Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Donald Trump tem alguma chance de ser eleito? Claro, é 2016 e o mundo está de cabeça para baixo

Por Redação

19 de julho de 2016 : 15h27

Foto: Getty Images

por Carlos Eduardo, editor do Cafezinho

Honestamente, esta eleição americana tem tudo para ser a mais idiota de todos os tempos.

Donald Trump e Hillary Clinton,  candidatos dos partidos Republicano e Democrata, respectivamente, foram nomeados em convenções e primárias profundamente equivocadas, repleta de erros e manipulação.

Tanto Clinton, quanto Trump, são oriundos da mesma elite plutocrata que os norte-americanos já conhecem há décadas e ambos, sem em exceção, são rejeitados por uma parcela considerável de correligionários.

No campo democrata, Hillary Clinton não é bem vista por alguns dos eleitores de Bernie Sanders, que enxergam nela uma oportunista, obcecada pelo poder.

Uma das piadas mais recorrentes desta campanha era de que Clinton mudava seu discurso de acordo com a plateia. Ela também foi a candidata das primárias que mais recebeu doações de Wall Street. O oposto de Bernie Sanders, que ao longo das primárias defendeu o fim do financiamento empresarial de campanha.

Em tese, podemos imaginar que um eventual governo Hillary Clinton será mais do mesmo, a manutenção do neoliberalismo, com alguma reforma aqui e outra acolá, mas nada que altere de verdade o status quo.

Ela só foi nomeada porque contou com a ajuda dos superdelegados, uma maluquice que os democratas inventaram em 1969, depois que um candidato liberal e progressista, com ideias consideradas de ‘esquerda’ para a época, foi eleito candidato à presidência da república em 1968, batendo todos os adversários por larga margem de diferença, impedindo deste modo a realização de um segundo turno.

Os democratas perderam o pleito do mesmo ano, o republicano Richard Nixon foi eleito presidente, e para nunca mais repetir o erro de permitir candidaturas consideradas de ‘esquerda’ ou ‘reformadoras demais’ os líderes democratas inventaram o sistema de superdelegados, bastante antidemocrático por sinal.

Os tais superdelegados nada mais são do que os deputados, senadores e governadores, além de alguns medalhões do Partido Democrata. Sozinhos eles são capazes de eleger quem quiserem, pois atualmente cerca de 15% dos delegados democratas são superdelegados, mas seus votos correspondem por 30% do total.

Sem o empurrão dos superdelegados, Hillary Clinton provavelmente teria passado sufoco com Bernie Sanders.

A mídia pró-democrata, como a CNN, também favoreceu sua candidatura ao criticar as propostas de Sanders como ‘utópicas’, ‘radicais’, ‘fora do orçamento’ do Estado e por ai vai…

No outro lado do ringue, Donald Trump desperta o ódio dos líderes republicanos, trapaceados em seu próprio jogo pelo empreiteiro popstar, famoso por demitir pessoas na televisão.

A cobertura da campanha de Trump nas primárias foi uma das coisas mais patetas e imbecis que já vi na vida.

Não apenas a mídia alinhada com os republicanos, como a Fox News, mas também todos os demais canais de notícias 24 horas, como ABC News, CBSN, CNBC, CNN e MSNBC, dedicaram horas e horas de sua programação aos impropérios e bizarrices de Donald Trump.

Sua campanha polêmica bateu recordes de audiência e as emissoras se deliciaram com o fanfarrão rumo à Casa Branca. Vale tudo em busca de Ibope.

Segundo reportagem do New York Times, o tempo de TV dedicado à Trump pelos canais de notícias se somado custaria US$ 2 bilhões de dólares. Enquanto seus adversários desembolsaram uma fortuna em anúncios na TV, Trump recebeu uma cobertura 24 horas por dia, sete dias por semana, sem gastar um tostão.

Lembro de uma primária em que Donald Trump e Bernie Sanders venceram. Interessado em saber mais sobre o assunto, liguei na CNN. A emissora transmitia ao vivo um palco vazio, onde Trump se pronunciaria a qualquer momento. Ao mesmo tempo Sanders realizava seu discurso de vitória, mas a CNN mostrava uma imagem reduzida no canto da tela e mantinham apenas o áudio. Se não bastasse, o discurso de Sanders era interrompido o tempo inteiro para o apresentador do jornal ‘informar’ que a ‘qualquer momento Trump subiria no palco para seu discurso da vitória’. Faz sentido isso?

Programas de comédia no estilo Fake News tornaram-se melhores fontes de informação que boa parte do noticiário. Comediantes como John Oliver, Stephen Colbert, Seth Meyers, Trevor Noah e Larry Wilmore demonstraram isso ao longo da campanha.

Quando as emissoras perceberam o monstro que haviam criado, já era tarde demais.

Como explicitei no artigo Os motivos que levaram americanos e brasileiros a apoiar políticos como Donald Trump e Jair Bolsonaro’, a classe média norte-americana está de saco cheio da globalização, da perda de direitos trabalhistas e poder econômico proporcionado pelo neoliberalismo, e da eterna crise que parece não ter fim.

Trump foi sábio ao se apropriar da hipocrisia republicana e incrementá-la com doses de nacionalismo, xenofobia, preconceito e, principalmente, um discurso antiglobalização que agradou muitos eleitores.

Não estranhem se nas próximas eleições os republicanos criarem, eles também, um sistema de superdelegados para que um candidato como Donald Trump jamais se repita.

Nas últimas semanas Trump se aproximou de Hillary Clinton, e de acordo com a média de pesquisas do RealClearPolitics, agregador de notícias que realiza os melhores levantamentos nos Estados Unidos, os dois se encontram num empate técnico. Clinton tem 43,8%, frente a 41,1% de Trump, apenas 2,7% pontos de diferença.

RCP_Polls_1907

Média de pesquisas do RealClearPolitics mostra Donald Trump empatado tecnicamente com Hillary Clinton

Às vésperas dos Jogos Olímpicos de 2016, o Brasil sofre um golpe de Estado e a tão sonhada Olimpíada do Rio de Janeiro, a primeira a ser realizada na América do Sul, corre sérios riscos de ser um fiasco; no Reino Unido, o ultranacionalismo egoísta de direita vence o plebiscito do ‘Brexit’; na Europa, o fascismo avança e ataques terroristas tornaram-se frequentes. No dia seguinte a mais um atentado na França, somos surpreendidos por um golpe de Estado na Turquia, transmitido ao vivo pelo YouTube, Twitter e Facebook.

A sede por petróleo dos norte-americanos devastou o Oriente Médio. Líbia, Iraque e Síria não podem mais ser considerados países, no estrito significado do termo. Xiitas, sunitas, curdos, Estado Islâmico e rebeldes sem causa lutam entre si e contra forças estrangeiras, enquanto o mundo assiste ao maior êxodo de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial.

Diante de tudo isso, faço lhes a seguinte indagação: Donald Trump tem alguma chance de ser eleito presidente dos Estados Unidos da América? Claro, é 2016 e o mundo está de cabeça pra baixo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Coutinho Rodrigues

10 de outubro de 2016 às 23h02

O mundo esta de cabeça para baixo apartir do momento em que um esquerdista abortista assasina que fez retrogredir o direito da mulher em Libia Tripoli apos a invasao da otan comandada praticamente por ela propria quando secretaria de estado em sua epoca ..isquedismo mental asco nojo me banharia e tomaria o sangue de todos vcs!

Responder

Lisboeto

01 de setembro de 2016 às 13h20

Contanto que ele (Trump) acabe com os anticristos do islamismo, ta ótimo! Queremos guerra, para haver paz no mundo! Intolerantes assassinos degoladores que não respeitam os Cristãos, devem ser dizimados, principalmente por seres assassinos psicopatas que usam a religião como fundamento da intolerância!

Responder

Nick

20 de julho de 2016 às 05h03

Se Bush Jr, conseguiu em 2000, por que não, Trump? Eu acho Trump menos sinistro do que a sinistra família Bush, cujo envolvimento do avô banqueiro no financiamento do Nazismo e o envolvimento do pai quando este foi o presidente da CIA no financiamento do Taleban e Bin Laden nos Afeganistão nos anos 70s, envolvido no Irão contras durante a Reagan administração, escancaradamente assustador.

Responder

Charles

19 de julho de 2016 às 18h17

As chances de Trump aumentam quando se leva em conta que as eleições dos EUA são bem diferentes daqui.
Primeiro, o voto é facultativo. A média de presença nas eleições costuma estar entre 50-55% do eleitorado. Como as eleições deste ano estão tão loucas, há uma probabilidade forte de este ser o ano com a menor presença de eleitores da história do país.
O que conta são votos do colegiado lá e não votos totais. Foi o caso de Bush e Gore em 2000 onde Bush perdeu nos votos totais mas ganhou o número de colegiados. Por causa disso os republicanos adotam várias estratégias para garantir que seus candidatos saiam vencedores se aproveitando que Estados e Municípios lá tem maior liberdade em fazer leis e regras do que aqui. Uma dessas táticas é o gerrymandering. Consiste em redesenhar distritos eleitorais para que a maioria dos eleitores neles sejam eleitores favoráveis ao partido republicano.
Outra tática são leis de supressão de votos, que exigem a apresentação de identificação por exemplo. O que pode parecer algo simples, é na verdade um horror principalmente para a população marginalizada dos EUA. Quem perde a carteira por roubo ou perca, ou tem sua licença de motorista tomada devido a multas, não consegue votar. E a burocracia para se fazer uma nova na maioria dos estados é enorme e prejudica mais eleitores pobres, mulheres, negros, latinos e imigrantes.
Há também o problema de que a bipartidarização está tão forte que um candidato “terceira via” apenas pulveriza votos, principalmente para o lado democrata. É a sina que ganhou Ralph Nader do partido Verde em 2000 que tomou pra si quase 3 milhoes de votos, e que pelo aperto que foram as eleições naquela época é tido como o cara que elegeu Bush.
As pessoas reclamam da corrupção e da ineficácia do Brasil achando que aqui é pior do que em todo lugar, mas por lá eles aperfeiçoaram corrupção e a trapaça, tornando lei a maioria das práticas que consideraríamos criminosas ou vis.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina