Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Multidão lotou a Cinelândia no RJ, no dia 7/7/22, para ver Lula. Foto: Ricardo Stuckert

Primeira pesquisa Quaest pós-eleição mostra que Lula recuperou parte da classe média perdida em 2018

Por Miguel do Rosário

08 de dezembro de 2022 : 11h24

Habemus pesquisa!

A Quaest divulgou hoje a sua primeira grande pesquisa de opinião, com dados bastante abrangentes, oferecendo uma generosa refeição aos analistas de política.

Temos aqui não apenas comida farta, mas sobretudo nutritiva, saudável, pois a pesquisa vem ancorada num poderoso controle: a votação do entrevistado no segundo turno das eleições presidenciais de outubro.

Insisto nesse ponto, que é fundamental, porque agrega valor científico ao trabalho. A Quaest entrevistou 2.005 brasileiros, “face a face”, presencialmente. Desses entrevistados, 39% votaram em Lula no segundo turno, 37% em Bolsonaro e 24% se abstiveram ou votaram branco ou nulo.

Os números são parecidos com aqueles que emergiram das urnas, de modo que isso nos dá segurança de que, em pelo menos um aspecto, a amostra é representativa do eleitorado brasileiro.

É a isso que, em estatística, chamamos “controle”.

E o que diz a pesquisa? Comecemos por um dado que nos parece fundamental, e que serve para diluir o conceito de “sociedade dividida”. Segundo a Quaest, 93% dos entrevistados afirmaram torcer “para que Lula faça um bom governo”.

Naturalmente, é preciso desconfiar muito da sinceridade com que se responde a uma pergunta dessa. E também considerar que a resposta negativa pressupõe uma postura antipática, quase autodestrutiva, pois uma coisa é estar pessimista quanto a qualidade da nova administração que se inicia em janeiro, e outra é torcer para que as coisas não dêem certo.

Mas essa é justamente a vantagem, digamos, estrutural de um presidente no cargo. Não estamos mais diante apenas do chefe político, da liderança partidária, do representante de uma parcela – mesmo que majoritária, como é o caso de quem vence uma eleição presidencial – da sociedade. O presidente da república experimenta uma metamorfose política profunda, pois se transforma no comandante máximo do Estado nacional, o piloto do avião, e qualquer movimento contra ele, mal ou bem, produzirá turbulências que afetarão a vida de todos.

Esse é o motivo, inconsciente ou não, do desespero dos apoiadores mais radicais de Bolsonaro, e das lágrimas incontidas do atual presidente. A partir de janeiro de 2023, Lula será também o presidente deles. Lula indicará ministros de Estado, mais uns dois ou três juízes do STF, dezenas de desembargadores, influenciará na escolha dos comandantes das forças armadas, determinará nossa diplomacia, e, sobretudo, será uma voz influente – para o dizer com modéstia – na definição dos rumos da nossa economia.

Voltemos, porém, para os dados da pesquisa referentes à votação no segundo turno. Os resultados gerais já os conhecemos, pois são públicos, divulgados pelo TSE. A Quaest, porém, nos oferece uma novidade, que é a segmentação por sexo, renda, religião e região.

A proximidade da eleição e a existência do controle nos autorizam a acreditar que estes são os números mais próximos da realidade de que dispomos, e serão extremamente úteis para a elaboração das estratégias políticas daqui para frente.

Por sexo, os resultados do segundo turno deram vitória para Lula no segundo turno, com quatro pontos de vantagem: 40% X 36%. Entre homens, por outro lado, Bolsonaro ficou à frente, com 38%, um ponto à frente de Lula, com 37%.

Os dados por escolaridade mostram que Lula venceu com folga entre eleitores de baixa instrução, com até o ensino fundamental, por 42% X 31%, ao passo que perdeu entre aqueles com ensino médio ou superior, incompleto e completo. Curiosamente, Lula foi melhor entre eleitores com ensino superior (completo ou incompleto) do que entre aqueles com ensino médio. Entre eleitores com ensino médio, Bolsonaro venceu com 6 pontos de vantagem, 41% X 35%, contra apenas 4 pontos de vantagem entre aqueles com ensino sueprior, 42% X 38%.

De qualquer forma, esses números reforçam a necessidade do governo investir pesado em estratégias de comunicação voltadas para o eleitor mais instruído.

Sempre bom enfatizar que fazer um bom governo, um governo conduzido com eficiência, transparência e bom senso, é o primeiro passo de uma boa estratégia de comunicação. Não basta, porém. Nessa guerra de memes, simulacros e aparências em que se converteu a política hoje, será preciso desenvolver estratégias de inteligência e comunicação muito sofisticadas, sem as quais o governo Lula dificilmente chegará inteiro ao fim do mandato.

Os números da Quaest indicam o caminho: é preciso reconquistar a classe média, aqui entendido sobretudo pelos setores mais instruídos da sociedade.

E a razão pela qual é importante reconquistar a classe média é o papel hegemônico que esta desempenha na guerra de narrativas em que se converteu o debate político contemporâneo. Lula apenas conseguiu vencer porque logrou dividir a classe média. O petista obteve apoio maciço dos setores mais progressistas da classe média, com ênfase entre jovens, artistas, intelectuais, cuja opinião reverberou fortemente nos estratos médios, reduzindo ou mesmo neutralizando a enorme rejeição que se cristalizou, neste meio, contra Lula, o PT e a esquerda de maneira geral.

