Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Rio Grande do Sul realiza maior “consulta pública” do mundo!

Por Miguel do Rosário

05 de junho de 2014 : 12h14

A iniciativa da presidência da república, de assinar decreto que institui a participação popular e social como obrigatória em políticas públicas, deve se somar agora ao esforço do governo do Rio Grande do Sul, presidido por Tarso Genro, para realizar a maior consulta pública orçamentária do planeta.

É o “orçamento participativo”, modelo adotado pelo PT de Porto Alegre, que ganhou inúmeros prêmios internacionais por modernizar a democracia e incluir os cidadãos nas decisões de governo, levado a uma escala muito maior. 

A comparação sobre o tamanho da consulta é do “especialista em Governo Aberto do Banco Mundial, Tiago Peixoto”. Em suas palavras: “além dos números, esta foi a primeira consulta a utilizar os mais modernos recursos de mobilização, valendo-se desde a telefonia móvel até a força das redes sociais para chegar ao resultado final. Acompanhamos diversos processos semelhantes em diversos países, e podemos dizer com segurança que a Votação de Prioridades do Rio Grande do Sul é a maior consulta orçamentária digital do mundo”, afirmou.

Os cães ladram mas a democracia, enfim, avança no Brasil. Apenas os que não amam a democracia, ou não a entendem, ou a vêem pelo avesso (um mundo sem governo popular e sem participação social, dominado por corporações), são contra processos que ampliem a participação do povo nas decisões de governo.

Parabéns, governador!

*

Publicado há pouco no site do Gabinete Digital do governo do RS:

Com 255.751 votantes, Governo gaúcho realiza a maior consulta pública da Internet no Brasil

Com 255.751 votantes em três dias, o Rio Grande do Sul realizou a maior consulta pública da Internet no país, e o maior processo de orçamento participativo digital do mundo. O recorde foi registrado entre os dias 2 e 4 de junho, com a Votação de Prioridades – processo no qual os gaúchos definem, por meio do voto direto, o destino de parte do orçamento do Estado para 2015. Em 2013, a consulta somou 157.549 votos pela Internet.

Entre os diferenciais da campanha deste ano, consta a utilização maciça das redes sociais para viralizar conteúdos e atrair novos votantes, sob coordenação do Gabinete Digital, encarregado de ampliar o alcance no ambiente online. Com o apoio da Procergs e da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), responsável pela consulta, o sistema de votação também foi reformulado a partir do zero, propiciando uma interface mais amigável e a possibilidade de cruzar dados por meio do Login Cidadão. A estratégia possibilitou, por exemplo, que os participantes recebessem cupons extras para o Sorteio do Milhão da Nota Fiscal Gaúcha, agendado para março de 2015.

Neste ano, a Votação de Prioridades disponibilizou R$ 200 milhões para a consulta popular, cifra 21% maior no comparativo com o período anterior, quando o montante somava R$ 165 milhões. Os números da votação presencial, que ocorreu no dia 4 em todo o estado, ainda serão computados e divulgados pela Seplag.

Além dos números

Todo o processo foi acompanhado por pesquisadores do Banco Mundial, que desembarcaram no Rio Grande do Sul para conduzir uma série de experimentos relacionados à participação cidadã. A instituição realizou diversos testes para mensurar o nível de engajamento da população na Internet, incluindo questionários virtuais e presenciais, bem como o disparo de e-mails e mensagens de celular para medir a variação da resposta do cidadão a diferentes mídias e conteúdos.

O especialista em Governo Aberto do Banco Mundial, Tiago Peixoto, avalia positivamente os resultados preliminares. “Além dos números, esta foi a primeira consulta a utilizar os mais modernos recursos de mobilização, valendo-se desde a telefonia móvel até a força das redes sociais para chegar ao resultado final. Acompanhamos diversos processos semelhantes em diversos países, e podemos dizer com segurança que a Votação de Prioridades do Rio Grande do Sul é a maior consulta orçamentária digital do mundo”, afirmou. Os resultados do experimento serão sistematizados e divulgados em breve.

Gabinete Digital
Governo do Estado do Rio Grande do Sul

op

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Antonio Torres

06 de junho de 2014 às 22h32

A elite do atraso quer democracia sem povo. A participação é uma conquista como acontece na Suécia e outros países da Escandinávia. O povo unido jamais será vencido! Fora os reacionários, colonizados, vira latas, capachos dos rentistas.

Responder

Antonio Torres

06 de junho de 2014 às 22h32

A elite do atraso quer democracia sem povo. A participação é uma conquista como acontece na Suécia e outros países da Escandinávia. O povo unido jamais será vencido! Fora os reacionários, colonizados, vira latas, capachos dos rentistas.

Responder

Marcus Ferraz

06 de junho de 2014 às 17h36

Contraponto interessante ao ponto de vista manifestado.
http://youtu.be/6DHgm0b7tbQ

Responder

João Valarelli

06 de junho de 2014 às 11h51

Penso que as coisas estão tomando um rumo politico demais. NOS TEMOS QUE PENSAR NO POVO BRASILEIRO, NÃO O QUE ACHAMOS QUE É MELHOR PARA O POVO E SIM O QUE O POVO PRECISA: EDUCAÇÃO, SAUDADE, CULTURA , ETICA E MORAL…
NÃO EXISTE DITADURA SO COM EXERCITO…” NÃO EXISTIRIA REPRESSÃO SE NÃO TIVESSE CONIVENCIA DE ALGUNS DOS OPRIMIDOS”. SE NÃO HOUVER RESPEITO E TOLERANCIA PARA TODOS QUE PENSÃO DIFERENTE NOS COMINHAREMOS PARA UMA REVOLUÇÃO INGLORIA, POR QUE HOJE EM DIA NÃO HÁ IGUALDADE, LIBERDADE E FRATERNIDADE, MAS SIM FICAR NO PODER A QUALQUER CUSTO, “LATU SENSO”. MESMO QUE SEJA PARA USAR O MEDO E O TERRORISMO CONTRA O POVO, JÁ TAÕ SOFRIDO…

ATENCIOSAMENTE JOÃO BAPTISTA.

Responder

Leonardo

06 de junho de 2014 às 10h50

Excelente! Isso foi utilizado pelo Olívio quando – mesmo em minoria na Câmara – conseguiu aprovar projetos que o levaram a eleger o sucessor – Tarso e Raul Pont. É o povo escolhendo. É o PT mostrando que isso – na prática – combate a corrupção por desestimular os corruptores a bancarem campanhas de políticos que não terão mais a força que agora estará com a população.

Dilma tem que vir a TV e falar com detalhes sobre tudo isso. Vai doer no PMDB, na direita e – é claro – os coxinhas que operam ou vivem na “Matrix” golpista vão espernear mas vão perder.

Excelente medida!

Responder

Rafa Bruza Wacked

05 de junho de 2014 às 21h19

Demais!!! Não sei como as pessoas não vêem Democracia numa medida que aproxima o Brasil da chamada “Democracia Direta”. Enfim, eles podem reclamar, podem fazer barulho e também podem chorar quanto quiserem… o Brasil continua avançando mesmo com as reclamações deles.

Responder

Libertad Martinez

05 de junho de 2014 às 18h06

ES hora de nuestro gobernador que di meu voto se mueva um poco……………….

Responder

Maria De Fatima Cabral

05 de junho de 2014 às 17h26

É, vai ser criado conselhos populares! Maravilhoso, o povo participando! Esse é o jeito certo do PT governar!

Responder

Bira Huffel

05 de junho de 2014 às 16h28

Nosso estado na vanguarda da democracia participava. Deve servir de exemplo para os coxinhas q já começaram a tocar o terror no decreto 8423, sem mesmo saber a verdade.

Responder

Mauro Coelho

05 de junho de 2014 às 16h16

Mas a coxinhada tá dizendo que é ditadura! kkkkkkkkk

Responder

Flávio Furtado de Farias

05 de junho de 2014 às 15h36

Participatory budgeting (PB) is a democratic process in which community members directly decide how to spend part of a public budget. In other words, the people who pay taxes (all of us) decide how tax dollars get spent.

The Brazilian city of Porto Alegre started the first full PB process in 1989, for its municipal budget. Since then, PB has spread to more than 1,500 cities around the world. It’s usually used for city budgets, but states, counties, schools, universities, housing authorities, and coalitions of community groups have also used PB to open up spending decisions to the people.

Responder

Flávio Furtado de Farias

05 de junho de 2014 às 15h33

E hoje vi que os EUA vão copiar esta experiência brasileira.

Responder

Francisco Barbosa

05 de junho de 2014 às 15h32

esta merda de ORCAMENTO PARTICIPATIVO eh antigo em Goiania, mas sempre foi um FIASCO PTista !

Responder

    Pedro Pereira

    05 de junho de 2014 às 13h54

    Por que?

    E se é um fiasco, por que o PT consegue tantas vitórias na capital goiana?

    Ou são apenas palavras de uma mente doentia, que se recusa a dialogar e buscar conhecer as necessidades de sua comunidade?

    Responder

Maria Cristina Marques

05 de junho de 2014 às 15h26

Tem q ser obrigatória! Não é isso q querem os manifestantes?

Responder

Katarina Peixoto

05 de junho de 2014 às 15h19

E a votação online é super intuitiva.

Responder

Deixe um comentário