Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Sabotar o legislativo favorece a quem?

Por Miguel do Rosário

30 de setembro de 2013 : 18h59

Esse texto de Marona nos oferece uma excelente plataforma de debate. Temos que debater, por exemplo, a perigosa vulgarização de violências contra prédios públicos, em especial legislativos. Por trás disso, há um clima meio estranho que mistura demandas trabalhistas reais com leviandade, radicalismo e intransigência. As conquistas democráticas não podem ser sabotadas pelo abuso.

Não é porque temos liberdade para manifestar que vamos permitir que grupos de pressão invadam legislativos e agridam parlamentares eleitos, alguns dos quais, como bem disse Marona, são nossos representantes. Além do mais, ao impedi-los de trabalhar, os manifestantes fazem mal apenas à população, porque os representantes não perdem nada com isso. Pelo contrário, ganham uma boa desculpa para ganharem sem fazer nada.

PORQUE NÃO APOIO A OCUPAÇÃO DE PRÉDIOS PÚBLICOS

Por Mario Marona, jornalista

Há os que consideram legítima a ocupação do plenário do legislativo por manifestantes. Há quem entenda que, mais do que legítima, a ocupação é necessária. Este grupo de opinião não se opõe, também, à depredação de patrimônio público, como o Itamaraty, em Brasília, ou um museu de História em Porto Alegre. Acha, ainda, que tem legitimidade a invasão da sede do governo. É possível que os que se alinham com este tipo de ação concordem com o uso de pedras e coqueteis molotov por militantes mascarados contra os policiais encarregados de reprimir os protestos.

Uma parte da sociedade, no entanto, defende a tese de que é livre o direito à manifestação, mas que o plenário do legislativo e a sede do governo não podem ser ocupados e interditados por manifestantes. São os mesmos que discordam da depredação de prédios públicos de qualquer natureza, assim como repudiam o ataque a quem quer que seja com pedras e vidros cheios de gasolina em combustão.

Vai ser difícil uma conclusão. Não é provável que os dois grupos venham a convergir, exceto, talvez, na identificação genérica que tenham com as reivindicações dos manifestantes – pelo menos quando elas são conhecidas, como agora, quando os professores do Rio pedem aumento salarial e melhores condições de trabalho. Quanto ao método, porém, a divisão parece insuperável.

A quem eventualmente possa interessar, tentarei deixar claras as minhas posições: estou no grupo dos que se opõem à ocupação e à depredação de prédios públicos; por mim, plenários invadidos devem ser, sim, evacuados e liberados para os seus usuários eleitos, um dos quais, por sinal, fez por merecer o meu voto; entendo que a polícia deve usar a força necessária para enfrentar os manifestantes, quando eles ocuparem prédios públicos, depredarem patrimônio do povo ou usarem de violência contra policiais e civis; manifesto meu firme desejo de que qualquer excesso cometido nas manifestações, por policiais ou por manifestantes, seja punido na forma da lei; não creio que manifestantes que escondem a cara possam representar alguém, além de oportunistas e deles mesmos; duvido muito da honestidade de manifestantes que dizem desprezar partidos políticos e se prestam à manipulação de grupos de pressão e… partidos políticos; não compartilho a tese, que considero fruto de má-fé ou enorme ignorância, segundo a qual vivemos numa ditadura, disfarçada ou não; e não contem comigo para derrubar qualquer governo eleito, em qualquer instância, a não ser pelo voto ou, se tiver que ser antes disso, por meio de um processo legal de impeachment em que o voto da maioria deve prevalecer.

Quanto aos métodos da polícia, não posso aprovar a truculência e a violência gratuitas. O Estado erra ao permitir repressão indiscriminada. Falta preparo à polícia, sem dúvida. Mas não tentem me convencer de que gás de pimenta – recurso usado no mundo inteiro – é pior do que cassetete, que gás lacrimogênio é pior do que bala de borracha – e de que tudo isso é pior do que tiros de verdade. Quem prefere que a polícia abra mão de suas armas – mesmo as não-letais – e impeça a invasão de uma instituição pública por meio de um papo reto e maneiro, não faz a menor ideia da encrenca em que se meteu. Ou se acha muito esperto. E não é.

protesto-rio-camara12082013-size-598_opt

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

André

04 de outubro de 2013 às 09h24

Excelente análise. Vamos desconstruir a ideia absurda de que invadir prédios públicos e exigir a saída de cena de políticos eleitos é algo democrático.

