Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

01/03/2016- São Paulo- SP, Brail- As centrais sindicais fizeram hoje de manhã manifestação contra juros altos em frente a sede do Banco Central na Avenida Paulista. Foto: Jaélcio Santana/Força Sindical

O Brasil, o Japão e o estímulo ao crescimento econômico

Por Redação

03 de agosto de 2016 : 13h47

Centrais sindicais protestam contra os juros altos em São Paulo (Foto: Jaélcio Santana/ Força Sindical)

por Mauro Santayana, em seu blog

O Japão, terceira maior economia do planeta, e um pais considerado desenvolvido em quase todos os aspectos — apesar de ter uma dívida bruta com relação ao PIB mais de três vezes maior que a nossa — acaba de lançar um pacote de estímulo de 274 bilhões de dólares, para apoiar o crescimento econômico, incluindo empréstimos a juro zero para obras de infraestrutura.

Enquanto isso, no Brasil, o Banco Central continua mantendo o pacote de estímulo aos bancos, com juros pornográficos da taxa SELIC na casa dos 14,5%, retirando dinheiro da economia real para dar boa vida a rentistas e especuladores.

Além disso, pretende-se também dimuir, no lugar de aumentar, o financiamento à atividade real,  via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, que ainda corre o risco de ter que enviar 100 bilhões de reais ao Tesouro, restringindo sua capacidade de estimular obras e empresas, e move-se contra esse banco uma sórdida, mentirosa, campanha fascista nos meios de comunicação e redes sociais apesar de ele ter dado sempre lucro acima de 6 bilhões de reais a cada 12 meses, nos últimos anos.

Procura-se sabotar e inviabilizar, por aqui, a capacidade de intervenção e mobilização do Estado — que detêm mais de um trilhão de reais em reservas internacionais — justamente em um momento em que as nações mais importantes do mundo fazem, como o Japão, exatamente o contrário.

Estamos a ponto de votar, no Congresso, um teto obrigatório para os gastos do governo – que acaba de aprovar um generosíssimo “pacote” de aumento de salários – mesmo quando nosso grau de endividamento é menor do que o da maioria dos países desenvolvidos.

Isso, em um momento em que os juros estão negativos na maioria dessas nações, como é o caso da zona do Euro, como uma tentativa de resposta lógica, eficaz, potencialmente mais inteligente, a uma crise que, como se pode ver, não é só nossa, e que afeta neste momento – ao contrário do que por aqui querem fazer acreditar aos “trouxas” – a maior parte dos países do mundo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Terceira Onda ?

03 de agosto de 2016 às 17h36

Faz isso no Brasil faz… ahuahuahu Incentivo de trilhão pra iniciativa privada ! o resultado… porra nenhuma ^^

Responder

João Bosco

03 de agosto de 2016 às 17h22

Isso é só parte de um conjunto de regras dos golpistas entreguistas para entregar o País aos interesses internacionais. E os empresários(?) brasileiros, especialmente os da FIESP, muuuuuuuuito inteligentes, apoiando.

Responder

Deixe um comentário