Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

As novas mentiras sobre Pizzolato

Por Miguel do Rosário

23 de abril de 2014 : 14h05

O procurador Vincenzo Piscitelli, de Nápoles, que investiga as atividades de Valter Lavitola, resolveu entrevistar Henrique Pizzolato, preso na penitenciária de Sant’Anna, em Módena.

A mídia brasileira transformou a entrevista numa sensação, e enfiou Pizzolato num escândalo que não tem absolutamente nada a ver com ele.

O mais desonesto foi o Globo, cuja matéria faz uma malabarismo sintático incrível para envolver Pizzolato num rocambole italiano que, se envolvesse algum brasileiro, seria Nelson Jobim.

A Folha, ao menos, deu a seguinte informação:

Já o vínculo entre Lavitola e Pizzolato é incerto. A Folha apurou que não existe menção ao italiano nos documentos apreendidos durante a prisão do brasileiro.

Pois é, o trensalão tucano traz dezenas de documentos, recibos, emails, etc, e mesmo assim não acontece nada. Os secretários envolvidos não são sequer afastados. Robson Marinho continua ocupando, majestosamente, seu cargo no Tribunal de Contas. Com Pizzolato, como com qualquer petista, não há necessidade de nenhum documento.

Se você ler as matérias, não encontrará nenhuma informação coerente que ligue Pizzolato e Lavitola. Reproduzo algumas mágicas sintáticas do Globo:

— Está tudo muito no início (das investigações), mas poderão surgir coisas — disse Fallica.

“Poderão surgir coisas”… Que frase genial!

Mais um trecho da matéria do Globo:

Lavitola viajou ao Brasil com Berlusconi na visita oficial do premier, em 2010. E a Justiça italiana investiga várias outras viagens que ele fez ao Brasil . Ele já teria ligações com Pizzolato desde a viagem com o Premier. Mas foi no Panamá que Lavitola deixou o seu maior rastro. Conselheiro da Finmeccanica, o segundo maior grupo industrial da Itália (de alta tecnologia), ele é acusado de ter pago 18 milhões de euros (R$ 55 milhões) em propina à autoridades do Panamá, inclusive ao presidente Ricardo Martinelli (que é de origem italiana), em troca de contratos de 180 milhões de euros com a empresa em 2010.

Na falta de qualquer coisa sobre Pizzolato, a matéria vai enfiando acusações contra Lavitola como se falasse de Pizzolato. Observe a frase: “Ele [Lavitola] já teria ligações com Pizzolato desde sua viagem com o Premier”. Que ligações? Eram amantes? Namorados? Amigos? Sócios? Almoçaram juntos uma vez? Não há nenhuma mísera informação, mas é o bastante para amarrar uma denúncia na perna de Pizzolato e lançar ao mar para ver se afunda.

A única informação verídica é que um procurador italiano foi ver Pizzolato e, aproveitando-se do fato dele estar preso, tentou extrair alguma informação do brasileiro. Mas não há nenhum “vínculo”, nem Pizzolato foi arrolado em outro processo. Pizzolato não falou nada porque talvez não saiba exatamente nada sobre Lavitola.

Outra notícia em destaque na mídia é a decisão do Ministério Público Italiano de sugerir a extradição de Pizzolato. Bem, também aí não somos informados corretamente. É praxe do Ministério Público italiano? Quem decide esse tipo de coisa é a Justiça, a quem cabe respeitar o direito dos réus. Tradicionalmente, o Ministério Público tem a função de acusar. É assim no mundo inteiro. Portanto, a sugestão do MP italiano pode não significar nada. A Justiça é quem vai decidir. Pizzolato terá direito ainda de recorrer, dentro do país, e, eventualmente, à corte europeia de direitos humanos.

Dificilmente Pizzolato será extraditado ao Brasil, o que não quer dizer que isso seja impossível. Desde o início, não tive dúvidas de que os tentáculos do poder que agiu, no Brasil, para prender um inocente, não demorariam a mostrar suas garras na Itália. O maior medo da “operação mensalão” é que Pizzolato seja julgado novamente na Itália. Por isso, jogarão todo o peso para que ele seja extraditado de volta ao Brasil, onde os setores do Judiciário e Ministério Público responsáveis pela Ação Penal 470 estão altamente comprometidos com a manutenção da farsa.

Entretanto, prefiro ser otimista, e acreditar que Pizzolato será julgado na Itália, será absolvido, já que possui provas abundantes de sua inocência, e isso será mais um fator que obrigará a Justiça brasileira a rever os erros da Ação Penal 470.

tn_600_430_Pizzolato_191113

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

tripe

23 de abril de 2014 às 22h57

Curioso este procurador italiano, não?
Tanto preso e ele vai perguntar logo pro inocente do Pizzolato se ele conhece o Lavitola?
Além do fato que tudo ligado a essa gente sempre passa pelo Pananá, desde “importação” de bijuteria até “empresas” de consultoria.

Responder

João Ricardo Vieira Leite

24 de abril de 2014 às 00h11

Italianos são tucanos?

Responder

jd

23 de abril de 2014 às 20h17

A justiça brasileira pode demais porque o PIG o acoberta demais e o PT tem medo demais.

Responder

Gilda Azevedo

23 de abril de 2014 às 20h55

Quando ouvi a notícia da extradição confesso que fiquei desanimada. Pensei: até lá a perseguição? Mais injustiça? É o que eu penso também, a turma dos carrascos está mesmo mexendo seus pauzinhos, cá e lá. Ligando esses fatos à matéria do Nassif, podemos mesmo ter certeza de que voltamos à era da Inquisição. http://jornalggn.com.br/noticia/o-proximo-ato-de-joaquim-barbosa-sera-o-golpe-da-falta-grave-contra-dirceu

Responder

Jose Neto

23 de abril de 2014 às 16h40

O Berlusconi em busca de popularidade reavivou o caso Battisti e ai eles deescoriram que o Baattisti tinha supostamente mata 2 pessoas em 2 cidades distantes uma da outra 200 km no espaço de 30 minutos, isso é que eu chamo de cúmulo do absurdo. Essa promotoria italiana me cheira a Gurgel e assemelhados……..

Responder

Vera Pereira

23 de abril de 2014 às 15h41

Você poderia indicar quais seriam essas ligações financeiras, pq não vi nenhuma menção disso documentada disto.

Responder

Miguel do Rosário

23 de abril de 2014 às 15h40

Descobriu nada. O procurador apenas foi entrevistá-lo, atrás de alguma informação.

Responder

alexandre a. moreira

23 de abril de 2014 às 15h37

Caramba e o cara fugindo do Brasil ia fugir para o olho do furacão na itália ? alguma coisa não cola aí nesta conspiração.

Responder

Karl Ilitch Ferreira

23 de abril de 2014 às 15h12

A Justiça italiana descobriu ligações financeiras entre o brasileiro e o ex-homem forte de Berlusconi, Valter Lavitola.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?