Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva (2nd-L) is greeted by Army Brigade General Francisco Albuquerque (R), next to Sao Paulo´s state Governor Claudio Lembo (L), during a ceremony at an Army headquarters, in Barueri, 26km west of Sao Paulo, Brazil, 11 August 2006. Lula da Silva said he will mobilize the army to help guard against crime in Sao Paulo state, where 180 people have been killed in violent clashes over the past three months. Lula told that he would visit Sao Paulo to speak with the army chief and ask for help in solving the crisis. Local officials in Sao Paulo have resisted previous offers of military involvement. AFP PHOTO/Mauricio LIMA (Photo by MAURICIO LIMA / AFP)

Gilberto Maringoni: Militares e momento rooseveltiano, decisões difíceis de tomam em início de governo

Por Redação

04 de dezembro de 2022 : 09h35

Por Gilberto Maringoni

Está na mídia e na voz dos especialistas: Lula teria cedido às ameaças do Alto Comando das Forças Armadas, que ganhou de presente a prerrogativa de indicar o Ministro da Defesa. Não há desmentidos até aqui. O cargo de Ministro é político. A escolha cabe exclusivamente ao Presidente, que exerce também o Comando Supremo das Forças Armadas. Não é prerrogativa da corporação.

O nome escolhido – e que logo tratou de alardear o feito – é o de José Múcio Monteiro, membro de tradicional clã pernambucano, filiado ao PTB (de Roberto Jeferson e Padre Kelmon), ex-presidente do TCU, ex-ministro de relações institucionais do governo Lula II e ex-deputado federal por cinco mandatos. Suas origens são a antiga Arena, partido de apoio à ditadura militar.

MÚCIO PRATICAMENTE SE AUTONOMEOU, após bolir com granadeiros e buscar o aval da coligação liderada pelo PT. Ato contínuo, foi elogiado pelo general Hamilton Mourão: “Um nome positivo para o cargo”.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, “Lula se reuniu com Múcio ontem, 28, e indicou que vai convidá-lo para chefiar a pasta da Defesa a partir de 2023”. Com isso, o pretendido grupo de transição da área não será constituído, numa exceção em toda a montagem da próxima administração.

DESCONHECEM-SE OS TERMOS DAS TRATATIVAS. No entanto, o histórico de arranjos e conciliações pelo alto na História brasileira forma uma sucessão de tragédias anunciadas. A imposição da anistia recíproca a militantes de esquerda e torturadores, em 1979 na vigência da ditadura, resultou na impunidade do atentado do Riocentro dois anos depois e na incubação da extrema-direita no meio militar. Esta reapareceu, quarenta anos depois, encarnada no bolsonarismo.

O discurso negacionista dessa turma em relação à ditadura e às barbaridades cometidas entre 1964-85 resultou na não responsabilização de criminosos fardados, cujos sucessores se sentiram fortalecidos para voltar a brandir o discurso da eterna tutela sobre o poder civil, embalados nas ambiguidades do caput do artigo 142 da Constituição. Curiosamente, em versões impressas da Carta, ele soma quatro linhas (!).

É BEM POSSÍVEL QUE POR TRÁS do comportamento do presidente eleito estejam promessas de pacificação das relações entre militares e o novo poder civil, em troca do esvaziamento das manifestações golpistas nas portas de quartéis. Se for isso, trata-se de derrota anunciada, sem disputa e sem pacificação alguma. Estará contratada a repetição da história de 1979 como farsa.

O NOVO GOVERNO tem pelo menos três grandes focos de tensão conservadora para que nada mude, com a impressão de que tudo mudou.

O PRIMEIRO é formado pelas vivandeiras da Faria Lima e do mercado financeiro, a propagar que o fim do teto de gastos equivalerá às sete pragas do Egito somadas ao Dia do Juízo Final. Ou seja, o mercado continuará em sua chantagem para que o orçamento público tenha como sócio preferencial o poder da grana. Acatar a patranha equivale a realizar novo estelionato eleitoral com as expectativas populares.

O SEGUNDO envolve as vivandeiras do Congresso. A chantagem aqui é forçar o governo a votar anualmente uma PEC sobre o montante de dinheiro extrateto a ser liberado de acordo com o mercado persa comandado pelo centrão e pelas bancadas da direita parlamentar.

E O TERCEIRO é o jogo pesado das paquitas da ditadura homiziadas na cúpula das Forças Armadas.

LULA TEM A CHANCE DE OURO de virar a esquina das conciliações pelo alto e de romper com uma desastrosa tradição brasileira, a de passar o pano para crimes dos de cima. A desmoralização e o escracho que Bolsonaro impôs ao mundo militar, com suas boquinhas nos planos de carreira, sinecuras na Esplanada, doses industriais de viagra, gel lubrificante, próteses penianas, inépcia logística no trato da pandemia e arreganhos golpistas levou os coturnos a baixos níveis popularidade inéditos na República.

Este é o momento rooseveltiano dos cem dias após a vitória, no qual o novo poder tem força suficiente para impor seus termos a um oponente cuja maior força reside em parlapatices costumeiras. Não é interessante comprar ameaças pelo valor de face, quando podem valer menos no mercado das lorotas públicas.

Deixar a caserna exercer autogestão onde ela não deve se meter – a esfera política – significa contratar a calmaria no curto prazo e receber tempestades no médio. A arrogância fardada só recuará se a autoridade civil exercer plenamente o mandato conferido pelo eleitorado. Não há mediações aqui. Em caso de recuo, o poder armado avançará sobre o poder cidadão.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ricardo Fernandes

05 de dezembro de 2022 às 01h27

O autor do texto é mais um “revolucionário” do PSOL. Acho que ele pretende “tensionar” o governo do PT “pela esquerda”, para que o Lula lidere uma revolução identitária com um exército woke (que deverá acontecer na Terra do Nunca, onde esses “intelectuais” pretendem viver).

Responder

Ricardo Fernandes

05 de dezembro de 2022 às 01h14

Ótimo! Vamos enquadrar os milicos (e por que não o judiciário? Artur lira e o centrão? a Globo, a Jovem Pan e o resto da quadrilha?). Amanhã às seis da manhã aguardo o resto do exército de libertação nacional na esquina da rua onde moro (o autor do texto acima será ansiosamente aguardado). Quem não for será quinta coluna, que só quer mesmo é dar sugestão, o mais longe da revolução que puder.

Responder

Paulo

04 de dezembro de 2022 às 23h29

Orlando, quem ganha guerra é o exército…

Responder

Orlando Soares Varêda

04 de dezembro de 2022 às 22h55

Marinha e Aeronáutica, de fato, podem apresentar alguma serventia. Todavia, o tal de exercito composto por um bando de “sem-nada-pra-fazer. Via de regra, homens vagueiam fantasiados com uniformes verdes, enfeitados com camuflagem
de guerra. Quem sabe…Seria para apoiar o tio san contra a Rússia?

Entendo que, para o bem de todos, em espcial para o Brasil, o melhor, seria aposentar todos esse senhores e devolver ao povo todos imóveis inclusive residências. Além da enorme economia, acabar com o exército nos livraria da insuportável expectativa permanente de golpes militáres.

Orlando

Responder

Nilson Moura Messias

04 de dezembro de 2022 às 15h48

Sempre votei na esquerda, se o próximo governo não reformar os milicos golpistas, não julgar os milicianos bolsonaros, minúsculo mesmo, nem chegar junto de sérgio moro, minuscúlo, e os procuradores da lava jato, será meu último na esquerda, mais precisamente no PT.

Responder

Darcle Teixeira

04 de dezembro de 2022 às 13h26

O poder civil tem que encontrar meios jurídicos para processar os militares que participaram de 64 e os adeptos da ditadura. Que manda é o poder civil, e o Congresso deveria acabar com o exército que não tem nenhuma serventia para o povo brasileiro.

Responder

Paulo

04 de dezembro de 2022 às 11h39

Achar que as FFAA estejam em queda de popularidade é bobagem. Basta ver o n° de votos que teve Bolsonaro…

Responder

Deixe um comentário