Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Eleições argentinas: uma peça de dominó em disputa

Por Lia Bianchini

14 de agosto de 2015 : 19h15

Por Lia Bianchini, repórter especial do Cafezinho

No último domingo, a Argentina deu o primeiro passo para sua troca de presidência, com as eleições primárias (uma espécie de pesquisa, com voto obrigatório, para as eleições oficiais de 25 de outubro).

Os principais partidos concorrentes eram a Frente para la Victoria (FpV – partido do atual governo), o Cambiemos, a Alianza Unidos por Una Nueva Alternativa (UNA) e o Progressistas.

O resultado da chamada PASO (Primarias Abiertas Simultáneas y Obligatorias) seguiu essa ordem, com 38,41% dos votos para a FpV, 30,7% para o Cambiemos e 20,63% e 3,51% para UNA e Progressistas, respectivamente.

Antes da análise do cenário político a partir desses resultados, porém, é preciso entender o significado das próximas eleições para o contexto argentino e sul-americano.

A história argentina assemelha-se muito à brasileira. Após um governo neoliberal e uma crise nos anos 90, a Argentina elege um governo progressista, que perdura por 12 anos: os Kirchner (Néstor, de 2003 a 2007, e Cristina, de 2007 a 2015). Ao longo desses anos de governo, o chamado kirchnerismo conseguiu, entre alguns de seus feitos, elevar as taxas de crescimento econômico, produtividade industrial e poder de compra dos argentinos e diminuir o desemprego e a pobreza no país.

No entanto, a imagem do governo foi sendo desgastada, principalmente após a crise econômica de 2008 (chamada por Cristina Kirchner de Efeito Jazz, em alusão à origem do problema: os Estados Unidos). Hoje, o governo kirchnerista recebe críticas tanto do campo de esquerda (vindas dos peronistas dissidentes e dos esquerdistas radicais) quanto da oposição de direita, que vem crescendo no país.

Logo, é nesse cenário de crise de representatividade que se situam as próximas eleições argentinas. E o resultado da PASO gera incertezas quanto ao futuro caminho político argentino.

Com maior porcentagem de votos recebidos, o partido do governo aposta no governador da província de Buenos Aires Daniel Scioli como sucessor de Cristina Kirchner. Contudo, há pouco tempo, Scioli não era considerado tão próximo ao kirchnerismo, posicionando-se muito mais ao campo político centrista do que à esquerda. A aproximação entre Cristina Kirchner e Scioli veio apenas com a iminência das eleições e a necessidade de um sucessor para a atual presidente, já que o outro possível candidato do governo, Florencio Randazzo (atual Ministro do Interior e Transporte da Argentina), não teve tanto apelo junto ao eleitorado kirchnerista.

O principal partido da oposição, o Cambiemos, que agrega direita e centro-direita, tem como candidato Mauricio Macri, atual prefeito de Buenos Aires e ex-presidente do clube de futebol Boca Juniors. Macri aparece como o renascimento da direita argentina, conquistando os votos do eleitorado conservador, anti-peronista e anti-kirchnerista. Pode, ainda, conseguir alguns votos dos peronistas dissidentes, que se opõem ao kirchnerismo. Uma grande aliada de Macri é a imprensa tradicional argentina, que vem atacando fortemente o governo Kirchner, implantando um ideário de que o melhor para a Argentina seria o fim do kirchnerismo (representado, nas próximas eleições, por Scioli).

Correm por fora, ainda, Sergio Massa e Margarita Stolbizer, dos partidos UNA e Progressistas, respectivamente. Ainda que, estatisticamente, sem possibilidades reais de vitória, ambas as candidaturas são essenciais para alterar o cenário político.

Massa apresenta-se como uma terceira via, com um discurso de renovação política e não polarização (praticamente a Marina Silva da Argentina). O candidato deverá ter voto de parte dos peronistas dissidentes, contrários tanto à política de direita, representada por Macri, quanto à de esquerda moderada, representada por Scioli. Contudo, alguns veículos argentinos já noticiam um possível apoio de Massa a Macri, o que aumentaria consideravelmente as chances do Cambiemos eleger seu candidato, uma vez que Massa foi o terceiro mais votado nas eleições primárias.

Stolbizer também pode contribuir para diminuir a porcentagem de votos da FpV, já que seu eleitorado alvo é a esquerda anti-kirchnerista e anti-peronista. Na imprensa argentina, ela é noticiada como “la candidata que no negocia”. Faria diferença, porém, seu posicionamento em um possível segundo turno das eleições. O apoio a Macri é praticamente descartável, mas o apoio a Scioli endossaria a polarização ideológica, definindo claramente esquerda e direita, o que poderia atrair a parte dos eleitores de Massa que é contrária ao apoio dele a Macri.

Basicamente, a Argentina está prestes a encarar uma disputa entre esquerda e direita. O cerne da questão é: a direita virá muito bem organizada, enquanto a esquerda terá que encontrar um caminho convergente entre tantas divergências. Porém, a população argentina pende mais à continuidade de um governo progressista. Logo, resta a Scioli (único candidato da esquerda com possibilidades reais de vitória) ser, de fato, essa salvação do progressismo na Argentina e não se deixar perder pelos caminhos obscuros do centrismo.

O cenário é de uma complexidade há muito não vista em eleições Argentinas, mas parecida com a que vem passando outros países sul-americanos, a partir dessa nova investida neoliberal nas nações emergentes. Qualquer semelhança com as últimas eleições brasileiras ou uruguaias não é mera coincidência. A América do Sul é como um mosaico montado em peças de dominó: se alguém derrubar uma única peça, todas as outras caem juntas.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luís CPPrudente

16 de agosto de 2015 às 11h18

Os argentinos querem a manutenção das conquistas sociais, então o povo argentino não pode dar um passo para trás, tem que continuar avançando com a eleição de Daniel Scioli. E cobrar dele, após ser eleito, a continuidade dos avanços sociais.

Não ao retrocesso apoiado pela famiglia Clarin e pelas nossas famiglias do PIG.

Responder

Henrique Pedro

15 de agosto de 2015 às 10h52

Alguem que elogia o governo da Dilma, Maduro e da Argentina não pode ser levado a sério…

Responder

    Maia Filho

    15 de agosto de 2015 às 11h02

    Alguém que pensa como você, também não. Fake dos fakes….

    Responder

    Marcelo Aranha De Sousa Pinto

    15 de agosto de 2015 às 18h34

    “A desinformação é industrial e a ignorância, um negócio muito rentável prá esquerdolandia”

    A briga visceral do PT palaciano contra o deputado Eduardo Cunha é muito antiga. As assessorias de contraimagem da esquerdolandia outsider, custeada com dinheiro público, usam a militancia ginasiana prá enrolar os bastidores da realidade nua e crua decifrada pela Operação Lava Jato.

    Em julho de 2004, o dep. Eduardo Cunha eleito pelo PPB – Partido Progressista Brasileiro, solicitou ao Ministério de Minas e Energia cópia de contratos, autorizações de pagamentos a empresas prestadoras de serviços às ONGs que recebiam dinheiro da petrolífera. Nomes, endereços, CPF das pessoas e pagamentos às empresas vinculadas ao ministério, como a Petrobrás.

    O solicitação para ser atendida rodou e rodou por diversos setores, como: RH … Estratégia, Novos Negócios … Jurídico … Petros – o maior fundo de pensão do Brasil.

    Farta documentação demonstra a necessidade de dezenas de resolicitações ao Ministério das Minas e Energias, até que, finalmente, foi disponibilizada as informações em um disquete.

    Em 2006, o deputado Eduardo Cunha se filia ao PMDB e é reeleito. Em 2015 vence legitimamente a eleição para presidência da Camara Federal.

    Em 2014-2015, os abafados indícios de bilionários desvios nos contratos relativos à construção de plataformas, aquisições e aditivadas obras, estão sendo comprovados e dissecados pela Lava Jato aos eleitores, aos contribuintes, aos ministros do TCU, aos ministros do TSE e aos ministros do STF.

    Responder

    Antonio Pedro Bezerra Gomes

    15 de agosto de 2015 às 18h46

    Seria bom você se mudar para os Estados Unidos, pessoas como você são alienadas, não sabe distinguir o ovo da galinha.

    Responder

      nao lambo botas

      18 de agosto de 2015 às 20h35

      Não liga não Antonio eles gostam de lamber botas dos americanos e irem para Disney ver o Mikey e o Pateta.

      Responder

    Araci Borges Dias Martins

    15 de agosto de 2015 às 15h52

    Não leve a sério não. Leve sorrindo.

    Responder

    Henrique Pedro

    15 de agosto de 2015 às 18h57

    Seria bom você Antonio mudar para Cuba, Venezuela ou Argentina, pessoas como você são alienadas, não sabe distinguir o ovo da galinha.

    Responder

Deixe um comentário