Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Requião apresenta fórmula para Dilma enterrar o impeachment no Senado

Por Redação

22 de maio de 2016 : 12h41

Comentário do blog: Na economia, Dilma precisa fazer uma autocrítica. Se quiser vencer o impeachment e convencer os senadores de que ela deve voltar a presidência. Dilma deve também fazer uma autocrítica na política, restaurando uma comunicação mais direta e ousada com o povo, tendo um porta-voz ativo e fazendo o contraponto diário aos ataques da imprensa.

***

Requião apresenta fórmula para Dilma enterrar o impeachment no Senado

por Esmael Morais, em seu blog

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) apresentou neste domingo (22), pelo Twitter, uma fórmula para que a presidente eleita Dilma Rousseff (PT) consiga barrar o impeachment no Senado da República.

A primeira dica do peemedebista é singela: “Acabem com a tolice de ‘volta querida’. Os senadores nacionalistas [e] desenvolvimentistas esperam autocrítica e proposta séria para o país”.

Requião acredita que “Dilma pode voltar com autocrítica forte de seu governo e compromisso que mobilize os democratas nacionalistas e desenvolvimentistas do Senado”.

Para o senador, é preciso de compromisso da presidente eleita com a mudança na economia e com a política de desenvolvimento.

“Empenhamos nossa vontade e força contra impeachment. Precisamos de compromisso claro de mudança na economia e política de desenvolvimento”, disse Requião.

Ainda pelo Twitter, o peemedebista disse que “54 milhões votamos em um programa contra o entreguismo, o arrocho, a favor do desenvolvimento, dos direitos sociais”.

O Blog do Esmael também conversou com o senador Roberto Requião sobre a votação do impeachment no Senado. Segundo o parlamentar, Dilma precisar dar um motivo plausível para que os senadores a reconduza ao cargo.

“Ela não voltará para fazer o que estava fazendo na economia. Ou rompe com o antigo modelo ou terá o afastamento confirmado pelo Senado”, sentenciou.

O ex-presidente Lula, em entrevista à televisão venezuelana teleSUR, corrobora com a opinião de Requião. Segundo o petista, Dilma poderá voltar se fizer autocrítica dos erros na economia.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

55 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

JOHN J.

27 de maio de 2016 às 13h56

CONVOCAÇÃO NAS REDES: FOCAR NO GILMAR!

Esse Golpe não dura! – EIS O NOSSO GRANDE DESAFIO

– REPASSANDO: Foco, concentração, objetivo.

Imaginem se movimentos populares se concentrassem em Gilmar (PSDB-MT) Mendes.

Estudantes, UNE, MST, MTST, CUT, CTB, blogueiros sujos, Midia Ninja, Jornalistas Livres, ocupantes do MINC etc.

Certamente a probabilidade de sucesso seria muito grande.

E Mendes é quem tem feito a balança pender.

As maiores perdas e desastres têm tido causa em suas decisões.

Políticos destrutivos tem tido poder graças a ele. Proteção.

Sua parcialidade explícita e despudorada é gritante.

Anulando Gilmar Mendes, o Golpe dura menos !

Mas o segredo é o foco. Concentração.

Foco: como o de um raio laser !

Esse Golpe nao dura, diz o Franklin Martins !

DIVULGUEM ! http://www.conversaafiada.com.br/brasil/convocacao-nas-redes-focar-no-gilmar

Responder

Chapiro

23 de maio de 2016 às 00h20

Seria interessante ele deixar claro quais são os senadores (eles existem?) que poderiam mudar de voto caso a tal autocrítica fosse feita.

Responder

    Cristina Aparecida Silva

    23 de maio de 2016 às 02h29

    Boa! Ia dizer o mesmo.

    Responder

Dante Ferraz

22 de maio de 2016 às 21h46

Quem é do PMDB deveria apoiar o PMDB pra fazer um bom governo. PT não queremos.
Falam tanto destes 54 milhões de votos de Dilma, mas se analisarmos bem, o povo não queria nenhum dos dois.
A soma dos votos nulos e brancos que indica que não queriam nenhum deles, mais os votos de qualquer um deles é maior do que o do outro.
Então a maioria dos eleitores não querem nem o PT é nem o PSDB.

Responder

    eto

    22 de maio de 2016 às 22h25

    Um show de matemática hipotética que não leva a lugar algum.

    Responder

    Miriam Andrade Guimarães

    27 de maio de 2016 às 11h28

    Você não entendeu nada!!! O povo já decidiu!Em 2014,: Dilma Rousseff foi a Presidenta eleita por 54,5 milhões de votos!!!! Não reconheço é esse golpista, fascista que, junto com 7 de seus comparsas para livraremse da prisão, apropriaram-se do Poder na marra!! #Fora Temer Cunha…e o Sindicato de Ladrões, do PMDB, PSDB, PFL(DEM), PPS que assaltam o Brasil!

    Responder

      Dante Ferraz

      27 de maio de 2016 às 12h11

      Um subconjunto do povo como votos válidos não é a maioria dos brasileiros que queriam o PT.
      Quanto ao golpe, por que o PT não prova de uma vez por todas que não houve quebra da constituição? Fica batendo na tecla de golpe para sensibilizar a população cega.
      “O pior cego é aquele que não quer vê”

      Responder

        Vinícius Lourenço Linhares

        01 de junho de 2016 às 13h25

        É verdade. Esse é o pior tipo de cego mesmo: o que não quer ver. Aliás, ele vê, mas só enxerga o que interessa. Curioso é que já foi provado inúmeras vezes, fatidicamente, na Câmara e no Senado porque é um golpe. Primeiro que não há um centavo desviado em prol de Dilma, segundo que as chamadas “pedaladas” é prática corriqueira de qualquer governo e o mais importante: a Constituição limita crimes imputáveis ao governante para ser impinchado e “pedalada fiscal” não consta como um desses crimes. Aliás, nem caracterização, em lei, para tal prática existe. Mas sabe como é, falar para ouvidos moucos é difícil, senão perda de tempo.

        Responder

        Dimas Trindade

        02 de junho de 2016 às 23h16

        Amigo. Que história é essa de que a não é a maioria dos brasileiros que queriam o PT. A eleição em dois turnos é justamente para isso. Dar mais legitimidade ao eleito. Anteriormente, alguem poderia num só turno ser eleito com 20% dos votos. Hoje não. A legitimidade do eleito é inquestionável. Por isso, mesmo uma maioria no legislativo jamais poderia afastar um presidente. Até porque esse legislativo que aí está mostrou-se o mais ordinário deste e do século passado. O resto é conversa fiada.

        Responder

    Sidnei Oliveira

    28 de maio de 2016 às 21h32

    PMDB?Passou esses ultimos 25 anos como um partido de segundo escalão mamando em quem estava no poder ou indo por vias ilegitimas,como uma meia duzia de partidos golpistas sugadores que mudam conforme o vento….escoria das escorias,inundando agora, de denuncias gravadas,então,junto com a pseudo-direita (bolsoliberal) PSDB,PTB,PP;PSB,” ARENA”, que nunca construiram nada,nem uma universidade,escola tecnica,biblioteca ….enquanto no poder,esses o povo deve ter no lado direito,bem a prumo para dar um belo soco,nas urnas!!!
    Bolsoliberal é o sistema que no meu bolso posso tudo no do povo,nada !Pois,sempre tem uma boa desculpa,durante uns 100 anos ,a maior e mais famosa! Temos que fazer o bolo crescer,depois,dividiremos…..e o bolo crescia e nada.Até,um metalurgico começar a dividir um pouquinho e deu novamente em GOLPE!

    Responder

    milton

    29 de maio de 2016 às 21h28

    Vem morar aqui no Rio, depois conversamos sobrePMDB

    Responder

Rogério Maestri

22 de maio de 2016 às 20h44

Quem estão levando este movimento de apoio a Dilma são as mulheres e a ela e demais sociedade civil que ela deve satisfações não a outros.

