Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Costa corrige mídia, MPF e Moro: comissão saía do lucro de empresas, não da Petrobrás

Por Miguel do Rosário

10 de abril de 2015 : 18h19

5259a66cb02c838ab67bce4631596c04_thumb


 

E assim vai caindo mais uma farsa…

A história é bem diferente da narrativa midiática, com auxílio luxuoso da “República do Paraná”.

***

Lava Jato: Os equívocos de Sérgio Moro e MPF segundo Paulo Roberto Costa

SEX, 10/04/2015 – 14:36
ATUALIZADO EM 10/04/2015 – 15:01
Por Cíntia Alves, no GGN.

Jornal GGN – Na petição enviada ao juiz federal Sergio Moro nesta quinta-feira (9), a defesa do ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, um dos principais delatores da Lava Jato, reafirma tudo que foi dito às autoridades da operação que investiga os casos de corrupção na estatal – embora a Folha de S. Paulo tenha noticiado que Costa “mudou” o depoimento dado em 2014.

O objetivo da petição é o perdão judicial a Costa, mas a defesa aproveitou para listar 17 itens na denúncia apresentada pelo MPF e nas informações colhidas por Moro que precisam de “pontuação”. Em alguns casos, os advogados rebatem informações prestadas por outros investigados.

O primeiro item repercutiu na mídia nesta sexta-feira (10), pois o tema já havia rendido manchetes escandalosas sobre a destinação de 1% a 3% de “propina” a partidos políticos da base governista.

Segundo a Folha, Costa “recuou” da informação de que a propina aos partidos era fruto de “superfaturamento” em contratos assinados pela Petrobras com o cartel de empreiteiras. Segundo o delator, não é correto falar em “sobrepreço” nos contratos porque os valores saiam, na verdade, da “margem de lucro” das empresas.

“Os valores dos contratos assinados pela Diretoria de Serviços variavam entre 15% e mais 20%. As empresas repassavam em média até 3% (1% para o PP e 2% para o PT) . Estes valores eram retirados da margem das empresas. Assim, se uma empresa oferecia uma proposta de 15% acima do orçamento básico e repassava os 3% ela ficava com o lucro de 12%, no caso de não repasse, ficaria com um lucro de 15%. (…) Assim não se pode dizer que houve sobrepreço.”

Ao contrário da Folha, o Estadão sustentou que, com essa observação, Costa esclareceu esse ponto específico das denúncias. De qualquer maneira, a fala tem potencial para impactar na Operação Lava Jato. As autoridades envolvidas terão de apurar se resta prejudicada a versão de que o cartel combinava sobrepreço com o envolvimento de políticos e funcionários da Petrobras, lesando os cofres da estatal com obras superfaturadas.

Propina x dinheiro não declarado

Outro item corrigido pela defesa de Paulo Roberto Costa diz respeito à interpretação equivocada por parte do juiz Sergio Moro de que o dinheiro apreendido na casa do ex-diretor era fruto de propina. Segundo a correção, o montante foi obtido de maneira legal, ao longo de seus anos na Petrobras, mas não foi declarado à Receita Federal. Na denúncia, Moro transformou “valores não corretos” em “propina”. A petição contém trecho de interrogatório sobre a origem dos recursos:

— E esses valores que foram apreendidos na sua residência, que era setecentos e sessenta e dois mil reais, cerca de cento e oitenta mil reais e mais dez mil euros, qual que era a origem desses valores – perguntou o juiz federal.

— É, a parte de euros e de dólar eram valores meus. De dólar que eu tinha durante a vida toda guardado, e euros tinha dez mil euros lá de uma viagem que eu fiz à Europa, tinha feito há pouco tempo. Os valores, os outros, era setecentos e poucos mil reais, eram valores não corretos – respondeu Costa.

A defesa de Costa ainda corrigiu a denúncia de que o cartel de empreiteiras atuava na Petrobras “de forma plena e consistente, ao menos de 2004 a 2013”. “(…) os contratos, desde o orçamento básico do projeto à licitação em si, eram enviados para aprovação e assinatura da Diretoria Executiva, para somente após ser conduzido pela Diretoria de Serviços. Antes do final de 2006 não havia nenhuma obra de grande porte na área de atuação do defendente [Costa].”

Nos itens restantes, há as seguintes ressalvas:

– Paulo Roberto Costa não conhecia as empresas de fachada de Alberto Youssef
– O delator desconhece também os trabalhos da Labogen e da Petroquímica
– Costa não operava lavagem de dinheiro
– Costa não tratava de valores com Julio Camargo nem com ninguém. Esse papel era José Janene e, depois, de Youssef
– Nada se concretizou no que tange o recolhimento de fundos, com ajuda de Costa, para a campanha do senador Lindbergh Farias (PT). E Costa também não teve tratativas com Mateus Coutinho, da Construtora OAS
– Nas obras dos gasodutos Pilar-Ipojuca e Urucu-Coari participaram as diretorias de Gás e Energia (à época, com Graça Foster) e Serviços (Renato Duque), e não da Diretoria de Abastecimento, ao contrário do que consta na denúncia
– Costa não conhecia Rogério Cunha, da Mendes Junior
– Ao contrário do que consta na denúncia do MPF, não é correto dizer que a Petrobras admitia “funcionários inexperientes”. “O processo interno sempre foi muito rígido e seu quadro de funcionário sempre foi muito bem qualificado e com experiência.” “(…) as normas da Petrobras eram seguidas à risca. O processo [de contratação] passava pelo Jurídico e somente seguia para a Diretoria Executiva depois de aprovado pelo órgão jurídico”. E ao contrário do que diz a denúncia, a estatal segue “o processo licitatório nos termos da Lei 8.666/93.” Quanto a contratos aditivos, a Diretoria Executivo só deliberava após a aprovação da Diretoria de Serviços.
– Costa, em várias oportunidades, aprovou a participação de empresas de menor porte nas licitações da Petrobras, mas foi “criticado pelas empresas do cartel”, que diziam que ele iria “quebrar a cara”
– A informação constante na denúncia do MPF de que Costa e Youssef recebiam com antecedência uma lista com as empresas que venciam as licitações é uma “inverdade”. O que Costa sabia é que as empresas que integravam o cartel certamente participavam do certame

Como Paulo Roberto Costa foi o primeiro a firmar o acordo de delação premiada na Lava Jato, os advogados pedem que seja concedido a ele o perdão da justiça ou a redução da pena. Costa está em prisão domiciliar, no momento.

A petição, na íntegra, está disponível aqui.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

31 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Iara Pinheiro

12 de abril de 2015 às 05h12

Quem se referia e se refere, aos valores como “propina” foi sempre a oposição nos discursos, o juiz nas perguntas e MP nas denuncias, o que é perfeitamente de se esperar, e a mídia nas notícias. Os Delatores sempre se referiram como “comissões” e doações aos partidos. Agora dá pra entender que isso tudo acontecia fora da Petrobrás. COMO FICA O BALANÇO DA PETROBRÁS, uma vez que esses valores saíram dos lucros das empresas e não da própria Petrobrás, já que não havia “sobre valor” nos contratos???????????

Responder

Carmem Witt

12 de abril de 2015 às 01h57

já passou as eleições, o candidatinho favorecido, felizmente =perdeu,,,,

Responder

Custoso S Cicero

12 de abril de 2015 às 01h30

mentira tem perna curta … aprendi isso no primário ,

Responder

Paulo Gonçalves

11 de abril de 2015 às 18h35

E agora como fica o Juiz do PSDB?

Responder

    Luís CPPrudente

    11 de abril de 2015 às 18h29

    O juiz do PSDB seria o Dr. Moro (a Personalidade do Ano da Famiglia Marinho)?

    Responder

Paulo Gonçalves

11 de abril de 2015 às 18h35

E agora como fica o Juiz do PSDB?

Responder

    Carmem Witt

    12 de abril de 2015 às 01h59

    vai fazer filme em holliwood, sobre a 2′ guerra , é só colocar um bigodinho..kkkaaa

    Responder

      Luís CPPrudente

      12 de abril de 2015 às 10h47

      o Dr. Moro Tucano se tornou o sósia perfeito daquele demente chamado Hitler. Eles se parecem psicologicamente.

      Responder

a vida como ela é

11 de abril de 2015 às 15h26

Perguntas: Qual versão é a verdadeira?
Quantas versões ainda teremos?
A quem interessa mudanças de versões?
E aquela michariazinha, que ele se comprometeu a devolver? Deve ficar com ele pois é fruto do seu árduo trabalho ao longo da vida

Responder

Cícero Alves

11 de abril de 2015 às 15h14

A Versão nunca mudou ! Ele disse a verdade, e disse o que interessava ao pessoal da República do Paraná ! Eu escutei o ÁUDIO da Delação Global sem recortar nada para colocar no Jornal Nacional ! O Delator Global, no Programa Eleitoral da República do Paraná, disse que as LICITAÇÕES eram providenciadas por FUNCIONÁRIOS DA PETROBRÁS que não aceitavam interferência externa. SE houvesse IRREGULARIDADES nas LICITAÇÕES, os Funcionários já estariam presos.

Responder

    Carmem Witt

    12 de abril de 2015 às 02h01

    tudo ano ELEITORAL, para favorecer o nariz de farinha…só isto, por isto, distorceram o depoimento…..e a direitalha se cala,,cadê ela????/….hum

    Responder

Luís Eduardo Guedes

11 de abril de 2015 às 14h53

Mas agora o estrago já foi feito

Responder

paul moura

11 de abril de 2015 às 11h22

Parabéns Miguel.

Responder

Caio Rampazo

11 de abril de 2015 às 10h04

Quem tinha que comprar as ações da Petrobras a preço de banana já comprou. Quem domina o mundo são os homens de negócio e não governos. Até Obama se ferrou na mão deles. E agora Moro, e agora Aécio, PSDB, DEM, o tsunami está passando, mas o Soros com certeza ficou muito, muito, muito mais bilionário.

Responder

Pedro Gomes Brasil

11 de abril de 2015 às 09h20

— E esses valores que foram apreendidos na sua residência, que era setecentos e sessenta e dois mil reais, cerca de cento e oitenta mil reais(USD) e mais dez mil euros, qual que era a origem desses valores – perguntou o juiz federal.

Responder

Arnaldo Nogueira

11 de abril de 2015 às 02h25

Pois é, típico caso de torcer a verdade até ela chegar aonde se quer.

Responder

Paulo Bastos

10 de abril de 2015 às 23h04

Isto é simplesmente surreal. Que delação premiada é esta, onde o investigado muda seu depoimento a bel prazer. Por acaso ele será punido ? Fica a pergunta…

Responder

GILDASIO

10 de abril de 2015 às 20h59

Este espaço tem de ser preenchido com análises de vários juristas a respeito do tema. Existem várias perguntas e suas respostas precisam ser abalizadas. Precisamos de credibilidade jurídica. Faço a seguinte pergunta: Se todo dinheiro saiu da Petrobras(Petrolão), por que ninguém foi acusado no crime de peculato?? Afinal de conta, este dinheiro pertence a quem?? Confesso que não estou entendendo mais nada.

Responder

Maria Alice Pavan

10 de abril de 2015 às 23h42

Mara Sallai.

Responder

Antonio Moreira da Silva

10 de abril de 2015 às 23h37

interessante……………..

Responder

Arthur Caria

10 de abril de 2015 às 22h01

Perfeito!

Responder

Conceicao Falcao

10 de abril de 2015 às 21h57

Que confusão do MPF E DO MORO, todos devem ser afastados

Responder

Amara Silva

10 de abril de 2015 às 21h50

VIGIAI E ORAI… QUE A VERDADE APAREÇA.

Responder

Roque Pinto

10 de abril de 2015 às 21h41

Cada vez mais penso no PT – e como partidos tradicionais e mídia corporativa os odeia encarniçadamente – como uma anomalia da Matrix. Não podia ter existido e se existiu jamais poderia ter chegado onde chegou. O problema é que eles ficaram embriagados com poder e dinheiro, passaram a imitar as falcatruas que os antecediam, e jogaram no lixo a chance de fazer um país melhor. E apanham não pelos erros, mas pelos acertos.

Responder

    Anônimo

    11 de abril de 2015 às 13h29

    …”como uma anomalia da Matrix”…
    Perfeito.

    Mas deixou de ser “anomalia” para ser o neoPT.

    Será que os Smith’s permitirão?

    Responder

Roque Pinto

10 de abril de 2015 às 21h37

Mas a estratégia da mídia sempre foi criar sua versão dos fatos, simplificá-la à Homer Simpson e massacrar o PT, que ao ficar acuado passa o atestado público de culpa.

Responder

Fernando Américo Teixeira Delavy

10 de abril de 2015 às 21h35

Será que a versão mudou pq o ataque à Petrobrás naufragou? Agora, que a Petrobrás não afundou para ser vendida de vez, a verdade ganha um pouquinho mais de espaço? Ou PRC está mentindo de novo?

Responder

    O Cafezinho

    10 de abril de 2015 às 22h18

    quem pode saber? entretanto prova uma velha máxima jurídica, de que a delação é a prima pobre das provas.

    Responder

    Maria Penha da Silva

    11 de abril de 2015 às 10h11

    O Sr Paulo Roberto Costa se desdizendo, nos permite perguntar aos globais, aliás, não só aos globais…: E agora jornalistas nada éticos e à serviço da mídia golpista? Não foram os senhores que levaram o povo à acreditar q nas delações premiadas ninguém mente… e q haveria provas do q foi delatado… E agora? O Paulo Roberto Costa, está retirando o que disse!!!! E AGORA????????????? Globo? Band? Silvio Santos? Globo News? BandNews? Veja e aquela capa baixamente golpista no dia da votação/2o turno? O Globo A FolhaSP? Estadão? EtecEtcEtc???? Um vale tudo pelo Aécio… E AGORA?????????????

    Responder

    Henrique Pedro

    11 de abril de 2015 às 23h45

    Ele mentiu antes ou agora ? Foi comprado antes ou agora ? Não vamos analisar por paixão como se fosse um clube de futebol, o importante é ter a investigação e os culpados serem punidos independente do lado!

    Responder

Arthur Caria

10 de abril de 2015 às 21h31

Importantíssimo, Roque Pinto

Responder

Deixe um comentário