A revolução não será delatada - O Cafezinho

O Cafezinho

terça-feira

18

abril 2017

62

COMENTÁRIOS

A revolução não será delatada

Escrito por , Postado em Arpeggio, Lava-Jato, Miguel do Rosário

“Você não poderá ficar em casa, irmão”.

Assim começa o famoso – e maldito – poema de Gil Scott-Heron, a Revolução não será televisionada.

Há uma razão para os roteiristas de Homeland, a premiada série política americana, incluírem trechos desse poema, recitados pelo próprio Gil, na abertura de todos os episódios da temporada 6. O clímax dramático da temporada acontece no episódio 11, quando Saul, ex-agente da CIA, explica à presidenta eleita sobre os métodos usados por seus adversários para enfraquecê-la.

Eu transcrevo a fala de Saul aqui, por motivos que vocês entenderão rapidamente conforme forem lendo:

É sério? É difícil ouvir o que vocês estão falando. Porque o que eu estou ouvindo não é um plano. Rastrear o dinheiro? Acreditem, é muito mais difícil do que pensam. Vocês ainda estarão fazendo isso quando o mundo rolar por cima de suas cabeças. Por que não conseguem enxergar? Está acontecendo debaixo de seus narizes! Já temos O’Keefe (blogueiro de extrema-direita). Temos uma campanha de desinformação projetada para desacreditar a presidenta eleita. E a partir de hoje temos tropas em terra e os manifestantes dos quais me desviei para chegar aqui. Isto não lhes é familiar? Porque para mim, sim. Nós fizemos isso na Nicarágua, Chile, Congo, em vários outros países, começando pelo Irã, nos anos 50. E o regime eleito se dá mal. A vida de vocês está em jogo, entenderam? Vocês não podem se calar. E não me refiro à coletiva de imprensa.

– Ao que você se refere?

– Você o intimou a mostrar a cara e foi o que ele fez. Você tem que enfrentá-lo.

Desculpem se pareço repetitivo, mas eu sinto necessidade de afirmá-lo novamente: o que está acontecendo no Brasil, com a Lava Jato, é um golpe de Estado.

Assim como ocorre na trama de Homeland, e, na verdade, em quase todas as histórias parecidas, os articuladores do golpe não são os políticos, e sim as forças de segurança do próprio regime. No caso do Brasil, é a Lava Jato, ponta-de-lança dos setores mais radicalizados desse monstro de três cabeças que substituiu os militares de 1964: Ministério Público Federal, Polícia Federal e Judiciário.

Em algum momento, esses três setores perceberam que, trabalhando juntos, poderiam assumir o poder político no país.

Para isso, é preciso disseminar uma quantidade faraônica de desinformação, com vistas a desacreditar todo o sistema político, eleito pela população.

Dalton Dallagnol, por exemplo, aproveitando-se do momento, tem distribuído, via whatsapp, um artigo de José Padilha, que traz uma análise primária, profundamente preconceituosa, cheia de exageros e omissões, sobre o sistema político brasileiro. Não fala nada sobre desigualdade de renda. Não fala nada, claro!, sobre concentração da mídia.

É claro que o nosso sistema político tem milhares de falhas. Mas é insanidade total destruí-lo sem termos nada para pormos em seu lugar.

Sobretudo, é antidemocrático e desonesto desacreditá-lo a golpes de delação.

Esse último espetáculo da Lava Jato me provocou profundas náuseas. No vídeo com Emilio Odebrecht, vemos o procurador usar o interrogatório para tentar incriminar a revista Carta Capital! É muita podridão! É Emílio, o delator, o corruptor, o “vilão”, que tenta defender a revista, explicando ao procurador que os adiantamentos de publicidade que fez à Carta Capital também foram usados para o Estadão, Folha, Correio Braziliense, para toda a imprensa brasileira!

Como a história se repete!

O “mar de lama” do tempo de Vargas era a Lava Jato daquela época. Os mesmos jornais, representantes das mesmas forças reacionárias, acusavam o governo de ter financiado, através do Banco do Brasil, a Última Hora, de Samuel Wainer. Anos depois, Nelson Werneck Sodré, em sua História da Imprensa Brasileira, resgata documentos que provam que (olha eles de novo!) Folha, Estadão, Globo, Correio da Manhã, receberam financiamentos, do mesmo Banco do Brasil, ainda maiores!

No post anterior, eu já explicitei esse raciocínio, mas gostaria de aprofundá-lo: a delação (o fato de ser “premiada” apenas a torna ainda mais ilegítima) é a representação mais perfeita da antiverdade.

O problema não se trata apenas de acreditar ou não numa delação, e sim dar legitimidade ao discurso de um delator!

Uma delação pode até conter várias verdades, mas a maneira como essas verdades são contadas podem configurar a maior mentira de todas!

Se a imprensa comercial, que depende de sua credibilidade, especializou-se, de maneira tão sofisticada, em produzir pós-verdades em série, o que dizer de um delator?

O problema da informação política destinada às grandes massas é que estas não são guiadas por informações verdadeiras, e sim por símbolos fortes que vão de encontro a seu profundo irracionalismo, conforme explica Wilhelm Reich, em Psicologia de Massas do Fascismo.

É assim que fazem os partidos políticos. É assim que fazem os grandes meios de comunicação.

A Lava Jato está legitimando, no topo da pirâmide social, a repressão brutal e indiscriminada que sempre aconteceu embaixo. Por isso, não é lógico que setores da esquerda defendam a operação com o argumento infantil de que está “prendendo empresários e políticos”, ou “desmontando o sistema político burguês”. O objetivo de um regime democrático, seja de esquerda, socialista ou liberal, não é “prender empresários e políticos”, e sim ampliar o conjunto de direitos e liberdades à disposição da sociedade. Ou seja, temos que prender menos, não mais. Se há políticos e empresários que cometeram crimes, que sejam punidos, mas com direito amplo à defesa, inclusive o de responder ao processo em liberdade!

Nos últimos dias, o STJ indeferiu habeas corpus para o Almirante Othon Pinheiro e para o ex-ministro Pallocci. O judiciário tornou-se um bloco monolítico em apoio às violências e arbítrios da Lava Jato, até porque os ministros tem medo da operação. Um ou outro ministro do STJ que ousou discordar de seus métodos foi rapidamente enquadrado através do modus operandi da Lava Jato, que é vazar alguma coisa contra a pessoa. Como a Lava Jato detêm o maior banco de dados do país, com dados eletrônicos, telefônicos, fiscais, bancários, de milhares de pessoas, não é difícil para seus operadores vazarem um trecho qualquer em que um investigado menciona o nome de alguém. Daí essa nova categoria penal, genial, terrível, que a imprensa adotou com tanto entusiasmo e cinismo, como se tivesse existido desde sempre: o citado na Lava Jato. Fulano foi “citado” na Lava Jato. Não quer dizer nada, mas é o bastante para se iniciar um desgastante e paralisante processo de enlameamento da reputação.

Luciana Genro, defensora da Lava Jato, acaba de sentir o bafo na nuca, ao aparecer como recebedora de uma quantia de empresa vinculada à Odebrecht.

Temos de tomar muito cuidado, porém, para não sucumbir às violências morais da Lava Jato.

A situação do PT é muito complicada do ponto-de-vista narrativo. Eles tem de jogar não apenas contra um time infinitamente mais poderoso, porque tem mídia, mas contra o próprio juiz!

Os militantes e operadores políticos do PT lutam com as armas que conseguem, a custo de muito sacrifício, tomar das mãos de seus inimigos, brandindo em suas redes pedaços de delações que possam neutralizar o jogo de acusações e contra-acusações que um partido lança ao outro. É um método perigoso, porque ao mesmo tempo que atinge o seu inimigo partidário, também fortalece os operadores que atuam como adversários políticos e jurídicos.

A leitura do livro Justiça Política, de Otto Keichmeiner, que relata as aflições de operadores políticos europeus e russos, comunistas, social-democratas, nazistas, liberais, de todos os credos, para transformarem batalhas judiciais em capital político, me fez compreender melhor os dilemas dos partidos brasileiros em meio à guerra jurídica.

Keichmeiner estuda generosamente o problema do “delator”, que é uma figura sempre presente na justiça política. Ele explica que o delator jamais falará a verdade. O delator tentará, invariavelmente, dizer alguma coisa que beneficie a si mesmo, que agrade ao interrogador e que, naturalmente, atinja com a maior violência possível o adversário das forças que controlam o processo de delação.

A Lava Jato ainda tem cartas na mão. Ela pode prender quem ela quiser, e obrigar essa pessoa a delatar.

Isso sem contar os que já estão presos, e ainda não se decidiram a delatar: Pallocci, Eike Batista, João Santana e sua esposa, Sergio Cabral.

Qual a resistência psicológica de cada um desses antes de falar exatamente o que os procuradores querem ouvir?

A partir do momento em que se elege a “delação” como principal arma política, e as críticas à delação são neutralizadas por uma estratégia bastante sofisticada de relações públicas (que inclui vazamentos cuidadosamente seletivos), então os órgãos de repressão detêm um poder descomunal. Um delator pode dizer tudo que você quiser. Pode falar, por exemplo, que um determinado dirigente político “sabia”. Que numa noite tal, foi conversado “tal coisa”.

A ética desse tipo de investigação é deplorável. Aprovar e apoiar a delação premiada foi mais um desses atos suicidas do PT que nasceram de sua debilidade no campo do pensamento jurídico, e, mais genericamente, de sua miséria intelectual, ao não criar um think tank que discutisse, antes de tomar qualquer decisão, os seus prós e contras.

Delação é uma coisa negativa, antiética. O ser humano precisa ser leal, sempre! Sem confiança, sem lealdade, não há política, não há solidariedade, não há civilização.

Se alguém precisa denunciar um crime que testemunhou, de um político ou empresário, que seja uma delação espontânea, baseada na consciência de que está fazendo um bem à sociedade.

Premiar a delação é bizarro. Premiar uma delação extraída de alguém sob tortura, sob ameaça de permanecer em “prisão cautelar” por tempo indeterminado, é duplamente bizarro!

Quanto à questão de se “acreditar” numa delação, não creio que exista nada mais profundamente antijornalístico ou mesmo antifilosófico.

Um jornalista não deveria acreditar nem em provas.

Um jornalista de verdade não deve acreditar em nada.

A história já mostrou muito bem que provas podem ser manipuladas, e que a nossa própria consciência nos prega um monte de peças.

Um jornalista não precisa “acreditar” em alguma coisa. Ele deve questionar. Questionar, sobretudo, o poder!

Cadê todos aqueles jornalistas que viviam dizendo que a imprensa deveria questionar o poder? Onde está o questionamento do judiciário, da Lava Jato, do Ministério Público, da própria grande imprensa?

O trabalho do jornalista deveria constituir, sempre, um contraponto à violência do Estado. Se alguém é acusado pelo Estado, não compete ao jornalista se aliar ao Estado na acusação. Um jornalista dotado de espírito democrático, humanista e liberal deve ouvir, primordialmente, a versão do acusado, porque ele é a parte frágil do processo.

A Lava Jato nos revela ainda uma outra coisa, extremamente importante: a demagogia é desonesta, hipócrita e cínica.

Testemunhamos, esse tempo todo, colunistas da grande imprensa declarando que a justiça brasileira é boa porque está prendendo “poderosos”, sem jamais lembrar aos espectadores/leitores uma coisa óbvia. Os verdadeiros poderosos não vão presos. É exatamente por isso que eles são poderosos. É uma questão lógica.

Se alguém é preso pela Lava Jato, isso é prova cabal de que esse fulano não era tão poderoso como ele mesmo pensava. A Lava Jato pode estar prendendo políticos e empresários, mas não poderosos!

A Lava Jato está revelando, com uma clareza solar, quem são os verdadeiros poderosos no país: o Estado burocrático, não-político, em primeiro lugar, representado por seus agentes de repressão; em segundo, os barões da mídia; os banqueiros, em terceiro.

Encerro o post com um outro trecho do poema de Gil Scott-Heron:

A primeira revolução acontece quando você muda a sua mente sobre como ver as coisas, e percebe que pode haver uma outra maneira de olhar para elas que ainda não lhe mostraram. O que você vê depois é o resultado disso, mas essa revolução, esta mudança que se opera em sua maneira de ver, não será televisionada.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário

Editor em Cafezinho
Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.
Miguel do Rosário

terça-feira

18

abril 2017

62

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

62 COMENTÁRIOS

  1. Alcione Melo
  2. JC
  3. MURILO SIQUARA
  4. tanan
  5. Samuka
  6. Dario
  7. Cláudio Marcelo de Freitas
  8. Daniel
  9. Ruan pablo
  10. Cláudio
  11. maria judith ribeiro
  12. Ronaldo Antonio Marques
  13. Maria
  14. Veritas
  15. KIKO
  16. Getúlio Beleza
  17. Cláudio
  18. Sidnei Oliveira
  19. Veritas
  20. LULA2018
  21. José Eduardo de Camargo
  22. ari
    • José Eduardo de Camargo
  23. Edna Baker
  24. Sidnei
  25. Atreio
  26. Sergio Santos
  27. Reginaldo Gomes
  28. Mário Cesar Serafim
  29. Marcelo
  30. Ricardo Godinho
  31. Antonio Passos
  32. Atreio
  33. Edson
  34. Celina
  35. Sebastião Farias
  36. Luiz Carlos P. Oliveira
  37. Sérgio
    • a
  38. CARMEN EURYDICE CALHEIROS GOMES RIBEIRO
  39. Jose carlos lima
  40. Jose carlos lima
  41. enganado
  42. Sérgio
  43. Claudio
  44. Lolita Avila