Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Desemprego mantém alta, com mais gente à procura e menos vagas

Por Redação

31 de maio de 2016 : 17h58

Taxa no trimestre encerrado em abril, de 11,2%, foi a maior da série histórica da Pnad Contínua, iniciada em 2012. Número de desempregados chegou a 11,411 milhões

na Rede Brasil Atual

A taxa nacional de desemprego medida pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, manteve tendência de alta no trimestre encerrado em abril, atingindo 11,2%, a maior da série histórica, iniciada em janeiro de 2012. O número estimado de desempregados chegou a 11,411 milhões, quase 1,8 milhão a mais ante janeiro e 3,4 milhões em um ano. Esse aumento se dá pelo tanto pelo aumento da procura de emprego como pela eliminação de vagas.

Em relação ao trimestre encerrado em janeiro, por exemplo, são 824 mil pessoas a mais na força de trabalho, enquanto o número de postos de trabalho caiu em 968 mil, resultando em um acréscimo de 1,792 milhão no total de desempregados.

Se a comparação é com igual período (fevereiro-abril) de 2015, há 1,837 milhão de pessoas à mais no mercado de trabalho (crescimento de 1,8%) e 1,545 milhão de ocupados a menos (-1,7%). Com isso, o total de desempregados aumenta em 3,383 milhões – alta de 42,1%.

A pesquisa detecta também perda de postos de trabalho formais. Segundo a Pnad, o número de empregados no setor privado com carteira assinada, estimado em 34,529 milhões, caiu 1,8% ante o trimestre encerrado em janeiro (menos 631 mil) e 4,3% em relação a igual período do ano passado (perda de 1,548 milhão de vagas). Nessa segunda comparação, sobem o total de trabalhadores domésticos (4%, ou mais de 237 mil) e por conta própria (4,9%, ou mais 1,071 milhão).

Também na comparação com o trimestre encerrado em abril de 2015, o emprego na indústria cai 11,8%, com perda de 1,569 milhão de postos de trabalho. Agricultura/pecuária, construção e comércio/reparação de veículos ficam estáveis e setores de serviços alternam resultados positivos e negativos.

Estimado em R$ 1.962, o rendimento médio ficou “estatisticamente estável” ante janeiro (-0,7%) e caiu 3,3% em relação a 2015. A massa de rendimentos (R$ 173,3 bilhões) cai nas duas comparações: -1,5% e -4,3%, respectivamente.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Comentador

01 de junho de 2016 às 05h53

Era o esperado, depois de td que foi feito…

Responder

Brasil

01 de junho de 2016 às 00h47

Prezados, desde que o mundo é mundo, para os humanos, o insatisfeito é que faz o mundo girar. Porém não é quebrando a roda da carroça quando ela atola, nem pondo fogo no carroção. E ajudando a desatolar e puxando os cavalos. Senão, só fica a baderna, o caos. Coxinha e petralha, somos todos vítimas do mesmo conchavo. Brasil tem que ser mais, ou então vamos morrer abraçados ou brigando, mas não há solução no disparate atual. Posição política, não é pra gerar ódio e sim embates e melhorias. Eu tenho uma solução. Apresente uma melhor do seu grupo e vamos debater. E está a noção.

Responder

Adriana pires

31 de maio de 2016 às 23h32

Culpa desses governantes golpista que enfiaram o país no buraco e agora querem dar uma de Santoscom o país afundando, ao contrário do que achavam ! a economia está afundando e o povo menos favorecido vai sofrer! A classe média será reduzida enquantos os ricos ficaram muito mais ricos !

Responder

Andre

31 de maio de 2016 às 21h17

Culpa de quem ?

Responder

robertoAP

31 de maio de 2016 às 18h32

Coxinha vai ter que vender coca e comprar maconha dos outros coxinhas, já que nunca vão se aposentar mesmo. Assim eles vão criar a sua própria economia e sobreviver às medidas de seu querido Temer.

Responder

Deixe um comentário