Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Mercado financeiro pressiona para ganhar mais com juros altos

Por Redação

12 de janeiro de 2016 : 12h00

De acordo com o Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (11) pelo Banco Central, o “mercado” projeta uma inflação de 6,93% e uma contração de 2,99% em 2016 e, nesse cenário, acredita que a taxa de juros subirá 0,50 ponto porcentual na próxima reunião do Copom

O foco do Boletim Focus são os juros altos

por Joana Rozowykwiat, no Vermelho

Mas quem é mesmo esse tal “mercado”? A curiosa entidade ouvida pela autoridade monetária não inclui os setores produtivos da economia, tampouco os trabalhadores. A única opinião que conta para o Bacen é a do sistema financeiro.

O relatório Focus é elaborado semanalmente, com base em projeções para os principais indicadores da economia, feitas por cerca de cem representantes de instituições financeiras – que, claro, lucram mais se os juros são mais altos.

Ficam de fora, então, as estimativas da indústria, da agropecuária, do setor de serviços, daqueles que vendem sua força de trabalho e da academia. Quer dizer, agentes responsáveis por atividades que têm impacto real sobre a economia e, mais especificamente, sobre os preços.

O boletim é utilizado como baliza pelo Banco Central para definir a política monetária. Mas, como dito, ele é construído com base apenas nas opiniões das instituições financeiras – que  detêm a imensa maioria dos títulos da dívida. Quando a inflação sobe, o Banco Central argumenta que, para controlar os preços, é preciso subir os juros. Se os juros ficam mais altos, aumenta a rentabilidade dos títulos.

É natural supor que há aí um enorme conflito de interesses e que as análises e recomendações do relatório Focus costumam ser, no mínimo, contaminadas. Nesse sentido, o relatório Focus funciona mais como um mecanismo de especuladores, principais interessados na política de juros altos, que como termômetro das necessidades do país.

Assim, apesar da retração da economia, do processo de desindustrialização e do aumento nos níveis de desemprego, o “mercado” avalia que a Selic – que já está no enorme percentual de 14,25% ao ano – chegará a estratosféricos 14,75%, após a reunião do Copom na semana que vem, e, no final de 2016, atingirá surreais 15,25% ao ano.

Com estes percentuais, perdem todos, exceto os rentistas – sim, esses mesmos que influenciam as decisões do Banco Central. O comércio, a indústria, os trabalhadores, os consumidores de forma geral e o próprio governo são os mais prejudicados por uma nova alta de juros.

Afinal, a Selic em patamares elevados estimula a especulação e desestimula o consumo e o investimento na produção. Reduz a demanda por bens e serviços, desaquecendo a economia. Assim, além de fazer cair a arrecadação do governo, ainda amplia os gastos com juros da dívida – esses que tanto interessam ao tal “mercado” consultado pelo boletim Focus. É como delegar às raposas a missão de tomar conta do galinheiro.

Além disso, as altas na taxa básica de juros não têm tido o efeito pretendido. O economista Marcio Pochmann, por exemplo, destacou, em uma entrevista concedida em outubro, que, em abril de 2013, a Selic estava em 7,25%. E apesar da taxa de juros ter praticamente dobrado até o momento de sua declaração, os índices de inflação também subiram, de 6,6% para 9,5%, no mesmo período.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Replicante Seletivo

13 de janeiro de 2016 às 13h20

Um alerta contra esta máfia rentista que domina o Brasil há quase duas décadas. Um banco central e uma legislação que só defendem o sistema financeiro, sem qualquer justificativa plausível para esta brutal e inexplicável transferência de recursos. Um sistema legalizado de enriquecimento ilícito, através do confisco dos recursos destinados ao bem-estar social de um país, utilizando essa chantagem do combate à inflação, como um método semelhante a um sequestro comandado por uma facção terrorista criminosa qualquer.

Responder

Replicante Seletivo

13 de janeiro de 2016 às 13h20

Um alerta contra esta máfia rentista que domina o Brasil há quase duas décadas. Um banco central e uma legislação que só defendem o sistema financeiro, sem qualquer justificativa plausível para esta brutal e inexplicável transferência de recursos. Um sistema legalizado de enriquecimento ilícito, através do confisco dos recursos destinados ao bem-estar social de um país, utilizando essa chantagem do combate à inflação, como um método semelhante a um sequestro comandado por uma facção terrorista criminosa qualquer.

Responder

Fabio Monteiro

12 de janeiro de 2016 às 20h38

Ahh pois é.. e o governo vai lá e faz o que?
AUMENTA……

Responder

Everton De Oliveira Dias

12 de janeiro de 2016 às 18h50

Para segurar a inflação só aumentando e é o que vai acontecer!

Responder

Hell Back

12 de janeiro de 2016 às 14h55

Está mais do que visível que uma parte da culpa do aumento da inflação é devido a alta dos juros. Embutem o aumento dos juros nos preços.

Responder

Mateus Cerqueira Moura

12 de janeiro de 2016 às 16h38

Não pode aumentar os juros pelo menos mantém ou abaixa.

Responder

Ivo Vanda Reis

12 de janeiro de 2016 às 16h32

Governo vai aumentar juros já já . Portanto , não fale mal do seu patrão …., juros altos, seguram a inflação ( só pra rimar)!!!!!

Responder

Batista Barros

12 de janeiro de 2016 às 15h31

100 milhões para FHC / PSDB, já tiraram a matéria?????????????????????????????????? Folha de SP #MidiaGolpista

Responder

Manoel ex-PeTralha

12 de janeiro de 2016 às 13h20

A Presidente e o PT concordam, logo, não adianta xingar o BC. Eles estão lá para isso mesmo.
Como o Governo e o PT não fazem a luta político-ideológica, fica tudo como na era FHC. Governo do PT e política econômica do PSDB.
Os eleitores do PT continuam elegendo o partido dos trabalhadores para executar a política do partido derrotado.

Responder

Deixe um comentário