Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Tia Eron, a “não-musa”, foi uma isca lançada por Cunha

Por Tadeu Porto

14 de junho de 2016 : 15h03

Por Tadeu Porto (@tadeuporto), colunista do Blog O Cafezinho*

Uma coisa me chamou atenção em toda essa celeuma que expôs as entranhas dos trâmites para cassar o presidente afastado da câmara dos deputados: por que Tia Eron não é considerada a musa da Comissão de Ética?

Bom, sei que qualificar e rotular uma mulher por sua beleza é um passo para a misoginia. E em assunto de sexismo, eu, como homem, sempre mantenho o postulado de que não entendo quase nada.

Mas o fato de não ter o conhecimento intrínseco sobre tal – pois homens não sabem nem metade da opressão que as mulhres sofrem – não podemos nos furtar de debater o assunto, claro, com muita humildade para se errar o menos possivel.

Por isso, em primeiro lugar, fui buscar fontes feministas sobre o assunto “musa”. Fui logo no Blog da Lola Aronovich (@lolaescreva), que sigo no twitter e é sempre minha primeira opção [junto com a Nathalí Macedo colunista do DCM, recomendo a todos que as leiam] quando quero iluminar meu lado machista, e encontrei um otimo texto que combate a objetificação feminina com a palavra de ordem mulher bonita é a que luta.

Procurei, ainda, mais opiniões sobre o assunto e encontrei: 1) “ser chamada de musa, embora pareça um elogio, colabora com a manutenção das mulheres no lugar estipulado para elas pelo patriarcado” e 2) “la, a musa, não tem agência. Não há fala e não há pensamento na musa, que funciona como figura decorativa e de mera contemplação do artista”.

Então, pra mim ficou bem claro que Tia Eron não ser a nova musa da política é um fato bom e que assim deveria ser em todas as ocasiões. Todavia, existe uma lógica mesmo dentro do preconceito e quando ela não se manifesta há de se duvidar um pouco do motivo, pois é muito difícil que a falta de discriminação seja a razão desse sumiço.

E foi ainda contando com mais uma ajuda da Lola, em outro ótimo texto, que encontrei, talvez, uma resposta para o fenômeno da Tia Eron não-musa: o “padrão racista” tão excludente que se sobrepõe ao machismo.

Janaína Paschoal precisou de alguns dias de destaque para ser apontada como a musa do impeachment; Denise Rocha e Andrezza Mendonça conseguiram virar assuntos mais comentados que a propria corrupção, sendo as musas da CPI; Juliana Isen se tornou musa das manifestacoes de um dia para o outro; a deputada de roraima teve muito menos destaque que a baiana, mas virou a musa da comissão do impeachment; sem contar as musas dos “caras pintadas” e a das privatizações que voltaram a ser assunto recentemente.

O que todas essas musas tem em comum é que são facilmente autodeclaradas brancas, diferente da deputada do PRB-BA. Ou seja, como argumentou um tal Luiz Carlos Nogueira, Tia Eron pode até ser bonita, porém é negra e não serve aos interesses de padrão de beleza.

Mas isso leva a outro questionamento: o que levou Cunha, um homem de uma resistência incrível tendo em vista as acusações que sofre, o principal articulador do congresso, a colocar a representação de duas minorias na cadeira de uma comissão tão importante (lembrando que Eron substituiu Pinato numa possível manobra do deputado carioca)?

A conclusão pode ser um pouco triste: Eduardo usou a baiana para se blindar das críticas do voto favorável dela, direcionando a hostilidade do povo para a cor e para o gênero da baiana. Vale lembrar que a deputada evangélica, assim que assumiu posição na C.E., elogiou Cunha sem cerimônia, deixando a entender que votaria a favor do deputado e foi só depois de mais revelações sobre os crimes do ex-presidente da câmara e pressão da sociedade que ela pareceu mudar de opinião e, por isso, paga um preço caro ao ser coagida por parte do seu partido (e até igreja) para votar a favor.

Assim se hoje, amanhã ou depois a baiana salvar a pele de Eduardo Cunha, no instante seguinte ela será massacrada, mas não só por ter errado grosseiramente ao votar a favor do que pode ser o maior corrupto da nossa história recente, mas sim por ser negra e mulher, distorcendo todo o debate acerca do acordo sujo costurado para manter Cunha no parlamento. Criando, ainda, um ambiente caótico de progressistas tendo que defender alguém conivente com a corrupção, por saber que o racismo e o sexismo são práticas intoleráveis em qualquer circunstância.

Tia Eron é a vítima perfeita para o fascismo, e Cunha parece saber muito bem disso. Numa sociedade sem ética e escrúpulos, que se aflora com uma ruptura institucional que bagunça todo nosso sistema, é natural que a corrupção se proteja, andando de mãos dadas com o preconceito.

Cunha se preparou – pra surpresa de ninguém – para fazer com que a pele e o gênero de Eron vire escudo para o verdadeiro fato que se desenha: a salvação que tem tudo para ser a maior vergonha interna corporis da história do nosso legislativo.

 

Tadeu Porto é diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense  (SindipetroNF)

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

nelson chalfun

15 de junho de 2016 às 05h52

sei não..
11 a 9 era o único resultado que se faz parecer crível para a turba ignara. infelizmente a moça foi colocada lá para este papel. desonra as mulheres. o plenário da câmara vai absolver o ali babá dos 180/270 ladrões

Responder

Esmael

14 de junho de 2016 às 23h04

Em que pese a busca do autor, Tia Eron tem um mentor, e no Governo interino tem um traidor, então vamos lá:

Cunha tinha conhecimento, mas não acreditava que ia ser traído.

Aos poucos temer (O Golpista) vai traindo seus aliados para se manter no poder, Renan Calheiros não gosta de Eduardo Cunha e queria a cabeça dele, O Golpista, como de costume, entregou de bandeja, pois ele precisa do Renan ara concretizar o golpe.
Em se tratando de traições e golpes, recordem da reunião de Eliseu Padilha com Tia Eron e Marcos Pereira, pois é ali que se tratou o destino de Eduardo Cunha. A deputada Tia Eron era amiga próxima de Eduardo Cunha e via nele um exemplo de sucesso dos Homens do Senhor, convence-la a votar contra Eduardo Cunha foi muito difícil, mas era um pedido do Presidente Interino (mais um golpe pelas costas, faz parte da natureza dele golpear), o ato foi intermediado pelo Ministro da Casa Civil e pelo seu mentor Marcos Correa, nele foi dito que Eduardo Cunha tinha de ser sacrificado para limpar a área, O deputado Giacobo (PR-PR) gostou da cadeira da Presidência da Câmara e Marcos Correa quer lhe dar o cargo, Tia Eron votou contra a vontade, assim como o deputado Wladimir Costa (SD-PA), ele foi informado por uma liderança do partido que seguisse a orientação do voto da Deputada Tia Eron, fosse o voto que fosse, e foi o que fez, embora, alguns momentos antes tivesse defendido cunha com unhas e dentes, Pari Passo, Sarney, Jucá e Renan se livraram da cadeia, Lula foi devolvido a Moro. (Na foto deputadas em agradável viagem com Eduardo Cunha, Tia Eron, estava lá.).

Em tempo: Renan fique avisado, você será o próximo.

Responder

Geysa Helena Dantas Guimarães

14 de junho de 2016 às 21h44

Bonita ela é, inegável. Mas só.

Responder

Geraldoribeiro Magela

14 de junho de 2016 às 19h14

VAMOS PEDIR DESCULPAS A TIA ERON, APESAR DE QUE IA SER 11 A 10

Responder

willams will

14 de junho de 2016 às 18h26

Essa Deputada já está na cara dela o quanto é sórdida! O Povo baiano precisa tirar ela como representante deles, ela é uma mistura de macumba, despacho e bandida a serviço de Cunha! O que mais impressiona é a falta de caráter em uma mulher como essa. Bem, se todos já sabemos que o golpe anda solto, espero que ela esteja na lista dos 150 do Cunha, que a arraste aos quintos dos infernos e nunca mais se eleja para mais nada no país. Lugar de deputada ladra e bandida é no buraco do esgoto de uma cadeia. Fora Temer, Fora PIG! Vamos lutar gente! Esses canalhas políticos e a gangue togada ainda não sabe o que o povo aguarda para eles.

Responder

Reinaldo Mechica Miguel

14 de junho de 2016 às 18h13

Só depois de O PLENÁRIO CASSAR O LADRÃO EU ACREDITO!

SÓ QUANDO O CANALHA FOR CASSADO E PRESO EU ACREDITO NA TAL DELAÇÃO MONSTRO DO REPRESENTANTE DO QUINTOS DOS INFERNOS…

CADEIA PARA O LADRÃO E FORA TEMER TRAIDOR!!!

Responder

boronov

14 de junho de 2016 às 17h49

PITACO DO BORÔ: DI’NHEIRON.

Responder

O Mapa Da Mina Negócios Online

14 de junho de 2016 às 17h48

O q faltou na análise foi pontuar que Tia Eron obedece à iurd. O que ela fizer terá sido orientação dos bissshhhpos

Responder

Marcvs Antonivs

14 de junho de 2016 às 17h27

Branca, negra, oriental ou índia. Feminina, Masculino ou Gay (homem ou mulher). Não interessa! Se votar pela permanência de Cunha é porque compactua com os crimes dele, pronto e acabou!

Responder

maria nadiê rodrigues

14 de junho de 2016 às 16h50

O que ficou claro desde aquela fatídica votação na Câmara foi a compra da alma dessa gente, e essa baiana, como todos que estão a favor de E. C. não tem consciência preservada coisa nenhuma. Ela tem o bolso preservado.
Só tem um detalhe: a estas alturas, independente de se livrar da cassação, EC não se livrará, de forma alguma, dos outros crimes. O fato de ainda não ter tido o destino de Delcídio é até um mistério, mas que logo será desvendado.

Responder

Maria Thereza G. de Freitas

14 de junho de 2016 às 15h53

pode ser por aí mesmo, considerando que EC só não é mais ardiloso porque é um só. E nem poderemos perguntar porque ela aceitou fazer o papel, pois seria culpar a vítima. Pobre país, que tem um EC no congresso!

Responder

Deixe um comentário