Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

As mentiras da Época sobre a influência de Lula no BNDES

Por Miguel do Rosário

15 de setembro de 2015 : 12h50

(Na foto, Obama e Raul Castro. Os EUA, espertos, querem fazer negócios com Cuba. O Brasil também. A Globo, no entanto, braço do interesse norte-americano, quer prejudicar o Brasil)

Há duas semanas, a Época divulgou, com grande estardalhaço, um novo furo jornalístico, baseado em “bilhetes secretos” de funcionários do Itamaraty sobre a visita do ex-presidente Lula à Cuba, ao final de maio de 2011. A revista certamente pensou que venderia a informação como um novo vazamento do Wikileaks.

Os bilhetes diplomáticos, no entanto, tinham segredos tais como “Lula disse que Dilma é amiga de Cuba”.

ScreenHunter_03 Sep. 15 11.57

A reportagem prova que a Época tornou-se uma espécie de pasquim editado pela ala infanto-juventil do Tea Party.

Depois que a Casa Branca decidiu levantar o embargo comercial e político à Cuba, reabrindo até mesmo a sua embaixada em Havana, o Porto de Mariel ganhou, obviamente, um valor estratégico muito maior, porque Cuba, a Odebrecht e, por extensão, o Brasil, que financiou a obra, terão um porto moderno posicionado a 200 km dos Estados Unidos.

O Cafezinho conversou longamente com executivos do BNDES. As acusações da Época são infames. Em primeiro lugar, tenta-se surfar numa confusão besta sobre os financiamentos do BNDES à exportação de serviços. O BNDES apenas financia serviços produzidos no Brasil. O Porto de Mariel contrata, por exemplo, um monte de serviços cubanos, brasileiros e estrangeiros. Há empresas chinesas operando em Mariel. O BNDES só financia, porém, os serviços provenientes do Brasil, com contratação de mão-de-obra brasileira.

A inadimplência do BNDES para esse tipo de operação é próxima de zero. Ou seja, mesmo que não fosse geopoliticamente estratégico, seria simplesmente um bom negócio. E não retira recursos dos financiamentos destinados à infra-estrutura brasileira.

Os financiamentos do BNDES para o porto de Mariel somaram, ao longo dos anos de 2008 a 2013, US$ 682 milhões, que serão devidamente pagos, dando lucros ao banco, gerando impostos e empregos no Brasil. Quanto esse montante corresponde aos financiamentos totais do BNDES durante os anos de 2008 a 2013? 0,01%?

Os executivos do BNDES contatados pelo Cafezinho explicaram porque a Época manipula acintosamente a informação.

Os financiamentos do BNDES à obra do porto de Mariel, conforme admite a reportagem, foram concedidos em cinco parcelas, chamadas tecnicamente de “tranches” (pedaços, em inglês).

Lula visitou Cuba em 31 de maio de 2011. Nesta data, os três primeiros “tranches” já tinham sido aprovados pelo BNDES.

Segue uma tabelinha dos tranches:

Tranche 1 – US$ 43,4 milhões – aprovado em 09/12/2008
Tranche 2 – US$ 108,7 milhões – aprovado em 14/09/2010
Tranche 3 – US$ 150 milhões – aprovado em 03/05/2011

[Viagem de Lula à Cuba, em 31/05/2011]

Tranche 4 – US$ 150 milhões – aprovado em 05/07/2012
Tranche 5 – US$ 229,9 milhões – aprovado em 31/05/2013

Ou seja, os financiamentos já estavam encaminhados. Já existia um fluxo. Lula não tinha que fazer lobby nenhum.

Essas aprovações pelo BNDES não se dão num botequim, entre goles de cachaça, na presença de políticos. Não é a tôa que o BNDES é o banco brasileiro, quiçá do mundo, com menor índice de inadimplência. Os financiamentos são aprovados através de um sistema rigoroso, envolvendo órgãos do banco independentes entre si, tocados por servidores concursados.

Para “acelerar” clandestinamente um processo de liberação de financiamento, uma empresa ou lobista teria que subornar mais de 50 pessoas dentro do banco.

As acusações da Época são, portanto, levianas e má-intencionadas. Os financiamentos para a Odebrecht no Porto de Mariel são um bom negócio em todos os sentidos: bancário, comercial, político, geopolítico, econômico e social.

A matéria é repleta de armadilhas retóricas para enganar os leitores. Num determinado trecho, a revista fala que “Lula é investigado pelos procuradores pela suspeita de ter praticado o crime de tráfico de influência internacional (Artigos 332 e 337 do Código Penal)”.

Eles mentem na maior cara de pau. O artigo 332 do Código Penal fala em “tráfico de influência” exercido por “funcionário público no exercício de sua função”.

Lula, quando viajou a Cuba, não era funcionário público, tampouco funcionário no exercício de sua função. E o Código Penal fala apenas em tráfico de influência, e não em tráfico de influência internacional.

O artigo 337 do Código Penal, por sua vez, refere-se à subtrair ou inutilizar documentos públicos… O que tem isso a ver com a viagem de Lula à Cuba?

Eles escrevem qualquer coisa, porque sabem quem 99% dos leitores não vão conferir.

A matéria ainda enfia, do nada, a história do navio que foi apreendido no Panamá, levando sucatas velhas cubanas, do tempo da União Soviética, que seriam consertadas na Coréia do Norte.

