Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Foto: Ricardo Stuckert

Lula e Marina fazem as pazes

Por Redação

11 de setembro de 2022 : 17h37

Neste domingo, 11, o ex-presidente Lula (PT) e a ex-ministra Marina Silva (Rede) fizeram as pazes. O anúncio foi feito após o encontro entre os dois e o apoio de Marina ao líder progressista.

“Hoje, a meu convite, depois de muitos anos, reencontrei com Marina Silva. Relembramos da nossa história, desde quando nos conhecemos. Conversamos por duas horas e ela me apresentou propostas para um Brasil mais sustentável, mais justo e que volte a proteger o meio ambiente”.

Antes da oficialização das pazes, Marina sempre deixou claro que apesar de manter suas críticas ao Partido dos Trabalhadores, nunca iria romper as pontes com o ex-presidente Lula. Vale lembrar que no pleito deste ano, a ex-ministra é candidata a deputada federal por São Paulo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Saulo

12 de setembro de 2022 às 20h26

….fazem as fezes.

Responder

Alexandre Neres

12 de setembro de 2022 às 10h50

Jair Bolsonaro é de extrema direita

segunda-feira, 12 de setembro de 2022 – 00:00:00
Jornal Folha de S. Paulo | Mundo | Mathias Alencastro

Muito além das variações nas sondagens, a desvinculação de Jair Bolsonaro (PL) da reserva inerente à instituição presidencial foi o verdadeiro fato político da semana do 7 de Setembro. Um processo simbólico, lançado pelo seu discurso abjeto no palanque oficial de Brasília, e prático, com a multiplicação da violência associada ao seu movimento.

Ela se manifesta a nível local, com o assassinato de pelo menos dois militantes de esquerda por apoiadores de Bolsonaro, e nacional, pela multiplicação das ameaças contra lideranças estaduais e nacionais. O presidente sempre jogou na ambiguidade quando foi instado a condenar esses atos, como se estivesse deixando em aberto a possibilidade de um dia avalizá-los.

Esses incidentes das últimas semanas precisam ser debatidos. A sociedade brasileira sofre de muitas patologias, mas a violência política jamais ganhou a amplitude de países como a Colômbia.

Os efeitos dessa escalada estão sendo sentidos no cotidiano da campanha. Como a Folha tem reportado, os eleitores dos candidatos democráticos, sobretudo mulheres e negros, estão com medo de sair às ruas. Predomina nas grandes capitais o clima de iminência de um acidente grave, que lembra odo Reino Unido em 2016.

Envenenada pelas mentiras dispersadas nas redes sociais, a disputa pelo referendo do brexit terminou com o assassinato da trabalhista Jo Cox por um indivíduo ligado a grupos extremistas. O trauma é lembrado até hoje pela perda de confiança da população na democracia.

Nesse contexto de radicalização, preocupa a hesitação do jornalismo brasileiro em desviar as convenções internacionais e continuar chamando Jair Bolsonaro de candidato de direita, ultradireita ou populista.

A ausência de uma associação do bolsonarismo à extrema direita, a sua corrente histórica, que tem raízes no Integralismo, já foi abordada nesta coluna e discutida em outras ocasiões neste jornal. Ela tem sido justificada pela necessidade de distinguir entre política institucional e luta armada ou pelo imperativo de impedir que a direita se tornasse o único polo a ser associado à violência política.

Essas justificações há muito deixaram de fazer sentido. A imagem dos Estados Unidos, o Brasil saiu do processo de polarização, marcado pelo acirramento de posições entre PT e PSDB, e entrou em outro, o da radicalização, liderado exclusivamente por Jair Bolsonaro.

Esse debate tem implicações práticas e imediatas. Posicionar o bolsonarismo na extrema direita é necessário para demarcar o campo conservador e criar incentivos contra novas alianças oportunistas. Como ficou claro na recente deserção do prefeito de Marília (SP), noticiada no Painel, políticos da base de Rodrigo Garcia (PSDB) já parecem dispostos a abandonar a herança de Bruno Covas, o único tucano a estabelecer a diferença entre as direitas, e dar sustentação a um projeto de poder em São Paulo que negou vacinas durante uma pandemia e tenta derrubar a Nova República.

A ausência de um debate sobre as direitas acaba atrasando a reconstrução da direita moderada, o desafio mais urgente e universal para a sobrevivência das democracias liberais. Formadores de opinião precisam explicitara extrema direita para impedir que o momento histórico do país se instale na permanência.

Responder

carlos

12 de setembro de 2022 às 08h15

Eu concordo com a netda da Valeriana, ela própria é a merda fedenta, lixo que não serve prá set reciclado pq tem um tipo dr lixo que vc pensa que não dá prá ser reciclado mas se engana .

Responder

Alexandre Neres

11 de setembro de 2022 às 20h41

Depois do show de horrores que passamos durante a pandemia, implementado por um desgoverno autoritário que tem como escopo destruir as instituições, praticante da necropolítica, ainda somos obrigados a ler uma passada de pano dessas. Por aí se vê como é naturalizada a escalada de violência, como os cidadãos de bem endossam o nazismo, por exemplo. Eis o escárnio com a sociedade civil brasileira: “Se há mesmo uma ultra-direita no Brasil ——eu vejo o movimento bolsonarista muito mais como reação um tanto destrambelhada de brasileiros sem maior defição (sic) ideológica aos abusos técnicos, ideológicos e morais de Lula, Dilma e de certos petistas e seus cúmplices— essa ultra-direita, se houver, é mínima e não se explicitou.”

Responder

Valeriana

11 de setembro de 2022 às 20h20

Bela merda…kkkkkkkkkkkk

Responder

EdsonLuíz.

11 de setembro de 2022 às 20h04

Não há ódio dentro de verdades!

Se há mesmo uma ultra-direita no Brasil ——eu vejo o movimento bolsonarista muito mais como reação um tanto destrambelhada de brasileiros sem maior defição ideológica aos abusos técnicos, ideológicos e morais de Lula, Dilma e de certos petistas e seus cúmplices— essa ultra-direita, se houver, é mínima e não se explicitou.

jair bolsonaro é apenas um aventureiro caricato que se aproveitou do caos provocado pelo PT após os petistas espalharem ÓDIO, MUITO ÓDIO E EM QUANTIDADES INDUSTRIAIS por anos contra as forças e atores politicos melhorezinhos.

Mas:
▪jair bolsonaro significa o mal, SIM, por tudo o que qualquer um, inclusive qualquer bolsonarista, se quiser, pode ver pelos atos e falas de bolsonaro. E, SIM TAMBÉM, há ódio nas falas e atos de jair bolsonaro!
▪ Lula significa ódio também, ódio que só é interrompido quando a vítima se submete aos seus interesses espúriios, que muitas vezes são iniciativas de apoio à truculência em outros regimes de ódio e com escaramussas desse autoritarismo aqui no Brasil.

E os dois populistas, Lula e jair bolsonaro, são envolvidos com operações irregulares e associações criminosas. bolsonaro associado com gente ligada a milícias e Lula associado e ele mesmo condenado por corrupção!

Denunciar abusadores não é ódio! Ódio é espalhar mentiras!

Mais ódio ainda é usar mentiras para chamar alguém de mentiroso!

Que os utilizadores de ódio não consigam com suas táticas esconder o ódio que produziram sempre e ainda consigam carimbar essa prática asquerosa do ódio em quem não a tem.

Falar as verdades necessárias não é ódio! Odiar quem desmascara a enganação e o ódio, ISSO SIM, é ódio!

EdsonLuiz.

Responder

Zulu

11 de setembro de 2022 às 19h26

O atraso cívil e cultural de 30 anos em uma foto só.

Não há como levar a sério a Pindorama.

Responder

Kleiton

11 de setembro de 2022 às 19h15

O retrato do terceiro mundo.

Responder

Paulo

11 de setembro de 2022 às 18h57

Pronto, taí a futura ministra do meio ambiente de Lula, se ganhar…Já garantiu a boquinha…

Responder

Alexandre Neres

11 de setembro de 2022 às 18h56

Precisamos parar com esse discurso de ódio emanado da extrema-direita. Essa tchurma enxerga perigo comunista em todo canto, em pleno século XXI, mas convenientemente se esquece de comentar sobre a Arábia Saudita, ditadura feroz e misógina, que é parceira da Metrópole que se apregoa defensora da democracia e da liberdade!

Responder

EdsonLuíz.

11 de setembro de 2022 às 18h47

Cuba puniu com 4 anos de reclusão os adolescentes que participaram de manifestação política no ano passado na ilha!

Os manifestantes adultos, que eram em boa parte artistas de várias profissões -atores, músicos, pintores, foram punidos com até 20 anos de prisão!

Lula e o PT apoiam e escrevem notas de solidariedade com o regime de Cuba e com seus sanguinários e cruéis controladores. Lula e o PT são cúmplices do sanguinário regime cubano. E eles não apoiam apenas Cuba, apoiam também inúmeros outros regimes truculentos!

Quem apoia Lula apoia o autoritarismo!

Marina e quem quer que apoie Lula dorme e acorda com a cumplicidade nessa perseguição aos democratas de Cuba, crianças e artistas punidos incluídos.

As crianças e os artistas se manifestavam em completa civilidade e pacificamente, reivindicando remédio, comida e liberdade.

Responder

Alexandre Neres

11 de setembro de 2022 às 18h19

Parabéns aos dois! Em vez de guardar ressentimento, é muito mais importante colocar a nação em primeiro lugar. Viva a democracia! Viva a civilidade! Viva o meio ambiente! Viva o trato afável e as opiniões divergentes!

Como diria o mestre Paulo Freire: “É preciso unir os divergentes para melhor enfrentar os antagônicos”.

Responder

Deixe um comentário