Examinando os números da Quaest, está claro que Lula já conseguiu recuperar um naco importante da classe média perdida em 2018. Mas ainda não tem maioria neste segmento. E a esquerda apenas obterá hegemonia moral na sociedade, e estabilidade política no governo, quando ampliar o seu prestígio na classe média.

Entre famílias com renda de 2 a 5 salários, Lula recebeu 38% dos votos, quase empatado com os 40% de Bolsonaro. E teve 31% entre aquelas com renda acima de 4 salários, contra 49% para Bolsonaro.

Não estamos falando aqui de pessoas ricas. Esses estratos médios da sociedade são compostos, em sua ampla maioria, de trabalhadores cuja renda lhes permite apenas viver com dignidade, sem grandes luxos. A parcela de ricos no Brasil não passa de 1%. Entretanto, mesmo sem luxo, a classe média brasileira detêm enorme poder político, pois domina praticamente todos os cargos de responsabilidade no setor público e privado. Se Lula perder os setores de classe média que conseguiu reconquistar nessa eleição, terá imensa dificuldade para enfrentar a oposição da direita radical que nasceu junto com o bolsonarismo.

Note que o percentual de abstenção entre famílias de baixa renda foi bastante superior àquele registrado entre as mais abastadas.

Entre eleitores com renda familiar até 2 salários, a abstenção ou voto nulo chegou a 29%, contra 22% entre aqueles com renda de 2 a 5 salários e 20% entre os que ganham mais de 5 salários. Isso explicaria também o resultado apertado no segundo turno. Como Bolsonaro tem mais votos entre eleitores de maior renda, a menor abstenção deste segmento lhe beneficiou. Como as pesquisas tem dificuldade para apurar o percentual de abstenção, mais uma vez ficou claro que os candidatos mais dependentes do eleitor de baixa renda são aqueles que experimentam mais quebra entre o percentual de intenção de votos registrado nas sondagens pré-eleitorais e a quantidade concreta de votos que emerge das urnas. \

O problema da abstenção, portanto, existiu em 2022, mas era localizado: entre os mais pobres. A mobilização para que houvesse passe livre, no dia da eleição do segundo turno, no maior número possível de cidades, portanto, foi fundamental para a derrota da extrema-direita de Jair Bolsonaro.

A íntegra da pesquisa pode ser baixada aqui.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

08 de dezembro de 2022 às 23h52

Eu já acho que o país continua dividido – e essas pesquisas corroboram isso ( o “desejar boa sorte” ao novo governo é apenas conveniência). Enquanto os dois protagonistas dessa divisão não tiverem seu passamento confirmado isso não terminará…

Responder

Tiago Silva

08 de dezembro de 2022 às 19h04

Comentários sobre alguns dados da pesquisa:

Bolosnaro ganhou por 42% a 38% entre aqueles com ensino superior… daí a necessidade de se fazer mais Universidades Públicas ao invés de financiar Faculdades Privadas que não pesquisam e só empurram para a lógica das dívidas estudantes que são presas fáceis de MBL ou Bolsonarismo. Não é uma mera estratégia de comunicação que reverte esse quadro, mas questão de formação.

O Lula obteve apoio maciço dos setores mais progressistas da classe média, com ênfase entre jovens, artistas, intelectuais… porém foi odiado pela imensa maioria dos empresários (ou quem se acha empresário), médicos e pessoas vinculadas à Bala, Bola, Bíblia e Boi – talvez nesses casos seria interessante uma estratégia de comunicação eficiente, inclusive para desmistificar muitas das crenças neoliberalóides que esses segmentos acreditam.

E Miguel destaque que: “Note que o percentual de abstenção entre famílias de baixa renda foi bastante superior àquele registrado entre as mais abastadas.” Ora, isso é apenas a materialização de algo que já deveria estar óbvio, ou seja, que a Direita (Bolsonaro, MBL, etc) conseguiram politizar o público de classe média e classe alta, enquanto o PT despolitiza ao não ter coerência, ao apenas fornecer consumo para as massas e ao não combater o neoliberalismo ou golpismo que implantou o neoliberalismo de Temer, Sérgio Moro e Bolsonaro.

P.S. Para reconquistar a classe média decorre de realizar Reformas Institucionais, pois a Classe Média Baixa (2-5 SM) espera uma Reforma Trabalhista que lhe possibilite os direitos cerceados (além do aumento do Salário Mínimo) e a Classe Média (5-10 SM) espera uma Reforma Tributária mais progressiva (inclusive com maior isenção na primeira faixa do IR, mas principalmente tributação de Lucros, Dividendos, Herança e Grandes Fortunas sobre os que ganham mais rendimentos advindos do Capital).

Responder

Adriano Versiani

08 de dezembro de 2022 às 17h42

Parabéns Miguel, excelente análise.

Responder

Edu

08 de dezembro de 2022 às 11h55

É claro que o brasileirinho roubadinho, filho de uma puta rampeira, escrota, esse tem orgulho de ser um imbecil antipetista, um ser que não serve nem para adubo

Responder

Bandoleiro

08 de dezembro de 2022 às 11h50

Essa Faria Lima gosto do Larapio e das tropas de camelos que vem de reboque…

Responder

Deixe um comentário