Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Caracas, 1 de maio de 2022. Crédito: Bruno Falci

Exclusivo da Venezuela! Bruno Falci sobre 1 de maio em Caracas

Por Redação

02 de maio de 2022 : 13h48

1º de maio em Caracas

Centenas de milhares de trabalhadores saem às ruas em defesa da revolução bolivariana

Por Bruno Falci , de Caracas para O Cafezinho

Na Venezuela, desde a chegada do presidente Hugo Chávez ao poder e do processo de transformação radical do país, denominado de Revolução Bolivariana, o povo sai às ruas de Caracas no 1º de Maio, todos os anos, para marchar e celebrar os alcances em benefício da classe trabalhadora. Esses avanços foram obtidos através da Lei Orgânica do Trabalho, dos Trabalhadores e das Trabalhadoras (LOTTT), instrumento legal criado por Chávez em 2012, visando amparar as classes populares e suas famílias. Através da LOTTT, o povo venezuelano conseguiu alcançar determinadas medidas de justiça social como, por exemplo, o período natal e pós-natal para as mulheres, redução da jornada de trabalho para 40 horas, direito a dois dias contínuos de descanso, inclusão profissional de pessoas com deficiências, entre outras iniciativas.

No primeiro de maio deste ano, organizações sindicais, movimentos sociais, forças revolucionárias e o Partido Socialista Unido de Venezuela (Psuv) marcharam a partir de diferentes pontos de Caracas. A caminhada por vários quilômetros, em um dia de céu azul e muito calor, começou na Praça Venezuela e terminou diante do Palácio Miraflores, sede do governo, onde o presidente Nícolas Maduro fez seu pronunciamento, em um palanque, ao lado da vice-presidente Delcy Rodriguez, de ministros, militares e representantes populares.

Havia uma atmosfera verdadeiramente festiva e de otimismo, com a presença de participantes e seus familiares, incluindo crianças, e de músicas e ritmos caribenhos. O desfile foi organizado por categorias de trabalhadores como, por exemplo, os setores petroleiros, dos transportes, da saúde e da educação.

No twitter, o Psuv destacou que o povo saiu as ruas “para recordar os heróis e heroínas que lutaram, lutam e seguirão lutando para alavancar a produção nacional, em meio das sanções, do bloqueio, da pandemia e das conspirações contra a Pátria”. Na chegada ao Palácio Miraflores, podia-se ver centenas de milhares de pessoas representando distintos sindicatos, agremiações, funcionários públicos e trabalhadores em geral desfilando com bandeiras, faixas e palavras de ordem em defesa da Revolução.

Foi uma marcha que revelou uma atmosfera de alegria e esperança em relação à superação da profunda crise provocada, a partir de 2015, pelas inúmeras sanções unilaterais e ilegais, segundo o Direito Internacional, que foram impostas pelos Estados Unidos e a União Europeia. A Venezuela vem superando a sua crise e, aos poucos, consegue reerguer a sua economia, após as sanções econômicas que destruíram todo o setor produtivo do país e a jogaram numa hiperinflação incontrolável.

De acordo com o Observatório Venezuelano de Finanças (OVF), órgão controlado pela oposição, o PIB do país cresceu 6,8 por cento no ano passado. Este ano, a projeção do Banco Credit Suisse é de um crescimento de 20 por cento, considerando também, para 2023, um crescimento de 8 por cento. Torna-se importante ressaltar que, de 2015 a 2020, a Venezuela perdeu quase 80 por cento de seu PIB.

Outra grave crise causada pelas sanções, que tem como principal objetivo o sufocamento econômico do povo venezuelano, foi o processo hiper inflacionário iniciado em 2017 e contornado recentemente com a reforma monetária, fazendo com que a inflação fosse controlada. Como exemplo, o índice nacional dos preços ao consumidor da Venezuela foi de 1,4 por cento. Esta marca destoa de países vizinhos, como a Argentina e o Brasil, que tiveram a maior inflação das últimas décadas. Enquanto isso, foi registrada nos Estados Unidos uma inflação de 1,2 por cento.

A Venezuela vive finalmente um momento de estabilidade dos preços.

A questão monetária também vive tempos mais tranquilos, com a moeda norte-americana cotada atualmente a 4,49 bolívares venezuelanos.

No mês de março, o governo do presidente Nicolas Maduro anunciou um aumento salarial mínimo e de aposentados em 1.200 por cento, buscando assim repor as perdas salariais provocadas pela hiperinflação e pela guerra econômica. Apesar de todas essas medidas, o caminho para a recuperação econômica é amplo e difícil, pois ainda não foram recuperados os níveis salariais anteriores à hiperinflação. Conforme o pronunciamento de Maduro, a estabilização econômica e salarial mostra que a Venezuela está se recuperando hoje graças aos esforços da classe trabalhadora do país.

Diante de centenas de milhares de trabalhadores, Maduro anunciou um bônus compensatório para os aposentados de 2.227 dólares, o equivalente a 10 mil bolívares para reparar as perdas dos aposentados durante a grave crise econômica que passou o país. Anunciou também a ideia de um fundo especial para trabalhadores que desejam financiar uma cooperativa, “um fundo financeiro nacional que funcione sob a direção da classe trabalhadora, que terá como aporte inicial 100 milhões de bolívares (22,2 milhões de dólares) para financiar projetos de trabalhadores”.

Por fim, aprovou a criação do Banco dos Trabalhadores Digitais “para depositar os benefícios em petros, uma criptomoeda idealizada pelo governo venezuelano, que vamos criar para a recuperação da qualidade de vida e da renda dos trabalhadores venezuelanos”.

O clima festivo dos manifestantes, que começara nas primeiras horas da manhã, ainda estava longe de terminar por volta das 16 horas.

Neste fio do Twitter, há fotos e vídeos.

Abaixo, fotos e vídeos do mesmo autor da reportagem.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

03 de maio de 2022 às 20h20

Iguaizinhas às manifestações do Pacaembu e da Paulista (esta última até que foi um pouco maior): só alienados e companheiros…

Responder

Miriam Reis de Andrade Guimarães

03 de maio de 2022 às 09h37

Parabéns, companheiro Bruno:
Tomara que o Brazil impire-se na Revolução Bolivariana!
Essa ,talvez, seja a mais eficaz metodologia revolucionária. Não só porque nela há conquistas direcionadas à luta de classes,como também há avanço na consciência política,não só do povo,.mas na Sociedade Política e nos Setores Militares desse Governo!
Спасибо,дорогой!
Lula 2022.
Miriam Andrade

Responder

Kleiton

02 de maio de 2022 às 14h37

Venezuela e Argentina já eram, o Brasil está tentando se salvar mas foi tarde demais. O Chile tem tudo em regra par descer pro ralo do esgoto também.

A desgraça da América Latina perdida atrás de ideologias podres continua firme e forte como nunca.

Responder

Jhonatan

02 de maio de 2022 às 14h34

“No mês de março, o governo do presidente Nicolas Maduro anunciou um aumento salarial mínimo e de aposentados em 1.200 por cento, buscando assim repor as perdas salariais provocadas pela hiperinflação e pela guerra econômica.”

Agora sim, o salário subiu 1.200% e chegou a cerca de 50 R$…..kkkkkkkk

É difícil acreditar de quanto a esquerda sul-americana em geral seja repleta de completos imbecis.

Responder

Galinzé

02 de maio de 2022 às 14h30

Parabéns aos venezuelanos e a todaa as conquistas que conseguiram através da Revolucion Bolivariana…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador da Bahia O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes