Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Temer e seus rapazes – Corrupção derruba sexto ministro. Três ministérios e a Presidência ficam emporcalhados

Por Bajonas Teixeira

25 de novembro de 2016 : 12h58

Por Bajonas Teixeira, colunista de política do Cafezinho

A rigor a situação deixada pelo terremoto do caso Geddel é a seguinte: três ministérios (a Secretaria do Governo, a  Casa Civil e a Advocacia Geral da União) e a própria Presidência da República, foram soterrados e cobertos de detritos.

A saída de Geddel não vai aliviar a situação de Temer. As expectativas criadas, pela parte mais ingênua e manipulável da classe média, pela narrativa moralista e a cruzada “anti-corrupção” do golpe, sofreram uma profunda decepção. Mesmo o zumbi mais maleável pelas técnicas da Globo está perplexo, e isso porque a própria Globo está perplexa.

Os setores que apoiaram e deram o aval ao governo Temer, estão apavorados com a amplitude da corrupção e seu caráter incontrolável. Ontem, em editorial,  O Globo defendia que Temer deveria optar “um padrão ético minimamente aceitável no poder”. Até esse pedido tão modesto e de ambições minimalistas, mostra o grau de desalento da Globo com seu rebento. Isso, aliás, já era visível desde os inícios remotos do governo Temer, ainda nos meses da interinidade, quando a revista Época publicou o editorial A nova pauta bomba, que lamentava a esquizofrenia de Temer ao dar  aumento ao judiciário.

Mas a situação agora se agravou, porque lançou Temer dentro de um labirinto de onde dificilmente encontrará saída. O caso Geddel o comprometeu muito. Primeiro, porque tentou manter o ministro, e depois porque seus laços com a bandalheira foram todos expostos. Tanto na sua tentativa de desmontar o Ministério da Cultura quanto, quando isso se revelou impossível, de criar uma secretaria para esvaziar o Iphan e o resguardo do patrimônio histórico brasileiro.

Ou seja, para além do limite da irresponsabilidade, em nome dos interesses das construtoras e da especulação imobiliária, Temer junto com Geddel trabalhavam para criar condições que levariam à implosão do patrimônio histórico brasileiro. Governo mais desclassificado impossível.

No saldo geral, uma coroa de louros de lama cinge a nobre cabeça do mordomo decorativo do Planalto.

Talvez por ter sido um vice decorativo, Temer não aprendeu a fazer certas distinções. Ele disse ontem, em uma nota feita na correria tentando explicar suas conversas com Calero, que sua sugestão de ir a AGU se deu apenas por se ela responsável por “solucionar eventuais dúvidas entre órgãos da administração pública”. Esqueceu o presidente, porém, que Geddel Vieira não é um órgão público, nem seus interesses são interesses públicos.

Seria preciso distinguir entre Geddel enquanto ministro que, em princípio, defenderia os interesses públicos, o que é uma coisa, e Geddel enquanto pessoa física, que defende seus próprios interesses e os da sua família, o que é outra coisa. Essa distinção não entra na cabeça de Temer.

Temer diz que buscou entregar o conflito entre Geddel e Calero à mediação da AGU (Advocacia Geral da União), mas justamente isso desmente que tenha agido com lisura. O conflito entre os interesses pessoais de Geddel na construção do prédio em Salvador – que a imprensa já provou que vão além de um mero apartamento de R$ 4 milhões – e o interesse público não é algo que a AGU possa arbitrar em termos jurídicos e administrativos. Não é uma questão jurídica, mas um jogo de forças entre interesse privado e interesse público. E esse jogo de forças se refere à poder político. Por isso, só poderia ser resolvido na forma de uma manobra política.

E isso Calero já disse: que a intenção de enviar para a AGU era a de suspender qualquer responsabilidade dos dois, dele e de Geddel, já que ficaria como um parecer dado pela Advocacia Geral da União, que decidiria em favor do Iphan regional na Bahia. Assim, a história teria um final feliz, ao menos para Geddel e a construtora do projeto imobiliário defendida por ele.

O episódio mostrou o quanto Temer é assustadoramente pedestre, grotesco, o que se evidenciou por sua atitude de convocar um ministro de estado para pressioná-lo dentro das dependências do Palácio do Planalto. Ou seja, todo o aparato do poder foi posto à serviço dos interesses mais abjetos e censuráveis.

Sairão vivos dessa? É difícil dizer, porque tudo depende do grau de mobilização da oposição. E essa oposição não tem sido exatamente perspicaz ou inteligente nos últimos anos e, muitos menos, nos últimos meses. Vamos esperar para ver.

Visite e curta a MÁQUINA CRÍTICA.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Eduardo Figueiredo

25 de novembro de 2016 às 22h28

O mago Paulo Coelho disso logo após a derrubada de Dilma que o atual governo iria derrubar a si mesmo. Pelo jeito que a coisa anda…

Responder

Pedro Pedro

25 de novembro de 2016 às 17h42

GOLPISTA é GOLPISTA, desde sempre e, como “bom” GOLPISTA: ladrão, estelionatário, improbo e outros adjetivos de mesma valoração. FORA TEMER!

Responder

marcelo jose

25 de novembro de 2016 às 15h56

Não sei se felizmente ou infelizmente, desde o início da operação Lava Jato, os políticos de uma maneira geral, em especial os mais midiáticos, tem se preocupado muito em se preservar e manobrar juntamente com outros, situações que os isente ou que possam beneficiá-los em caso de seus nomes virem à tona em um dado momento qualquer; isso toma tempo, isso cria desgaste, isso consome energia, esse é motivo pelo qual temos visto atuações tão medíocres no meio político nos últimos tempos.

Responder

    Maria Thereza G. de Freitas

    25 de novembro de 2016 às 16h07

    temos que pensar nas razões pelas quais o judiciário, especialmente o stf, tem se curvado tão docilmente às ameaças veladas do pig.

    Responder

      marcelo jose

      25 de novembro de 2016 às 21h58

      Cara Maria Thereza, perdoe-me a ignorância, mas o que quis dizer com “pig”?

      Responder

        Maria Thereza G. de Freitas

        25 de novembro de 2016 às 22h56

        é um termo que o Paulo Henrique Amorim cunhou há alguns anos e significa Partido da Imprensa Golpista. Bem adequado, não acha?

        Responder

          marcelo jose

          26 de novembro de 2016 às 04h15

          Totalmente adequado, de fato, as ligações e coligações existentes entre representantes dos poderes da república, tem se demonstrado bastante nocivo à nação, comprometendo a independência deles e por consequência inexistindo autonomia pra fiscalizar, corrigir e fazer com que o país esteja num trilho apropriado. O sistema engoliu esse modelo, precisamos repensá-lo.

Antonio Carlos Silva

25 de novembro de 2016 às 14h04

E agora Moro, você vai ou não vai mandar prender o Geddel Porcão Boca de Jacaré Vieira ? Já foi escancarado para todos verem que a Odebreth “deu de presente” ao Gedel Porcão Boca de Jacaré Vieira um caríssimo relógio rolex como mimo pela obras intermediadas pela DNOCS quando o corrupto politiqueiro baiano era ministro da integração

Responder

    Gilberto Alves

    25 de novembro de 2016 às 17h34

    Limpa a bunda com a toga Moro, limpa, deixa o seu rabo bem limpinho, que o Negao vai te usar hoje.

    Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina