Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Imagem: Divulgação

Deyvid Bacelar: Retomada do papel estratégico da Petrobrás como empresa de energia

Por Redação

23 de junho de 2022 : 16h52

Programa de governo de Lula incorpora propostas da FUP, Ineep e Dieese

Por Deyvid Bacelar

A Petrobrás voltará a ser uma empresa integrada de energia, investindo em exploração, produção, refino e distribuição, e atuando nos segmentos voltados à transição energética, como gás, fertilizantes, biocombustíveis e energias renováveis.

A retomada do papel estratégico da Petrobrás como empresa de energia, ao invés de deixá-la concentrada somente no pré-sal – pleito tão defendido pela categoria petroleira –, é destaque das diretrizes do programa de petróleo e gás do futuro governo Lula-Alckmin, apresentado em evento da chapa nesta terça-feira, 21, em São Paulo, com a presença dos candidatos.

O documento “Nova Política de Petróleo e Gás para a Reconstrução do Brasil”, elaborado democraticamente por especialistas da Fundação Perseu Abramo, com contribuições dos partidos que compõem até agora a coligação (PT, PSB, PSOL, Rede, PC do B, PV e Solidariedade), incorpora propostas da Federação Única dos Petroleiros (FUP), do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), do Departamento Intersindical de Estudo e Estatísticas Socioeconômicas (Dieese) e da categoria petroleira que apresentou propostas nas Plenárias Nacionais da FUP em 2021 e 2022.

Ou seja, é resultado de um trabalho coletivo, construído com o embasamento técnico de dois órgãos de excelência de estudos e de pesquisas. A parceria FUP/Ineep/Dieese foi uma decisão estratégica dos petroleiros que permitiu avançar no entendimento do setor.

A importância histórica do Dieese, o papel estratégico da subseção do Dieese, e posteriormente o Ineep, criado em 2017, por inspiração do então coordenador-geral da FUP, José Maria Rangel, permitiram aproximar o movimento sindical das universidades e dos pesquisadores e, a partir das reflexões trazidas destes fóruns, foram aprofundadas ideias e sugestões em defesa da Petrobrás, do fortalecimento do setor petróleo no Brasil e da transição energética justa.

Essa soma de conhecimentos está traduzida nas diretrizes do programa, que enfatiza questões cruciais para o resgate da soberania do país, com um plano estratégico e de investimentos para a Petrobrás voltado para a segurança energética, a autossuficiência nacional em petróleo e derivados, a garantia do abastecimento de combustíveis no país e a geração de emprego.

“O acionista majoritário da Petrobrás deve propor claramente uma revisão do Plano Estratégico da companhia para o período 2023-2027, incluindo o aumento da integração vertical, voltando a operar do poço ao poste e ampliação, com maiores parcelas, das energias renováveis no portfólio dos projetos, seguindo a tendência mundial e de seus principais concorrentes”, diz o documento.

Em meio à conjuntura de escalada da inflação e disparada de preços de combustíveis, orientada pela equivocada política de preço de paridade de importação (PPI), o plano defende a retomada paulatina da participação do Estado na companhia, para ajudar a diluir as tensões com os acionistas privados e retomar o caráter estratégico de atuação de uma petrolífera, como a Petrobrás.

O texto ressalta ainda que a estratégia empresarial da Petrobrás – que hoje prioriza o lucro e os dividendos em curto prazo – e sua relação com o setor privado devem mudar, principalmente nos segmentos nos quais a saída da estatal aumentou a fragilidade do parque produtivo nacional.

Com visão ampla e integrada, o programa do próximo governo Lula propõe rever a institucionalidade do setor energético que envolve não apenas a indústria de Óleo e Gás (O&G), mas um extenso conjunto de indústrias cuja renda está atrelada a esse segmento.

Isso significa que as políticas específicas de exploração e produção, refino, gás e renováveis devem passar por transformações para lidar com inúmeros desafios como a destruição de clusters locais com a saída da Petrobrás; a desverticalização de cadeias produtivas; altas de preços de combustíveis; e a dependência de importações, entre outros.

