Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Justiça lavajateira determina sigilo indeterminado para suas maracutaias com os EUA

Por Miguel do Rosário

06 de fevereiro de 2018 : 10h05

Mais uma para vocês, minhas queridas historiadoras do futuro.

Segredo para as maracutaias internacionais da Lava Jato.

A notícia de que “foi a pedido” dos advogados da Odebrecht é uma piada. Os advogados da Odebrecht, no caso, são da panelinha de Curitiba, e fazem tudo que for combinado com a bandidagem institucionalizada da Lava Jato.

As “delações” forjadas da Odebrecht, baseadas em dados alterados e depoimentos combinados, estão sendo usadas para desestabilizar quase todos os países da América do Sul.

O ex-presidente do Peru, Omanta Humalla, um homem de esquerda moderado, foi tirado de circulação, junto com sua esposa, numa prisão cautelar, acredite se quiser, de três anos, por causa de “delação” de alguém da Odebrecht sobre verba de campanha.

***

No blog do Fausto

Cooperações internacionais ficam sob sigilo ‘indeterminado’

Acordos de colaboração da Odebrecht envolvendo outros países continuam em segredo a pedido dos advogados da empresa

Por Amanda Pupo, Luiz Vassallo e Rafael Moraes Moura

05 Fevereiro 2018 | 05h09

As colaborações dos ex-executivos da Odebrecht que envolvem acordos de cooperação internacional estão sob sigilo por “tempo indeterminado”. A decisão do ministro relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, é do ano passado e atende a pedidos de advogados da empreiteira. O objetivo, escreveu o ministro nos autos, é “viabilizar tratativas de elucidação perante autoridades estrangeiras”.

Dezesseis executivos da Odebrecht narraram crimes ocorridos em 11 países além do Brasil. Até o momento, a empreiteira conseguiu fechar acordo de colaboração com Estados Unidos, Suíça, República Dominicana, Equador, Panamá e Guatemala. Com o Peru, as negociações estão avançadas.

Inicialmente, delações da empreiteira envolvendo cooperação internacional estavam previstas para permanecer sigilosas por seis meses. A data foi estipulada em dezembro de 2016, quando as colaborações da Odebrecht foram acertadas.

Em meados de 2017, quando o prazo acabaria, a determinação foi derrubada e o sigilo decretado por tempo indeterminado, em função de um pedido dos advogados da empreiteira.

Em agosto, Fachin autorizou tornar pública a delação que envolve o 3.° Secretário da Assembleia Legislativa de São Paulo, Luiz Fernando Teixeira Ferreira (PT). Segundo disse o ministro, os fatos narrados não têm envolvimento com atividades da Odebrecht em outros países.

À época, ele citou que a preservação do sigilo dos outros termos foi prorrogada por tempo indeterminado, “apenas no tocante aos relatos de delitos ocorridos no exterior, como forma de viabilizar tratativas de elucidação perante autoridades estrangeiras”.

Em trecho copiado da petição que decretou o novo sigilo, Fachin diz que a determinação vale a partir de junho de 2017 “até ulterior deliberação conforme o teor das respostas das autoridades estrangeiras acerca das medidas relacionadas à apuração dos fatos”.

Mudança. A informação em torno do “tempo indeterminado” está na petição em que então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pedia, em março de 2017, para que Fachin enviasse à Procuradoria Regional da República da 3.ª Região os termos da delação envolvendo Teixeira Ferreira, que não tem prerrogativa de foro para o STF. Janot também solicitava o levantamento de sigilo dessa colaboração. No mês seguinte, Fachin mandou o caso para a primeira instância, mas não quebrou o sigilo.

O ministro do STF explicou que havia sido ajustado com um dos colaboradores da delação sobre Teixeira Ferreira a preservação de sigilo pelo prazo de seis meses, contando a partir da celebração do acordo de colaboração premiada, porque ele estava envolvido nos acordos de cooperação jurídica internacional. O objetivo era “garantir o sigilo da própria existência desses acordos de colaboração premiada e não apenas de alguns termos de depoimentos específicos”.

Em 1.° agosto, Janot alegou novamente que o sigilo da delação envolvendo Teixeira Ferreira não era necessário, uma vez que os fatos narrados ocorreram em território brasileiro. Dessa vez, Fachin acatou o pedido.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Professor Mauro

08 de fevereiro de 2018 às 11h02

Esse LAWFARE o apartheid judiciário inquisidor foi usado na Índia para condenar sem provas o líder indiano Gandhy que foi condenado como Lula e Martin Luther e Nelson Mandela por convicção e sem provas.
Esse tipo de judiciário é muito primitivo e medieval aos moldes da inquisição espanhola.
Como revela o livro A OUTRA HISTÓRIA DA LAVA JATO autor Paulo Moreira leite, livro comentado por mais de 200 juristas e professores de direito, a lava jato foi cuidadosamente planejada COMO UMA OPERAÇÃO DE GUERRA PELA CIA que treinou o juiz tucano Sérgio MORO e outros juízes do Paraguai para golpear esses países e saquear riquezas naturais (minérios nobres e petróleo), extinguir leis trabalhistas e criar lei do trabalho escravo e isentar as multinacionais estrangeiras e as CORRUPTORAS petrolíferas americanas e outras estrangeiras de impostos sobre o petróleo e minérios.

Na Índia Gandhy foi condenado por convicção preso e assassinado e também os seus descendentes Indira Gandhy e o Neto Rajid Gandhy também foram mortos.

No Congo o líder Patrice Lumunba foi condenado por convicção PRESO acorrentado como fizeram com o reitor Chancellier na sinistra Operação Lava Jato torturado e humilhado. Patrice foi exibido preso acorrentado e foi morto de forma cruel tudo planejado pela CIA e as petrolíferas que exploram o petróleo no Congo e as mineradoras estrangeiras e colocaram num tanque de ácido sulfúrico. Confiram no Google; CIA e multinacionais REMUNERARAM juízes para condenar Patrice Lumumba mataram o líder congolês em 1961.
Essas técnicas judiciárias medievais condenaram o cientista e físico GALILEU GALILEI e executaram por CONVICÇÃO pois ele negou a teoria GEOCENTRISMO da igreja que afirmava que a terra era o Centro do universo mas o físico provou o contrário afirmando e provando cientificamente que o Sol ficava ao Centro e os planetas giravam em torno do Sol. Ele foi morto.
É lamentável ver essa farsa a jato usando técnicas de tribunais medievais

Responder

Professor Mauro

08 de fevereiro de 2018 às 10h41

O JUDICIÁRIO desde os tempos do Brasil COLÔNIA é muito corporativista.
Nos tempos de Brasil colonial os juízes eram indicados na corte em Salvador e depois no Rio de Janeiro pelos latifundiários e senhores de engenho de cana produtores de açúcar. Os livros Escrava Isaura e Memórias de um sargento de milícias mostra muito claramente essas sinistras ligações de juízes que vendiam sentenças polêmicas. Por essa razão a coroa portuguesa criou a figura do “JUIZ DE FORA” que eram de outras províncias e vinham julgar causas polêmicas que envolviam os senhores e coronéis da região.
Em Minas Gerais existia uma vila para abrigar esses juízes e essa vila ficava mais próxima da corte no Rio de Janeiro. Essa cidade foi denominada: “Cidade dos Juízes de Fora” e sempre que surgia um juízo muito polêmico envolvendo os poderosos da província era deslocado um “juiz de fora” que interferia nos processos em todas as províncias da coroa portuguesa na colônia do Brasil.
Estamos voltando aos tempos do Brasil COLÔNIA literalmente falando

Responder

Maria Thereza

06 de fevereiro de 2018 às 16h20

só não vale chamar de justiça. Lavajateira, lavajatense, farsa, tudo bem. Mas justiça ali passa longe. Aliás, está parecendo mais uma franquia da FEDEX.

Responder

Rufo

06 de fevereiro de 2018 às 15h13

O judi$$iário opera na escuridão quando se trata de proteger a plutocracia fascista.
E pau nos pobres…,….,…..,.

Responder

Jáder Barroso Neto

06 de fevereiro de 2018 às 14h21

Falta investigar a colaboração direta e ilegal de Janot, Marcelo Müller e Lavajato com os EUA: crimes de Lesa-Pátria e Peculato.

Responder

    Ramon

    06 de fevereiro de 2018 às 21h30

    A velha e desgastada teoria da conspiração do “império ianque”, a arma dos covardes e incompetentes é sempre culpar alguém pela sua própria INCAPACIADADE e MEDIOCRIDADE!!!!

    Responder

Messias Franca de Macedo

06 de fevereiro de 2018 às 13h14

ATENÇÃO PARCELA DO BEM DA NAÇÃO BRASILEIRA
Ao vivo: entrevista com os Senadores Roberto Requião e Vanessa Grazziotin
IMPERDÍVEL – 06/02/2018
https://www.youtube.com/watch?v=UmQ7JcVSeUY

Responder

    Messias Franca de Macedo

    06 de fevereiro de 2018 às 13h23

    BOMBA ATÔMICA?
    NÃO?
    UMA BOMBA *TSAR NA PORCA-tarefa do ‘mor(T)o’!
    Com o “DD playboy de porta de igreja”, o Janot do boteco da ‘Friboy’ e o restante dos nazigolpistas & antinacionalistas/entreguistas dentro!
    *com certeza é a bomba mais potente de todas.

    $$$$$$$$$$$$$$$$$

    Pega na mentira: empresa de investigação americana desmente Lava Jato e afirma que resgatou arquivos da Odebrecht (sonegados à defesa de Lula!)
    6 de Fevereiro de 2018 Romulus Maya 8 Comments
    Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso

    Os furos na “narrativa” sobre os “lapsos” na “investigação” (combinada) Lava Jato/ Odebrecht ficam cada vez mais evidentes. O alarme em Curitiba soou quando, no final do ano passado, o Duplo Expresso começou a tratar do relato da fonte do TI da própria Odebrecht contando como a fraude (conjunta) se dera. Em 22 de janeiro passado finalmente pudemos publicar a primeira parte do depoimento. E, dias depois, a sua transcrição.
    Desde que inauguramos essa pauta, em dezembro passado, veículos da grande imprensa – com destaque para a Folha de S. Paulo – vêm tentando fazer “hedge”.
    (…)

    FONTE [LÍMPIDA!]: https://www.duploexpresso.com/?p=87475

    Responder

Lucy

06 de fevereiro de 2018 às 13h06

A ÍNDIA FOI O PAÍS MAIS MASSACRADO PELA COROA BRITÂNICA E PELA CIA VISANDO OBTER A MÃO DE OBRA ESCRAVA FARTA E BARATA

NO MÉXICO A CIA MATOU O CANDIDATO PRESIDENCIAL NACIONALISTA LUIS DONALDO (ELE DEFENDEU AS RIQUEZAS NATURAIS MINERAIS PARA EXPULSAR A BHP SAMARCO QUE CAUSOU GRANDES DESASTRES AMBIENTAIS PARA CONTRABANDEAR O TITÂNIO E O PETRÓLEO DO GOLFO DO MÉXICO: BHP BILLITON: PLATAFORMAS DE PETROLEO CAUSARAM DESASTRES) E FOI MORTO A TIROS NA CAPITAL DO MÉXICO NO BAIRRO LA REFORMA EM 23 DE MARÇO DE 1994 NA VÉSPERA DAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS DE 1994 PARA COLOCAR NO PODER UM CORRUPTO LESA PÁTRIA SIGNATÁRIO DO CONSENSO DE WASHINGTON ( ASSINADO EM MARÇO DE 1993 PELOS LESA PÁTRIAS PELOS CORRUPTOS ENTREGUISTAS COAPTADOS PEAL CIA, OS MAIORES VIRA LATAS DA AMÉRICA LATINA SR FHC, SALINAS, MIGUEL DELLA MADRID E CARLOS MENEN)

A CIA e o serviço secreto da Inglaterra usaram juízes corruptos de Kachemira prenderam o líder democrático da Índia Gandhy, recolheram seus passaportes, algemaram colocaram correntes, humilharam e depois a CIA e o serviço secreto inglês (vide livro: “Who Kelled Indira Gandhy) pagaram um terrorista para matar a tiros o líder indiano numa manifestação pública. Trinta anos depois o mesmo serviço secreto inglês e a CIA mataram a filha de Gandhy Indira Gandhy com um tiro na cabeça e em seguida mataram o neto de Gandhy Hajid Gandhy também com tiros na cabeça.
A primeira ministra Indira Gandhy foi assassinada em 1985 logo após anunciar um plano para formação de uma liga de países emergentes a liga dos “PAÍSES NÃO ALINHADOS AO IMPÉRIO ANGLO AMERICANO” similar aos BRICs que uniria Índia, Rússia, Brasil, México, Argentina, África do Sul, Congo e Chile.
É bom lembrar que a África do Sul, na mesma época da morte de Gandhy, o país foi alvo de uma ditadura judiciária anglo-nazista liderada pelo juiz BOTHA ditador treinado pela CIA e Serviço Secreto Inglês, criou uma sanguinária DITADURA JUDICIÁRIA denominada APARTHEID que determinou uma feroz perseguição política e racial à maioria pobre, o regime matou durou mais de 40 anos, mais de hum milhão de pessoas após o massacre de Soweto e a condenação e prisão e torturas sofridas pelo líder negro sula africano Nelson Mandela que foi humilhado em praça pública algemado e acorrentado nos pés 1968 e mantido preso até o final dos anos 1980. Solto em 1990 Mandela tornou-se o Nobel da Paz e também foi eleito presidente da África do Sul na velhice e governou com sucesso, com enorme apoio popular como o de Lula ele tirou o país das cinzas, a áfrica do sul ultrapassou o Brasil em desenvolvimento industrial e social após o GOLPE JUDICIÁRIO o Brasil entrou numa profunda depressão econômica e social.
EM 1960 OCORREU O GOLPE JUDICIÁRIO E MILITAR NA REPÚBLICA NO ANTIGO CONGO BELGA (ATUAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO) E NA REPÚBLICA DO GONGO PORTUGUÊS (ATUAL ANGOLA)
ESSE MESMO GOLPE DA CIA E DOS SERVIÇOS SECRETOS DA INGLATERRA E DA BÉLGICA COM PLANOS DE ASSASSINATOS POLÍTICOS OCORREU NA REPÚBLICA DEMOCRÁTICO DO CONGO EM 1961 QUE LEVOU O CONGO BELGA A UMA GUERRA CIVIL E AO TERROR.

O ASSASSINATO DO LÍDER GONGOLÊS PATRICE LUMUMBA EM 18 DE JANEIRO DE 1961, APÓS SER PRESO, ALGEMADO E ACORRENTADO E TORTURADO, ELE FOI ASSASSINADO E SEU CORPO FOI COLOCADO NUM BARRIL DE ÁCIDO PARA SER DESINTEGRADO. O PLANO FOI TRAMADO PELA CIA E PELO SERVIÇO SECRETO BELGA.
A DIVISÃO DO CONTINENTE AFRICANO EM 48 NAÇÕES FOI FEITA AO FINAL DO SÉCULO XIX DIVIDINDO EM COLÔNIAS DA FRANÇA (SÍRIA, MARROCOS, ARGÉLIA, TUNÍSIA, MAURITÂNIA) BÉLGICA (RUANDA, CONGO, BURUNDI, ZÂMBIA, SUDÃO, MALAWI) E DA INGLATERRA (AFRICA DO SUL, UGANDA, ZIMBABUE, NAMÍBIA, TANZÂNIA, SWAZILÂNDIA, BOTSUANA, LESOTO) E PORTUGAL FICOU COM AS COLÔNIAS ANGOLA, MOÇAMBIQUE, GABÃO, CONGO BRAZZAVILLE, CAMARÕES, REPÚBLICA DA GUINÉ, GABÃO, GAMBA, SENEGAL E COSTA DO MARFIM.

O GENOCÍDIO NA COLONIZAÇÃO BELGA NO CONGO BELGA: MASSACRES, GUERRAS CIVIS, HUM MILHÃO DE MORTOS PARA ROUBAR AS RIQUEZAS DO CONGO E O PETRÓLEO.

O REI DA BÉLGICA DETERMINOU UM ENORME MASSACRE NO ANTIGO CONGO BELGA (ATUAL REPÚBLICA DO CONGO) MATANDO MILHÕES DE CONGOLESES PARA ROUBAR JAZIDAS IMENSAS DE DIAMANTES, COBRE, TITÂNIO, ESTANHO, OURO, MOLIBDÊNIO, MANGANÊS E UMA IMENSA RESERVA DE PETRÓLEO QUE FOI DESCOBERTA AO LONGO DO CURSO DO RIO CONGO ATÉ O DELTA DO RIO CONGO E NAS CONCESSÕES PORTUGUESAS (UMA SEGUNDA DESCOBERTA EM 2008 REVELOU A EXISTÊNCIA DA CAMADA PRE-SAL AFRICANO QUE INCLUI A COSTA LESTE AFRICANA: CAMPOS DE DHÁLIA, PAZFLOR, KIZOMBA, ETC, NAS COSTAS DA NIGÉRIA, ANGOLA ATÉ O SUL DA GUINÉ EQUATORIAL).

Resumen Latinoamericano / 18 de janeiro de 2016 – Há 55 anos, agentes dos serviços secretos belgas e da CIA introduziram o corpo de Patrice Lumumba em um barril de ácido e o fizeram desaparecer. O Congo poderia ter rumado para uma democracia popular mas, pelo contrário, ingressou em uma das piores ditaduras africanas do século XX.

Foi o primeiro chefe de governo da República Democrática do Congo. Buscou a descolonização de seu país das mãos da Bélgica, destruir totalmente o poder colonialista europeu presente na África, erradicar o ultraje e o espólio que durante séculos sofreu o continente.

Em 1958, se orientou decididamente para a luta pela descolonização do Congo por conta das escassas possibilidades de ação social que permitiam as autoridades coloniais belgas e, assim, fundou o Movimento Nacional Congolês, partidário de criar um Estado independente e laico, cujas estruturas políticas unitárias ajudaram a superar as diferenças tribais, criando um sentimento nacional.

Após a independência em relação à Bélgica, em 1960, o Congo celebrou eleições e Patrice Lumumba, líder da luta independentista, chegou à presidência com um programa nacionalista e de esquerda.

Lumumba não pode impedir que a retirada do exército belga desse lugar ao conflito político com golpes militares, ataques à população branca e distúrbios generalizados.

A rebelião foi especialmente grave na região mineradora de Katanga, que se declarou independente, sob a liderança de Tschombé. Lumumba denunciou que esta secessão foi promovida pelo governo belga em defesa dos interesses da companhia mineradora que explorava as jazidas da região.

Lumumba pediu ajuda à ONU, que enviou um pequeno contingente de «capacetes azuis» incapazes de restabelecer a ordem e, por isso, pediu o apoio da União Soviética, com o qual ameaçou diretamente os interesses ocidentais.

O presidente dos EUA, Eisenhower, deu, então, a ordem para eliminá-lo. E enviou o agente da CIA, Frank Carlucci, que depois seria secretário de Defesa de Ronald Reagan.

Um golpe de Estado derrubou Lumumba, em setembro de 1960. Foi brutalmente torturado e fuzilado por mercenários belgas, que dissolveram seu corpo em ácido e espalharam seus restos mortais para que não fosse reconhecido.

Há pouco tempo, em novembro de 2001, o parlamento da Bélgica reconheceu a responsabilidade de seu Estado na morte de Patrice Lumumba.

Foi assassinado dessa maneira por conta da grande batalha política e ideológica que travou para apresentar a unidade como instrumento e via para a conquista da libertação por parte dos povos africanos dos jugos coloniais, que se mantinham no momento em que liderou sua luta e que ainda se mantém, incluindo entre eles o neocolonialismo nascente e o imperialismo norte-americano que já começava a ser introduzido nos países africanos para somar-se aos saqueadores das riquezas desse continente.

O pensamento de Patrice Lumumba constituiu um perigo para as potências ocidentais exploradoras dos povos africanos. Meio século depois, as autoridades estadunidenses reconheceram sua implicação na derrubada e assassinato do líder congolês.

Fonte: http://www.resumenlatinoamericano.org/2016/01/18/hace-55-anos-la-cia-asesino-a-patrice-lumumba-lider-revolucionario-congoles/

Responder

Reginaldo Gomes

06 de fevereiro de 2018 às 12h33

Um acordão , com cia , fbi, globo, com supremo , com tudo . ( professor jucá fazendo escola)

Responder

HOCUS POCUS

06 de fevereiro de 2018 às 10h42

TILLERSON o secretário de estado do império está de visita por América Latina.
Veio conferir como seus governos vassalos em Argentina e Perú estão agindo para consolidar a “luta contra a corrupção”.
De passo garantir que os american boys possam ingressar no Perú para manobras e treinamento em 2018.
Estamos pior que nos 60 e não temos nem teremos em breve o retorno do espírito dos 60/70 que se opôs ao estupro.
Hoje temos uma massa deforme sem consciência nenhuma,daí a que estamos muito pior que outrora.
Será difícil sair disto,mas conseguiremos.

Responder

Layz

06 de fevereiro de 2018 às 10h40

Todos esses servidores públicos de auto escalão (sic) já sabem e sentem que são investigados agora por dezenas a caminho de centenas de milhões de pessoas em tempo real e os resultados das investigações não são sigilosos.

Responder

Jose carlos lima

06 de fevereiro de 2018 às 10h38

o TRF4 ė um puxadinho da vara do Moro e Globo: ali são guilhotinados petês, sem direito a recorrer a outra corte de juizes.

Se o acusado tem foro privilegiado, sendo do PT, sera julgado em unica instancua, o STF, sem direito a recorrer a outra corte de juizes.

E dizem que estamos numa democracia…

Na verdade o comando vem do Centro Financeiro de NY…o mesmo modus operandi para que mega corporaćoes se apossassem do petroleo do Iraque…Libia….e um batalhão de imbecis aplaudindo: mal sabem que logo logo estarão tão arrependidos quanto os libios…iraquianos… e olha lá que tais povos viviam sobre regimes fechados….o problema eh que nao eram tao servis aos EUA como a ditadura da Arabia Saudita

ja tenho visto por ai coxinha trocando a viagem de aviao pelo busao….mas engoliu seco….nao comentou nada….

Responder

    Jose carlos lima

    06 de fevereiro de 2018 às 11h53

    * sob regimes fechados

    Responder

    Jose carlos lima

    06 de fevereiro de 2018 às 12h02

    um adendo: sobre Stf e foro privilegiado esqueci de destacar que, para que fossem julgados por uma unica instancia e sem direito a recorrer a outra corte de juizes, petistas que não tinham foro privilegiado foram julgados por uma unica instamcia o STF … sao as famosas excećoes criadas pelo cartel midiatico penal de direita pra perseguir extinguir o campo progressista.

    pra que os EUA usariam uma guerra convencional como meio de dominaçao
    ????
    com estas instituiçoes bananeiras não ė necessario..mas por precaucao a 4a frota chegou junto com a descoberta do pre sal

    Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Ciro Gomes O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou?