Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Crédito: Sebastian Castaneda/REUTERS

A tentativa de reconstrução do Peru após o fracassado golpe de Pedro Castillo

Por Gabriel Barbosa

08 de dezembro de 2022 : 12h18

Ainda era final da tarde desta quarta-feira (7) quando Dina Boluarte foi empossada como a nova presidente do Peru. A transferência de poder foi oficializada após a destituição e prisão de Pedro Castillo pela tentativa de golpe, por meio da dissolução do Congresso e a implantação de um “governo de exceção”.

Com rejeição de 70% da população, segundo pesquisas recentes de opinião pública, a destituição de Pedro Castillo foi aprovada por 101 votos dos 130 parlamentares que formam a Casa Legislativa Nacional. Vale lembrar que o próprio Congresso é dono de uma exorbitante rejeição de 86%.

Em sua primeira ação como governante máxima, Dina Boluarte pediu trégua a oposição liderada pelo grupo fujimorista para colocar fim ao impasse político e a crise institucional. Nessas primeiras horas, a presidente vai formar e anunciar o novo gabinete ministerial.

Como Boluarte pretende terminar o mandato, que vai até julho de 2026, a avaliação é que a principal tarefa do novo governo será de buscar a sobrevivência em meio a hostilidade política que se instaurou dentro do Parlamento peruano. A tarefa não será fácil e não se descarta a possibilidade de renúncia da nova presidente e consequentemente, novas eleições.

Tanto é que em seu primeiro discurso, a chefe de estado destacou a necessidade de “unidade nacional” e disse que, no momento, os partidos devem deixar de lado suas divergências para reconstruir o país assolado pela crise. “Faço um pedido muito concreto à representação nacional, solicito uma trégua política para instalar um governo de unidade nacional”.

Nas entrelinhas, Dina deixa claro que não tem interesse na continuidade do confronto político, que marcou os 16 meses do governo de Pedro Castillo e o Congresso, formado majoritariamente por políticos de direita. Após sua destituição, Castillo foi detido e levado para a sede da prefeitura de Lima e, na sequência, transferido para uma base policial.

Além das denúncias de corrupção e as investigações em curso, o agora ex-presidente peruano foi acusado em flagrante pelo crime de rebelião. Vale lembrar que no Peru, existe uma operação semelhante a Lava Jato, que também é liderada pelo Ministério Público, e que acusa Castillo de comandar suposta organização criminosa.

Gabriel Barbosa

É jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM. Atualmente é Chefe de Redação do Cafezinho e pós-graduado em Comunicação e Marketing Político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Zulu

08 de dezembro de 2022 às 13h07

Uma coisa é certa… dessas republiquetas da america latrina ninguem tem nada a aprender, sò palhaçadas , bananices, ladroagem…sò folclorde quarta serie, percas de tempo e nada de util.

Responder

Deixe um comentário