Deyvid Bacelar é coordenador-Geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP)

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Nelson

25 de junho de 2022 às 23h55

Pela quantidade absurda de asneiras que o comentarista escreveu, fica estampado que, realmente, pode estar sofrendo de “mongolice ideológica”. Faças um favor para nós. Deixes de lado os órgãos da mídia hegemônica e comentaristas nos quais tu te alimentas de notícias e te disponhas a buscar informações em fontes mais confiáveis, fontes que tenham compromisso com a verdade e com o país e o povo brasileiro.

Se fizeres isso, logo verás o tamanho das bobagens que escreveste.

Responder

marco

24 de junho de 2022 às 14h32

Esses sindicalistas da Estatais estão mesmo é interessados na manutenção do privilégio de seus Fundos de Pensão, mesmo a custa da privatização de nossas empresas estratégicas.
É só seguir para onde foram as ações de quase todas as Empresas privatizadas desde o famigerado governo de fhc ; inclusive agora acontece o mesmo com as ações da Eletrobrás ,grande parte delas foram parar na “holding” BANESPAR que congrega : Previ, Petros, Funcef e outros fundos menores.
O dinheiro para construção dessas empresas deriva de nossos impostos para o usufruto de uma aristocracia sindical como denominou Lênin.

Responder

Ronei

23 de junho de 2022 às 21h55

Desde quando os sindicatos sabem do que vai e vem na Petrobras ?

O sujeito que eles adoram metia as mãos na Petrobras dia e noite para ficar no poder e esses tontos ficavam e ainda ficam bajulando o tempo todo…. imagino as pingas que o larápio não tomou pensando a quanto esse gente é imbecil e inútil.

O que os sindicatos querem é que a Petrobrás seja aparelhada por quem eles gostam para voltar a ser assaltada dia e noite, para voltar a ter o imposto sindical e ficar cegos, mudos e surdos como sempre foram.

Responder

Ugo

23 de junho de 2022 às 21h47

A Petrobrás não tem nem refinarias para refinar o petróleo Brasileiro depois de 40 anos…kkkkkkkk

Das 4 anunciadas nós governos da facção 1 só tá operando…kkkkkkk

Qual é a função social da Abreu e Lima que não se pagarà nunca….? Kkkkkkk

Basta abrir a porta de casa e olhar pra fora para ver a função social da Petrobrás….kkkkkkk

Vivem de mongolices ideológicas.

Responder

Jhonatan

23 de junho de 2022 às 18h41

Marcos,

a Petrobrás atendendo aos interesses dos brasileiros….? Tá fumando crack estragado ?

Responder

Kleiton

23 de junho de 2022 às 18h38

Não tem nada para entender, são um monte de besteiras, de invenções desconexas da realidade.

A Petrobrás chegou a dar prejuízos de centenas de bilhões aos Brasileiros nas mãos dos animais petistas.
A Petrobrás foi loteada pelo PT e entregue a gangues de assaltantes.
A Petrobrás foi usada por Lula e sua gangue para comprar a democracia e o poder.

E os sindicalistas da mesma que ficam lá o dia inteiro não sabiam de nada… ? Só alguém com claros problemas cognitivos…

Responder

Marcos

23 de junho de 2022 às 18h20

Kleiton parece que você não entendeu nada do que foi dito pelo Deyvid.
Vou traduzir para ficar mais fácil:
A Petrobrás vai voltar a ser uma empresa que atende os interesses do povo brasileiro e não um instrumento de beneficiar acionistas privados.
A Petrobrás vai reverter o processo de privatização que está ocorrendo desde o golpe de 2016, com o seu retorno a destribuição de gás e combustíveis liquídos vendidos nos governos pós golpe.

Responder

Kleiton

23 de junho de 2022 às 17h25

Sindicalistas tem problemas cognitivos.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina