Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

A pesquisa CNT/MDA e algumas considerações antiderrotistas

Por Miguel do Rosário

29 de abril de 2014 : 16h24

Confesso a vocês que passei o final de semana me preparando para escrever um post otimista. Achei que estava pegando muito pesado com o governo Dilma.

Por outro lado, ao mesmo tempo em que batia pesado na presidenta, em Graça Foster, em Mercadante, pude verificar o espírito democrático do Partido dos Trabalhadores, tanto aquele da militância histórica quanto o de seus eleitores. O PT gosta de ser criticado. A gente percebe que às vezes os posts mais críticos ao governo e ao PT são os que fazem mais sucesso entre leitores petistas e simpatizantes. Desde que, naturalmente, sejam críticas francas e honestas.

Essa é uma força do PT, que permite ao partido aprender com seus erros e se aprimorar.

Essa aceitação da crítica é uma força. Explica em boa parte a razão de Lula ser o presidente mais criticado, mais achincalhado, da nossa história e ao mesmo tempo ser o mais amado e o mais popular. Isso também diferencia o PT de agremiações ideologicamente afins em outros países latinos.

Já analisei, alhures, como a proteção da mídia desvirilizou e debilitou o PSDB. Seus quadros atrofiaram-se intelectualmente, em virtude de um conforto excessivo proporcionado pela mídia. Enquanto isso, o PT, mesmo no poder federal, continua apanhando tanto que não teve a oportunidade de relaxar seus músculos.

Isso explica, por fim, a dificuldade do partido em discutir uma lei que regulamente a mídia. Setores importantes da legenda não querem se associar a nenhuma medida que possa ser comparada, mesmo que apenas simbolicamente, a uma censura da crítica. Esse parece ser o receio principal, por exemplo, da própria Dilma.

O maior obstáculo para levar adiante uma regulamentação democrática dos meios de comunicação, portanto, é convencer os próprios quadros dirigentes do PT, sobretudo aqueles no governo, de que esta não tem como intenção silenciar a crítica.

Ao contrário, o que se pretende é democratizar a crítica. Dar a mais atores sociais o direito de criticar o governo. A blogosfera, os movimentos sociais, os ativistas digitais, querem mais espaço para criticar o governo e serem ouvidos. Para isso, precisamos quebrar os monopólios e oligopólios. As concessões de TV e rádio estão em poder de um número absurdamente pequeno de famílias. Que rádios, que TVs, criticam a família Sarney no Maranhão? Que rádio, que Tvs criticam os tucanos em São Paulo?

O governo federal, por ser controlado por um partido identificado como de esquerda, num ambiente midiático dominado por famílias profundamente conservadoras, tem sido criticado diariamente, mas sempre pela direita. Os movimentos sociais e ativistas digitais criticam o governo pela esquerda. É um embate desproporcional, desde que a direita tem concessões de TV outorgadas na ditadura, e construíram impérios financeiros com o dinheiro e a proteção política da ditadura.

No fundo, portanto, se trata de quem tem, verdadeiramente, o poder de criticar o governo.

Além do mais, o principal objetivo de uma mídia mais democrática não é ampliar a voz do governo, e sim a voz da sociedade. A democratização da mídia aumenta o número de vozes e amplia a percepção auditiva das autoridades, permitindo um aprimoramento da gestão do Estado.

Voltando ao início do post, eu contava sobre minha intenção de iniciar a semana com uma mensagem de otimismo. Não quero fazer um blog político que contribua para o aumento no consumo de antidepressivos. Já basta a pauleira da mídia e sua violência diária contra a esperança, contra a nossa autoestima, contra qualquer forma de otimismo, mesmo o mais inocente.

Então acordei na segunda-feira e decidi não ler os jornais ou portais de notícias. Fui ler um livro, para me inspirar antes de atualizar o blog. Só que, quando resolvi me sentar à mesa para escrever, topei com as manchetes dos jornais e tudo foi por água abaixo. Lá veio mais um post duro, crítico e pessimista.

Entretanto, não dá para tampar o sol com a peneira. O clima político não está bom, e o governo não tem ajudado a quebrar essa campanha sistemática por um “país pior”. O apagão político e comunicativo é uma realidade triste e presente.

Hoje saiu a última pesquisa CNT/MDA (ver íntegra aqui), que comprova isso. A aprovação de Dilma caiu ao menor nível de sua gestão. Está abaixo inclusive do pior momento do ano passado, quando o país foi tomado por uma onda de criticismo, após as chamadas “jornadas de junho”.

ScreenHunter_3659 Apr. 29 14.29

A oposição, pela primeira vez, dá sinais de vida. Os votos somados de Aécio Neves e Campos (34%)  já estão encostando em Dilma (37%).

ScreenHunter_3667 Apr. 29 15.08

Minha análise “de botequim”, que fiz há alguns dias, está se confirmando. Teremos uma eleição bastante difícil pela frente. Mais uma vez, será PT versus Mídia. E a mídia tem muito mais dinheiro e “tempo de TV” do que o PT.

Todos os índices pioraram. Até mesmo a aprovação dos Mais Médicos caiu, de 84% para 75% da população.

Os números que tratam da refinaria de Pasadena revelam que o governo sofreu uma derrota política acachapante. As declarações de Dilma, tentando fugir à sua responsabilidade, não convenceram os que acompanham o tema. Para 66% dos entrevistados que já ouviram falar de Pasadena, Dilma é responsável.

ScreenHunter_3663 Apr. 29 15.04

E o pior é que Dilma parece insistir na estratégia contraproducente, quase suicida. A presidente afirmou hoje que “a Petrobrás não pode pagar pelo erro de um só”. Ora, o que significa isso? Mais um tiro no pé!

A presidente tem de reagir à crise trazendo informações novas. Tem de falar sobre as estratégias de longo prazo da Petrobrás, aquelas mesmas que levaram a estatal a adquirir refinarias no exterior, nos EUA e no Japão. Dilma tem de encontrar um discurso geopolítico e estratégico para falar de Pasadena. É a única maneria de reverter o tema a seu favor.

Pasadena está dando lucro? Se está, porque Dilma não vai lá no Texas e fecha acordos que ajudem a Petrobrás a transformar Pasadena num negócio ainda mais vantajoso?

Sei lá, alguma coisa precisa ser feita em prol de Pasadena. Algum gesto amigável. Dilma só tem dado cacetada em Pasadena, sendo que esta é uma refinaria nossa, que pertence à Petrobrás, e que ela mesma ajudou a comprar.

Dilma não percebe que a história de “resumo falho” não cola?

Não estou preocupado com a eleição de Dilma Rousseff e sim com a continuidade de um projeto de cunho popular e progressista, que vem sendo implantado no país desde a ascenção de Lula. Este projeto está em risco por causa desse maldito apagão político e comunicativo do governo. O núcleo político de Dilma deveria entender que agora nem adianta mais mostrar a presidenta na TV, pontificando do alto de um pedestal. A imagem de Dilma está pesada, ruim, arrogante.

Ela tem que descer do palanque, vir ao chão, participar dos debates, opinar sobre política, defender seus projetos!  Por que não usa a EBC? Por que não usa o blog? Por que não faz hang outs semanais?

O importante é criar canais de interação e fazer a disputa política. O Brasil precisa conversar com Dilma e com a equipe de governo. Por que o Café com a Presidenta não é em vídeo e com a participação de interlocutores variados?

O governo precisa vir a campo e assumir um mínimo de protagonismo no debate político.

A única presença de Dilma nas redes hoje é tentando surfar oportunisticamente em algum meme midiático. Tipo: “Dilma é contra racismo e apoia iniciativa de Daniel Alves”. Ela, por si, não protagoniza nada. Não toma nenhuma iniciativa inovadora. Apenas inaugura obras onde faz discursos que se iniciam com frases terrivelmente convencionais: “queria agradecer o governador, queria agradecer a mulher do governador”…

A maioria dos brasileiros quer mudanças. Quer, por exemplo, um governo que ajude a população a se defender de uma mídia oligopólica e conservadora. Coisa que não está acontecendo. A mídia brasileira oprime a economia, a política e a cultura, com ajuda e chancela do governo! As informações não estão circulando de maneira saudável. Há um pessimismo no ar que não corresponde à realidade econômica do país.

Dilma tem de criar fatos políticos. Um amigo cientista político me disse outro dia, que se Lula fizesse mais umas quatro entrevistas com blogueiros, ajudava a mudar o clima. Não vou falar que Dilma deveria fazer igual porque pareceria legislar em causa própria, mas ela poderia fazer algo similar. Podia dar sua opinião sobre a judicialização da política, sobre o mensalão, sobre a reforma urbana, sobre a desocupação da favela da OI, sobre o trem bala, sobre Pasadena. Mas falar com franqueza, com tranquilidade, sem pose de discurso presidencial, explicando aos brasileiros quem são nossos adversários. Claro que isso implicaria em se preparar antes, discutir estratégias com ministros, com Lula, com assessores, para não disparar mais tiros no pé.

Enfim, alguma coisa precisa ser feita. Será lamentável ver a direita voltar ao poder. Se isso acontecer, quem perderá serão os mais pobres, naturalmente. A classe média também sofrerá. Afinal, quem vocês acham que serão as vítimas das “medidas impopulares” a serem tomadas pelo PSDB? A Globo? Os banqueiros?

Eu, como blogueiro político, continuarei meu trabalho tranquilamente. Se vierem tempos sombrios, estarei preparado para enfrentá-los.

Na verdade, será até positivo para a imagem do blog, que doravante ganhará o charme de ser “de oposição”.

No entanto, não é isso que eu desejo para meu país. Acho que a vitória do campo progressista popular, nas eleições deste ano, tem reflexos geopolíticos importantes demais para pensarmos apenas nos erros e acertos do PT. Aécio Neves irá minar o Mercosul, aliar-se aos EUA nos debates da ONU, e enterrar qualquer possibilidade de discutirmos uma reforma democrática da mídia. Isso para não falar na revisão da lei da partilha do pré-sal e em outras centenas de retrocessos que podem acontecer no caso de uma vitória do campo conservador.

Talvez o tempo de ser otimista já tenha passado. A hora é de adotar a máxima gramsciana de sermos pessimistas nas análises, realistas nas ações e otimistas quanto ao futuro. Afinal, em se tratando de luta de ideias, não importa se as perspectivas eleitorais de Dilma são boas ou ruins. O que importa é não esmorecer. O que importa é jamais esquecer que não se trata, apenas, de defender o governo Dilma ou o PT, e sim lutar para que o Brasil não venha a cair em mãos da Globo e seus afilhados políticos.

Dilma_mugshot

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

27 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Professor Iso

30 de abril de 2014 às 13h13

Como bacharel em Estatística e professor, verifico e me espanto com prioridade de análises emocionais às técnicas que se fazem em cima de uma pesquisas de opinião.
Numa série estatística aparecem tendências, sazonalidades, aleatóriedade e variações erráticas. Estas últimas são consideradas catástrofes. São possíveis mas improváveis( é possível que a lua cai sobre a terra até ao final do ano mas é improvável).
Ao analisar as informações (dados já manipulados) observo que as opções branco/nulo e não sabe/não respondeu permaneceram praticamente fixas levando a conclusão de que 100% dos desistentes de Dima convergiram para os outros dois candidatos. Eles não vem dos indecisos o que seria mais óbvio. Milhões de pessoas que já haviam decidido seu voto, mudam drásticamente, enquanto pessoas que ainda não decidiram permanecem na dúvida. Teóricamente é muito mais difícil mudar o voto do decidido do que do indeciso. Que argumentos influenciariam em milhões de decididos e não causaria efeitos nos indecisos. Que argumentos fariam milhões mudarem de Dlima para Aécio ou Campos enquanto que ninguem, nem uma pessoas, mudaria de Aécio e Campos para Dilma.
Isto é possível mas improvável. É uma variação errática.
Imaginem que um vento forte sopra sobre uma casa. As estruturas mais sólidas são arrasadas pelo vento enquanto que as mais frágeis ficam de pé. O que um observador diria: “milagre”.
Quero colocar aqui que acredito muito em pesquisas (operacionais ou de opinião)por isto ensino estatística. O que fica difícil é depois ter que explicar aos meus alunos que elas só não funcionam porque, pessoas capacitadas que realizaram todo processo usaram suas exelentes capacitações para modificar tendências e sazonalidades. Estes sabem o que estão fazendo. O objetivo é criar pânico. Isto acontece em todos os sentidos e direções, mas está de agora chama muito a atenção. Mas existe um auto-perdão: até o final há tempo para correções.

Responder

    Vitor

    30 de abril de 2014 às 15h12

    Professor, assim como você eu acredito que essa pesquisa esteja pra lá de esquisita, afinal mostra uma variação muito grande em relação as pesquisas do Ibope, Datafolha e Vox Populi…
    Em relação ao seu ponto, tenho uma questão. Acho que não necessariamente os eleitores da Dilma migraram para Aécio e Campos diretamente. O que pode ter supostamente ocorrido e me parece mais plausível, é um percentual da Dilma migrar para os indecisos e um percentual dos indecisos para a oposição, em dois movimentos independentes.
    Ainda assim é uma variação improvável, porque é muita coincidência a mesma quantidade de pessoas sair da Dilma para indecisos e de indecisos para oposição. Mesmo assim me parece mais coerente. O que você acha?
    Saudações!

    Responder

C.Paoliello

30 de abril de 2014 às 12h42

Desde a posse do Presidente Lula, seguida de mentiras repetidas e desinformação acafajestada da velha mídia que parei de ler jornais impressos, seus respectivos similares na internet, e parei também de ver tv em canais abertos. A única exceção ficou por conta da revista CartaCapital.
Faz muito mal à saúde ler ou assistir a qualquer veículo de “comunicação” (na verdade desinformação e defesa da selvageria capitalista) do PiG. Portanto em defesa da própria qualidade de vida sugiro a todos que façam o mesmo.

Responder

Zeca Junior

30 de abril de 2014 às 12h17

ACORDA, DILMA! BOTA O PÉ NO CHÃO, CARALHO!

Responder

Edson

30 de abril de 2014 às 09h50

O responsável por essa pesquisa é o Sr.Clésio Andrade, amigo e sócio do Aécio nas falcatruas, então pessoal tenho plena convicção que nada mudou. Se alguém disser que está jogando a toalha é porque é eleitor da oposição.

Responder

Jose Carlos Romancini

30 de abril de 2014 às 11h30

Pirilampam no escuror os vaga-lumes.
Sombras se encostam no indefinido.
Um sono de borboleta se enleva no ar.
O horizonte se encolheu pra perto.
No curral murmuram os estrumes
num desaguar como que enxurrido.
Vago num pasto, aguardo o galo cantar.
Sonho insone, desperto…deserto.

Responder

João de Azevedo

29 de abril de 2014 às 23h48

Eu voto no PT desde 1982. Eu tinha observado a mais tempo, que a presidente Dilma não pratica política – não faz política, não tem jogo de cintura – politicamente é BURRA.

Ela não tem capacidade também de perceber que alguns de seus ministros e mais o setor de comunicação do governo – ora colocar Helena Chagas na SECOM -, são umas verdadeiras nulidades.

Durante toda a minha vida, poucas vezes eu vi uma pessoa tão teimosa que insiste em seus erros, não tendo a humildade – às vezes é um pouco esnobe – de aceitar sugestões de outros. Sem contar também que ela se fechou por completo para os movimentos sociais.

Agora estamos aí, com a possibilidade de um governo progressista perder a eleição de 2014, por causa de uma pessoa politicamente BURRA, CONTRAPRODUCENTE, como você diz etc.

Para finalizar, ELA é o principal motivo do apagão político do governo no quer diz respeito à comunicação.

Responder

Marco Antonio L.

29 de abril de 2014 às 22h36

Prezado Miguel, boa noite. O que seria esses 20 % de checagem de amostra, abaixo citada da entrevista?
Que são bem mais que 2.002 entrevistas e que os 20% representam os 2.002 somente ? 80% de entrevistas não considerados ?
Favor, se possível, esclarecer, obrigado e forte abraço.

NÚMERO DE ENTREVISTAS
– 2.002 entrevistas
– Margem de erro: 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança
– Checagem de 20% da amostra

Responder

    Vitor

    30 de abril de 2014 às 11h53

    Acredito que 20% da amostra é contactada pelo instituto de pesquisa para confirmar a entrevista e evitar fraude do entrevistador…

    Responder

Manelito Magalhaes

29 de abril de 2014 às 21h06

Proponho o seguinte aos Blogs de esquerda:
Vamos boicotar NAO só a Globo, daqui prá frente vamos boicotar TAMBÉM os ANUNCIANTES da Globo!!!!
Temos que ir para cima, ESTÁ na hora da MILITÂNCIA do PT entrar em campo. Nao vamos ficar assistindo a GLOBO decidir as ELEIÇOES de outubro.

Responder

Antonio Ilo

29 de abril de 2014 às 20h59

Miguel, entendo a sua angústia com a falta de ação, de comunicação do Governo e do PT em relação à campanha ardilosa da oposição e do PIG para interromper o ciclo de governos trabalhistas/populares. Eu costumo dizer aos meus companheiros que, quando o PT tinha poucos parlamentares no Congresso Nacional, ele atuava mais, fazia a diferença, mesmo diante do número enorme de parlamentares de direita. Hoje o PT tem a maior bancada de deputados federais, uma boa quantidade senadores e ninguém percebe quase a sua atuação. Eu também me angustio com essa situação. Uma derrota para a direita seria um grande retrocesso e quem mais perderia seria a classe pobre, assalariada, os negros, os nordestinos e nortistas, etc.,etc.. Mas eu acredito que nós venceremos com Dilma em 2014 e lutarei juntos os milhões de companheiros e companheiras do País para que o sonho e a esperança continuem vivos.

Responder

vinícius

29 de abril de 2014 às 20h52

Concordo! Apesar de toda a mídia ser favorável ao discurso do Aécio ele cresceu pouco. Além disso ele e Eduardo buscam voto no mesmo público.
A mídia está jogando duro. Em breve eles vão se enrolar na própria teia.
Isso já está acontecendo, mas a mídia é muito poderosa.

Responder

Fabio

29 de abril de 2014 às 20h44

O PT dorme e quando acordar será tarde demais.

Responder

isaac junior

29 de abril de 2014 às 20h21

Miguel todos sabemos que o papel da oposição é esse mesmo. Ela não contava com o recrudescimento eleitoral de Dilma após junho/2013. Então a carga veio toda de uma vez. Sou otimista. Acho que vamos ganhar no primeiro turno. Se antes AeDu achavam que os indecisos iriam para eles, agora somos nós que vamos conquistar os que ainda permanecem sem opção. O governo tem muito o que mostrar. A mídia aos poucos perde credibilidade. Temos o mais importante, a militância. Não se preocupem vamos ganhar no primeiro turno. Anotem aí!

Responder

enganado

29 de abril de 2014 às 19h20

Sra. Presidenta Dilma estou com a senhora para o que der e vier. Conte comigo!

Responder

Luis Felipe Gonçalves Salvatore

29 de abril de 2014 às 19h13

Que análise mais absurda! Mas eu me pergunto: não era o PT que dizia que a eleição estava ganha? Ué, e essa “análise” a respeito de Aécio Neves? É medo do mineiro simpático que vem por aí feito um rolo compressor? Outra coisa: senti falta de ver os números da pesquisa espontânea, em que Aécio Neves tem mais intenção de votos do que Lulinha. O que aconteceu, o criador não dá mais conta da criatura?

Responder

Professor Iso

29 de abril de 2014 às 18h50

Fosse assim bastaria gritar aos quatro ventos!!!!!!
Não.
A Folha, a Globo, o PIG fazem, com uma ingenuidade impressionante, com que as pessoas que querem mudanças, gritem muito por isto.
Não é isto que elas querem. Muito pelo contrário.
Mas insistem tanto, “coisa de louco”, que acabamos percebendo que um lado ganha de forma injusta, o apoio destas instituições que, no meu ver acabam elegendo que elas não queria. São uns “babacas”.
Qual o brasileiro, por mais humilde, não vê a diferença no trato. Isto se reflete nas pesquisas.
Se na hora do voto não aparecer nada convincente, não somos bobos para votar em quem já esteve no poder e não fez nada por nós.
Até lá lutaremos, como sempre, por um Brasil melhor.
Aécio e Eduardo, conseguiram parte dos indecisos. Uma pequena parte. Na hora que a grande parte dos indecisos pensar, como disse a presidenta, não iremos regredir.
Faça seu trabalho. Seu grande trabalho que é nos dar a vós necessária. Cada brasileiro é como uma abelha. A colmeia é de uma inteligência assombrosa.

Responder

Marcelo

29 de abril de 2014 às 17h25

Concordo, Miguel, a comunicação da Dilma é um lixo, ela não fala para defender seu governo, não politiza.

Responder

narsizabtista

29 de abril de 2014 às 17h20

Desde o começo nós dos Blogues viemos falando: Presidenta Dilma: o Zé Ruela é Tucano. O Hibernando Roncador só dorme e não faz nada e ela quieta não toma atitude nenhuma. Parece que gosta mesmo e de apanhar na cara como mulher de malandro.
Vejam se não é assim???
Faça igual o Lula, convoque os Blogues sujos e dê uma entrevista tocando em múltiplos assuntos, mas não, fica esperando a morte da bezerra!!

Responder

Antonio

29 de abril de 2014 às 17h13

Pode ser estratégia da Dilma, deixar a mídia falar a vontade e desgasta-la, e depois desmascara a mídia e a oposição, vão ficar desacreditados.

Responder

    Miguel do Rosário

    29 de abril de 2014 às 17h49

    Não acho que funciona assim. Desmascarar uma mentira é mais difícil do que contá-la. E cria-se uma onda de mentiras.

    Responder

martha silva

29 de abril de 2014 às 16h57

Seria um retrocesso, no qual nao acredito que o Brasil recaira, nao sei se estou sendo apenas otimista, mas, nao e possivel que o PT nao lute por implementar o debate politico.um abraco.

Responder

Lucia

29 de abril de 2014 às 16h45

Se vcs, que deveriam fazer o contraponto, sobre o que se está fazendo no país, não fazem. A Dilma está emparedada pela direita e pela esquerda…Querem que ela faça o quê? Mande para um Congresso hostil a lei das mídias? É derrota na certa…Que ela vá a TV? Será acusada de antecipar as eleições…Ela já disse que governa, qdo chegar a hora, ou seja qdo for permitido a ela falar sem que a mesma seja acusada disso ou daquilo, ela fará… Disso eu tenho certeza….

Responder

    Miguel do Rosário

    29 de abril de 2014 às 16h52

    Ela não pode ao menos usar o blog?

    Responder

      dinarte

      29 de abril de 2014 às 17h55

      Ela não pode nem usar roupa vermelha que eles já começam a fazer representações na justiça.imaginem se ela começar a usar blogs e outros meios para explicar/contestar todos esses factoides,ela corre o risco de ser acusada de fazer propaganda eleitoral antecipada e se tornar inelegível.O vocês acreditam que a justiça podre vai perder essa oportunidade.
      Eu já vi acontecer isso em Mauá no ABC nas eleições municipais de 2008.

      Responder

    Vitor

    29 de abril de 2014 às 17h34

    Lucia, eu discordo. Primeiro que ela já deveria estar usando canais melhores para se comunicar com a população, não era pra esperar ano de eleição. Outra coisa, a agenda dela já é muito mais de candidata do que de presidente (assim como do Aécio e do Campos). Ela inaugura obra toda hora, só os discursos que são ruins, como o Miguel falou…

    Os blogs de esquerda não tem que fechar os olhos para as coisas ruins do Governo apenas para fazer “contraponto” a grande mídia. Não acho que devam descer no mesmo nível (bem baixo) da mídia tradicional, apesar que alguns o fazem.
    Enfim, acho que o Brasil não está grandes coisas com Dilma, mas tenho certeza que estará pior com o Aécio e um pouco menos de certeza (mas ainda grande) com o Campos.

    Em relação a mandar leis para um Congresso hostil, acho que vocês subestimam e muito a opinião pública. Se o Governo fizesse um trabalho bom de explicar para a população o que seria uma lei das mídias, quais os benefícios, esquecer esse negócio de “controle social” e focar na democratização, certamente haveria pressão popular! Caramba, o PT controla diversos “movimentos sociais”, sindicatos, os blogs alternativos estão cada vez mais fortes… Tem que usar esse capital para governar também, não apenas para as eleições! Existem várias maneiras de se comunicar com a população que não envolva a Globo! Ainda mais em um assunto em que ela é “suspeita”, por ser atingida diretamente! O povo brasileiro não tem muito estudo, mas não é burro!

    Ano passado o povo foi as ruas e o congresso se mexeu (pouco, mas se mexeu)… Ficaram, por exemplo, sem clima para aprovar a PEC 37 (sendo isso bom ou ruim). Em ano de eleição, os parlamentares ficam mais sensíveis a opinião pública. Pq não aproveitar para que sigam uma agenda mais positiva? Outra coisa, se o congresso é tão hostil assim, pq diabos manter a aliança com partidos como o PMDB? Esses minutos de TV estão saindo muito caro…

    Enfim, acho que o Governo tem e muito o que melhorar! E ficar usando muletas que a mídia isso, o congresso aquilo, não vai ajudar em nada! Nem o PT, nem o Brasil…

    Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?