Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

A reação à fala racista do comandante da Rota

Por Pedro Breier

25 de agosto de 2017 : 19h09

O novo comandante da Rota cometeu sincericídio em uma entrevista ao Uol divulgada ontem:

É uma outra realidade. São pessoas diferentes que transitam por lá. A forma dele abordar tem que ser diferente. Se ele [policial] for abordar uma pessoa [na periferia], da mesma forma que ele for abordar uma pessoa aqui nos Jardins [região nobre de São Paulo], ele vai ter dificuldade. Ele não vai ser respeitado. Da mesma forma, se eu coloco um [policial] da periferia para lidar, falar com a mesma forma, com a mesma linguagem que uma pessoa da periferia fala aqui no Jardins, ele pode estar sendo grosseiro com uma pessoa do Jardins que está ali, andando.

Ou seja, quem mora na periferia não tem o direito de “estar ali, andando”, o clássico direito de ir e vir previsto na nossa combalida Constituição. Ah, a liberdade que só o sistema capitalista pode oferecer…

A fala do comandante é emblemática. Com o inacreditável retorno do fascismo às paradas de sucesso, aberrações como as transcritas acima, sobre as quais imperava uma espécie de lei do silêncio, são ditas com toda a naturalidade do mundo, como se não fosse uma confissão explícita do racismo e classismo que direcionam as ações do braço repressor do Estado.

A resposta veio rápida. O Movimento Negro de SP, aliado a um conjunto de organizações populares, protocolou na tarde de hoje um pedido de explicações com base na lei de acesso à informação. A petição foi feita junto à Secretaria de Segurança Pública, Ministério Público, Ouvidoria das Polícias e Gabinete do Governador e, além de pedir explicações sobre a fala, exige a demissão do comandante.

Amanhã, sábado, haverá um ato ato público anti nazista na Praça Roosevelt, em São Paulo, conforme imagem que abre este post. A fala grotesca do chefão da Rota será um dos temas principais.

Bora lá!

Pedro Breier

Pedro Breier nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo. É formado em direito e escreve n'O Cafezinho desde 2016, sendo atualmente um dos editores do blog.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Roberto Luiz

28 de agosto de 2017 às 21h07

Nunca ouvi notícias sobre a PM ser recebida a tiros em um bairro rico do Brasil!

Responder

Axel Maia

26 de agosto de 2017 às 21h40

“Não acabou tem que acabar eu quero o fim da polícia militar “

Responder

Alex Vieira

26 de agosto de 2017 às 21h04

Denunciar discurso de ódio no LinkedIn como estão fazendo por todo mundo! o fim dos nazi-fascistas!

Responder

Lucas Ponzo

26 de agosto de 2017 às 11h00

Como disse Nelson Rodrigues, existem situações em que até os idiotas perdem a modéstia. Com nazifascistas marchando para fora de suas cavernas, absurdos como a fala desse policial serão cada vez mais comuns.

Responder

Luiz Carlos

26 de agosto de 2017 às 08h47

Que pérola do comandante! Expôs as vísceras do diferente tratamento dado aos cidadãos. Em resumo, elite é boa gente, enquanto moradores da periferia são do mal. Não é o retrato desse governo e desse combalido BraZil?

Responder

Maria Thereza Freitas

25 de agosto de 2017 às 21h36

os movimentos deviam conclamar o pessoal da periferia a ir pros Jardins “andando por ali”, com tranquilidade, passeando com as famílias, os filhos.

Responder

Maurilio Costa

25 de agosto de 2017 às 23h52

O fascismo sempre esteve por aqui, só que era menos explicito.

Responder

Jorge Nascimento Nascimento

25 de agosto de 2017 às 22h52

A Rota não deveria nem existir.
Só existe porque eles mesmo criam bandidos para combater.

Responder

Vania Freitas Andrade

25 de agosto de 2017 às 22h45

Abaixo as discriminações!

Responder

Eduardo Petrucci Gigante

25 de agosto de 2017 às 22h41

Curiosamente a PM não entende porque a população colabora pouco….

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?