Responder

Rogério Maestri

22 de maio de 2016 às 20h27

Repactuação? Passou a hora, quem define agora é o povo. Se ele quiser Dilma volta se não que fiquem com Temer.

Responder

    Rogério Maestri

    22 de maio de 2016 às 20h35

    Repactuar agora significa incorporar ao governo todos os traíras que passaram para o lado dos golpistas.
    Repactuar agora é aceitar a configuração do Lulinha paz e amor que criou os problemas que geraram a crise do governo Dilma.
    Se alguém tem que fazer autocrítica por ordem deveria ser primeiro o PT que desde as eleições abandonaram Dilma, depois Lula que começou com uma política de desoneração fiscal para aumentar o consumo sem infraestrutura e montou esta aliança esdrúxula para se eleger. Feito isto, Dilma poderia fazer a sua autocrítica.
    Não esqueçam que todas aquelas maravilhas dos diretores da Petrobras foram postos por Lula e tirados por Dilma.

    Responder

Roberto Oliveira

22 de maio de 2016 às 18h03

Na verdade, está tudo errado, porque o julgamento do processo de impeachment é o julgamento da existência ou não dos crimes de reponsabilidade dos quais o/a presidente/a é acusado/a.
Isto nada tem a ver com política econômica já levada a cabo pelo/a presidente/a e muito menos com futuras mudanças desta, e jamais a ver com PROMESSAS ou COMPROMISSOS do chefe do Estado de seguir este ou aquele programa econômico, porque isto NADA tem a ver com o que está sendo oficialmente julgado. O processo e o julgamento são políticos, no sentido de que são levados a cabo por Senadores da República,não por especialistas do Direito (juízes do STF, apesar de o presidente do STF presidir a sessão) e não porque a POLÍTICA OU POLÍTICAS DE GOVERNO do presidente em tela estejam em julgamento pelos senadores de acordo com seus interesses individuais ou partidários!…

Responder

    João Luiz Brandão Costa

    22 de maio de 2016 às 19h02

    Roberto, se a Dilma foi afastada em um processo que ignorou pura e simplesmente os fatos que poderiam justificar seu impitima, o que esperar da votação final. Não meu entender, não é caso de retratação. (diga-se de passagem, que isso é coisa esdrúxula em política. Comporta com em si uma noção negativa). O que ela deveria fazer é convocar uma repactuação do projeto de governo, dando voz a todos os agentes representativos políticos e econômicos da nação, a começar por FIRJAN, FIESP, movimentos sociais, sindicatos, e demais estamentos. ou seja, um novo governo de, este sim, União Nacional. Se não encontrar ouvidos, pelo menos não poderá mais ser acusada de intransigência e autoritarismo. Isso poderia até culminar com um apelo a eleições gerais antecipadas.

    Responder

      Guimarães Roberto

      22 de maio de 2016 às 20h42

      Oliveira e Costa, ambos estão errados. O que Dilma precisa é convencer 5 Senadores que votaram a favor da oposição. Se eles, na próxima votação, votarem a favor do governo, o processo de impeachment desaparece. Em plenário, não adianta dizer que errou na política econômica, não adianta propor novo programa de governo e não adianta dizer que é um golpe o que estão fazendo com ela. Dilma e sua assessoria precisam aproveitar a baixa popularidade de Temer e seus Ministros e negociar com os Senadores, um a um, diretamente. Quais são eles eu não sei mas sei que existem vários não pertencentes ao grupo duro dos golpistas. Acredito ser por aí o caminho para seu retorno ao governo do país.

      Responder

        Neusa Maria Paes

        22 de maio de 2016 às 21h46

        Concordo”

        Responder

Adilson

22 de maio de 2016 às 15h53

Dilma está em luta contra uma irmandade mundial chamada Maçonaria. Esses golpistas que se reúnem nas lojas maçônicas à noite porque não têm nada o que fazer em casa na cama com as esposas se acham no direito de decidir o rumo da nação, mesmo não tendo delegação do povo para isso.

Responder

    Carlos Alberto de Oliveira

    22 de maio de 2016 às 17h19

    Em, uma lista de cem maçons brasileiros que circula na internet, Requião é um deles. Ciro gomes também. Talvez de facções diferentes?

    Responder

      Nando Oldenburg

      22 de maio de 2016 às 20h07

      Certamente. Embora ambos sejam anti-neoliberalismo, não são o exemplo de democratas completos, estão atados por nós “invisíveis” a negociatas e negociadores corruptos intocáveis. Por que será? Parece óbvia a resposta, não? Se Requião fosse assim tão íntegro em seu discurso, ao invés de sugerir este mea culpa de Dilma – o qual, aliás, acho muito válido pois ela simplesmente ignorou os tais 54 milhões de votos que a reelegeram – ele deveria por começar por um mea culpa do Senado em aceitar a bandalheira aprovada por aqueles bandidos da Câmra em 17 de abril. Mas não. A atitude dele, leia-se nas entrelinhas, é de fazer o condenado confessar que errou – mesmo que não tenha errado – para que seus algozes, estes sim, corruptos e investigados, possam posar de santos guardiões da justiça e dar-lhe uma segunda chance. Claro, dentro dos moldes propostos por eles. Isto não existe, se chama, no máximo, coação. É tudo mentira e jogo de cena. Nesta comédia de horrores os únicos que realmente apresentam coerência em seu discurso – e acredito que o povo esteja a observar – são os parlamentares comunistas e do PSOL, além do próprio PT.

      Responder

      Georges Edward Alves

      25 de maio de 2016 às 16h23

      Temer e Aécio também são figurinhas importantes nesse álbum. Silas Malafaia também é constantemente associado à seita, assim como vários líderes evangélicos. É uma hidra com cem cabeças e mil tentáculos.

      Responder

    Nando Oldenburg

    22 de maio de 2016 às 19h49

    Eles dominam tudo desde o império. O Brasil é o terceiro país do mundo em número de maçons só superado pelos EUA e Inglaterra. Até existem facções dentro do sistema mas ao chegar a graus mais altos – onde estão os políticos, juízes e militares de alta patente – todos falam no mesmo tom e servem a um sistema maçônico maior sediado nos EUA. No Brasul deitam e rolam amparados pela ignorância do povo que é brutal e quando se sentem ameaçados por algum indivíduo acabam por “convidá-lo” para fazer parte da irmandade, algo bastante normal de acontecer pois aí entram a cobiça e os interesses pessoais em jogo ou então, em não havendo cooptação do mesmo, perseguem.

    Responder

Juliana Rosa

22 de maio de 2016 às 15h17

Responder

    Armando Monteiro

    22 de maio de 2016 às 16h26

    Verdade, vai voltar para os cafundós do Rio Grande do Sul. De onde nunca deveria ter saído .

    Responder

      José Antonio Meira da Rocha

      22 de maio de 2016 às 23h44

      NÃO ALIMENTEM OS TROLLS!

      Responder

        Armando Monteiro

        23 de maio de 2016 às 08h12

        Não alimentem o troll, alimentem os petistas , doem a eles um sanduíche de mortadela !

        Responder

          Georges Edward Alves

          25 de maio de 2016 às 16h24

          É, porque coxinha não existe mais. Pelo menos não se vê mais com tanta frequencia.

Comedor de coxinha

22 de maio de 2016 às 14h23

E se Dilma voltar ela vai conseguir governar? O navio está afundando melhor deixar o timão na mãos do Temer mesmo….

Responder

    Rogério Maestri

    22 de maio de 2016 às 20h46

    Para ele falar pela manhã e desdizer pela noite. Realmente grande timoneiro!

    Responder

    Cristina Aparecida Silva

    23 de maio de 2016 às 02h32

    Aff

    Responder

Aluizio silva

22 de maio de 2016 às 14h11

Pode confiar muito nesses caras do PMDB não, são mais falsos q relógios da feira.
Cunha/Temer levaram a turma embora do governo mas deixaram alguns traíras dando uma de bons amigos, de espionagem esses caras entendem.

Responder

Armando Monteiro

22 de maio de 2016 às 13h45

“Acabem com a tolice de ‘volta querida’. Os senadores nacionalistas [e]
desenvolvimentistas esperam autocrítica e proposta séria para o país”. Esperar autocrítica de Dilma ou de um petista é o mesmo que esperar que um burro consiga voar !

Responder

    Fernando Drechsler

    22 de maio de 2016 às 15h17

    Ou que um coxinha entenda de política.

    Responder

      Armando Monteiro

      22 de maio de 2016 às 16h31

      Ou que um petista deixe de ser corrupto !

      Responder

        johony

        22 de maio de 2016 às 17h27

        Uma imagem fala bem!!

        Responder

          Octavio Filho

          22 de maio de 2016 às 18h17

          Um burro consegue voar, basta ele pegar uma carona no helipótero. Agora um coxinha entender de política ou sociologia … aí já é pedir demais.

          Armando Monteiro

          22 de maio de 2016 às 20h11

          Verdade, o helicóptero presidencial esteve aí durante treze anos para provar que burros conseguem voar !

          johony

          22 de maio de 2016 às 20h47

          Para voar no helicóptero presidencial eles passaram pelas urnas, e não através de um golpe sórdido aplicado com uma traição vergonhosa como essa.
          Veja a imagem acima e ensine para os seus filhos, o tipo de gente que ele nunca deverá andar junto.

          Armando Monteiro

          22 de maio de 2016 às 20h50

          O jumento não deixa de ser jumento em razão de ter sido eleito. Jumento é jumento, tendo sido ou não eleito. O helicóptero presidencial está aí para provar que que durante treze anos os jumentos conseguiram voar. Aceite que doi menos !

          johony

          22 de maio de 2016 às 20h52

          Se não for eleito, o golpista não deixa de ser uma mula, em razão de não ter sido eleito.

          Armando Monteiro

          22 de maio de 2016 às 20h54

          O mula e a mula , eleitos pelo povo , não deixam de ser mulas em razão de terem sido eleitos !

          johony

          22 de maio de 2016 às 21h00

          Golpista é mula barranqueira mesmo, fêmea viciada num barranco

          Armando Monteiro

          22 de maio de 2016 às 21h01

          Acabaram sua criatividade e seu estoque de idiotices ? Que pena !

          johony

          22 de maio de 2016 às 23h54

          https://www.youtube.com/watch?v=33O3cPCdQdo

          Vinícius Lourenço Linhares

          01 de junho de 2016 às 13h27

          kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk! Adorei! Se mais!

    José Antonio Meira da Rocha

    22 de maio de 2016 às 23h46

    PESSOAL, NÃO ALIMENTEM OS TROLLS!
    Negativem o post e deixem assim.

    Responder

      Armando Monteiro

      23 de maio de 2016 às 08h11

      Não alimentem trolls, alimentem os petistas , doem a eles um sanduíche de mortadela !

      Responder

        Georges Edward Alves

        25 de maio de 2016 às 16h25

        É, porque não existe mais coxinha na praça, só trouxinha.

        Responder

Armando Monteiro

22 de maio de 2016 às 13h44

Por que não apresentou antes da admissibilidade do impeachment no Senado ?

Responder

    José Antonio Meira da Rocha

    22 de maio de 2016 às 23h48

    NÃO ALIMENTEM OS TROLLS!
    Este é um perfil falso só para provocação.

    Responder

      Armando Monteiro

      23 de maio de 2016 às 08h11

      Não alimentem os trolls, alimentem os petistas , doem a eles um sanduíche de mortadela !

      Responder

Armando Divan

22 de maio de 2016 às 13h29

Sem dúvida, a Dilma e sua política econômica e o aceno que ela fez no início de seu segundo mandato para o mercado foram uma bola nas costas de todas as forças que poderiam se contrapor ao seu afastamento. Enquanto ela não assumir esses erros, seu mandato continuará em grande perigo e os trabalhadores serão os mais penalizados.

Responder

Fabiana

22 de maio de 2016 às 13h17

Muito estranho, parece que está é disfarçando suas reais intenções….
Nada de arrego

Responder

Deixe um comentário