Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Exclusivo! Brasil vai esnobar os US$ 53 bilhões de Pequim?

Por Redação

10 de outubro de 2015 : 16h27

O Cafezinho apresenta, neste post, uma entrevista exclusiva com Evandro Menezes de Carvalho (foto), professor na Universidade de Finanças e Economia de Xangai.

Antes, porém, gostaria de tecer alguns comentários sobre o tema.

O primeiro-ministro chinês esteve recentemente no Brasil, anunciando a disponibilização de US$ 53 bilhões para o Brasil investir em infraestrutura.

As autoridades brasileiras acrescentaram que este valor é só o começo.

A China tem interesses geopolíticos fortíssimos em investir em infraestrutura no Brasil, porque ela quer garantir aqui a sua segurança alimentar.

Ela quer construir uma ferrovia bioceânica ligando o Brasil ao Pacífico, para que ela possa transportar mais rapidamente os alimentos que importa do Brasil.

E não é apenas soja, não.

Após os acordos fechados recentemente entre os governos de Brasil e China, a China está em vias de se tornar a maior compradora de carne brasileira. E carne dá muito mais dinheiro do que soja.

Se o Brasil já fatura 20 bilhões de dólares por ano vendendo soja crua para a China, imagina o quanto não pode faturar com carne?

A corrente de comércio entre Brasil e China totalizou US$ 48 bilhões de janeiro a agosto deste ano, com um saldo a nosso favor de US$ 3 bilhões.

Nos últimos anos, a China tem sido o nosso principal parceiro comercial.

Mesmo assim, a nossa imprensa parece ter esnobado os US$ 53 bilhões da China.

Os jornalões brasileiros só querem saber de escândalo, Lava Jato, contas de Eduardo Cunha. Obecada por golpe, a mídia brasileira parece ter se esquecido da própria economia nacional.

Nenhum dos jornais ou canais de TV investiu em infográficos e vídeos sobre a ferrovia bioceânica, e as oportunidades – econômicas, políticas, culturais – que ela abriria para o Brasil, visto que materializaria o sonho de Simon Bolívar de integrar a América Latina.

O Brasil, em meio a uma crise econômica, num delicado momento da economia global, vai esnobar o ouro de Pequim?

Não é possível que o viralatismo tenha degenerado a tal ponto o caráter da nossa burguesia que ela não queira o dinheiro da China, por algum tipo de preconceito político!

Os americanos não tem preconceito nenhum contra a China. Por que a gente teria?

Os EUA já usaram e abusaram da China.

A China tem mais de 1 trilhão de dólares aplicados em títulos públicos do Tesouro Americano. É quase um terço de toda a dívida pública americana.

Ou seja, a China meio que comprou – pagando em cash – a sua entrada no mundo capitalista.

E agora quer investir no Brasil para garantir, por alguns milhares de anos, segurança alimentar para seus habitantes.

Para o Brasil, é uma oportunidade histórica de captar os recursos necessários para aprimorar a nossa infraestrutura.

Precisamos, para usar uma expressão maoísta, dar o Grande Salto para a Frente, que seria, de um lado, cruzar o Brasil de ferrovias modernas, ligando capitais, e ligando os mercados latino-americanos entre si; de outro, construir malhas ferroviárias (metrôs, trens e VLTs) em nossas grandes cidades.

A China pode nos ajudar. Ela tem o dinheiro, o interesse geopolítico, 1 bilhão e meio de estômagos pra alimentar, o know-how, a tecnologia.

Isso não atrapalhará em nada nossas relações com EUA e Europa. Muito pelo contrário. A saída para o Pacífico facilitará nossas exportações para a costa oeste dos Estados Unidos; e nos dará acesso a esta nova grande figura geopolítica que alguns estão chamando de Eurásia (Europa + Rússia + Ásia).

Se os EUA quisessem investir US$ 50 bilhões em ferrovias no Brasil, seriam bem vindos!

Abaixo, uma entrevista exclusiva que eu fiz há alguns dias com um dos maiores especialistas brasileiros em China, Evandro Menezes de Carvalho.

Evandro escreve livros sobre a China. Produz relatórios e memorandos sobre a situação no Brasil para a alta cúpula do governo chinês. Mora na China há alguns anos, como professor/pesquisador/palestrante convidado nas mais importantes universidades chinesas.

Nessa entrevista, Evandro dá uma aula magna sobre a China. Ele explica que, no país, há uma integração entre universidade, governo e mercado. O governo e os agentes econômicos usam as universidades para se abastecer de projetos e inteligência.

Eu conheci Evandro através de um grupo whatsapp do qual participamos. Descobri ainda que ele possui um blog muito bom sobre a China, o qual inclusive já inseri na seção Blogs Seletos, na coluna lateral.

***

O Cafezinho: Boa noite, Evandro. O que você faz na China, como chegou aí, quanto tempo está aí, quanto tempo mais vai ficar?

Evandro: Eu vim pra cá inicialmente por ter sido selecionado como Senior Scholar no âmbito do Programa OEA e China Scholarship Council. Num primeiro momento fiquei vinculado à Faculdade de Direito da Universidade de Shanghai de Finanças e Economia. Em seguida recebi o convite para ser professor visitante do Center for BRICS Studies da Universidade Fudan. Estou aqui há quase três anos. Este é meu último ano.

OC: Você dá aula de direito aí?

Evandro: Faço pesquisas mais voltadas para as instituições jurídico-políticas da China e a relação bilateral com o Brasil. Tenho alguns compromissos de dar palestras sobre temas específicos. A maioria relacionados ao Brasil e ao BRICS. Também tive a oportunidade de participar de vários seminários. Aliás, o circuito acadêmico aqui é intenso e circula gente do mundo inteiro.

OC: Há alguns meses o primeiro escalão da China veio ao brasil em visita oficial. A China prometeu 53 bi de dólares pra infra estrutura. E isso num momento que precisamos tanto. Estranhamente não se ouve mais nada sobre isso na mídia. Qual sua opinião sobre isso?

Evandro: A visita do Primeiro Ministro chines Li Keqiang ao Brasil, com o anúncio de investir 53 bilhões, evidenciou que o nosso país é um parceiro de fato estratégico. Em menos de um ano, as duas maiores autoridades chinesas vieram ao Brasil. No ano anterior o Presidente Xi Jinping esteve em Fortaleza para a Cúpula dos BRICS, onde anunciaram a criação do Novo Banco de Desenvolvimento. Estamos falando de iniciativas concretas que impactam positivamente a nossa economia. A relativa indiferenca com que estes fatos são tratados pela mídia se deve a diversos fatores, sendo o principal deles a persistência de uma mentalidade típica do período da Guerra Fria, como se a China ainda fosse uma ameaça. A China não é uma ameaça para nós. Ao contrário. E este discurso de haver uma ameaça chinesa serve a outros interesses. Se não estivermos preparados, qualquer país será uma “ameaça”. E quanto a China, ela pode ser uma grande parceira.

OC: Quais as melhores fontes de informação sobre política, economia e cultura na China, em inglês?

Evandro: A China tem inúmeras empresas de comunicação que publicam jornais e revistas em inglês. Há o jornal China Daily e o Global Times que são boas fontes. A revista China Today é muito boa também. Ela agora é publicada no Brasil, em português, com o nome China Hoje. O China Daily tem agora uma edição para a América Latina, mas em inglês e é quinzenal. Alem disso há o site, em português, da Radio China Internacional que é bom também. Na internet pode-se ter acesso a CCTV News, canal estatal de notícias da China. Há muitas outras fontes. Estas são as que eu mais gosto.

OC: E como os chineses se informam sobre o Brasil, você sabe?

Evandro: Eles tem correspondentes no Brasil. A Xinhua News, a Radio China Internacional, a CCTV, o People’s Daily etc. todos tem correspondentes no Brasil. O Brasil tinha apenas um correspondente e que era da Folha de São Paulo. E já não está mais na China. Ou seja, eles estão mais interessados em saber sobre nós do que nós sobre eles.

OC: Esses jornais e revistas são estatais, né?

