Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Rio de Janeiro- RJ- Brasil- 16/04/2015- Transmissão de cargo no Ministério do Turismo entre Vinicius Lages e Henrique Eduardo Alves. Presença do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Nova queda de ministro resgata suspeitas passadas e abala governo Temer

Por Redação

17 de junho de 2016 : 21h10

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Delação com potencial explosivo sobre depósito de empreiteira em conta na Suíça faz Henrique Alves pedir para sair e acrescenta novos casos a um obscuro passado de denúncias e suspeitas

por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual

Henrique Eduardo Alves caiu. Nesta quinta-feira (16), o titular da pasta do Turismo de Michel Temer passou para a história como o terceiro ministro a cair por consequência do explosivo teor da delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. Este afirmou que Alves sempre o procurava antes das eleições e que conseguiu para ele cerca de R$ 1,5 milhão para campanhas, dinheiro arrecadado em propinas cobradas de empreiteiras que tinham negócios com a Transpetro.

Aliado e amigo próximo do presidente em exercício Michel Temer, Henrique Alves é o terceiro ministro a cair em 36 dias de governo. Antes dele, Romero Jucá (Planejamento) e Fabiano Silveira (Transparência) deixaram de ser ministros também devido a citações ou declarações relativas à Lava Jato.

Henrique Alves (PMDB-RN) já havia sido citado em outros casos de corrupção investigados pela Lava Lato. Há dois pedidos de investigação contra ele no Supremo Tribunal Federal. Um deles é referente ao inquérito que apura se existiu uma organização criminosa para desviar dinheiro da Petrobras e outro, que apura se o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha, pediu dinheiro da empreiteira OAS para beneficiar Henrique Alves.

Além de seu envolvimento com estes casos, Henrique Alves pediu para sair também porque foi citado em outra delação, que ainda não se tornou pública, a de Fábio Cleto, ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal. Alves teria sido informado sobre a descoberta de um depósito feito por uma empreiteira em uma conta sua na Suíça e que existiriam provas inéditas e documentais contra ele.

Com sua saída do governo Temer, Henrique Alves acrescenta mais uma obscura nota em sua biografia, já repleta de suspeitas. Citemos algumas:

Dinheiro no exterior

Em processo movido desde 2004 pelo Ministério Público Federal, Henrique Alves é acusado de manter ilegalmente milhões de dólares fora do país, segundo publicou o site Congresso em Foco. Em 2002, Alves foi cogitado para ser candidato a vice-presidente da República na chapa de José Serra (PSDB), mas foi deixado de lado após sua ex-mulher dizer que ele tinha US$ 15 milhões no exterior.

Este caso também foi lembrado no período que antecedeu a eleição do presidente da Câmara em 2013 pelo jornal “O Estado de São Paulo”.

A reportagem relatou que o Ministério Público Federal mantinha, desde 2004, acusação contra Henrique Alves relacionada a enriquecimento ilícito. O parlamentar conseguiu adiar decisão sobre a quebra de seu sigilo fiscal e bancário, bem como de suas empresas, por meio de recurso judicial.

Dinheiro para assessor

A Folha publicou em janeiro de 2013 que Henrique Alves destinou dinheiro de emendas parlamentares para a empresa de um de seus assessores na Câmara dos Deputados, Aluizio Dutra de Almeida, que é sócio da Bonacci Engenharia e Comércio. A sede da empresa, segundo o jornal, não aparentava ser sede de um empreendimento e era vigiada apenas por um bode.

O Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) teria repassado R$ 1,2 milhão à empresa do assessor de Alves. E pelo menos três prefeituras do Rio Grande do Norte comandadas pelo PMDB contrataram a empresa para executar obras bancadas pelas emendas parlamentares do deputado. Segundo a Folha, a Controladoria-Geral da União apontou desvio nas obras realizadas pela empresa do assessor de Alves.

Dinheiro para times de futebol

Em janeiro de 2013, o jornal O Estado de São Paulo publicou que Alves “usou o prestígio de líder do PMDB para arrancar do então presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda, o compromisso de que o banco financiaria o ABC e o América, dois times de futebol de Natal que disputam a série B do Campeonato Brasileiro, e que haviam pedido cerca de R$ 3 milhões para a temporada daquele ano.

Patrimônio de luxo

Também em janeiro de 2013, a Folha publicou que, entre 2006 e 2010, Alves tinha conseguido dobrar seu patrimônio declarado à Justiça Eleitoral. “O crescimento – de R$ 2,8 milhões para R$ 5,6 milhões – se deve principalmente a dois imóveis de luxo obtidos entre 2009 e 2010”, afirmava o jornal.

Dobradinha

Também em janeiro de 2013, O Globo publicou que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) teve entre seus empregados Mônica Infante Azambuja, ex-mulher de Henrique Eduardo Alves, como assessora de diretoria. O salário dela era de R$ 10,1 mil.

O jornal escreveu que “em 2002, quando Alves surgiu como vice de José Serra na coligação que disputaria a Presidência, Mônica acusou o ex-marido de ter dinheiro depositado em paraísos fiscais. O caso derrubou Alves da dobradinha com Serra. Foi substituído por Rita Camata (PMDB-ES). Mônica passou pela Infraero e entrou numa lista de demissionários da empresa. Alves brigou para mantê-la no cargo”.

Mala roubada

A Polícia Civil do Distrito Federal investiga um roubo de R$ 100 mil em espécie que estavam na mala de Wellington Ferreira da Costa, secretário parlamentar de Henrique Eduardo Alves. O crime ocorreu junho de 2013 e foi revelado pelo jornal Correio Braziliense. À Polícia, Alves informou que o dinheiro era seu, proveniente de um empréstimo.

Como ministro, Henrique Alves garantia o direito de ser julgado no Supremo, e não pelo juiz Sérgio Moro. Com a demissão, ele perde o chamado foro privilegiado e, havendo processo contra ele, este correrá na Justiça paranaense e sob comando do juiz federal de primeira instância.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

CIANOTON_PACE

18 de junho de 2016 às 20h26

Pois é, coxinhada, a casa caiu. Não fiquem envergonhados; faz parte do aprendizado. Não adianta transformar falta de inteligência política em rancor. O melhor a fazer agora é guardar as panelas, esconder a camisa da cbf e ler um livro. Sugiro A Resistência ao Golpe de 2016 – editora Praxis, em todas as livrarias pelo módico valor de R$ 60. #AbaixoOGolpe. Lula2018.

Responder

James Stewart

18 de junho de 2016 às 10h21

“A sede da empresa, segundo o jornal, não aparentava ser sede de um empreendimento e era vigiada apenas por um bode.”

Um bode?

O Bode Cheiroso!

Esses corruptos Alves são uns pândegos…

Responder

    Jose Francsico Francisco

    19 de junho de 2016 às 17h44

    Um bode? Até nisto estes corruptos são uma desgraça!!

    Responder

maria nadiê rodrigues

18 de junho de 2016 às 09h49

Vale dizer que Henrique Alves sofreu uma derrota fenomenal nas eleições de 2014 para governador, sendo vitorioso Róbison Farias, seu adversário, que, na verdade, era pouco conhecido. O povo mostrou estar cansado dessa figura, que sempre ganhava qualquer eleição.
Alves e Maias no RN são uma verminose inflamando os intestinos do estado. Não mata, mas adoece o corpo.
Se fosse possível investigar todos os políticos de todos os estados e do DF, pelo menos de uns 20 anos pra cá, não faltariam motivos para descartá-los da política nacional. Seria uma espécie de reforma política.

Responder

    Jose Francsico Francisco

    19 de junho de 2016 às 17h47

    Mas, estes Alves e Maias são da época das Capitanias Hereditário, Nunca largaram o osso. São que nem Gato, com a boca cheia e rosnando. Lá na Republica do RN sai um Maia entra um Alves e assim já está fazendo uns 500 anos.

    Responder

Kaká

17 de junho de 2016 às 22h44

Pode, inclusive, ser preso né não? … Preventivamente … “ad perpetum” …

Responder

Maria Thereza G. de Freitas

17 de junho de 2016 às 21h22

denúncias graves e antigas, que nunca mereceram sequer um olhar nem de nossa ágil PF nem de nosso probo MP. Quanto a esse governo, já está empoleirado há mais de um mês, barbarizando, mas sendo aguentado até terminar o serviço para o qual foi colocado na presidência. Não sei a quantas anda a MP 727/16, mas está bem discreta na câmara.

Responder

Deixe um comentário