Ato em defesa da imprensa

Serra fica no PSDB; Rede não ganha registro

Por Miguel do Rosário

01 de outubro de 2013 : 18h29

Duas variáveis que poderiam continuar em aberto até o dia 05 deste mês, acabam de ser definidas.

José Serra acaba de divulgar um texto em suas redes sociais em que declara sua decisão de permanecer no PSDB.

A outra variável era se a Rede, partido de Marina Silva, iria ou não conseguir a validação pelo Tribunal Superior Eleitoral.

O Ministério Público acaba de soltar uma nota em que recomenda ao TSE que não valide o registro da Rede, por falta de assinaturas. A menos que o TSE pretenda produzir uma crise institucional, e gerar um cenário de instabilidade política e suspeita de favorecimento a uma legenda, ele deve acatar a orientação do MP.

Abaixo, o texto de Serra, em que admite ser antes motivado pelo ódio ao PT do que pelo desejo de melhorar a vida dos brasileiros. Em seguida, publico também matéria da Agência Brasil sobre a recomendação do MP de rejeitar a Rede.

Continuo em seguida.

*

Texto de Serra em seu Facebook:

A minha prioridade, é derrotar o PT, cuja prática e projeto já comprometem o presente e ameaçam o futuro do Brasil. O PSDB, partido que ajudei a conceber e a fundar, será para mim a trincheira adequada para lutar por esse propósito. A partir dela me empenharei para agregar outras forças que pretendem dar um novo rumo ao país.

O Brasil não pode continuar vítima de uma falsa contradição entre justiça social e desenvolvimento. É preciso pôr fim a esse impasse, que, na verdade, acaba punindo os mais pobres, incentivando a incompetência e justificando erros grosseiros na aplicação de políticas públicas.

Temos de ser a voz e o instrumento de milhões de brasileiros que lutam todos os dias por um país melhor, mais justo, mais eficiente e mais decente.

*

Ministério Público se manifesta contra registro da Rede Sustentabilidade
01/10/2013 – 16h25

André Richter, Repórter da Agência Brasil

Brasília – O Ministério Público Eleitoral (MPE) enviou hoje (1º) parecer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a concessão de registro ao partido Rede Sustentabilidade, fundado pela ex-senadora Marina Silva. O pedido de registro da legenda deve ser julgado pelo tribunal nesta semana. Para participar das eleições do ano que vem, o partido tem que ser registrado até o dia 5 de outubro, um ano antes do primeiro turno.

Segundo o vice-procurador eleitoral Eugênio Aragão, o partido não obteve número mínimo de 492 mil assinaturas necessárias para obtenção do registro. De acordo com Aragão, a Rede Sustentabilidade conseguiu validar 442.500 assinaturas. “No caso em apreço, constata-se que o ora requerente não obteve o número mínimo necessário de apoiamentos”, disse Aragão.

Sobre acusação da ex-senadora de que os cartórios eleitorais teriam anulado assinaturas sem justificativa, Aragão disse que o dever de comprovar a veracidade das assinaturas é do partido. “Não seria razoável cobrar dos cartórios eleitorais discriminação individualizada sobre o porquê de cada uma dessas 98 mil assinaturas não terem sido reconhecidas e contabilizadas. Provar a autenticidade das assinaturas é ônus do partido e não dos cartórios”, disse Aragão.

Ontem (30), a ministra Laurita Vaz, do TSE, concedeu prazo de 24 horas para que o MPE se manifestasse. Na segunda-feira (26), Laurita Vaz determinou a recontagem das assinaturas entregues pela legenda. Ela atendeu ao pedido do vice-procurador eleitoral Eugênio Aragão. Na sexta-feira (20), em parecer enviado ao TSE, Aragão disse que a legenda de Marina Silva validou na Justiça Eleitoral 102 mil assinaturas de apoiadores em todo o país.

Para obter registro, o partido precisa validar 0,5% dos votos registrados na última eleição para a Câmara dos Deputados. Segundo Marina Silva, o partido coletou 868 mil assinaturas e tem 550 mil validadas, número superior ao mínimo solicitado pela lei eleitoral.

De acordo com a ex-senadora, os números são divergentes porque, durante o processo de validação de assinaturas de apoiadores nos tribunais regionais eleitorais, os cartórios atrasaram os procedimentos e anularam 95 mil delas sem justificativa.

Edição: Fábio Massalli

*

A derrota de Marina representa uma vitória para Dilma Rousseff. E não apenas porque Marina não estará no páreo, mas porque revela graves defeitos de sua principal adversário: incompetência e açodamento. Esses defeitos ficaram em evidência após o TSE validar, recentemente, três partidos: o PEN, o PROS e o Solidariedade. Tirante o Solidariedade, que teve ajuda da Força Sindical, importante central comandada pelo deputado federal Paulinho Da Força, os outros dois são partidos muito pequenos e humildes, que não contaram com nenhuma ajuda externa e conseguiram, mesmo assim, cumprir integralmente as exigências do TSE. Diferença? Não tiveram a arrogante pretensão de iniciar a arrecadação de assinaturas e a validação do partido no mesmo ano, no espaço de poucos meses.

E agora, conforme seja a reação de Marina Silva, veremos se ela respeitará uma decisão institucional, ou se acrescentará mais um defeito a seu projeto. Afinal, não se trata de uma decisão sem provas. O partido não reuniu o número certo de assinaturas, ponto final.

A insinuação de Marina Silva e da Globo, de que cartórios do ABC teriam rejeitado assinaturas porque a região é um “reduto petista”, por sua vez é uma ofensa irresponsável à lisura do Tribunal Superior Eleitoral e de seus servidores. Ofender a honra de servidores concursados de toda uma região geográfica, apenas porque o PT comanda algumas prefeituras, é simplesmente preconceito político e ideológico.

As críticas da Rede ao TSE foram contraditórias: ao mesmo tempo em que exigia que os cartórios eleitorais acelerassem a validação das assinaturas, queria que as assinaturas rejeitadas fossem acompanhadas de justificativas. Justificativas que jamais foram exigidas para nenhum outro partido.

Eu defendo a criação da Rede, e respeito as ideias de qualquer partido político, mesmo aqueles dos quais eu divirjo. Mas é evidente que o TSE não pode abrir exceções a nenhum partido, porque isso provocaria uma sombria insegurança jurídica e política na democracia brasileira.

A grande mídia, sobretudo a Globo, novamente saiu derrotada em sua tentativa de sobrepor uma suposta (na maioria das vezes artificial) vontade popular à lei.

*

Nem vou comentar aqui a nova palhaçada de Joaquim Barbosa, de entrar numa seara que não é de sua competência, e da qual deveria manter uma respeitosa distância, ao dizer que o Brasil tem partidos demais. A declaração rapidamente ganhou destaque nos grandes jornais. Ok, Barbosa, há partidos demais no Brasil, mas também tem juízes que falam demais, o que é muito pior. Partidos, mal ou bem, passam pelo filtro do sufrágio universal. Ministros do Supremo, nem isso.

*

Heráclito Fortes se filiou ao PSB. Agora vai!

*

Minha esposa, que trabalha na Cinelândia, me liga para dizer que o governador Sérgio Cabral enlouqueceu. A PM está despejando uma quantidade inacreditável de bombas sobre uma manifestação pacífica na Cinelândia.

Os leitores sabem que critico duramente manifestações difusas, violentas, sem foco, que são facilmente manipuláveis pelos órgãos de comunicação. E também não tenho nenhuma simpatia por esta tendência recente à truculência por parte de grupos políticos radicais e irresponsáveis.

Entretanto, apoio manifestações sérias, com foco, sobretudo de categorias profissionais. Elas também podem ser vítimas de oportunismo de politiqueiros profissionais e falsos radicais. Mas esse é um problema antigo e constante nos movimentos sindicais e sociais.

Mas repudio, naturalmente, a violência policial. No momento em que o mistério envolvendo o desaparecimento do pedreiro e morador da Rocinha Amarildo de Souza começa a ser desvendado, com a prisão preventiva dos responsáveis (policiais, para variar) podendo acontecer a qualquer momento, é muita estupidez o governador deflagrar mais uma crise política ao determinar a repressão violenta à uma manifestação de professores da rede pública.

Por outro lado, pode ser que Cabral tenha simplesmente perdido o controle da Polícia Militar. Há meses que policiais vêm enfrentando, calados, a provocação crescente de uma classe de manifestantes que se compraz em humilhar os PMs. No entanto, o governador, como principal representante político do Estado, também tem culpa disso, porque ele tem poder e espaço para promover um debate político responsável e maduro sobre os excessos das manifestações, por um lado, e o papel da segurança pública de hoje. Cabral e seu entorno se mostraram despreparados. E vão pagar um alto preço político por sua incompetência.

*

PS: Parecer do procurador eleitoral do Ministério Público é taxativo. O choro do Merval, cobrando que o TSE dê um “jeitinho” para aprovar a Rede, não vai colar.

1381756_629137313776072_1869209158_n

 

1384389_299281300214367_248495035_n

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

38 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

David Franco

04 de outubro de 2013 às 15h42

um tema a se discutir: http://diplomatique.org.br/editorial.php?edicao=75

Responder

Mario Alexandre Teixeira

04 de outubro de 2013 às 12h01

O mais irritante é essa insistência ridícula de blogs ditos progressistas chamarem de socialistas os afiliados do PSB. Desinformação absurda. Até entendo a Folha chamar, mas um blog ‘sujo’ fazer isso é de se lamentar.

Responder

Loiret Ibargoyen

03 de outubro de 2013 às 12h18

Morrer, ele já morreu: só falta deitar… Hahaha!

Responder

Antonio Bastos

02 de outubro de 2013 às 17h58

Merdal, vai chorar na privada…

Responder

Maria Mercedes Nobre

02 de outubro de 2013 às 17h29

João Cabral de Melo Neto tinha razão… Ciro, também. Vai se homiziar na direita e de lá não sairá jamais. Virará Serra… Que pena…

Responder

Maria Mercedes Nobre

02 de outubro de 2013 às 17h26

Tinha esperança. Ele vai perder a eleição e vai perder-se. Um projeto político que tem como fiador o Heráclito Fortes e mais uns figurões desse naipe, não tem como prosperar. O cenário político brasileiro nunca mudará, sempre haverá um PMDB para descaracterizar quem quer governar com seriedade. É uma pena, por isso Ciro debandou.

Responder

Veronica M Almeida

02 de outubro de 2013 às 16h50

hehehe

Responder

Lilana Lima

02 de outubro de 2013 às 15h31

Ok! Que chato isso! Seria bom uma candidata concorrente forte para um embate mais interessante porém com resultados esperados, ou seja, ela seria uma alternativa que nao se pode levar a serio demais, até por ela ser sectária tem suas limitações! Sem dúvida seria um abrigo ao voto verdolengo tendo oportunidade de ter representatividade no processo democrático!

Responder

O Cafezinho

02 de outubro de 2013 às 15h24

Foi isso mesmo, Lilana.

Responder

Lilana Lima

02 de outubro de 2013 às 15h12

Será que foi isso mesmo que aconteceu ou é perseguição para que nao se candidate!

Responder

João Vergel

02 de outubro de 2013 às 14h49

Enquanto novos partidos PROS-PT conseguem registro facilmente, a REDE (Marina Silva), legitimada na última eleição, enfrenta barreiras de “forças ocultas”.

Responder

Maria Amelia Silva Silveira

02 de outubro de 2013 às 13h33

Torno a repetir o que disse em outro comentário. O Serra é blindado. Guarda a sete chaves o dossiê de figuras poderosas e influentes. Um, dentre muitos, que o ajudou a compor os dossiês, foi o tal de Fontenelle, mais conhecido por Dr. Escuta. O mesmo que colaborou com os militares durante a ditadura. Serra tem certeza de que jamais será punido. Tanto é assim, que continua a levar “normalmente” sua vida de homem público.Não está nem aí para as denúncias e escândalos.

Responder

Edmar

02 de outubro de 2013 às 08h23

Miguel, reprimir professores pode ser brabo. Agora PROFESSORES INVADIREM O PLENÁRIO DE UMA CASA LEGISLATIVA é o máximo da molecagem. Coisas típicas dos moleques mascarados e de alguns seguidores do senadorzinho corrupto do Amapá. O povo elegeu aqueles vereadores e o prefeito, NINGUÉM pode impedir que esses trabalhem e, pra mudar a decisão da maioria em qualquer Parlamento só pode ser “parlamentando” e votando. Quem não sabe agir assim DEVE SER DURAMENTE REPRIMIDO. Ou nossa Democracia correrá sério risco, instalando-se a simples “badernacracia”.

Responder

Wagner Carvalho

02 de outubro de 2013 às 11h08

Pqp (2). Cada vez mais vejo q só resta o PSOL.

Responder

Waldemar Júnior

02 de outubro de 2013 às 10h46

Primeiro o pps agora o psb. Pqp

Responder

jose carlos lima

02 de outubro de 2013 às 06h20

Aqui em GO o PSB vai com o “socialista” Ronaldo Caiado, UDR, que defendeu assassinato de trabalhadores q ousem atormentar o latifundio

Responder

Zequinha Maran Hão Torres

02 de outubro de 2013 às 09h03

Justiça quebra sigilo de tucanos graúdos ontem entre eles Andrea Matarazzo, homem forte de Alckmin e Serra no esquema do Propinoduto Tucano que pode chegar á 1 Bilhão de reais,os principais meios de comunicação da grande imprensa entre eles a VEJA sequer falaram do assunto, alguma coincidência ou mero “esquecimento” ? Leia mais : http://www.brasil247.com/pt/247/poder/116344/Justi%C3%A7a-quebra-sigilos-de-Matarazzo-e-mais-dez.htm

Responder

Felipe Augusto

02 de outubro de 2013 às 07h31

É muita inteligênciaq trocar Lula e Dilma por Aécio,Heráclitoris Fortes…

Responder

Luiz Octavio Vieira

02 de outubro de 2013 às 07h29

E fica por pura ideologia

Responder

Josef Marcio Tavares

02 de outubro de 2013 às 04h46

que disse que Nosferatu não existe?

Responder

Flá Ahm

02 de outubro de 2013 às 04h03

excelente!!!!!

Responder

Clovis Jr Bomfim

02 de outubro de 2013 às 03h18

SO FALTOU OS ALHOS KKKKKKKKKKKKKKKK

Responder

Clovis Jr Bomfim

02 de outubro de 2013 às 03h17

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Responder

Maria Lucia Lula Dilma Lemos

02 de outubro de 2013 às 03h11

Fúnebre !!

Responder

Shyrley Hybner

02 de outubro de 2013 às 01h14

Adorei.

Responder

Jueli Cardoso

01 de outubro de 2013 às 20h25

O Paulo Henrique Amorim acabou de postar uma nota do Aécio Never dizendo que o Cerra vai ficar no PSDB. Pela nota, como também interpreta o PHA, Aécio está jogando a toalha dizendo que o candidato não está definido. Pelo que dá para entender ele prometeu para o Cerra que quem estiver melhor posicionado leva a candidatura!…. Coitado ao Aécio, vai ter que continuar tomando seus “uisquis” no Rio. Em Minas, depois desse recuo, não acredito que conseguirá mais nada!… Ainda bem!….

Responder

Jeferson Rasquim

01 de outubro de 2013 às 22h16

:)

Responder

Xan Saboya

01 de outubro de 2013 às 21h58

Mas o DEM (PFL) não é o viagra dos tucanos?

Responder

Graça Torres Bana

01 de outubro de 2013 às 21h41

Dá pra curtir mais de uma vez? KKKKKK Era que merecia esta postagem kkk

Responder

André Oliveira

01 de outubro de 2013 às 21h21

Recebi ontem com um misto de tristeza e indignação a intervenção na direção estadual do PSB-RJ, partido que milito e atuo ha mais de 20 anos. No Rio de Janeiro, liderados pelo prefeito Alexandre Cardoso, sempre pautamos nossa ação na luta contra as desigualdades sociais e construindo um campo popular e democrático, que tinham por objetivo levar o nosso país na busca de um projeto que diminuíssem as diferenças impostas pelo modelo neoliberal implantados nos anos 90, e que desmontou o estado brasileiro.

Resistimos as pressões e as facilidades, desembarcamos do governo Rosinha, quando Garotinho e seu grupo saíram do PSB, mantivemos nossa postura, saímos de cabeça erguida e seguimos nosso rumo.

Ficamos surpreendidos com as movimentações feitas pela direção nacional em busca do poder, fazendo articulações e trazendo para o seio do partido, inimigos históricos de nossas bandeiras e do povo brasileiro. Mas sempre acreditamos que o respeito as instâncias partidárias e a democracia interna seriam respeitadas.

Faço parte do Diretório Nacional e NUNCA, fui convocado para discutir a questão de candidatura própria ou o rompimento com a presidente Dilma. Decisões dessa importância não podem e não devem ser tomadas por um seleto grupo, o PSB é maior, sua história é maior e o povo que creditou ao partido um crescimento extraordinário nas últimas eleições, não está representado pelas ações arbitrárias tomadas pela cúpula do partidária, que atropela a todos de acordo com seus interesses.

A memória de João Manguabeira, Miguel Arraes e Jamil Haddad, merecem respeito pela suas atuações em defesa do povo brasileiro. A “Casa Grande”, quer colocar novamente o povo na senzala. Essa aliança com o atraso nos envergonha, é preciso responder de forma contundente essas aberrações que mancham nossa trajetória, que sempre foi na busca e consolidação de um projeto que tirou da miséria 30 milhões de brasileiros e que me orgulho de ter ajudado a construir.

Saudações .

Responder

André Oliveira

01 de outubro de 2013 às 21h21

Me desfiliei do PSB depois de 20 anos

Responder

Dimas Soares

01 de outubro de 2013 às 21h10

Que ranço direitista é esse gente?

Responder

André Mattana

01 de outubro de 2013 às 20h42

Jorge Bornhausen e Heráclito Fortes, Socialistas.

Responder

Marcos P Silva

01 de outubro de 2013 às 20h38

morre diabo!!

Responder

Marco Espirito Santo

01 de outubro de 2013 às 20h38

“S” é desse sapo que aparece na foto…….

Responder

Alexandre Salles

01 de outubro de 2013 às 20h35

nossa essa foi demais….. o “S” em PSB é de que mesmo?

Responder

Orlando Mancini

01 de outubro de 2013 às 20h29

Dize-me com quem andas…

Responder

Deixe uma resposta