Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Foto: Reprodução Facebook

Luiz Carlos Azedo: Ciro e o jogo de forças em torno do PSB

Por Miguel do Rosário

14 de julho de 2018 : 15h51

No Correio Braziliense

Nas entrelinhas: Ciro, ofensiva e controle

Por Luiz Carlos Azedo

Publicado em 13/07/2018 – 08:08

Na terceira tentativa de disputar a Presidência, o ex-ministro já se convenceu de que não terá o apoio do PT no primeiro turno. Avalia, porém, que o Nordeste fortalece sua relação com o PSB

Candidato do PDT, Ciro Gomes disputa com o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) o apoio do DEM e com o ex-prefeito Fernando Haddad (PT), o do PSB. No momento, está em vantagem por causa da forte alavancagem do eleitorado nordestino, das contradições da política paulista e do fato de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estará fora da disputa, em razão da Lei da Ficha Limpa. O apoio do PSB pode ser anunciado já na próxima semana, em razão da política de Pernambuco. O PT local dá todos os sinais de que não pretende apoiar a reeleição do governador Paulo Câmara (PSB), mantendo a candidatura da vereadora do Recife Marília Arraes, dissidente do clã Arraes, que controla o PSB.

Ontem, Paulo Câmara se encontrou com a presidente do PT, Gleisi Hoffman, e anunciou publicamente que gostaria de apoiar a candidatura do ex-presidente Lula. “Isso é o que nós estamos defendendo internamente dentro do partido, vamos continuar a defender e vamos fazer todos os esforços para que essa aliança se concretize.” A declaração foi um aceno para a cúpula petista, mas a aliança sem Lula candidato não está garantida. Além disso, Gleisi não deu garantias de que removerá a candidatura de Marília. Por essa razão, na próxima reunião da Executiva da legenda, marcada para quarta-feira, é possível que a aliança com Ciro seja sacramentada. Para ganhar tempo, Câmara pediu ao presidente da legenda, Carlos Siqueira, para adiar a reunião.

Em outra frente, Ciro investe para obter o apoio do DEM. Já conta com a simpatia do presidente da legenda, o prefeito de Salvador, ACM Neto, e do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (RJ). Tem o apoio garantido do senador Agripino Maia, por causa da aliança com o PDT no Rio Grande do Norte, e de senador Ronaldo Caiado (GO), adversário figadal do governador tucano Marconi Perillo. A ala ligada a Geraldo Alckmin, encabeçada pelo líder da bancada na Câmara, Rodrigo Garcia (SP), está sendo fragilizada em razão da deriva à direita do grupo do deputado Ônix Lorenzoni (RS), um dos principais articuladores da candidatura do deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) a presidente da República.

Na terceira tentativa de disputar a Presidência, Ciro Gomes já se convenceu de que não terá o apoio do PT no primeiro turno. Avalia, porém, que o apoio do Nordeste fortalece sua relação com o PSB e fragiliza Haddad. Também acredita que pode vir a ser a alternativa para os partidos de centro que ainda não se convenceram de que Alckmin tem viabilidade eleitoral. É o caso também do PP, de Ciro Nogueira (PI), uma vez que as pesquisas eleitorais mostram que Ciro dispõe de forte apoio no Piauí. Do outro lado do balcão, Alckmin não desistiu do DEM, porque o discurso político de Ciro está muito longe do perfil liberal que a legenda construiu com sua política. O mesmo já não acontece com Haddad, uma vez que Ciro manteve forte ligação com Lula, de quem foi ministro, e com Dilma Rousseff.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

29 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Jandui Tupinambás

15 de julho de 2018 às 14h20

Pois é..

Ciro está disputando apoio de Agripino….

Que tristeza….

https://www.youtube.com/watch?v=Tiyezo1fLRs

Antes afirmava que Ciro não era esquerda. Estou propenso a dizer que Ciro é de direita.

Responder

    Sandro

    16 de julho de 2018 às 13h47

    Mais triste é ver o PT se isolando e fragmentando a esquerda à custa de um projeto de poder a qq custo. Depois nao gostam de ser chamados de sectários. Ja pensou que caso o PT tivesse apoiado Ciro todas essas alinaças se fariam desnecessárias? Mas o PT prefere se aliar à quadrilha do PMDB do que unir a esquerda. Hipocrisia gritante!

    Responder

      Alan Cepile

      16 de julho de 2018 às 13h58

      Se não gosta de uma marca de cerveja, diz que é Guaraná…
      Se não não gosta de picanha, diz que é alface…
      Se não gosta de futebol, diz que é vôlei…
      Se não gosta da casa, diz que é apartamento…
      Se não gosta de azul, diz que é rosa…
      Se não gosta do Ciro, diz que é de direita… rsrs

      Isso virou marca registrada do petista/lulista, apresenta sérios problemas com o contraditório, se não é a favor dele, não presta! Meu sobrinho de 5 anos tb é assim…

      Responder

rodrigo silva

15 de julho de 2018 às 09h52

Nos encontramos em uma grave crise institucional, e toda crise é um “sintoma” da transformação que vem na próxima década. Ciro apresenta um projeto claro de macro e microeconomia, reforma da previdência, manutenção da dívida pública como ações centrais do programada de um eventual governo. Tudo que propõe está em linha com o que já foi experimentado no mundo, respeitando as inclinações institucionais locais. Hoje, nesse momento, o que temos de “claro” do programa do PT. Uma frase de efeito tipo “Lula livre”, “vamos criar uma economia para os pobres”, “só Lula pode salvar o Brasil do desmonte do Estado brasileiro”. Se for assim, ou Lula é deus ou o povo brasileiro não é nada. Nós merecemos mais, precisamos de clareza, de comunicação direta com as massas na gestão do país. Não dá mais só seduzir as massas com os discursos apaixonados e os valores simbólico que Lula representa. E o PT perdeu credibilidade, sim, quando Dilma aprofundou o programa neoliberal em 2015, contra a vontade de quem a elegeu. Acho que muitos petistas estão enganados a respeito do desfecho das eleições de 2018. Se Ciro for eleito e não afrouxar pro rentismo, como Dilma e o PT afrouxaram nos 13 anos de poder, o Brasil pode vir a ser uma grande democracia.

Responder

Ediverte

15 de julho de 2018 às 08h33

Ótima análise, parabéns Miguel!

Responder

JOAO BATISTA

14 de julho de 2018 às 21h34

Ciro terá o maior tempo no horário eleitoral no rádio e na tv, além da maior estrutura na internet.
O programa de governo deixará claras as ideias, propostas e compromissos de Ciro.
A inveja nos comentários de peteminions e bolsominions reflete o pavor que Ciro representa par eles.
E se é ruim para o pt e para o meganha, é bom para o Brasil!

Responder

Marcos Videira

14 de julho de 2018 às 18h56

Não podemos abandonar a luta de Lula contra o Judiciário (a Gestapo do Golpe). Inclusive porque os aliados de Lula estão espancando a Gestapo.
Mas como não há mobilização do povão e sabemos qual é o jogo do judiciário, também não podemos permitir que um candidato fascista ou aliado ao golpe tenha legitimidade política pelo voto.
Assim, penso que os democratas (liberais e socialistas) deveriam adotar o seguinte:
(1) costurar nos bastidores um programa e uma chapa Ciro – Amorim para ganhar no primeiro turno.
(2) Manuela, Boulos e outras personalidades comprometidas com a luta democrática, saem candidatos a deputado para receber centenas de milhares de votos e formar uma bancada forte.
(3) Preparar-se para enfrentar a violência física e moral dos golpistas.

Responder

Wilton Santos

14 de julho de 2018 às 18h40

A aliança entre o Ciro Gomes e o DEM serve para eleger bancada dos ruralistas latifundiários e da bala. Ou seja, se presta a eleger a direita reacionária que deu o golpe, todos golpistas. Além disso, a sua candidatura busca evitar que o PT chegue ao 2º turno. O DEM é pior que o PMDB, disso não tenha a menor dúvida!

Responder

    Sandro

    16 de julho de 2018 às 13h49

    ja estou começando a pensar que o pior de todos é mesmo o PT, mesmo tendo votado no PT minha vida toda! Cansado dessa ganancia petista pelo poder a qq custo. O mais engraçado é que o PT nao apoia o Ciro, mas pensa que tem alguma moral pra julgar quem o apoia!

    Responder

Jairo Moura

14 de julho de 2018 às 18h28

Era meu candidato, mas ajustar programa de governo para ter apoio do Dem, nem tampando o nariz.
Pena que o melhor candidato se junta a escória

Responder

    JOAO BATISTA

    14 de julho de 2018 às 21h31

    Ciro terá o maior tempo no horário eleitoral no rádio e na tv, além da maior estrutura na internet.
    O programa de governo deixará claras as ideias, propostas e compromissos de Ciro.
    A inveja nos comentários de peteminios e bolsminions refletem o pavor que Ciro representa par eles.
    E se é ruim para o pt para o meganha, é bom para o Brasil.

    Responder

    Sandro

    16 de julho de 2018 às 13h51

    Engraçado que o PT continua subindo em palanque com o PMDB mesmo depois do golpe e vc deve continuar votando no partido! Seletividade petista, a gente vê por aqui

    Responder

Lopes

14 de julho de 2018 às 18h12

Esse balaio de gatos é o que O Cafezinho entende como alternativa? Que desgraça! Decepcionante! Prefiro perder do que isso.

Responder

    Alan Cepile

    15 de julho de 2018 às 10h23

    Nenhuma novidade, o Ibope e o Datafolha já trouxeram em seus resultados que 4% dos petistas votam em Bolsonaro e Alckmin na ausência de Lula.

    Esquerdismo de conveniência, o que convém ao proprio umbigo.

    Responder

    Sandro

    16 de julho de 2018 às 13h51

    Eu que prefiro perder com o Ciro do que ganhar com o PT aliado ao PMDB, maior quadrilha desse país!

    Responder

Dio

14 de julho de 2018 às 16h52

Ciro com DEM só ganha voto dos carlistas na bahia, o q é uma raça em extinção.

Responder

Ferreti

14 de julho de 2018 às 16h21

Fala sério Miguel. O que se esperar de um candidato que quer se aliar com o DEM, de um lado, e com o PSB, de outro além do centrão? Isso sem contar querer o apoio do PT, do PCdoB e do PSDB? Que sopa de letrinhas é essa? Até agora, Ciro só ainda não acenou para o MDB, ao qual ameaçou destruir. Mas pode mudar de opinião e pedir as bênçãos do velho PMDB.
Vai ser um balaio de gatos, tudo para derrotar Jair Bolsonaro.

Responder

    Marcelo Abb

    16 de julho de 2018 às 12h24

    Então o problema é o Ciro Gomes fazendo alianças com o DEM, PP, etc?

    Vamos então estudar um pouco de história?

    Que tal avaliarmos as alianças do PT?

    2002? Ninguém menos do que o Valdemar Costa Neto, no PL à época, atualmente no PR, que quer apoiar o Bolsonaro.

    2006? Coligado com o PRB, que atualmente ia lançar para presidente Flávio Rocha, liberal convicto, conservador e empresário da Riachuelo, acusada de empregar trabalhadores em condições análogas à escravidão.

    Não esqueçamos do seu vice nos dois pleitos, José Alencar, do PRB, empresário mineiro, homem do mercado e do empresariado.

    2010? PTN (atual Podemos), que lançará Álvaro Dias à presidência, PSC, partido ligado à igrejas evangélicas, composto por alguns ícones do setor, como Marco Feliciano. Foi o partido de Bolsonaro e seus filhos por muitos anos, além de outras siglas pequenas como PR, PTC, que são de direita.

    2014? A história se repetiu, com algumas mudanças, como a inclusão do PSD, de Kassab, se não me engano, além da inclusão do PP.

    Não esqueçamos do nosso ilustre vice nos dois pleitos, Michel Temer, do PMDB.

    Vejamos abaixo estas informações:

    2002

    Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
    Vice-presidente: José Alencar (PRB)
    Coligação: (PT / PCdoB / PL / PMN / PCB)

    2006

    Presidente: Luiz Inácio Lula da Silva
    Vice: José Alencar Gomes da Silva (PRB)
    Coligação: (PT-PRB-PC do B)

    2010

    Presidente: Dilma Rousseff (PT)
    Vice: Michel Temer (PMDB)
    Coligação: (PRB / PDT / PT / PMDB / PTN / PSC / PR / PTC / PSB / PC DO B)

    2014

    Presidente: Dilma Rousseff (PT)
    Vice: Michel Temer (PMDB)
    Coligação: PT, PMDB, PDT, PC do B, PP, PR, PSD, PROS e PRB

    E agora, amigos petistas? O que vocês me dizem sobre Ciro Gomes tentar alianças com o bloco com o qual se aliou o PT em todos estes anos?

    Aliás, devo ir mais além. Ciro Gomes diz categoricamente que não se aliará ao PIOR de todos estes com os quais se aliou o PT, que foi o PMDB.

    Vocês acham mesmo que o PT se elegerá isolado? Pior ainda, acham que ele GOVERNARÁ isolado?

    Como podem pensar uma baboseira dessas? Um partido que se aliou aos conservadores em TODOS OS ANOS QUE GOVERNOU, agora quer bancar de esquerdista puro sangue?

    Façam-me um favor!!!!!! ACORDEM! O PT NÃO GANHA A ELEIÇÃO E SE GANHAR NÃO GOVERNA!!!

    Chega! É hora de apoiar alguém do campo progressista e a única opção é Ciro Gomes, doa a quem doer!

    Lula ou NADA?

    O NADA GOVERNA???

    Me respondam, por favor!

    Responder

    Sandro

    16 de julho de 2018 às 13h52

    Desde quando Petista tem alguma moral pra julgar quem quer que seja depois de continuar subindo no palanque com o PMDB mesmo depois do golpe? Essa gente não tem espelho em casa?

    Responder

Alan Cepile

14 de julho de 2018 às 16h18

Bom texto, mas nada de novo.

Uma coisa é certa, o PT está sem saídas, Lula vai ser impedido, injustamente, mas vai, e Haddad não emplaca e tem desempenho quase nulo (segundo as últimas pesquisas).

Responder

    Nelson Quintanilha

    14 de julho de 2018 às 16h43

    Não existe plano A, B, C ou H (Haddad), ou é Lula ou nada!
    Podemos ganhar muito até mesmo na derrota.
    Se não for o Lula o grande vencedor, será uma vitória de pírrica!

    Responder

      Brasileiro da Silva

      14 de julho de 2018 às 16h58

      Então contente-se com o nada. Percam, refundem o partido e começem de novo. Mas dessa vez, sem se associar aos empreiteiros e ao PMDB.

      Responder

        gN

        14 de julho de 2018 às 17h05

        Muita propaganda pró-Ciro…

        Responder

          Jessé Oliveira Guimarães

          14 de julho de 2018 às 17h24

          Se Temer ameaça quem da base fizer aliança com Ciro, alguma coisa de boa ele tem. É certo que o Ciro pega pesado com o Temer.Mas está certo.

          Responder

            Alan Cepile

            14 de julho de 2018 às 17h33

            Se for mesmo Lula ou nada, então vai ser nada, até o petista mais doente sabe muito bem disso.

            Responder

          Olinto A. F. de godoy

          14 de julho de 2018 às 20h15

          Isso mesmo! Reproduzir texto do Azedo (que os milicos adoram, vide o Defesa.net) só porque leva em conta Ciro…. aaaffff

          Responder

      Jeferson

      14 de julho de 2018 às 17h46

      Vitória de pirrica??????? Meu Deus!!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder

        Jandui Tupinambás

        15 de julho de 2018 às 10h37

        em 280ac aconteceu a guerra de Pírrica, obtida a altos custos com prejuízos irreparáveis aos vitoriosos.

        Até hoje a expressão é usada: vitória de Pirro ou de Pírrica.

        #LulaLivre #LulaPresidente

        e vai estudar um pouco, sr. Jeferson

        Responder

      Marcel0

      14 de julho de 2018 às 19h48

      Curioso esses petistas. Preferem a derrota da esquerda do que ver outro candidato que não seja Lula (mesmo que seja de esquerda) assumir o poder.

      E os pobres que se f*dam durante 4 anos enquanto a direita toma o poder.

      Responder

Deixe uma resposta