Evandro: Sim, são.

OC: Tem algum telejornal pela internet que você conhece?

Evandro: Sim, a CCTV tem inúmeros canais online. É o principal. E há outros canais de tv das províncias. E os chineses adoram sites de filmes. São também sites chineses.

OC: Se um sujeito tivesse que escolher cinco livros para ler sobre a China, quais você indicaria ?

Evandro: Há inúmeros livros no mercado hoje. Kenneth Lieberthal e Jacques Gernet são uma boa introdução.

OC: Que cidades você conheceu aí na China? Como é a mobilidade urbana nelas, em comparação à outras cidades do mundo?

Evandro: Conheci algumas cidades: Shanghai (onde moro), Beijing, Nanjing, Chongqing, Hanzhou, Suzhou, Beihai, Jinan, Nanning… As grandes cidades tem um sistema de transporte público muito bom. Quando cheguei em Xangai havia 13 longas linhas de metro. Em dois anos construiram mais duas. Além disso, sempre há vias para as bicicletas e motos elétricas. Mas a quantidade de carros aumenta. Alguns governos municipais já estão tomando algumas medidas. Em Xangai, o preço da placa do carro é quase o preço do próprio carro.

Esqueci de mencionar Chengdu, que é muito bacana. Hong Kong e Macau também.

OC: A vida aí é cara? Quanto custa jantar em um restaurante?

Evandro: A vida em Xangai é cara. O aluguel aqui compete com o Rio. O cambio era 3 yuan pra 1 real, agora são 2 pra 1. Alimentação é muito próximo dos padrões das capitais do Brasil. Mas Xangai é Xangai. Aqui tem muita riqueza. Mas em outras cidades da China o custo de vida é bem mais baixo.

Evandro: O chinês gosta muito de compartilhar a mesa com familiares e amigos. A cachaça deles é o “baijiu” feito do arroz. Teor alcoólico alto. Tomar um baijiu com eles é sinal de que você é cobsiderado un amigo. Melhor ainda se vc ficar bêbado. Sinal de total transparência.

OC: Voltando aos 53 bi que a China quer investir no Brasil, na ferrovia bioceânica, em hidrelétricas, de vez em quando alguém manifesta apreensão de que isso poderia implicar em precarização de mão de obra, outros temem algum tipo de imperialismo chinês. Enfim, diga com sinceridade, em que deveríamos tomar cuidado para que esse dinheiro venha e isso não nos prejudique?

Evandro: Devemos ter cuidado com nós mesmos e não com os chineses. O desvio de verba, uma burocracia pesada que tudo dificulta, a falta de planejamento, de capacidade de execução etc. Tudo isto nos prejudica. Os chineses não são problema.

OC: Você acha que o maior obstáculo então pra esse dinheiro chinês se materializar em obras no Brasil está aqui mesmo? Por parte da China, eles estão mesmo querendo fazer a ferrovia bioceânica? E outras obras?

Evandro: Sim, estão. E já estão acionando os centros de pesquisa deles para compreender todo o cenário, os riscos a se evitar e as oportunidades a se desenvolver. Este é um aspecto que os centros de pesquisa e universidade deviam ficar atentos. Tem recursos pra isso vindo da China. Mas parece que estamos todos cegos para estas oportunidades.

OC: Como é esse negócio de “comunismo de mercado”. O chinês pode abrir livremente um negócio qualquer numa cidade? Há financiamento para isso?

Evandro: A abertura econômica da China começou com Deng Xiaoping e, desde então, dá passos seguidos nesta direção. As empresas estatais competem entre si e, cada vez mais, há grandes empresas privadas, como Alibaba e o Wanda Group. O governo de Shanghai está estimulando a criação de start ups. O chines pode abrir seu negocio sim. O comercio está na veia do chinês. Recentemente o governo de Shanghai facilitou visto para jovens estrangeiros que concluíram a graduação aqui e queiram abrir seu próprio negocio. Além disso, o governo tem criado varias zonas francas onde os preços de tudo são baixísimos.

A China acompanha e controla atentamente a presença de empresas estrangeiras aqui. Mas elas não param de vir e investir na China. A presença brasileira é que é muito incipiente. Só na cidade de Taicang, há 1 hora de Xangai, há mais de 200 empresas alemãs. Isto mostra bem a dimensão do interesse pelo mercado chinês.

OC: Há muita pobreza nas grandes cidades?

Evandro: Quase 1/3 do mercado de luxo do mundo está sendo consumido pelos chineses. As marcas de luxo estão por todos os lados em Xangai. O capitalismo está presente. Porém, ainda se vê alguns pedintes nas ruas, em algumas entradas de metrô. Mas não é algo generalizado. No geral não se vê pobreza nas grandes cidades como parte inevitável e indissociável delas. No entanto, a China é um pais em desenvolvimento. Apesar de ter tirado centenas de milhões da pobreza, ainda tem um longo caminho pela frente para se tornar de fato um país desenvolvido.

OC: Há dados independentes sobre a aprovação do governo? E sua sensação pessoal? Os chineses que você conheceu, são otimistas em relação a China? Aprovam as políticas do governo?

Evandro: Os chineses aprovam o governo de Xi Jinping. Nunca viveram situação econômica igual. E acho que são otimistas. Eles tem um certo sentido de pertencimento como nação. Aspiram por uma vida melhor e estão diariamente lutando por isto. Ha obstáculos sim. Ha corrupção também. Mas onde não tem? E apesar disto, os chineses seguem firme na luta diária querendo uma vida melhor.

OC: Você mencionou a existência de uma vida acadêmica intensa aí na China. Também falou em recursos disponíveis para centros de pesquisa no Brasil. Pode falar um pouco mais sobre essas duas coisas?

OC: Aqui governo, empresas e universidades caminham na mesma direção. Explico. O governo sempre consulta os principais centros de pesquisa quando quer iniciar ou avaliar uma política pública. E as empresas, maioria estatais, atuam para alcançar objetivos maiores, de interesse do Estado. A vida acadêmica está, portanto, em estreita conexão com os grandes temas de interesse nacional. Participam por meio das pesquisas e seminários, e ainda que indiretamente, dos processos decisórios e da vida nacional. Diferente do Brasil onde governo, empresa e academia não se comunicam bem. É cada um para um lado, fazendo o que quer e como bem entende, sem prestar atenção numa agenda maior, na busca do interesse nacional. O governo chinês tem despejado recursos nas universidades. As universidades estrangeiras de países com quem a China tem relação estratégica, souberam aproveitar a oportunidade e fizeram boas parcerias. Mas no Brasil continuamos a olhar apenas para a América do Norte e a Europa. O pesquisador está pouco disposto a ir para um país distante como China, Rússia, África do Sul, Turquia, ou países árabes. Sem falar no fato de que mal conhecemos a própria América do Sul.

OC: Obrigado !

Evandro: Foi um prazer. Eu que agradeco!

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

31 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Aldo

12 de outubro de 2015 às 10h54

Miguel bloqueia esse FDP desses palhaços que entra aqui pra atazanar e desviar o foco do tema!
Esse desdentado aí tá em todos os blogs fazendo isso. É um palhaço pago pelo PSDB, pra fazer guerrilha do odio na internet!
Corte as asas dessa cambada e fará um bom serviço para a democracia e o respeito aqui no blog.

Responder

Aldo

12 de outubro de 2015 às 10h37

Um grande contato para levar o blog O Cafezinho agora em inglês, para a China Miguel!

Responder

Erick Oliver

11 de outubro de 2015 às 22h03

Kkk

Responder

Movimento Do POVO Brasileiro

11 de outubro de 2015 às 17h34

depois que eduardo cunha aceitar o pedido de impeachmeant da mocreia da dilma …..nós o povo vamos tirar ele da camara dos deputados

Responder

Mlsa Mlsa

11 de outubro de 2015 às 16h18

Vejam os países nórdicos que a licença maternidade é de um ano e o Estado e o pais bancam, como ocorre na Noruega, cuidando de um futuro cidadão que precisa de amor e cuidado, pois será devolvido à sociedade….quando o Estado serve para proteger seus cidadãos e quando ele é o foco de todas as políticas. criamos um ser pacífico e um país saudável e feliz. O sentido de civilidade é totalmente diferente em um país que foca o ser humano….Os países que fazem isso, são os que tem menos violência, como ocorre com os países nórdicos….Quantos brasileiros que se encontram nessa situação e que são obrigados a deixar suas crianças e seus idosos desamparados para não morrer de fome. Quando o ser humano não é a prioridade, mas o lucro….quando a sociedade não entende a importância de certas proteções do Estado, ao cidadão em situação especial e trata todos como malandros, criamos o mundo que aí está…..egoísta, violento, beligerante…esse não é o mundo que gostaria de deixar para os meus netos. Por outro lado, vejam os americanos que gastam bilhões dos cofres públicos em armas e não dão saúde pública de qualidade aos seus cidadãos….Então, o que gera a violência e a degradação da natureza em nosso mundo? Um Estado social, ou um Estado voltado para o capital? Jornalistas e Jornais que desrespeitam de forma vil, a presidenta….Jornalistas que não criticam, por exemplo, o porque de não conseguirmos avançar mais no país….não mostram que a presidenta se viu engessada pelos núcleos de poder no congresso, que foram eleitos para proteger o capital e a concentração de renda….elegemos uma presidenta de esquerda e entenda esquerda como governos que priorizam o bem estar social e o cidadão, fazendo justiça social e redistribuindo renda, de forma mais justa e menos desigual, e um congresso de maioria de direita…então, é canalhice não mostrar a realidade ao povo.
Esse argumento infame que os países nórdicos são menores que o Brasil é para tentar enganar você sobre a viabilidade de termos esse tipo de Estado…tanto é assim, que somos uma das maiores economias do mundo…. aqui temos mais pessoas, mas temos mais riquezas que eles….temos diversidade….temos mão de obra….temos tudo para ser um país voltado para o ser humano e a natureza e não para a proteção de poucos…..lá, eles não tem a concentração de renda do mundo capitalista…..então, esse argumento de pouca extensão e poucos habitantes, não me convencem de que não podemos fazer isso em nosso país, sem ter que picotá-lo, como muitos querem….é desse gigantismo que podemos tirar o que precisamos para todos….é assim que vejo o mundo que gostaria de deixar para meus netos.

Responder

Vitor

11 de outubro de 2015 às 08h48

Eu queria ter esse otimismo também…
Essa ferrovia só acredito vendo! Tenho medo que se torne outro trem bala!

Responder

    Miguel

    11 de outubro de 2015 às 22h37

    Tem que construir. As forças do atraso são contra, claro.

    Responder

Seiji Okamoto

11 de outubro de 2015 às 10h31

O silêncio da mídia eu entendo, mas e o governo? Qual a posição do Levy em relação à China e como isso afetaria o mercado.

Responder

Gustavo Martins

11 de outubro de 2015 às 03h30

China está investido pesado na Índia tbm! Que chegue os “dólares” chineses ! Rsss

Responder

    Gervásio

    11 de outubro de 2015 às 06h45

    A China está se afastando do dólar, que para ela não merece mais confiança, depois do risco que passou de calote sobre os rendimentos de três trilhões de dólares que a China tem papéis do tesouro americano. A China está promovendo sua própria moeda, o yuan, a moeda forte de troca internacional. O yuan já está na cesta de moedas internacionais, e a tendência é de uq rapidamente ultrapasse a libra e o euro e chegue ao patamar do dólar. O Brasil já faz negócios em yuan, em vez de dolares.

    Responder

Lulu Pereira

11 de outubro de 2015 às 00h33

O Cafezinho, acho ótimo fazer comércio, inventimentos e parcerias com a China, os Brics, novas moedas de transação é excelente em todos os sentidos, ainda mais se for pra dar um pouco mais de soberania ao Brasil. Mas sobre algumas especificidades, esta questão, por exemplo: o Cerrado – só um exemplo – em pé, tem cerca de 300 espécies diferentes por hectare, entre plantas alimentícias, medicinais, frutas, madeira, água, além dos animais e isso tudo pode ser manejado sem perdas produzindo comida de verdade e energia. Então a pergunta é a seguinte: o que vale mais, um hectare de Cerrado em pé e manejado ou um hectare derrubado, substituindo centenas de espécies por uma como a monocultura da soja ou boi transgênicos? Na ponta do lápis, mimimi não vale.

Responder

Ana Lucia Elizabeth Rodrigues

11 de outubro de 2015 às 00h26

Comentávamos noutro dia essa “invisibilidade” dos recursos da China para a mídia. Claro, isso é notícia positiva e eles não estão dispostos a mostrar nada que vá colocar o governo bem na foto! Esconderam os escândalos dos “protegidos” por longo tempo, fazendo um escarcéu com qualquer mancada da presidenta e “delação” de qualquer pessoa ligada ao governo, mesmo chegando ao ridículo, mas o tempo deles está acabando! Não conseguiram derrubá-la até aqui, agora aguentem!

Responder

Cosme Motta

10 de outubro de 2015 às 23h58

Claro que não.

Responder

João Carlos Pontes

10 de outubro de 2015 às 23h48

Colônia chinesa? É nisso que se resume nosso potencial? Logo virá a Russia e a briga é dos gigantes vermelhos.

Responder

Paulo Franca

10 de outubro de 2015 às 23h21

Podiam criar uma lei que cruza preços pagos em licitações com preços de mercado aí todos políticos seriam presos e começariam do zero com bem mais de 53 bi em caixa.

Responder

Nair De Azevedo Rezende

10 de outubro de 2015 às 22h46

Tudo tomando o rumo certo #!Boa!

Responder

Leo Sérgio Campos

10 de outubro de 2015 às 22h30

Leiam, fiquem sabendo mais sobre a CHINA

Responder

Jose Almir Feijo

10 de outubro de 2015 às 21h38

Excelente entrevista sobre as possibilidades de investimentos da China no Brasil, serem maiores e melhores do que Estados Unidos e Europa. Vale a pena conferir maiores informações no blog do Evandro Menezes de Carvalho, sobre a China…

Responder

Fabio Nolasco

10 de outubro de 2015 às 19h57

Mas, espera ai… nosso território vai continuar nesse modelo de monocultivo-quimico-oligogenetico-poluidor-consumista-mecanicista-monocultivo-quimico-oligogenetico-poluidor-mecanicista? Até quando?

Responder

    O Cafezinho

    10 de outubro de 2015 às 19h58

    Oligogenetico e mecanicista ?

    Responder

    Gerson Pompeu

    10 de outubro de 2015 às 21h04

    Seria possível me ensinar a criar essa barafunda de letras sem o menor sentido?

    Responder

    Gerson Pompeu

    10 de outubro de 2015 às 21h05

    Né por nada não.

    Responder

    Gerson Pompeu

    10 de outubro de 2015 às 21h06

    Curiosidade…

    Responder

    ?ajro A?gusto

    10 de outubro de 2015 às 22h03

    consumista, poluidor e quimico eu concordo..o resto acho que é exagero.

    Responder

    Roberto Oliveira

    12 de outubro de 2015 às 00h09

    Como podemos viver num comunismo, se podemos expressar nossa opinião nas webs? A impressão é de que alguns não sabem o que é comunismo. Tem pessoas que “postam” até ofensas ao governo e estão soltas. Um comunista mandaria prender esses fascistas da oposição.

    Responder

Gustavo Lima

10 de outubro de 2015 às 19h41

INVESTIMENTO DE FA Z DE CONTA ! DUVIDO Q ISSO SEJA VERDADE ! ISSO FOI SO P ABAFAR AS CRITICAS DOS ROUBOS E ROMBOS

Responder

Frederico Freder

10 de outubro de 2015 às 19h35

Investimentos muito bem-vindos.

Responder

Deixe um comentário

Por que devemos confiar nas Urnas Eletrônicas? Viaje no Universo Profundo com o Telescópio James Webb O Xadrez para Governador do Ceará