Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Imagem: Divulgação

Preços dos combustíveis continuam sendo os vilões da inflação

Por Redação

13 de abril de 2022 : 08h01

FUP – “Os preços dos combustíveis continuam sendo as principais fontes de pressão da inflação no Brasil e prejudicam, sim, o bolso da população, que paga cada vez mais caro por produtos e serviços básicos e também sofre com o desemprego e com a falta de reajustes no salário mínimo”, afirma o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, ao se deparar com a análise do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em relação ao números do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgados nesta sexta-feira (8) pelo IBGE.

“O instituto registrou a maior variação para o mês de março em 28 anos, ou seja, desde o Plano Real”, comenta Cloviomar Cararine, economista do Dieese/subseção FUP (Federação Única dos Petroleiros). Em março de 2022, o índice de inflação ficou em 1,62%, que é a maior variação para o mês desde 1994. Nos três primeiros meses de 2022, acumulou 3,20%, e nos últimos 12 meses, chegou a 11,30%.

Nesses mesmos 12 meses, a gasolina subiu 27,48%; o etanol 24,59% e o gás veicular 45,54%. “Essas altas influenciam outros itens básicos para o consumidor, pois temos uma série de produtos que dependem de combustível para chegar até a casa dos brasileiros”, avalia o economista.

Outro ponto importante, ressalta Cararine, é o óleo diesel, que abastece praticamente todos os meios de transporte no Brasil. Só em março deste ano, o diesel já subiu 13,65%, e nos últimos 12 meses, aumentou quase 50%. “Isso impacta diretamente no preço de quase todos os produtos, desde o momento da produção, passando pela indústria e chegando até o usuário final”, lembra o economista do Dieese.

“Os aumentos que a Petrobrás praticou em março são os grandes responsáveis por esse cenário de inflação que o Brasil está vivendo”, ressalta o coordenador geral da FUP. Desde janeiro de 2019, início da gestão do presidente Jair Bolsonaro, a gasolina teve reajuste de 155,8%. No gás de cozinha, a alta foi de 132,2%, e no diesel, de 143,2%, de acordo com dados da Petrobrás analisados pelo Dieese.

“O Brasil, mesmo sendo autossuficiente em petróleo e com capacidade de refino suficiente para atender quase a totalidade da demanda interna, continuará sendo impactado pela política de preço de paridade de importação (PPI) e, consequentemente, pela atual gestão da Petrobrás que é comandada por Bolsonaro”, afirma Bacelar. Com a PPI, a Petrobrás dolarizou os combustíveis, lembra ele, com reajustes que seguem os preços internacionais, variação cambial e custos de importação, sem levar em consideração os custos nacionais de produção.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro