Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

O Estado Democrático de Direito desaparece

Por Redação

16 de junho de 2016 : 02h17

Por Andreas Behn – TAZ (Alemanha), 13 de maio de 2016 / Tradução: Sara Vivacqua, ativista do Conexões Em Luta

A elite brasileira não suporta dividir seu poder com sindicalistas e sem terras. Por isso Dilma teve que sair. Todos já esperavam, mas ainda assim é difícil de compreender. O Brasil tem um novo governo, que postula o contrário daquilo pelo qual a agora presidente afastada, Dilma Rousseff, foi eleita em outubro de 2014. Os novos dirigentes não foram eleitos, mas se julgam legítimos alegando que Rousseff cometeu crimes. Os seus 54 milhões de votos tornam-se com isso inválidos? Algo muito acima de dois terços do Senado e da Câmara votaram pelo impeachment da primeira mulher do pais no cargo mais alto do Estado.

O amplo consenso entre a população contra Roussef e o Partido dos Trabalhadores opera como uma histeria coletiva. É perceptível que todos parecem não se importar, que os criticados truques orçamentários não sejam a verdadeira causa do seu afastamento. A Constituição e o Estado democrático de direito foram apagados, já que não preveem legalmente o afastamento de uma presidenta por impopularidade. Eles queriam depor Roussef por razões inteiramente diferentes: as poderosas redes de compadres já a muito estavam fartas dos 13 anos de mandato do Partido dos Trabalhadores, que apesar de adotar apenas em parte uma outra política, mais justa e mais social, ainda assim não pertencem ao círculo dos ricos e poderosos.

A elite, que no Brasil se funda na tradição racista da sociedade escravagista e da ditadura militar, não suporta dividir seu poder com sindicalistas e sem terras. Não querem quotas para facilitar o acesso as universidades de pobres e negros, e tão pouco gostam de pessoas menos bem vestidas frequentando aeroportos. Dramático é que, sendo uma potência regional e o quinto maior pais do mundo, o Brasil mostra que é possível ignorar as eleições para através da aparência de legalidade chegar ao poder. Os militares sequer são necessários para depor governos indesejáveis.

Link original aqui

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

renato andretti

16 de junho de 2016 às 19h15

Desobediencia Civil.
Reforma Agraria
Mobilização Monstra
Reforma Politica
E empoderamento da Constituição.
Não podemos continuar com uma que só tem
paragrafos..Não foi discutida com a Sociedade
E queremos uma sociedade Progressista.
Não queremos uma sociedade regiada pela IGREJA
qualquer uma delas..
são neste Momento parasitas do Estado.
para onde vá o Estado se beneficiam..
Eu tenho o meu senhor..O meu Senhor
é a minha comunidade que faz..
Sou filho de Cristo e conheço o Cristo que quero!!

Responder

João Batista Kreuch

16 de junho de 2016 às 11h01

Aqui está dito tudo que precisa ser dito.. e em poucas palavras! Muito perfeito!

Responder

Daniel

16 de junho de 2016 às 07h01

Só a GLOBO e seus assemelhados tem a pachorra de continuar com a desfaçatez. Espero que quando Dilma voltar, aplique um belo corretivo nesses FDP, e que a GLOBO seja finalmente execrada internacionalmente, e boicotada até definhar, internamente.

Responder

Deixe um comentário