Haddad no Ceará, ao vivo

Entre a bola e a bala

Por Denise Assis

09 de fevereiro de 2019 : 19h33

*Denise Assis

Vitor dos Santos Silva, 15 anos, tombou nesta sexta-feira, 8 de fevereiro, entre mais 12 corpos, segundo descrição dos policiais militares, trocando tiros durante operação para reprimir a guerra entre facções que disputavam o controle de venda de drogas na região do Fallet, comunidade de Santa Tereza, no Centro do Rio. Vitor foi um dos que inaugurou a política de “abate”, promessa de campanha do governador Wilson Witzel, recém-empossado.

No mesmo dia, Samuel Thomas Rosa, 15 anos, engrossou a lista dos 10 meninos que morreram consumidos pelas chamas que lamberam em menos de 40 minutos a ratoeira ardente em que se transformou o conjunto de seis contêineres engatados e maquiados para lhes servir de abrigo, enquanto embalavam o sonho de ser um dia titular do maior e mais conhecido time brasileiro – talvez do mundo: o Flamengo. Em seu caso particular, já era a promessa de um bom lateral-direito.

Vitor, segundo os policiais, os surpreendeu em atitude de “resistência” – a descrição é a mesma desde a ditadura (1964/1985), que justificava assim as mortes dos que confrontavam o regime – e foi um dos que recebeu bala no tronco e nas pernas, tingindo de sangue a sala da casa onde os 13 corpos foram encontrados e levados para o Hospital Souza Aguiar.

Samuel Thomas foi surpreendido, em primeira avaliação da perícia, por um curto circuito nas caixas de ar condicionado que fez com que o ambiente se transformasse em uma bola de fogo, impedindo que todos os 26 meninos que ali dormiam pudessem escapar, ao mesmo tempo, de uma caixa metálica adaptada como dormitório, em que as janelas não abriam e havia uma única porta na rota de fuga.

Ambos morreram na manhã de ontem e eram “meninos do Rio”. Vitor dos Santos Silva, de Santa Tereza, e Samuel Thomas, de São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Vitor certamente tinha sonhos, mas talvez ceticismo, sentimento de descrença diante da vida, que ele podia trazer consigo, mas não o sabia, por isto o transformou em pressa de ter nas mãos uma arma que lhe garantisse o consumo rápido e fácil dos objetos do desejo.

Samuel tinha garra, pois sabia que a pressa só lhe atrapalharia o sonho de ter nos pés a bola que garantiria os seus desejos. Ambos, no entanto, tinham a favor os 15 anos, que os colocava diante de um mundo de possibilidades. As de Samuel, dependiam dele e do seu esforço. As de Vitor, também, desde que contasse com a sorte de não dobrar a esquina com um fuzil na mão e topasse com um batalhão de soldados com licença para matar. Tinha 15 anos, idade em que é possível recuperar o rumo, desde que dessem a ele confiança e oportunidade.

Samuel tinha determinação, mas isto não basta, num mundo em que fica mais barato burlar as regras da prefeitura – descrevendo como “estacionamento” o lugar onde os meninos manobraram sonhos e a confiança de que estavam seguros para persegui-los – do que pagar indenizações que não trarão de volta todos os talentos brutos que guardavam em contêineres.

Não os vissem como a “beirada”, e o Flamengo hoje não precisaria carregar em sua história essa nódoa indelével da dor indizível, impagável, das famílias que perderam esses meninos.

Ficaria mais barato ao Estado pagar para devolver a Vitor a vontade de buscar sem tanta volúpia, uma vida digna, pelas vias do estudo, talvez. Mais barato do que deslocar tropas e “caveirões” para abatê-lo.

Mas sabem o que une o destino de Vitor, o “bandidinho” de Santa Tereza, ao Samuel Thomas, de sorriso confiante e medalha de vice-campeão da Copa Nike? Ambos tinham 15 anos. Ambos não tiveram chance a um futuro. Ambos eram meninos pobres e desimportantes para este país, que interrompe sem dó o seu próprio destino. * Jornalista

 

Denise Assis

Denise Assis é jornalista e autora dos livros: "Propaganda e cinema a Serviço do Golpe" e "Imaculada". É colunista do blog O Cafezinho desde 2015.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Guimarães Roberto

12 de fevereiro de 2019 às 06h46

Não vai dar em nada para nenhuma das duas instituições. Os falecidos são daquela cor que os donos do poder detestam, são negros.

Responder

Luis

11 de fevereiro de 2019 às 19h11

Novo incendio atinge alojamento do time do Bangu no Rio de Janeiro.
Não aprenderam nada mesmo. 3 jogadores foram encaminhados ao hospital.
Quantos mais terão que morrer?

Responder

Entre a Biblia e a Bala.

11 de fevereiro de 2019 às 11h44

Pastor manda matar ex-nora e orou pela vítima no velório.

https://www.youtube.com/watch?v=dJqOou5URbw

O Brasil enlouqueceu. Em nome so Senhor Jesus!

Responder

Sandra Azeredo

10 de fevereiro de 2019 às 10h38

Os contêineres onde foram colocados os meninos do Flamengo me fizeram lembrar dos alojamentos dos escravos nos navios negreiros e nas senzalas!!!

Responder

wan

10 de fevereiro de 2019 às 00h06

Só uma correção…Flamengo não é é jamais será o maior time sequer do Rio, sem expressão mundial só tem mídia pq existe uma flapress que quer torná-lo grande, não vão e ponto final. Mas isso é irrelevante diante dos fatos. O Rio prova sua incompetência ao mundo, elegeu uma família de criminosos e corruptos milicianos, um governador assassino, e vive de tentar esconder sua “vergonha real” as favelas e agora a polícia, quando não tá sendo milícia, mata mais que o crime organizado e com mais requintes de crueldade, por fim, vemos uma tragédia provocada pela soberba de um clube de futebol que vitimou não apenas 10 meninos, mas 10 famílias, o Flamengo retorna a sua insignificância, e agora é criminoso. Mas o carnaval tá chegando, e como todo ano, os problemas da nação, em especial do Rio, se vão, junto com a vergonha na cara de uma sociedade sem escrúpulos e soberba como a brasileira. Triste fim anunciado de um país que quase foi grande.

Responder

Schell

09 de fevereiro de 2019 às 23h25

Interessante: a ocupação militar-meganhosa continua no rio ou já acabou-se-se? Porque, quando invadiram todos os merdiáticos deram manchetes e cantaram hosanas, agora, pelo visto, sairam com o rabo entre as pernas e as burras cheias de dinheiro. Afinal, quanto custou a dita intervenção temerista-golpista-ladrão ao cidadão brasileiro, além das tantas mortes-abatidas? Talvez o gabinete do então deputado-estadual-miliciano possa informar, não? Haja saco.

Responder

Paulo

09 de fevereiro de 2019 às 23h03

Ano trágico, com apenas 1 mês e pouco…

Responder

Admar

09 de fevereiro de 2019 às 19h57

Então o PT também é culpado pela NEGLIGENCIA CRIMINOSA da Diretoria Framengo?😒😒😒😒😒😝😝😝😝😝😝😝😝😝😝😝😝😝

Responder

Justiceiro

09 de fevereiro de 2019 às 19h51

Pois é.

O Vitor, com 15 anos, nasceu em 2003, quando o Brasil foi redescoberto e virou uma Noruega.
Não sabemos por que Vitor e tantos outros garotos e garotas de 15 a 20 anos enveredaram para o crime.

Será que não lhes foi dada oportunidade de boas escolas e longe da vivência com a criminalidade? Talvez devêssemos perguntar para quem governou naquela época.

Responder

    Rafa santos

    10 de fevereiro de 2019 às 23h56

    Infelizmente não se consegue 100% de sucesso em programas sociais, talvez ele tivesse maior proteção do estado se pertencesse a milícia.

    Responder

Deixe uma resposta