Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

A metamorfose do eleitor de periferia

Por Redação

05 de outubro de 2016 : 17h05

A metamorfose do eleitor petista da periferia que decidiu votar em Doria

Moradores do extremo leste de São Paulo apoiam novo prefeito, mas não confiariam em outros nomes da legenda tucana

por Talita Bedinelli, no El País

Na bicicletaria da rua São João Marcos, a 24 quilômetros do centro de São Paulo sentido zona leste, nenhum outro candidato teve vez. O dono da loja, Sérgio da Costa, sua mãe, Lindava Caetano de Amorim, o montador de bicicleta Helton Carlos Lima e o vizinho desempregado Renan Almeida de Goes apertaram o 45 de João Doria no último domingo para elegê-lo prefeito. O único que destoava era o eletricista Jorge Bomfim, 30, que durante os reparos que fazia na loja explicou que preferiu votar em branco. Fosse há quatro anos, qualquer um que chegasse àquela loja escutaria do grupo um veredito diferente: todos, menos Renan, haviam escolhido Fernando Haddad.

Nas ruas do distrito de José Bonifácio, no extremo leste de São Paulo, a guinada foi total. Em 2012, Haddad foi ali o mais votado no primeiro turno: recebeu 24.426 votos, ou 34,7% dos votos válidos na região. No último domingo, apenas 11.974 pessoas apertaram o 13 nas urnas. Em números frios, isso significa que, em quatro anos, o atual prefeito de São Paulo perdeu, apenas neste distrito, 12.452 eleitores, 51% dos que haviam confiado nele em 2012. Neste ano, Doria não ganharia ali no primeiro turno, como ocorreu na cidade, mas com seus 44,62% de votos válidos mais do que dobrou a votação no PSDB na região: José Serra, em 2012, teve 12.753 votos (18,1% dos votos válidos); Doria, agora, 29.066.

elpais1

Da esquerda para direita: Sergio, Lindalva, Renan e Helton, na bicicletaria. Todos votaram em João Doria (Foto: Victor Moriyama/ El País)

Os moradores ouvidos pelo EL PAÍS afirmaram que o voto não reflete necessariamente um apoio ao partido tucano. Dentre os votantes de Doria, há quem diga que jamais votaria em José Serra ou no atual governador, Geraldo Alckmin. Mas todos dizem que sua decisão foi baseada na própria imagem de Doria, que durante a campanha se vendeu como um “gestor” e “administrador”, algo longe das figuras políticas tradicionais, o que reforça a tese de descontentamento do eleitor com o cenário político nacional. Essa leitura aumenta também as expectativas em relação ao Governo do novo prefeito, algo que atingiu, também, Haddad em 2012. O petista, na época, era o nome novo, um professor que não era um político tradicional. Assim como no resto da cidade, a primeira opção do moradores de José Bonifácio foi o não voto: brancos, nulos e abstenções somaram 38.043 eleitores, quase 9.000 a mais que os votos dados ao tucano. O distrito tem 103.182 eleitores aptos a votar.

“Minha ideia mesmo era votar em branco, mas mudei de opinião depois que o Doria falou no debate que vai colocar alguém do bairro para trabalhar na subprefeitura daqui. Tem que acabar com essa história de alguém que mora em Pinheiros vir administrar a região”, conta Sérgio, 34 anos. O comerciante diz que não considera que Haddad tenha feito um mau Governo, opinião compartilhada por todos ali, mas afirma que esperava mais de sua gestão. “Minha mãe já chegou a aguardar um ano por um exame no posto de saúde. É aquela coisa: a pessoa morre e não faz o exame”, conta. Para ele, o Corujão, programa prometido por Doria que pretende disponibilizar hospitais privados na madrugada para exames de usuários da rede municipal, pode funcionar como algo emergencial. “Se for rápido e as pessoas precisarem, elas vão”. Lindalva, que é de poucas palavras, concorda com o filho.

O desempregado Renan, de 22 anos, afirma se preocupar com a proposta do prefeito eleito de iniciar uma desestatização no município. “Acho essa história de privatizar tudo complicada. É preciso expandir os serviços do Estado”, pondera ele. Os amigos discordam. “Tem que vender mesmo! Olha o Pacaembu, só dá gasto! Nem o Corinthians joga mais lá”, destaca Sérgio, que veste um blusão branco e preto do time e acredita que o dinheiro a ser arrecadado com a venda e com as parcerias com o setor privado pode ser investido nos serviços públicos

elpais2

As ruas de José Bonifácio, na zona leste (Foto: Victor Moriyama/ El País)

A algumas ruas de distância, a dona de casa Julia Ribeiro da Silva, de 45 anos, deixava o posto de saúde do bairro acompanhada da irmã e da filha. Para ela, o que pesou na decisão foi a imagem de que Doria é um “gestor e não um político”. “Votei no João porque é gente nova, que não tem carreira na política. Mas ele vai ter que melhorar a saúde. Os postos não têm pediatra e para marcar um ginecologista e um clínico a demora é de um ano”, reclamava ela. Resolver o problema da fila da saúde, que conta atualmente com 753.811 pedidos, é a principal prioridade para os paulistanos, segundo o Datafolha. Antes de Haddad assumir, o tema já recebia as maiores críticas.

A desilusão com um Governo no qual se nutria grandes expectativas é um mote comum nas justificativas dos novos eleitores tucanos. Helton, o montador de bicicletas, acredita que Haddad não priorizou as coisas certas. “Ele preferiu fazer essa coisa de wi-fi em praça, de ciclovia. É necessário, claro, mas não é o mais importante”, diz. “E teve a história das multas também”, complementa. O eletricista Jorge, de 30 anos, o único que votou em branco no grupo da bicicletaria, diz que deixou de votar no atual prefeito por isso. “Muitos radares instalados. Radar atrás de poste, pegadinha”. Em 2012, ele optou por Haddad depois de o petista anunciar que acabaria com a inspeção veicular obrigatória. O grupo, entretanto, discorda da intenção de Doria de aumentar o limite de velocidades nas marginais, outra medida de Haddad que despertou polêmica. Para eles, a velocidade mais baixa ajuda a salvar vidas.

Perto dali, o comerciante Marcos Santos Delila orgulha-se de ter influenciado “muita gente” a votar em João Doria. Eleitor de Lula e de Dilma, em todas as eleições, ele se queixa do envolvimento do partido com os escândalos de corrupção. “Não voto mais no PT. Só votei no [Eduardo] Suplicy [vereador mais votado de São Paulo] porque ele nunca fez nada de errado”, destaca ele, que nas municipais passadas votou em Gabriel Chalita, no primeiro turno, e em Haddad, no segundo – Chalita era, agora, o vice do atual prefeito. “Não achei que Haddad fez um trabalho bom. Ele prometeu muitas coisas e não fez. A única coisa boa foram os ônibus, que são novos, com wi-fi. Doria falou que vai mexer na educação, colocar mais médicos e mais remédios e prometeu luz de LED na cidade toda, o que aumenta a segurança. Ele é empresário, administrador, acho que tem caráter e acredito que vai fazer um bom trabalho.”

elpais3

O comerciante Marcos Delila, que convenceu muitos vizinhos a votar em Doria (Foto: Victor Moriyama/ El País)

O gráfico Domingos dos Santos Araújo, de 65 anos, foi uma das 20.151 abstenções registradas pela zona eleitoral de José Bonifácio, um número 34% maior do que em 2012. Chegou minutos atrasado e não conseguiu votar, conta. Se tivesse acelerado os passos, seria mais um responsável por eleger o candidato tucano. “Mas é só mais uma coisinha e não voto mais em ninguém, nem a minha família”, ressalta ele, que diz que votou no PT a vida toda. “Agora votei no Doria pelo histórico dele, por ele ter começado de baixo, como o Lula”, compara, muito embora as duas biografias guardem diferença. “Ele é um trabalhador e convenceu a classe trabalhadora. Haddad só cuidou dos ricos”, lamenta.

 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

20 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Maria Helena

06 de outubro de 2016 às 22h05

O povo gosta de ser massacrado. Não tenho dó nenhuma de suas tribulações e sofrimento futuros devidos as suas escolhas. Se a cabeça não pensa, o corpo paga.

Responder

Jar Borah

06 de outubro de 2016 às 16h56

mi mi mi mi dá porra!!! kkkkkkkkk Ainda metem um homicida para ilustrar a matéria kkkkk Querendo dar lição de moral kkkkkk

Quantos ricos existem onde esse verme viveu kkkkk .,.. Esquerda lixo …. Me divirto lendo isso .. Pelamordedeus !!!! Me deem block users kkkkkkk

Responder

Antonio

06 de outubro de 2016 às 11h02

Por isso os tucanos querem acabar com o ensino no Brasil! Veja a diferença que faz um escola de qualidade na vida das pessoas! Só com investimentos em educação sairemos do buraco, mas nisso a direita golpista não está interessada e é isso que fica difícil de entender se você não tem educação de qualidade.
A propaganda da mídia golpista vendeu mais um farsante!
Continuem assistindo a rede globo!

Responder

Alex

06 de outubro de 2016 às 01h47

A mente do brasileiro pobre todos os dias é “estuprada” todos os por marqueteiros. É um povo sem consciência ideológica sólida pra nada, nem pra religião. Então basta um bom narrador / estuprador da verdade para que ceguem mentes e corações, e facilmente mudem de opiniões. Agora obviamente que o PT tem parte de culpa nisso, por ter dado mais prioridade ao ser-consumidor-brasileiro do que o ser cidadão-político-simbólico. Agora estão colhendo os frutos dessa semente lançada nos 13 anos em que esteve no poder. Enfim a fatura chegou na forma de golpe parlamentar.

Responder

9 dedos na bunda dos coxas

06 de outubro de 2016 às 00h13

“Os moradores ouvidos pelo EL PAÍS afirmaram que o voto não reflete necessariamente um apoio ao partido tucano. Dentre os votantes de Doria, há quem diga que jamais votaria em José Serra ou no atual governador, Geraldo Alckmin. Mas todos dizem que sua decisão foi baseada na própria imagem de Doria, que durante a campanha se vendeu como um “gestor” e “administrador”, “….olha as ideia dos mano, meu: Votar no dória não significa apoiar os tucanos!!! E quem disse que os tucanos querem teu apoio? Eles querem é o teu voto e depois de 4 anos sem nem te reconhecer como gente vão aí te fazer as mesmas promessas pra pegar o teu voto de novo, sua mula de periferia!

Responder

o rei búda

05 de outubro de 2016 às 22h25

Ninguém é enganado pela mídia se o partido no poder, o sindicato e os
movimentos populares permaneçam com uma conscientização e discussão
permanente, sem cooptação.
Nesses 13 anos a grande mídia navegou por mares muito calmos, uma cantilena repetida varias vezes.

Responder

Bruno P. Scheurer

05 de outubro de 2016 às 19h19

Pra resolver esses problemas de fila na saúde seria necessário mais dinheiro pra saúde, só que o partido do Dória quer cortar o investimento em educação em 20 anos. Se essas pessoas tivessem essa informação consolidada não votariam no tucano.

No final das contas o é o problema de sempre, comunicação.

Responder

    Paty

    06 de outubro de 2016 às 13h48

    Mas ai fica difícil, como culpar estas pessoas se todos os dias são bombardeados com as mentiras e as seletividades da mídia?
    Principalmente da globo que é a mais safada e a maior audiência.

    Responder

      Bruno P. Scheurer

      07 de outubro de 2016 às 19h27

      Mais ou menos, na minha opinião pra pessoa ser manipulada ela tem que de alguma forma aceitar essa manipulação, então sinto como muita acomodação também. Se eles tem culpa de ser acomodados ou não tem que perguntar para um sociólogo e provavelmente ele não terá a resposta definitiva.

      Responder

Marcelo Figueiredo

05 de outubro de 2016 às 18h41

Esse povo não sabe o que fala. Achar que um tucano vai melhorar a vida deles é de uma burrice a toda prova. Hå quantos anos o pósdb governa SP? Nesses 20 anos eles foram beneficiados em que pelo governo tucano? Eles acham que Dória vai ser diferente? Fala sério.

Responder

    Paty

    06 de outubro de 2016 às 13h51

    Não esqueça que a maioria só utiliza a tv para se informar e a maior pelo canal demoníaco da globo.

    Responder

Cesar Jr.

05 de outubro de 2016 às 18h27

Joao Doria começou de baixo? A pessoa leu o Wikipedia do Doria ou o Wikipedia está errado? Nada contra ele ser rico, o problema maior é ele ser amigo do Alckimin e cia, aqueles envolvidos na máfia da merenda, trensalao…

Responder

Charles

05 de outubro de 2016 às 18h22

Quero saber o que esses idiotas vão falar quando a ROTA chegar atirando primeiro, continuar atirando e depois quem sabe perguntar.

Responder

    9 dedos na bunda dos coxas

    06 de outubro de 2016 às 00h15

    hahaahhah…..aposto que vão gritar: não faz isso, eu votei no dória!

    Responder

    Leandro Rosendo Francisco

    06 de outubro de 2016 às 15h15

    Qdo entrarem em sua casa, chama o “bátima”.

    Responder

Ricardo Oliveira

05 de outubro de 2016 às 18h09

Este é o sintoma de uma população despolitizada, votam em pessoas achando que com uma varinha mágica tudo vai mudar do dia para a noite, não há uma política de estado e sim uma política personalista não sabem que Doria representa tudo ao contrário do que eles almejam, daqui a 4 anos votam em outro novo candidato e assim a situação sempre vai continuar a mesma, pura ilusão de uma população enganada pela mídia e marketing eleitoral, tem muita costa pra apanhar e aprender, se é que algum dia irão ter consciência do que está em jogo.

Responder

    ZeDasKouves

    05 de outubro de 2016 às 20h17

    Ninguém é enganado pela mídia e pelo marketing se não tiver preguiça em usar o próprio cérebro e buscar por mais fontes de informação.
    Não há desculpas e nem inocentes nessa periferia.
    Que paguem e paguem caro pelo erro de sempre eleger a elite que os explora.
    A mídia que eles tem acesso é exatamente a mesma que nós temos.

    Responder

      9 dedos na bunda dos coxas

      06 de outubro de 2016 às 00h16

      Também acho, a pessoa que entra de cabeça nas investidas da mídia que todos sabem ser golpista merece o cacete da pm de sp mesmo.

      Responder

      Paty

      06 de outubro de 2016 às 13h55

      Em parte eu concordo mas vc já leu algum livro sobre manipulação de massas?
      Se não, eu recomendo. Procure livros que falam sobre os métodos utilizados por Hitler, vc irá perceber a semelhança com os métodos que a mídia no Brasil utiliza.

      Responder

Fernando Drechsler

05 de outubro de 2016 às 18h00

O problema dessa galera são anos de descaso tucano. Ai você coloca um cara diferente 4 anos, e espera que esse cara faça tudo em 4 que não fizeram em 20.

Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Ciro Gomes O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou?