Coletiva de Rodrigo Maia (ao vivo) sobre medidas contra a crise

A verdadeira polêmica da semana: PT deve ou não anistiar o caixa 2?

Por Tadeu Porto

24 de novembro de 2016 : 11h14

Por Tadeu Porto*, colunista do Cafezinho

Esqueçam a possibilidade de atender um policial levemente ferido ou um traficante a beira da morte [até mesmo porque se a condição de atendimento é salvar alguém fica difícil pensar em considerar a pessoa levemente ferida, afinal, ela não precisa ser salva].

A polêmica de verdade – daqueles problemas da vida real – está na câmara dos deputados, com a tentativa de anistia para os crimes de caixa dois amplamente ocorridos nas eleições. Todos os grandes partidos estão dispostos a se concederem essa colher de chá, exceto o Partido dos Trabalhadores que, segundo o Estadão, reluta em entrar no “bonde do perdão”.

Bom, a princípio a lógica sobre o PT abraçar ou não a anistia parece simples: oras, o correto é deixar aqueles que cometeram o crime serem punidos, independente de quem for e ponto final.

Seria sim, simples, se o Brasil fosse um país para amadores.

Consideremos, por exemplo, o caso Eduardo Cunha. O PT ganhou de presente, trabalhando pela cassação do deputado, um Golpe parlamentar, a debandada de políticos no seu quadro e uma derrota clamorosa nas urnas em 2016 (com direito ao melhor prefeito do país perder no primeiro turno para um aventureiro qualquer).

Em contrapartida, o PMDB, partido do ex-presidente da câmara, conseguiu chegar à Presidência da República, estabelecer um núcleo duro dentro do governo que blinda figuras como Geddel Vieira e, de quebra, melhorar o desempenho nas eleições municipais.

Dentro desse cenário factual, fica bem difícil avaliar se valeu mesmo a pena o PT enfrentar o PMDB de Cunha dentro da câmara. Vamos tentar, então, vislumbrar qual o futuro do partido pós decisão sobre a anistia.

Existe um cenário altamente plausível: a anistia não passar na câmara e, na prática, ser utilizada como a Lava-Jato em geral: pega um ou outro gato pingado de outras agremiações, sem grande repercussão da mídia, e massacra o PT para tentar destruir o partido de uma vez por todas.

A grande verdade é que a repulsa contra o crime no Brasil é tão falsa quanto um depoimento do Eduardo Cunha, pois parte da população brasileira utiliza a corrupção como máscara para manifestar seu conservadorismo exacerbado: chama-se o preto, o pobre, o gay, a mulher e as demais minorias de petista corrupto e fica por isso mesmo. Portanto, combater práticas corruptas no país não adiante muita coisa, a não ser que você seja um totalitário como Sérgio Moro e alimente a sede de sangue do vampirismo fascista verde e amarelo.

Portanto, para a imagem do PT, ser contra a anistia não vai fazer diferença alguma para essa massa raivosa e alienada que parece ter inundado o país. Em contrapartida, para o grupo politizado que aparecerá no país nos próximos anos (a luta educa e essas mobilizações são uma grande escola) uma mudança de postura do partido – sair de um pragmatismo exacerbado para a construção de uma ideologia moderna que ganha mentes e corações – pode ser crucial para que o PT renasça de todo o desgaste que sofreu nos últimos anos.

E aí? O PT deve ou não ser a favor da anistia do caixa 2?

Minha opinião (não sou de ficar em cima do muro): o PT não deve, de maneira alguma, apoiar a anistia ao caixa 2, nem mesmo liberar a bancada para fazer o que quiser. O partido deve entender que ele, para o bem ou para o mal, representa a maior força da esquerda nacional e que nossas lutas são difíceis demais para nos darmos ao luxo de sermos incoerentes e antiéticos. Nosso verdadeiro adversário de médio prazo é o fascismo e é impossível combate-lô com a imagem desmoralizada. #ficadica

*Tadeu Porto é diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense

 

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Maat

24 de novembro de 2016 às 19h15

Uffaaa… eu repetindo do início do texto até o final, que o PT não deve apoiar a anistia ao caixa 2, pensando, se esse cara disser que o PT deve apoiar, eu vou dizer poucas e boas, mas a interpretação dele foi semelhante a minha.
Hoje, ao assistir um pouco a TV Câmara, a tensão entre alguns deputados golpistas da base, devido a este item no parecer do relator, pois eles querem votação nominal e tinha um acordo de líderes para votar em bloco e não teve o número de deputados, que eram 31, segundo o regimento e o presidente Mansur em substituição rejeitou o requerimento foi uma grita geral, alguns golpistas gritaram mais do que no dia do circo do golpe e eu me deliciando e pensando, se o PT for esperto não se mete nessa briga. Ñ deu outra, o PT não se manifestou e aí o que eu mais gostei foi na hora da confusão, a câmera focou na Maria do Rosário e outro deputado que ñ lembro o nome, eles só assistindo a cena de desespero e ela com um riso bem significante, a minha interpretação foi, agora é com vocês, briguem, discuta, é claro q no dia da votação o PT irá votar contra, não tenho nenhuma dúvida.

Responder

Ed

24 de novembro de 2016 às 18h37

Então, o texto apresenta a lógica que só a galera do PT vai ser punida por Caixa 2, os outros não. Também defende a lógica de que o povo nem vai prestar atenção nisso, somente os núcleos mais politizados.Daí defende a tese de que o PT mesmo assim deve ser contra ou seja, deve manter uma consistência dentro de uma linha ideológica hipócrita onde a esquerda está no mundo das idéias e a direita no mundo (e submundo) dos fatos. Ora, é assim que a esquerda vai voltar ao poder e devolver ao povo o que lhe é de direito? Com a moral Cristã? Com a mesma moral que Dilma tocou seu governo, não segurou o golpe e colocou um projeto de 30 anos a bancarrota?

Temos que fazer uma discussão mais responsável de causa e consequência…..esse papo de dar a outra face não rola…

Responder

Octavio Filho

24 de novembro de 2016 às 13h34

Uma juíza do DF, ao julgar o crime de um filho de desembargador do DF, deu a seguinte sentença: o acusado fez uma brincadeira de mau gosto. Na avaliação da juíza, qual foi a brincadeira de mal gosto? Jogar álcool combustível na cabeça de uma pessoa (índio Pataxos) e colocar fogo. A pessoa morreu. Esta foi a convicção da juíza. Quem assistiu as testemunhas de acusação, no caso do imóvel do Lula, verá o mesmo procedimento do juiz Moro. Eles interpretam a lei da maneira que lhes é conveniente. Em relação ao primeiro caso, como a lei vai definir o que é uma brincadeira de mau gosto, de um assassinato? Isto cabe pura e simplesmente ao juiz. Já está mais do que claro que, hoje, no Brasil, está vigorando o direito do inimigo. A interpretação da lei é de acordo com o réu!!! A convicção de um, não serve para o outro, mesmo que a lei seja a mesma. Eles sempre darão um jeitinho de acusar o PT. Não adianta alguém achar que estará livre. Estes juízes interpretarão que foi corrupção para um e caixa 2 para outro. Além do mais, como o caixa 2 não tem recibo, não há como definir se o dinheiro foi gasto pessoal ou de campanha. Ficará mais fácil ainda a possibilidade de acusar quem se deseja acusar. A nossa justiça atual (juízes, promotores, procuradores, policiais etc) sempre encontrarão uma maneira de safar um e punir o outro. No caso da Petrobras, acharam doações ao PT e doações ao PSDB. A maneira encontrada para não acusar o PSDB, foi não investigar antes do Lula. Se o fizessem, haveria uma ligação direta da corrupção no passado com a praticada hoje pelo PSDB. Nada é por acaso. Tanto é que há milhares de denúncias contra todos os políticos que fizeram o golpe, mas até agora só vão julgar o Renan. E estão fazendo isto, não por clamor a justiça (deveria ser esta a razão), mas por retaliação. Pelo fato dele estar querendo cortar a propina do judiciário, já que salários indevidos é corrupção. Lembrando que, caso algum servidor receba alguma verba indevida, tem que devolver, e quem concedeu é processado. Mas isto só serve para os humanos.

Responder

José Junior Santos

24 de novembro de 2016 às 13h01

Para mim também não há polêmica. É votar pelo certo.

Responder

João Bosco

24 de novembro de 2016 às 12h58

Se apoiar a “anistia”, afunda de vez. Mas entendo que não há anistia, já que o crime não está definido na legislação, pelo menos com o tratamento de “caixa 2”. Nesse momento, o crime em que pode ser enquadrado esse procedimento é o de prestação de informações falsas à justiça eleitoral. Pelo menos é o que eu tenho visto de informações a respeito.

Responder

Torres

24 de novembro de 2016 às 12h32

Eu não confio no PT.

Responder

João Paulo Vieira

24 de novembro de 2016 às 12h29

Concordo. Não deve apoiar em hipótese alguma a tese do Caixa 2. Pensemos em médio prazo. A guerra tem várias batalhas. Sem apoio, sem divisões e sem relutância nesta questão. É isso que espero do Partido dos Trabalhadores.

Responder

Deixe uma resposta