Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

CPI do Cachoeira: muitas águas vão rolar

Por Miguel do Rosário

08 de agosto de 2012 : 23h37

CPI quer identificar envolvidos nos 3 poderes e imprensa

Enviado por luisnassif, qua, 08/08/2012 – 14:04

Por Marco Antonio L.
Do Opensante

Paulo Teixeira: CPI vai identificar envolvidos no executivo, legislativo, judiciário e imprensa

Saiu no Blog do Dirceu uma entrevista com o deputado Paulo Teixeira sobre o tema “jornalista bandido bandido é”: Paulo Teixeira: CPI vai identificar envolvidos no executivo, legislativo, judiciário e imprensa

Ao fazer o balanço do andamento da Comissão Parlamentar Mista do Congresso (CPMI) que investiga as atividades da organização criminosa comandada pelo bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, em artigo publicado na Folha em 3 de agosto, o relator deputado Odair Cunha (PT-MG) disse que estão sendo investigadas 516 contas bancárias distribuídas por 21 bancos. E que a base de dados envolve um “volume financeiro que passa de R$ 18 bilhões”.

É um valor elevado. Para saber como anda o trabalho da CPI nessa retomada do processo legislativo depois do recesso, e como seus integrantes estão vendo a continuidade da investigação nos próximos meses, o blog ouviu o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), vice-presidente da CPI. Aqui vai o seu depoimento:

O que estamos vendo, pela documentação existente, é que se trata de uma sofisticada organização criminosa que capta dinheiro em atividades ilícitas, faz esses recursos passarem por atividades lícitas, como é o caso da empresa de fármacos Vitapan – mas não só –, e também para atividades de campanhas políticas.

O que aconteceu foi que essa organização criminosa, depois que aprendeu a explorar uma fragilidade do sistema político-eleitoral brasileiro, que é exatamente o financiamento de campanha eleitoral, tendo criado o vínculo com os políticos a partir dessa atividade de financiamento das campanhas eleitorais, para diversos partidos e em diversos estados do país, a organização criminosa conseguiu capturar contratos de obras e serviços com diferentes governos, principalmente governos de estados e prefeituras.

É a primeira vez que temos provas de uma organização criminosa financiando, de forma regular e contínua, atividades políticas no país. Dessa forma ela passou a cooptar membros dos poderes legislativos, dos executivos, do judiciário e da imprensa. E não é algo que ocorra apenas durante as campanhas eleitorais: os fluxos de recursos são permanentes e se dão ao longo de todo o tempo.

Sobre o andamento dos trabalhos da CPI

No momento a CPI está debruçada sobre a tarefa de identificar a organização criminosa em sua totalidade. Sabemos que ela se baseia inicialmente no jogo das máquinas de videopôquer. Para essa atividade a organização conta com a proteção da política, tanto para manter suas máquinas funcionando como para fechar os pontos dos concorrentes.

Os próximos passos da CPI estão definidos assim: primeiro, vamos buscar o desmantelamento da organização criminosa; o segundo passo é tratar da recuperação dos bens que essa organização criminosa detém, de forma ilícita; o terceiro passo é identificar todos os agentes públicos envolvidos que, como eu já disse, atinge os poderes executivo, legislativo e judiciário em diversos estados da federação. O quarto e último passo é identificar os veículos de imprensa e jornalistas envolvidos no esquema. Há órgãos de imprensa envolvidos tanto de alcance regional quanto nacional. Até outubro pretendemos fazer isso.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Elson

09 de agosto de 2012 às 05h40

É sempre a mesma história, tanto no “mensalão” mineiro, quanto no do PT, é o poder econômico alugando o poder público. É incrível que escândalos assim continuarão a surgir e ninguém tomará uma atitude, mesmo a imprensa que se diz guardiã da ética e da moralidade prefere armar um circo a noticiar a verdade e pressionar nossos legisladores a tomar providências efetivas.
Enquanto não se fizer uma reforma política que transfira o poder de eleger de quem tem dinheiro para quem tem o voto, continuaremos a ver Demóstenes e Cachoeiras dirigindo nosso País.

Responder

Deixe um comentário