Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Crédito: Chip Somodevilla / Getty Images

EUA começam a treinar soldados ucranianos na Alemanha

Por Redação

30 de abril de 2022 : 11h41

DW – O Departamento de Defesa dos Estados Unidos informou que está treinando soldados ucranianos na Alemanha e ensinando-os a manusear sistemas avançados de defesa.

“Hoje posso anunciar que os Estados Unidos começaram a treinar sistemas-chave com as forças armadas ucranianas nas instalações militares dos EUA na Alemanha”, afirmou o porta-voz do Departamento de Defesa, John Kirby, em entrevista coletiva nesta sexta-feira (29/04).

Segundo Kirby, o programa de treinamento ocorre em coordenação com o governo alemão. “Estamos gratos pelo apoio contínuo da Alemanha”, disse o porta-voz.

Cerca de 50 ucranianos foram treinados a usar um obus, uma arma de longo alcance. Os soldados também aprenderão a usar sistemas de radar e veículos blindados.

Kirby disse ainda que a maior parte do treinamento está sob a responsabilidade da Guarda Nacional da Flórida, que já havia treinado as forças ucranianas antes da invasão do país pela Rússia em 24 de fevereiro.

“A recente reunião desses membros da Guarda Nacional da Flórida com seus colegas ucranianos, segundo nos disseram, foi emocionante, devido aos fortes laços que foram formados enquanto viviam e trabalhavam juntos antes de se separarem temporariamente em fevereiro”, acrescentou o porta-voz americano.

Segundo ele, os soldados ucranianos treinados “serão basicamente treinadores eles mesmos, pois vão voltar para a Ucrânia e treinar seus companheiros e equipe”.

Apoio ocidental à Ucrânia

Kirby afirmou ainda que o treinamento das forças ucranianas está ocorrendo também em outras partes da Europa, mas não divulgou locais.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, havia dito no final de março que tropas americanas estavam treinando soldados ucranianos na Polônia, mas essa afirmação foi posteriormente negada por autoridades militares.

A Rússia tem alertado países ocidentais contra o armamento das forças ucranianas. Em março, Moscou atacou um centro de treinamento da Otan perto da fronteira polonesa, em uma mensagem direta ao Ocidente.

Países como a Alemanha têm apoiado Kiev em meio à guerra travada pela Rússia. Nesta semana, o Parlamento alemão aprovou o envio de armas pesadas, como sistemas antiaéreos e veículos blindados, e sistemas complexos de defesa à Ucrânia. Berlim também deverá enviar mais soldados para aumentar a presença da Otan no Leste Europeu.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Nelson

30 de abril de 2022 às 18h55

Em artigo escrito há pouco mais de uma semana, a jornalista e escritora estadunidense, Sara Flounders, afirma:
“Se a Ucrânia os preocupa, desmantelem a NATO”

E, ao descrever, resumidamente, a situação da Ucrânia, a jornalista desmascara a monumental hipocrisia dos governos ocidentais e dos órgãos da mídia hegemônica e seus comentaristas que aparecem frente às câmeras e microfones enternecidos – fingidamente, por suposto – a demonstrarem sincera preocupação com o povo ucraniano:

“Muito antes da intervenção russa de 24 de fevereiro, o regime golpista-fascista de 2014 apoiado pelos Estados Unidos havia reduzido a Ucrânia ao país mais pobre da Europa e com a maior taxa de migração. O Fundo Monetário Internacional reestruturou a economia e exigiu medidas de austeridade que destruíram as pensões e cortaram o gasto social. As privatizações maciças de bens de propriedade social levaram à ruína económica.”

“A Ucrânia, apesar de estar inundada de armas da NATO, carece tanto de serviços sociais básicos que tem as taxas de vacinação mais baixas da Europa.”

“A guerra na Ucrânia poderia terminar hoje se os Estados Unidos deixassem de bombear milhares de milhões de dólares em armas letais e milhares de ‘assessores’ militares estado-unidenses e contratistas militares privados – mercenários – na Ucrânia.”

https://resistir.info/ucrania/s_flounders_23abr22.html

Responder

Sá Pinho

30 de abril de 2022 às 13h40

Quanto tempo ainda será necessário para os ucranianos se tocarem que Tio Sam, para evitar ser desbancado pela China na guerra geopolítica que travam, resolveu atacar militarmente a potência militar aliada aos chineses, a Rússia, para enfraquece-la utilizando a Ucrânia e os ucranianos como bucha de canhão, e os europeus também se tocarem que Tio Sam, ao mesmo tempo, resolveu atacar economicamente a Rússia, utilizando a Europa e os europeus como bucha de canhão?

E tem gente por aí, canhestramente adestrada pela mídia braço da classe dominante, que ainda pensa que a guerra maior de fato travada é a que ocorre entre Ucrânia e Rússia, como também ainda sequer desconfiam, que pela mesma guerra maior, a geopolítica entre USA e China, foi dado o golpe de 2016 no Brasil do BRICS, patrocinado por Tio Sam, utilizando então como bucha de canhão em seu inicio, em junho/2013, as sempre inocentemente utilíssimas, VIVAREB (Virginais Vanguardas Revolucionárias da Esquerda Brasileira), premonitórias com o “Não é só por 20 Centavos”, sem saberem de que realmente se tratava o oculto sujeito, manifesto avesso a revolução das ruas, o golpe de gabinete dado pela golpista classe dominante, três anos depois.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador da Bahia O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes