Sabatina de Manuela na Carta Capital

Datafolha: os apostadores do Brasil. Por RICARDO CAPPELLI

Por Redação

11 de junho de 2018 : 17h20

Por RICARDO CAPPELLI

Sem nenhum movimento de reaglutinação de forças importante e com a Copa tomando conta da agenda pública, a tendência é que nenhuma alteração significativa aconteça até o fim de julho. As apostas vão continuar:

1 – Lula continua sendo a principal liderança e o maior cabo eleitoral. Imbatível. Mas tudo indica que não será candidato.

2 – O plano B do PT testado, Haddad, não ganha de ninguém no segundo turno hoje. É natural. O ex-prefeito não está em campanha. A leitura dos que votam, não votam, ou podem votar em alguém indicado por Lula dá margem a todo tipo de interpretação. Prendê-lo foi estratégico para reação. A aposta do PT é que o plano B, quando exposto, assumirá os índices de Lula.

3 – A unidade do campo popular e democrático colocaria um candidato no segundo turno. Não acontecerá. PT e PDT têm estratégias e candidatos bem definidos. Dois apostadores que bancarão seus jogos até o final.

4 – Marina, sem Lula, aparece imbatível no segundo turno. É a candidata “do meio”. Colhe votos entre vermelhos e azuis. FHC não flerta com ela por acaso. Seu partido é muito frágil. Uma boa carta sem uma mão que sustente a aposta.

5 – Bolsonaro lidera no primeiro turno sem Lula. No segundo, empata com Alckmin e Ciro, ganha do plano B do PT e perde de Marina. A liderança fortalece sua estratégia de não se expor e evitar debates. Este artifício já foi usado fartamente por candidatos em outros pleitos. Teremos uma campanha curta. Com muitos candidatos sua estratégia pode funcionar.

6 – Ciro se mantém bem colocado. Um percentual expressivo considera que Lula deveria escolhê-lo como alternativa. Seu destino está atrelado à sua capacidade de ampliar. Isolado não vai longe.

7 – Alckmin se segura na força do PSDB, partido estruturado nacionalmente. É o inverso de Marina. Se conseguir aglutinar a centro direita entra no jogo. Do contrário pode ser cristianizado ou até substituído.

8 – A disputa se mantém em torno destes cincos candidatos. PT, Ciro, Marina, Alckmin e Bolsonaro estão no páreo. Dois irão ao segundo turno.

Muito provavelmente o próximo presidente será eleito com a minoria dos votos. A soma dos votos não válidos com os votos do perdedor deve chegar perto de dois terços dos votos, com os não válidos beirando os 50%.

Um presidente eleito nestas condições terá enorme dificuldade de recolocar o país nos trilhos. A instabilidade deve continuar presente.

A era de sombras e de erosão da democracia iniciada com o golpe tende a ser longa e tortuosa. A crise institucional dificilmente se resolverá no dia 7 de outubro.

Apesar disto, o resultado das urnas será fundamental. Apontará se nosso destino é a luz ainda distante ou o aprofundamento do obscurantismo que nos ronda.

Em tempos de esterilização higienista patrocinada por setores do judiciário, uma esterilização democrática não pode ser descartada. Neste quadro, vestir a fantasia de apostador do futuro do Brasil e de seu povo, brincando com a razão, é uma grave irresponsabilidade histórica.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan Cepile

12 de junho de 2018 às 06h20

A única alternativa da (centro)esquerda é Ciro Gomes.
Digo CENTRO esquerda pq sem o centro ninguém da esquerda tem chance de vencer, e, mesmo que vencesse, não governaria, teria o mesmo fim da Dilma e o golpe seguiria adiante.
E antes que alguém diga “mas Lula vence qualquer um no 2º turno”, lembrem-se que o PT tinha a centro-direita na coligação, portanto, façamos a análise correta: SEM O CENTRO A ESQUERDA NÃO GANHA A ELEIÇÃO!

Responder

andre2110

11 de junho de 2018 às 23h28

A probabilidade de Ciro chegar ao segundo turno é zero.

1- já deixou claro que será centro-direita, com apoio de gente da laia de Steinbruch, pp e dem… Ou seja, não terá os votos da esquerda.

2- já começou falando m… esta semana. Resultado, não terá os votos da direita.

3- Não adianta, Ciro não consegue conter a incontinência verbal. Se autodestroe em 30 dias de campanha.

Vai ter mesmo é o voto do cafezinho…
Ex blog de esquerda.

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com