Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Foto: Divulgação

FUP quer impedir conclusão de venda de refinarias

Por Redação

24 de novembro de 2022 : 08h06

“O anúncio feito pelo ministro Adolfo Sachsida de suspensão de qualquer medida de caráter estratégico do Ministério de Minas e Energia (MME), até a posse do novo governo, é fruto de demanda feita pelo grupo técnico do governo de transição e da luta permanente da Federação Única dos Petroleiros (FUP) em defesa do patrimônio público e da Petrobrás, empresa que, ao longo do governo Bolsonaro, foi fatiada com a venda de ativos estratégicos”, disse o coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar, um dos membros do GT Minas e Energia.

“É fundamental que seja suspenso todo o atual processo de privatização de unidades da Petrobrás e que seja impedida a xepa de fim de governo. Estão correndo para fechar operações de conclusão de venda, o denominado “closing”, até 31 de dezembro”, acrescentou Bacelar, citando o caso das refinarias Isaac Sabbá, no Amazonas (Reman), e Lubrificantes e Derivados do Nordeste (Lubnor), no Ceará.

“Temos que barrar essas privatizações”, diz ele, referindo-se ainda à venda da Unidade de Industrialização do Xisto (Six), no Paraná, à  TBG, que faz o transporte de gás da Bolívia para o Brasil, Pólo Bahia Terra e Albacora Leste, entre outros.

No último dia 11, em ofício ao presidente da Petrobrás, Caio Paes de Andrade, e conselheiros da empresa, a FUP requereu a suspensão do anúncio do Plano Estratégico da estatal, período 2023/2027, previsto para o final deste mês.

Pedido de suspensão será feito também pela equipe de transição, que quer ainda o cancelamento da distribuição de R$ 43,7 bilhões em dividendos a acionistas, referentes ao terceiro trimestre deste ano.

“Estamos em transição de governo; portanto, é razoável que o novo plano estratégico seja realizado a partir das orientações e prioridades estratégicas do novo governo”, disse Bacelar, informando que a equipe do GT vai solicitar reunião com o presidente da Petrobrás para que a empresa se envolva com o processo de transição.

A Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim/MG, era uma das 8 refinarias listadas em acordo de privatização firmado entre o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a Petrobrás.

Além da refinaria mineira, outras três unidades foram efetivamente colocadas à venda no governo Bolsonaro, mas tiveram o processo de privatização paralisado: a Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná; a Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), no Rio Grande do Sul; e a Refinaria Abreu Lima (Rnest), em Pernambuco.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Rivaldo

25 de novembro de 2022 às 20h32

A refinaria da Bahia foi privatizada. Desde a privatização rxidte um monopólio privado e os derivados de ⛽️ petróleo na,Bahia são mais caros do que no resto do Brasil

Responder

Paulo

24 de novembro de 2022 às 21h45

Tomara que consigam! Mas não para perpetuar um sindicalismo parasitário, mas sim porque o Brasil precisa de refinarias…

Responder

Deixe um comentário