Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

O ridículo esforço da Folha para igualar Abin à NSA

Por Miguel do Rosário

06 de novembro de 2013 : 09h55

Fernando Rodrigues explicou hoje, em sua coluna, sem nenhum pudor, a razão pela qual a Folha insiste na mais esdrúxula teoria dos últimos séculos: o medo de que Dilma fature eleitoralmente com o escândalo da espionagem americana. Por isso está insistindo que a espionagem da Abin, o serviço brasileiro de inteligência, é igual ao da NSA, o serviço secreto norte-americano. A diferença é apenas uma questão de escala.

“A Abin, vá lá, não é a NSA. Já a espionagem é espionagem em qualquer lugar”, conclui o jornalista.

Vá lá?

Espionagem é espionagem em qualquer lugar?

A Folha noticiou outro dia que agentes da Abin seguiam “a pé” diplomatas do Iraque, em território brasileiro, no auge da guerra naquele país, e quer comparar isso à quebra de sigilo de milhões de pessoas em todo mundo?

A NSA quebrou os sistemas criptografados de emails, redes sociais de quase todo mundo, usando poderosos softwares que fazem triagem eletrônica. Companhias telefônicas com presença no Brasil colaboraram com o serviço secreto americano, fornecendo dados sigilosos ao governo americano. O celular pessoal da presidente foi grampeado.

Mais que isso: a NSA subornou ou ameaçou as grandes empresas de tecnologia para que implantassem sistemas criptografados “amigáveis”, “compatíveis”, com os programas eletrônicos de vigilância desenvolvidos pela agência americana.

E a Folha quer fazer seu leitor acreditar que isso é a mesma coisa que seguir diplomatas a pé ou vigiar a portaria de uma embaixada?

Fernando Rodrigues é um dos mais inteligentes jornalistas da Folha. O que ele está fazendo é cumprir uma obrigação política imposta por seu patrão, Otávio Frias Filho.

Mas isso é simplesmente ridículo.

Abaixo, a matéria de Fernando. Volto em seguida.

Espionagem e eleição

FERNANDO RODRIGUES, NA FOLHA

BRASÍLIA – A melhor observação que ouvi sobre a espionagem de diplomatas estrangeiros por parte do governo brasileiro foi uma pergunta: “Você acha que a Abin é a NSA?”. O questionamento veio de dentro da administração Dilma Rousseff.

De fato, a Agência Brasileira de Inteligência não é a Agência de Segurança Nacional (o nome traduzido da NSA, dos EUA). A começar pelo orçamento e pelo acesso à tecnologia.

Mas não é esse o ponto. A indagação adicional a ser feita é a seguinte: como atuaria a Abin se tivesse todos os recursos da NSA? Ou mais: resistiria a bisbilhotar a tudo e a todos como faz a contraparte norte-americana? Essas perguntas, é claro, não têm repostas. Teriam de ser testadas na prática –num cenário hoje inexistente. Só que ninguém está proibido de imaginar como seria o serviço secreto brasileiro desfrutando dos mesmos meios da NSA.

O fato é que o sentimento geral do governo brasileiro foi de desalento ao ler a reportagem de Lucas Ferraz, na Folha, relatando como atuou a Abin no início do governo Lula. Não porque haverá alguma repercussão de grande monta no cenário internacional. Tratou-se de uma espionagem mambembe. O problema maior é a erosão do discurso eleitoral interno, já em uso e a todo o vapor.

Dilma Rousseff havia tirado a sorte grande com o caso de espionagem dos EUA. Nada mais popular do que uma presidente da República se levantar, indignada, contra a intrusão ilegal dos norte-americanos nos telefonemas privados do governo brasileiro. Quem há de ser contra? Para melhorar as coisas, a petista maquinou uma aliança com a Alemanha na formulação de um plano mundial contra a violação de comunicações.

Tudo ainda poderá ser usado na campanha eleitoral do ano que vem. Mas sempre haverá o contraponto da Abin seguindo estrangeiros no Brasil. A Abin, vá lá, não é a NSA. Já a espionagem é espionagem em qualquer lugar.

fernando.rodrigues@grupofolha.com.br

*

A tese de Fernando, de que, se tivéssemos os mesmos recursos da NSA, faríamos o mesmo, é uma das maiores falácias morais que já li nos últimos anos.

Sim, Fernando, somos todos iguais. Você, jornalista da Folha, poderia ser um terrorista da Al Qaeda, se tivesse sido criado na Arábia Saudita ou no Afeganistão. Poderia ser Bin Laden, se além disso, tivesse “todos os recursos” do milionário saudita.

A questão, Fernando, é o desequilíbrio entre as nações, que gera tensões e injustiças, e precisa ser regulado por um rígido sistema internacional de leis e normas.

Segundo Fernando, “Dilma Rousseff havia tirado a sorte grande com o caso de espionagem dos EUA”.

Sorte grande?

A espionagem americana foi terrivelmente agressiva. Espionaram a Petrobrás e o celular da presidente. Como Fernando sabe que não foram obtidas informações estratégicas que podem comprometer a nossa economia e o futuro de milhões de brasileiros? Como sabe que a própria Dilma não poderá ser prejudicada futuramente, com a revelação de algum segredo pessoal?

Como é possível alguém ser tão alienado, irresponsável e antipatriota a ponto de não enxergar esses perigos?

Como é possível alguém não saber a diferença entre a montagem de um sistema de espionagem imperialista, na escala feita pela NSA, tendo como alvo todos os brasileiros, e a contra-espionagem defensiva feita pela Abin, com agentes seguindo “a pé” dois ou três diplomatas de países metidos em guerras? Ou ainda, no caso dos franceses, fazendo uma contra-espionagem necessária para saber se houve sabotagem da nossa base de lançamento de satélites em Alcântara, destruída por um acidente bizarro.

A nossa mídia, como sempre, defende os interesses imperialistas dos Estados Unidos. Receberam dinheiro dos EUA para apoiar o golpe de 64 (embora teriam feito o serviço até de graça), veicularam sempre suas versões de guerra, e agora novamente tentam recuperar a imagem do governo americano junto à opinião pública brasileira.

Assim eu fico até achando que, houvesse novo golpe patrocinado pelos EUA, um golpe mais moderno, mais tecnológico, os nossos jornais trairiam mais uma vez a nossa democracia e a nossa soberania, em prol de um punhado de dólares em seu departamento de publicidade.

folha

Logo cedida gentilmente pelo blog Esquerdopata.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Eliana Schaun

06 de novembro de 2013 às 20h55

Nojento esse jornal!!!

Responder

Vagner Fontes Cardoso

06 de novembro de 2013 às 20h46

Parafraseando nosso querido Presidente Lula, “nunca antes na história deste país”, eu me deparei com uma matéria patética, ridícula inconcebível como esta, tem mais, veiculada na Rede Globo. “Lei de Meios” urgente, querem imbecilizar o país, estão subestimando a inteligência dos Brasileiros.

Responder

Ronaldo Braga

06 de novembro de 2013 às 12h22

Essa mídia é vergonhosa. E infelizmente não vejo solução para esta patologia.

Responder

Alvaro Cesar Willy Guimarães

06 de novembro de 2013 às 11h19

Caro Miguel,

O jornalismo de hipóteses capitaneado pelo Ali Kamel está fazendo seguidores. Então vamos perguntar ao jornalista Fernando Rodrigues da Folha de São Paulo: Fernando, se o jornal Folha de São Paulo não tivesse apoiado e dado suporte material (carros da empresa Folha de São Paulo usados contra os guerrilheiro) à ditadura cívico-militar, como a Folha de São Paulo estaria hoje? A Folha de São Paulo, na verdade, se transformou no jornal a serviço dos Estados Unidos das Américas – EUA e do PSDB que é um partido subserviente aos interesses americanos, em detrimento à soberania nacional.

Responder

José Bairral Alves

06 de novembro de 2013 às 12h57

Direto ao ponto. Isso vale a pena ler e refletir!

Responder

Avelino

06 de novembro de 2013 às 10h48

Folha, filial da NSA no Brasil.

Responder

PEdro Brasil

06 de novembro de 2013 às 12h29

entrevista concedida por Mauro Santayanna que conta quem foi o responsável por 21 anos de ditadura militar e narra fatos inéditos. http://www.youtube.com/watch?v=0PQbT0kkGfA&hd=1

Responder

Regina Salomão

06 de novembro de 2013 às 12h27

ai que preguiça da folha zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Responder

PEdro Brasil

06 de novembro de 2013 às 12h22

ridículo

Responder

Humberto Tusso

06 de novembro de 2013 às 12h17

nojo dessa mídia .

Responder

Francisco Carlos

06 de novembro de 2013 às 12h15

Agora podemos chamá-la de folha de Washington!

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina