Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Presidente do Senado, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), concede entrevista. Foto:Jonas Pereira/Agência Senado

Meganhagem midiático-policial, núcleo duro do golpe, tenta se livrar de Renan

Por Miguel do Rosário

27 de maio de 2016 : 08h54

Foto:Jonas Pereira/Agência Senado

O império contra-ataca: a ordem é destruir Renan, o último freio a Cunha e Temer

Por Fernando Brito, no Tijolaço

Hoje cedo postei – o primeiro texto do dia, ainda de madrugada – que a casta jurídico policial ainda não terminou a sua obra.

Postei ainda que o que se apontava, até então,  em Renan Calheiros eram “crimes de opinião”, embora não lhe devam faltar os de outra natureza.

Hoje, as gravações entregues à Globo  em que Renan, no que acreditava ser uma conversa privada, chama Rodrigo Janot  de “mau-caráter” é a prova que a mídia trabalha para transformar a meganhagem formada pela soma do MP com a Polícia Federal numa espécie de “intocáveis”, sobre os quais não se pode ter juízo crítico ou negativo.

Ainda que pudesse ser uma injúria ou calúnia – o que é discutível, numa conversa privada, onde, da parte do ofensor, não havia qualquer suposição de que chegasse ao ofendido – se está no campo da opinião, não da ação.

De qualquer forma, algo que não poderia ser dito com tal ênfase, em qualquer circunstância, com a crueza com que Renan foi pego pela armadilha

Machado – Agora esse Janot, Renan, é o maior mau-caráter da face da terra.

Renan – Mau caráter! Mau-caráter! E faz tudo que essa força-tarefa (Lava Jato) quer.

Machado – É, ele não manda. E ele é mau caráter. E ele quer sair como herói. E tem que se encontrar uma fórmula de dar um chega pra lá nessa negociação ampla pra poder segurar esse pessoal (Lava Jato). Eles estão se achando o dono do mundo.

Renan – Dono do mundo.

Nada que esteja longe da verdade, mas dizer a verdade não é o bastante na vida pública.

A situação de Renan, que até ontem era tranquila – muito mais do que a de Jucá, que cometeu o pecado de  dizer que os ministros do STF estavam “conversados” sobre o golpe – o que não escandaliza nossa mídia – tornou-se muito grave.

A esta altura, ele deve estar espumando, porque tem a certeza de que é um elemento – por mais que faça o que  o novo governo quer – inconfiável.

Que tem de ser submetido ou expelido.

O espetáculo do impeachment, assim, vai se revelando uma pocilga.

O júri que vai julgar uma mulher contra a qual não pesa uma acusação pessoal e contra a qual as acusações administrativas não resistem a um peteleco, está desnudando a sua natureza bandida.

Começou a operação “queremos a cabeça de Renan”.

Ninguém pode ocupar postos-chave na República  sem a anuência da corporação meganha.

Não há problemas em que estejam podres, desde que obedeçam.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Fernando Fidelis

27 de maio de 2016 às 22h35

Se gritar pega ladrão…

Responder

Marcia

27 de maio de 2016 às 11h58

Processo contra Jornal GGN comprova viés político da Lava Jato, por Marcelo Auler

SEX, 27/05/2016 – 08:45

Tese do viés político das operações se confirmou na ação impetrada por delegado da Regional de Combate ao Crime Organizado (DCOR), no Paraná

Blog Marcelo Auler

Ao tentar censurar Nassif, delegado confessa viés político da Lava Jato

Não foi ato falho, daqueles que se comete no meio de um debate, entrevista ou discussão. Afinal, está no papel apresentado em juízo. Ao impetrar uma ação de indenização contra o jornalista Luis Nassif, do JornalGGN, o delegado Igor Romário de Paulo, Delegado Regional de Combate ao Crime Organizado (DCOR) da Superintendência da Polícia Federal do Paraná (SR/DPF/PR) acaba admitindo aquilo que todos falam mas que os membros da Força Tarefa da Operação Lava Jato negam: o viés político da mesma.

Segundo ele, as críticas que sofreu de Nassif no artigo que o JornalGGN publicou em 2 de fevereiro – Com excesso de poder, a Lava Jato pode ter virado o fio – tem como justificativa o fato de a Lava Jato ter sido algoz ao governo e ao Partido dos Trabalhadores. O texto contido na inicial da ação impetrada no 6º Juizado Especial Cível do Paraná diz;

Responder

Marivaldo Antunes Netto

27 de maio de 2016 às 11h08

Esse complô judicial é muito interessante. Pelo que li, há mesmo uma casta que percebe salários muito acima do que prevê a nossa legislação. Entendo que receber salários acima do permitido pela lei é crime. Estão defendendo, na verdade, esse conluio, seus próprios interesses.

Responder

maria nadiê rodrigues

27 de maio de 2016 às 09h56

Os anti-petista são cegos. Não enxergam que a questão maior envolve o nosso futuro, e que há, sim, um complô contra os interesses do país? Quem consegue ver as coisas apenas por um lado não tem condições de se dizer uma pessoa saudável, porque o cérebro tem o lado da emoção e outro da razão. Quem não consegue usar os dois precisa de tratamento.

Responder

nadja

27 de maio de 2016 às 09h42

Irão tirar o Renan para garantir o golpe

Responder

ANGELO VIEIRA

27 de maio de 2016 às 09h11

Essa
mulher além de mentirosa é uma dissimulada . O cinismo é o cartão de
boas vindas dessa senhora. Quando vieram a tona ás gravações, essa
retardada e seus cupinchas alardeavam ao mundo todo que ali estava a
resposta ao tal golpe ! Os mortadelas fizeram festa. Tudo estava
valendo. Agora que o restante das gravações começam a implicar a Dilma
no esquema do petrolão, nada disso tem credibilidade, é mentira, ela não
conhece ninguém, tão querendo lhe acusar, caramba quanto cinismo desse
mulher ! Para decifrar a mutação desses petistas só um estudo minucioso
de cientistas mundiais ! Eu acredito que petista não é desse mundo.

Responder

    Ricardo Shigueki Hiramatsu Per

    27 de maio de 2016 às 09h38

    Como você é burro Ângelo, devia ter vergonha de falar tanta asneira.

    Responder

      Itaguary Poranga

      27 de maio de 2016 às 19h44

      Ricardo, meu amigo, não ofenda os burros. O Ângelo é simplesmente um ANALfabeto político útil.

      Responder

    nadja

    27 de maio de 2016 às 09h41

    Meu amigo, você precisa ler um livro urgentemente, ou você está lendo pelo espelho?

    Responder

      ANGELO VIEIRA

      27 de maio de 2016 às 12h40

      Nadja Mortadela, você e o restante da manada é que precisa tirar essa veda dos olhos. Diz o ditado : Burro encaretado, sem a corda do dono, ou cai em buraco, ou invade a casa da vizinha !!!!

      Responder

    Marivaldo Antunes Netto

    27 de maio de 2016 às 11h12

    Esse Ângelo fica indignado em saber que a farsa está desmontada. Fica indignado que foi usado como massa de manobra pela direita golpista. Meu caro, assuma que foi (e é) um perfeito idiota. Se quiser, pode chamar esses cientistas mundiais para explicar o que você é. Só para convalidar o que nós todos já o sabemos.

    Responder

    Ângela Maria de CarvalhoAlmeid

    28 de maio de 2016 às 23h17

    De que mundo são os golpistas? Aliás, de que submundo são os golpistas? Você pode responder, pois está aí inserido!

    Responder

Deixe um comentário