Responder

Libertad Martinez

03 de outubro de 2013 às 17h20

PREDIOS PÙBLICOS, significa que es para el Pueblo, lo que no quiere decir que lo utiicemos como banheiros!!!

Responder

Liza Moretti

03 de outubro de 2013 às 15h07

Gosto deste DEBATE! Ainda mais para quem sempre gostou de se manifestar como eu! Mas acho certas coisas orquestradas e motivações a altamente suspeitas!

Responder

Guilherme Preger

03 de outubro de 2013 às 12h40

Eita coxice! O artigo já começa com uma falácia: por que quem ocupa a câmara para uma demanda específica (a votação do plano de cargos e salários para os professores) seria a favor da depredação de prédios públicos? Por que seria a favor da depredação do Itamaraty? Não existe uma relação a priori entre esses eventos. Com falácias assim é fácil criar uma linha de raciocínio farsesca. O artigo poderia responder a uma pergunta melhor: quem no Rio de Janeiro sabota o legislativo?

Responder

PEdro Brasil

03 de outubro de 2013 às 01h01

https://www.ocafezinho.com/

Responder

Thiago Vila Nova

03 de outubro de 2013 às 00h54

Miguel, onde posso ler o texto?

Responder

Adenilde Petrina

03 de outubro de 2013 às 00h37

Lí e concordei.

Responder

Miguel do Rosário

30 de setembro de 2013 às 22h26

Pois é, mas hoje parece que o Cabral cometeu mais uma barbaridade. A polícia machucou os professores. De qualquer forma, a busca por soluções não-políticas não serve a ninguém.

Responder

darci

30 de setembro de 2013 às 22h10

Só para complementar. Nenhuma categoria representa a totalidade da sociedade. Portanto, primeiro tem que sair as ruas convencer a maioria para depois impor ao governo.

Responder

Anna Cortás

01 de outubro de 2013 às 00h20

Esclarecimento: Os professores ocuparam o plenário em virtude do envio do Projeto de Lei nº 442/2013 (que dispõe sobre o plano de cargos, carreiras e remuneração dos funcionários da secretaria municipal de educação), em regime de urgência, descumprindo o estabelecido em documento, assinado pelo próprio Prefeito, garantindo o estudo da proposta do “Plano de Cargos” elaborado pelos profissionais de educação. Queira me desculpar O Cafezinho, mas a ocupação feita pelos professores não tem nada a ver com “tática enganosamente revolucionária”.

Responder

Alexandre Moraess

01 de outubro de 2013 às 00h13

Vamos lá tomar tiro de borracha agora ou esperar o MILAGRE dos quatro anos! Eu acho melhor mesmo que “nós”, os pacifistas ordeiros, façamos concurso pra professores de 1o Grau, pra então, mesmo ganhando uma miséria, mas com uma consciência cívica ascética, mudar a percepção política das próximas gerações e aí sim transformar o Brasil pelas urnas, como quer o positivismo político brasileiro…. daqui a 40 anos! Façam-me o favor!

Responder

O Cafezinho

30 de setembro de 2013 às 23h06

bruno, da forma menos violenta possível, mas sim, com armas não-letais.

Responder

O Cafezinho

30 de setembro de 2013 às 22h52

também anna, mas não exatamente a eles. a qualquer grupo que se deixa levar por essa tática enganosamente revolucionária, mas na prática só enfraquece o legislativo e favorece os que não querem nenhuma mudança.

Responder

Bruno Leite

30 de setembro de 2013 às 22h51

Concordo com a Vera (comentário acima), acho muito pertinente esse debate. Mas me preocupa, nesse exato momento da história presente, o seguinte trecho: “Não é porque temos liberdade para manifestar que vamos permitir que grupos de pressão invadam legislativos e agridam parlamentares eleitos”
Como assim, “não vamos permitir”? É com bombas, ‘teasers’, spray de pimenta e porrada em manifestação de professor que “não vamos permitir”?
Quem venha logo o segundo capítulo.

Responder

Anna Cortás

30 de setembro de 2013 às 22h37

Estão se referindo aos professores??? Ora… faça-me o favor de esclarecer !!!

Responder

Vera Nilce Cordeiro Correa

30 de setembro de 2013 às 22h33

pertinente ! estao dando tiro nos pes com este tipo de movimento , o povo está se revoltando e fciando com raiva dos manifestantes, Estao querendo fazer surgir daí um salvador da pátria?

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?