais importante ainda, em um progressista, é buscar a autonomia do ser humano e construir a possibilidade de realização de sua humanidade.
O progressismo é um valor que se iniciou com os conceitos de humanismo, na Alta Idade Média, e avançou até incorporar a democracia moderna e os valores políticos, sociais e econômicos do liberalismo.

Vocês acham que alguém de ultra-esquerda é um progressista ou acham que ele reivindicar ser um progressista é uma fraude, impostura e enganação?

Vocês acham que apoiadores de ditaduras são progressistas?

E esfoladores de povos com soberania e direito à autodeterminação para conquistar à força o país deste povo e impor-lhe o arbítrio ditatorial, como no caso da Ucrânia pela Rússia e seus apoiadores, para vocês os cúmplices desse crime de lesa-humanidade são progressistas?

Jean-Luc Mélenchon é ultra-esquerda. Lula apoia esse candidato na França do nosso querido Albert Camus. Eles apoiam o esfolamento do povo da Ucrânia pelo autocrata Vladimir Putin.

Vocês acham que essa gente é progressista? Ou acham que ao se reivindicarem progressistas mostram mais a própria índole e a prática de apropriação de valores modernos para descaracterizá-los?

Eu digo o que eu acho dessa gente : eu acho que essa gente é uma grande fraude, basta ver o apoio deles a causas e a personagens autoritários e que nada têm de progressistas. E eu também acho que eles são um perigo, exatamente porque são enganadores!

Edson Luiz Pianca.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro