Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Brasília - O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi eleito presidente da Câmara dos Deputados, com 285 votos. (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O que significa a vitória de Rodrigo Maia

Por Redação

15 de julho de 2016 : 09h09

Deputado do DEM foi eleito com apoio da antiga oposição a Dilma Rousseff; aliado de Temer, Maia indica que não será hostil a Cunha

na Carta Capital

A vitória de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara dos Deputados representa o triunfo da antiga oposição à presidenta afastada Dilma Rousseff. Eleito com o apoio do PSDB, do PPS, do PSB e, obviamente, do DEM – além de setores do PT –, Maia coloca partidos tradicionais no centro do poder e garante sobrevida à própria sigla.

O primeiro compromisso do novo presidente da Câmara foi uma visita ao presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), na manhã desta quinta-feira 14. Após o encontro, Maia disse que o tucano foi fundamental para sua vitória.

“Eu não podia deixar de, assim que saísse de casa, visitar quem construiu comigo na base essa vitória. E essa vitória eu devo, claro, a todos, mas na origem ao senador Aécio Neves, que foi quem, por ter sido presidente da Câmara e por conhecer o processo legislativo, me ajudou a compreender e costurar as alianças”, disse Maia.

Aécio retribuiu a gentileza e disse que a eleição do deputado do DEM “oxigena a política brasileira”. Nos bastidores é dito que o apoio do PSDB foi condicionado ao apoio do DEM para uma candidatura tucana em fevereiro de 2017, quando o novo presidente da Câmara será eleito para um mandato de dois anos.

Embora não fosse o favorito de Michel Temer (PMDB), a eleição de Maia também agrada o presidente interino. O Planalto temia uma vitória do peemedebista Marcelo Castro (PI), que foi ministro da Saúde de Dilma e estava alinhado com o PT. Oficialmente, Temer afirma que não interferiu no processo, mas o governo agiu para levar Maia e Rogério Rosso (PSD-DF) para o segundo turno – e conseguiu.

Nesta quinta-feira, Maia afirmou que vai trabalhar pela união da base de Temer. “Hoje nós temos uma base do governo, com 400 deputados. Não vamos separar mais a base entre a antiga oposição e o chamado ‘centrão’. Isso gerava divisões desnecessárias e atrapalhava o Brasil. Vamos trabalhar em conjunto com os líderes para que o governo tenha uma base unida. Ninguém é do bloco A ou do bloco B. Temos um projeto de governo e a base precisa trabalhar junta”, disse.

Entre as prioridades da pauta na Câmara o presidente da Casa citou a agenda econômica e temas da reforma política, esta última um pedido de Aécio, que entregou a Maia uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê, por exemplo, o fim das coligações proporcionais.

Rodrigo Maia votou a favor do impeachment, mas isso não impediu que ele tivesse o apoio de petistas. O PT chegou a prometer votos ao deputado do DEM no primeiro turno, mas acabou apoiando a candidaturas de Marcelo Castro, que votou a favor de Dilma. Em um de seus discursos, Maia disse que “sem a esquerda não venceríamos esta eleição”.

Em sua página no Facebook, o senador petista Lindbergh Farias (RJ) criticou o apoio de setores progressistas ao candidato do DEM. “Eu não consigo entender como alguém de esquerda fica feliz com a vitória de Rodrigo Maia”, disse. “Rodrigo Maia é do DEM. Vai votar pela retirada de direitos dos trabalhadores”, continuou Farias.

Eduardo Cunha

Bloco criado para dar suporte ao ex-presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ), hoje afastado do mandato pelo Supremo Tribunal Federal, o “centrão” sai enfraquecido da disputa na Câmara. Formado por 13 partidos (PP, PR, PSD, PTB, PRB, PSC, PHS, Pros, PSL, PTN, PEN, PTdoB e Solidariedade) que somam quase 220 deputados, o grupo lançou Rogério Rosso (PSD-DF) à presidência da Casa, mas a constatação de que este seria o homem de Cunha prejudicou a candidatura do “centrão”.

Um dia depois de ver seu candidato derrotado, Cunha sofreu mais um baque. Nesta quinta, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara rejeitou todos os recursos do peemedebista, abrindo o caminho para que seu processo de cassação seja julgado no plenário.

A derrota de Cunha na CCJ foi acachapante. O relatório do deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), que recomendava a devolução do processo ao Conselho de Ética, foi derrubado por 48 votos contra 12.

A ação segue agora para o plenário e, como a votação é aberta e Cunha é réu em dois processos diferentes STF por corrupção, dificilmente ele vai conseguir um número suficiente de deputados para votar por sua absolvição.

Logo após a vitória, Rodrigo Maia disse que pautará o pedido de cassação no dia em que o plenário estiver com “quorum adequado”. Embora já tenha sido aliado de Cunha, Maia rompeu com o então presidente da Casa quando este decidiu apoiar André Moura (PSC-SE), candidato do “centrão”, para a liderança do governo Temer na Casa, posto almejado pelo deputado do DEM.

Apesar da desavença, Maia já deu indícios de que não será hostil a Cunha e disse que ele foi “talvez o melhor presidente” da Casa. “Eu ajudei a eleger presidente da Câmara o Eduardo Cunha contra um candidato do PT. O presidente Eduardo Cunha no plenário foi talvez o melhor presidente que nós tivemos, colocava para pautar a Câmara, mas acho que talvez tenha sido poder demais”, afirmou Maia.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcos Augusto Neves

15 de julho de 2016 às 18h02

Mais do mesmo. Estamos perdidos, o neoliberalismo está pronto para ser instaurado, aguardem.

Responder

    W SOARES

    15 de julho de 2016 às 21h31

    Um neoliberalismo zumbi que assusta até os cardeais do FMI

    Responder

      Marcos Augusto Neves

      16 de julho de 2016 às 02h16

      É meu amigo Soares, é o Estado minimo. Já percebeu quantos judeus estão tomando conta da economia? Não sou antissemita, mas prepare-se! O dinheiro para programas sociais agora vai para o mercado financeiro, onde “eles” tomam conta.

      Responder

Mario

15 de julho de 2016 às 14h07

PQP PQP PQP PQP PQP. Este é meu comentário, sem mais.

Responder

Thila Rocha

15 de julho de 2016 às 13h54

Também acho. Eles venceram. Golpe de Mestres.Da quadrilha.

Responder

Tercio

15 de julho de 2016 às 10h26

Setores do PT apoiaram … PQP !!!!

Responder

Deixe um comentário