Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Brasil: um impeachment com jeito de golpe

Por Redação

26 de maio de 2016 : 07h18

Foto: Reprodução/ Libération

por Chantal Rayes, no Libération / Tradução: Joana Francesa

Em um Brasil em recessão, a ira popular foi instrumentalizada por políticos corruptos para depor Dilma Rousseff (Partido dos Trabalhadores, PT). Oficialmente, a Chefe de Estado, suspensa desde 12 de maio, é acusada de manobras orçamentais que só marginalmente ampliou o déficit público em 2015. Um legalismo suspeito, por razões.
Sabemos agora que as motivações das forças que levaram ao impeachment não tinha nada de nobre. Começando com o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), o presidente interino, Michel Temer, que havia rompido com a sucessora de Lula para precipitar a sua queda.

Era preciso “mudar o governo para parar tudo”, disse um dos caciques do partido, Romero Jucá, a seu interlocutor, Sérgio Machado, o ex-dirigente de uma subsidiária da Petrobras, em uma gravação feita por ele e revelada na segunda-feira pela Folha de São Paulo. Em outras palavras: abafar a investigação sobre o enorme escândalo dos desvios na gigante do petróleo Petrobras, inicialmente centrado no PT e que transborda agora no PMDB. Nomeado ministro do Planejamento do Governo Temer, ele próprio envolvido no caso, Juca teve que renunciar. O homem também atinge o Partido da Social Democracia Brasileira (centro-direita), isto é a principal formação do que foi a oposição ao PT. E, mais importante, o Supremo Tribunal, cujos alguns membros, em suas palavras, pensaram que depor a Chefe de Estado reduziria a pressão popular por uma investigação mais aprofundada.

Para Dilma Rousseff e o PT, estas escutas são a prova de que um “golpe” está de fato em curso. A legitimidade do governo interino está mais do que nunca em questão. Sua única caução é o ministro das Finanças, Henrique Meirelles, que serviu sob Lula e goza da confiança dos investidores.

Perguntas pairam sobre o timing destas revelações explosivas. Desde quando o procurador-geral tem em suas mãos essas gravações? Por que essas peças, realizadas em março, antes da votação pela qual o Parlamento iniciou impeachment, não foram reveladas em tempo? elas ainda podem convencer o Senado, que continua o processo, a não condenar a Chefe de Estado? O PT não está limpo também. O partido também fez pressão sobre Dilma Rousseff para suspender a investigação em que ela se vale de nunca ter interferido.

O que desnuda este presente da Folha para a esquerda, é deste modo a degradação da classe política como um todo. No poder há treze anos, o PT não investiu em uma reforma de um sistema eleitoral que passa por um “convite à corrupção”: o financiamento de campanha é assegurado por um punhado de grandes empresas, as despesas não são cobertas, o sistema de representação é enviesado, a fragmentação é extrema – 28 partidos que, em sua maioria, cobram para dar apoio, são representados no Congresso. Somente Lula tinha o prestígio necessário para agitar tudo isso. Ele preferiu se adaptar. Quanto à direita que se posicionou incansavelmente pelo impeachment, eis que encontra-se estranhamente silenciosa hoje. A corrupção do PT era apenas um pretexto para derrubá-lo. As panelas do número de ministros de Temer envolvidos não levaram os manifestantes revoltados com a “corrupção” voltar às ruas.

Tampouco as revelações da Folha. É pouco provável que Dilma Rousseff escape, em última análise à demissão. Mas as maquinações de seus detratores fazem menos improvável a realização de eleições gerais antecipadas.

 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Renato

26 de maio de 2016 às 10h34

Acho que o título deveria ser “UM GOLPE COM JEITO DE IMPEACHMENT”

Responder

Antonio Paulo Costa Carvalho

26 de maio de 2016 às 09h40

Oque ninguém deu a devida atenção, ainda, foram para os termos, e expressões e formas da conversa havidas entre Jucá e seu comparsa mais recentemente, que merece uma análise especial. As conversas nem foram por telefone, mas tete a tete. Fizeram também uma montagem no que está subentendido. Quiseram deixar claro e nítido que alguns membros do STF estão desde o início comprometidos com a derrubada de Dilma. Estão os golpistas fazendo o cerco sobre o Supremo. Qual é a estratégia? Com tais provocações, se os ministros do STF reagirem, dirão, não disse que eles participaram de nossas conversas para tirar Dilma? Se não reagirem melhor, vai deixar a gente fazer o que quer, senão denunciamos. O cerco é tb contra Janot e o juiz Moro. Objetivo: matar as raposas antes que elas entrem no galinheiro de galinhas e pato amarelo. Outra coisa: “já falamos com as forças armadas e está tudo acertado” (mais ou menos isto. O STF que se cuide: vão neutralizar o STF e tentar demonstrar que não são Gaviões, mas pintinhos tímidos e amedrontados. Gravações feitas em gabinete ou andando ambos; os assuntos não têm o mesmo seguimento e mostra que o objetivo é dar uma que foi por telefone e vazou. A imprensa faz a divulgação. O Supremos que fique espertinho. Ou defendem a ordem democrática ou serão engolidos pelos golpistas por serem pusilânimes.

Responder

jeff beck

26 de maio de 2016 às 08h15

NOVAMENTE O BRASIL VAI GRITAR:

VOLTA DILMA ! ! VOLTA DILMA ! ! VOLTA DILMA ! ! VOLTA DILMA ! ! VOLTA DILMA ! !

VOLTA DILMA ! ! VOLTA DILMA ! ! VOLTA DILMA ! ! VOLTA DILMA ! !

Responder

Deixe um comentário