Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

A Elite está nua. Por Tadeu Porto

Por Redação

22 de fevereiro de 2016 : 06h18

por Tadeu Porto, colunista do Cafezinho

Confesso que tento não ligar tanto para a fofoca em si entre o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e a ex-jornalista da Globo, Miriam Dutra. Aliás, a minha parte que se importa, na verdade, é um lado que se manifesta acerca de interesses como o BBB, o tipo de beijo de cada signo, celebridades trocando farpas e afins.

Sempre que sobra um tempinho dou uma espiadela. Acho o maior barato seguir o “Catraca Livre” ou o “Hugo Gloss” no Facebook e saber mais sobre esse tipo de entretenimento (um parênteses pra fazer justiça: o trabalho das páginas é muito mais que simples passatempo e traz a tona debates progressistas que acho essencial. Recomendo).

Bom, voltando ao FHC, a história do affair atrai algum interesse. Parece filme baseado em fatos reais e, por isso, é preciso ter cautela para tratar o assunto, afinal, estamos falando de dois seres humanos que querem (e devem) ter direito a uma vida privada de respeito e não serem objetos de entretenimento.

Contudo, como aquela mão no bolso que vai buscar um ticket de estacionamento e acaba achando dez reais ou aquele pote sem rótulo de sorvete aberto a procura de feijão que, na verdade, tem sorvete mesmo, muitas coisas são descobertas por acaso.

A relação conturbada Mirinando (ou Fernandiriam, não sei qual shippada fica melhor) serviu para corroborar, na realidade, com revelação de uma elo promíscuo entre a mídia tradicional, empresas em paraísos fiscais, políticos e empresários que pertencem à camada social privilegiada.

Claro, a lambança do Moro com o triplex do-Lula-que-não-é-do-Lula já tinha ajudado a trazer a tona alguma desconfiança acerca dos Marinho, por exemplo, e operações como a Zelotes, o Swissleaks e o Fifagate também ajudam a jogar uma luz nas obscuras relações burguesas.

Uma fascinante curiosidade dessa conjuntura é justamente o fato desta elite nacional ter saído as ruas ano passado com tintas guaches verde e amarela traçadas paralelamente na bochecha, como duas retas que se encontram no infinito do combate a corrupção.

As manifestações de março foram tidas como históricas pelos participantes e tem tudo para efetivamente ser, afinal, escancarou o retrato de uma burguesia que desceu do play sem ter a mínima ideia de como brincar.

A nata da sociedade se juntou a demais insatisfeitos (pra mim é muito claro que não tinham somente coxinhas ou corruptos nas manifestações antigoverno) para pedir “mais saúde”, sem nunca ter pisado ou concordado com o SUS, ou “mais educação”, sem questionar professores e estudantes sendo massacrados pela opressão policial.

Cria-se uma situação muito inusitada: a elite luta contra a corrupção sem ter a menor noção das atitudes indecentes que ela mesma pratica, defendendo, no limite da hipocrisia, um sistema de méritos que só existe nos discursos de uma camada social que não mede esforços para aumentar a riqueza que já lhe é abundante.

Assim, nossa nobreza está tão nua quanto o rei do conto “a roupa nova do imperador” do dinamarquês Hans Andersen (dizem por aí que só quem é honesto de verdade, pessoa do bem de raiz, consegue ver os crimes que a presidenta Dilma cometeu).

Figuras políticas que desfilaram nas manifestações estão envolvidas em escândalos que vão desde o superfaturamento de merenda, até doações não declaradas no TSE, passando por manutenção de funcionários fantasmas em gabinetes.

Ademais, os bonecos que inflaram ódio ao Lula e à Dilma, infelizmente acabaram murchando quando o assunto foi o herói da “marcha pela liberdade”, o presidente da câmara, prestes a ser cassado, Eduardo Cunha.

Eu sei, existem muitos exemplos de moralistas sem moral! Se eu fosse pontuar todos, precisaria, provavelmente, de uma coluna diária em uns dez blogs sujos. Mas dentre tantas opções, arrisco dizer (com certa folga) que o caso mais emblemático talvez seja o da família mais rica do país.

Donos de um canal de comunicação que dedicou cobertura integral aos desfiles da nobreza contemporânea – como o do dia 15 de março de 2015 – os Marinhos não só são investigados como exímios sonegadores de impostos, como também possuem uma mansão num paraíso, construída “no peitaço” como brilhantemente apontou o jornalista Fernando Brito.

E como até um naked cake tem cereja, as relações conturbadas dos proprietários da Globo com a política nacional apontam inclusive para “favorzinhos” junto ao BNDES, aquele mesmo banco ideológico que irriga as contas vermelhas de Cuba, Venezuela e Angola.

Uma a uma, algumas figuras presentes no histórico grito de liberdade contra corrupção vão sendo desmascaradas a ponto de esclarecer o óbvio: para acumular renda de maneira tão expressiva e injusta, nossa burguesia explorou, roubou, barganhou, subornou, enfim, corrompeu ou destruiu quem estivesse impedindo a sua passeata rumo a uma vida de privilégios e concentração de capital.

Todavia, lá de longe, assistindo ao nobre desfile, parece que alguma coisa se mexeu, levantou a cabeça, apertou os olhos, franziu a testa e soltou a garganta para dizer:

“Ei, mas péra aí… A elite está nua!”

E como está!

Tadeu Porto é Diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF)

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Vitor

22 de fevereiro de 2016 às 09h54

Os políticos brasileiro s estão nús.

Responder

Enio

22 de fevereiro de 2016 às 09h31

O golpismo é a última cartada da mídia lixo com ajuda da lava jato e tucanos, a mídia lixo está perdendo a hegemonia, perdendo o poder da informação, de controlar as pessoas.

Responder

Armando Divan

22 de fevereiro de 2016 às 09h19

Tá na hora da militância petista e outros começarem a acossar tb a PF, o MPF e o jui$ $alafrário $érgio Moro, o paladino do espetáculo circense denominado Lava-Jato.

Responder

Vicente

22 de fevereiro de 2016 às 08h44

O marqueteiro que chamou Lula de Cassius Clay da caatinga foi premunitório:
No “oitavo round” da luta política, o grupo de Lula, massacrado pela grande mídia e pelos conluios de setores do MPF e do judiciário, conseguiu uma reação incrível.
O caso das revelações da ex-amante de FHC somado às revelações da relação íntima da Globo com empresas off-shore envolvidas em lavagem de dinheiro mudou o quadro político.
Hoje a Lava Jato deflagrou a duzentézima operação, provavelmente no intuito de abafar o caso FHC e o caso Mansão de Paraty.
Ficará cada vez mais difícil aos “heróis” da lava jato comprovar que querem combater a corrupção, mas não querem investigar as off-shores de lavagem de dinheiro grosso e não querem investigar, via Zelotes, os grandes sonegadores de impostos e não querem investigar político de direita.
Em resumo, a lava jato quer ser uma justiça contra pobres, perseguindo partidos de esquerda, e esquecendo da corrupção de verdade.
Já a Globo fica num impasse: finge que nada acontece, ou noticia coisas contra si própria. Se silencia, as redes sociais falam. Se fala, se prejudica ainda mais.
Está ficando bom.

Responder

renato andretti

22 de fevereiro de 2016 às 08h44

“nossa burguesia explorou, roubou, barganhou, subornou, enfim, corrompeu ou destruiu quem estivesse impedindo a sua passeata rumo a uma vida de privilégios e concentração de capital”.
Quem levantou lá com certeza foi um BLOGUEIRO.
O mais valioso cidadão do POVO, nestas horas que foram sempre sombrias.
Nunca deixaram o POVO, divertir-se com a vitória de seus escolhidos.
Parabens a vocês blogueiros..
– O homem nú, ainda fede…muito cuidado..
Mas podemos agora ver suas escarias…
Quem sabe tratá-lo.

Responder

Deixe um comentário