Trecho da matéria: “Meses depois da visita de Pimentel, um navio atracou ilegalmente no Porto de Mariel, ainda em obras. Embarcaram-se ali, sob os olhos dos funcionários da Odebrecht, armas como tanques e caças, destinados à Coreia do Norte, escondidos sob uma carga de açúcar. O navio foi descoberto no Panamá. O Conselho de Segurança da ONU classificou o ato como um dos piores atentados à lei internacional dos últimos anos.

Que exagero estúpido!

Analistas consultados pela BBC disseram que, com base nas fotos divulgadas, as peças eram partes de um radar desenvolvido pelos soviéticos nos anos 50.

E falar que as peças foram embarcadas “sob os olhos dos funcionários da Odebrecht” é simplesmente má ficção!

A Época – que pertence à Globo, sempre é bom lembrar – exercita a sua covardia típica, ao pintar a pacífica e inofensiva Cuba, que não tem capacidade militar para ferir ninguém, e nunca atacou outro país, como um país perigoso, apenas para jogar lenha numa guerra fria obsoleta.

Na verdade, a Globo, como de praxe, se posiciona contra o Brasil, contra o governo brasileiro e contra as empresas brasileiras, e a favor das empresas norte-americanas, loucas para fazer negócios com Cuba, ilha posicionada estrategicamente às portas do principal mercado do mundo.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

19 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Jairo Costa

16 de setembro de 2015 às 03h04

Responder

Daulto Bitencourte Garcia

16 de setembro de 2015 às 00h51

Fazer negócios é uma coisa. Dar dinheiro do tesouro via BNDS a juros subsiadiados é outra coisa.

Responder

Jairo Costa

16 de setembro de 2015 às 00h39

Responder

Jorge Rodrigues

15 de setembro de 2015 às 23h57

Responder

Jorge Rodrigues

15 de setembro de 2015 às 23h57

Responder

Jorge Rodrigues

15 de setembro de 2015 às 23h57

Responder

Jorge Rodrigues

15 de setembro de 2015 às 23h57

Responder

Jorge Rodrigues

15 de setembro de 2015 às 23h57

Responder

Jorge Rodrigues

15 de setembro de 2015 às 23h57

Responder

Ovidio Lugo

15 de setembro de 2015 às 20h18

Vale a pena lembrar de que foi o BNDS que “financiou a Privataria Tucana ” enquanto os coxinhas falam que as privatizações foram a melhor coisa do país.

Responder

surreal

15 de setembro de 2015 às 14h39

A república federativa brasileira nasceu sob a formação militar em 15 de novembro de 1889, hoje somos uma democracia, democracia essa sob a proteção e garantia militar que honra o nome do Brasil e seus cidadãos. Hoje, vejo uma guerra internacional e comercial contra o Brasil com interesses de traidores entreguistas de nossa grande nação, com a ajuda da mídia anti-pátria, de entrega de nossas riquezas estratégicas, da destruição de conquistas sociais e tecnológicas. O aparelhamento internacional de traidores do Brasil estão fazendo seu vil trabalho, tentando destruir as grandes empresas nacionais e atacando até os grandes e honrados nomes da área militar que trabalham para o engradecimento e soberania do país. Tudo arquitetado entre mídia anti-pátria e a banda podre do judiciário, contando com a ajuda de alienados. O Brasileiro precisa reagir contra esse mal, que quer a destruição de nossa soberania. Chega de indolência e alienação.

A pátria dos traidores é o dinheiro sujo, não importa de onde vem, é dinheiro manchado com o sangue do povo brasileiro.

https://www.youtube.com/watch?v=Bi15bR4GXo0
https://www.youtube.com/watch?v=1phd2VxUnW4
https://www.youtube.com/watch?v=L3VTSxWTvjI
https://www.youtube.com/watch?v=22Ygk15lCGY

Responder

Batista Barros

15 de setembro de 2015 às 16h51

Imposto CPMF é para rico, se movimentar 10 mil pagamos 20 reais, 01 milhão paga-se 20 mil reais, imposto para compra de imóveis desconto de 5% a partir de 01 milhão.

Responder

Rose Andrade

15 de setembro de 2015 às 16h34

ESCÂNDALO RENOVA/ALSTON….SERÁ QUE VAI PRA CPI DO BNDS.?

Responder

Rose Andrade

15 de setembro de 2015 às 16h32

ESSE VAI PRA CPI DO BNDS….

Responder

Rose Andrade

15 de setembro de 2015 às 16h30

ESSE VAI PRA CPI DO BNDS….

Responder

Walber Brito da Silva

15 de setembro de 2015 às 16h01

Se o povo pudesse ver os inquéritos e investigações da PF, ficaria mais enojado com os partidos deste país !!

Responder

Eduardo Pagnoncelli

15 de setembro de 2015 às 15h59

“A reportagem prova que a Época tornou-se uma espécie de pasquim editado pela ala infanto-juventil do Tea Party” – perfeito!

Responder

    Mds Carla

    16 de setembro de 2015 às 01h34

    a direita brasileira se comporta como o tea party. a Imprensa só faz seguir…

    Responder

Frederico Freder

15 de setembro de 2015 às 15h59

O BNDES só pode emprestar dinheiro pra Globo.

Responder

Deixe um comentário