Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Lava Jato e mídia mantêm sua artilharia voltada ao PT para sacramentar o golpe

Por Pedro Breier

26 de julho de 2016 : 10h27

(Charge: Pataxó)

por Pedro Breier, correspondente policial do Cafezinho

A votação final do impeachment está próxima e a temperatura política não pode cair. Assim, os portais amanhecem com mais uma rodada de manchetes envolvendo delações contra o PT. A dobradinha Lava Jato e mídia continua funcionando a todo vapor.

As novas informações prestadas por Ricardo Pessoa, da UTC, e por três executivos da Andrade Gutierrez não são exatamente novas. As doações oficiais das empreiteiras ao PT seriam ou fruto de pressão de integrantes do governo ou disfarce para valores de propina exigidos pelo partido nos contratos das empreiteiras com o governo federal.

Que se investiguem essas informações e, caso comprovadas, punam-se os responsáveis.

Agora, como a imprensa tradicional não quer informar ninguém, mas manipular a opinião pública para que esta endosse a narrativa que dá sustentação ao golpe de estado que estamos vivendo, cabe à blogosfera levantar os pontos incongruentes dessa narrativa.

O principal deles é o fato de que as empreiteiras doaram valores semelhantes para as campanhas de Dilma e Aécio em 2014. A Andrade Gutierrez doou mais ao tucano, inclusive. A empreiteira tem uma relação orgânica com o PSDB, tendo recebido o controle da estatal mineira Cemig, em 2010. A cúpula da Andrade Gutierrez torceu por Aécio Neves na última eleição.

Diante desses fatos, acreditar que as doações ao PT foram fruto de propina e pressões e as destinadas ao PSDB são ideológicas e desinteressadas é inocência ou má-fé. As empreiteiras doam para os partidos esperando fecharem grandes contratos no futuro governo, por óbvio, qualquer que seja o partido vitorioso.

Criminalizar doações legais a apenas um dos partidos é seletividade penal grosseira. Mas serve muito bem aos interesses dos golpistas. “O assalto dos bolivarianos aos cofres públicos” é a novela eterna que não pode sair do ar até que o governo caia de vez.

Em um contexto mais amplo, a narrativa engendrada pela Lava Jato insere-se na missão diuturna da mídia cartelizada: criminalizar a classe política. Os donos e executivos das empreiteiras, pagadores de propina e portanto corruptores, são pintados como uns pobres coitados, achacados pelos malvados petistas.

No fim desta reportagem do Estadão, sobre a delação de um ex-diretor da Andrade Gutierrez, consta este patético trecho: “Ao final da audiência, o juiz da Lavato (sic) perguntou. “Esse comportamento, pagamento de propinas, o sr. se arrepende?” “Eu, se pudesse voltar ao tempo, eu me arrependeria”, afirmou o delator.”

Na verdade o cidadão poderia se arrepender agora mesmo, afinal, não é necessário voltar no tempo para fazê-lo. De qualquer forma, não é comovente? Os pagadores de propina sofrem demais no país dos petralhas.

Pedro Breier

Pedro Breier nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo. É formado em direito e escreve n'O Cafezinho desde 2016, sendo atualmente um dos editores do blog.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

renato andretti

26 de julho de 2016 às 13h56

devemos parar de conversar, conversa mole…
acho que deu toda esta marmelada…
executivo /uma merda.
legislativo um puteiro
judiciario uma corja..
leis..só seletivas..
isto é o que os EUA e outros chamam de
terrorismo…
Lá se não usar burca…morre.
aqui se usar burca morre.
acho que os poderosos tem que usar burca aqui..

Responder

Maria Thereza G. de Freitas

26 de julho de 2016 às 10h59

o “combate à corrupção” já cansou, não comove mais ninguém. A moda agora é “combate ao terrorismo”. É só criar uma foto do Lula vestido de árabe no carnaval e a Dilma de odalisca e pronto, mais um factoide pronto para o consumo.

Responder

Deixe um comentário